As 15 melhores transferências em Portugal até ao momento

A um mês do fecho do mercado e já com uma quantidade de movimentações assinalável na nossa Liga, chegou o momento do Visão de Mercado fazer um 1.º balanço (algo que repetimos todos os anos) sobre o defeso, indicando as 15 melhores contratações do mercado nacional até ao momento, considerando a valia dos jogadores, dinheiro envolvido, desempenho na última época e impacto que podem ter nas equipas (empréstimos internos, como, por exemplo, os de Danilo, César, Tobias Figueiredo ou Gauld, não foram considerados). 

1.º Carrillo (Benfica) - O campeão nacional garantiu aquele que foi de maneira clara o melhor jogador do Sporting em 2014-15 e logo a "custo zero". Um extremo acima da média, já habituado ao campeonato nacional e que aos 25 anos tem ainda margem para atingir outro patamar. Além disso conseguiu enfraquecer aquele que se apresenta nesta fase como o principal rival.
2.º Alex Telles (FC Porto) - Até se poderá questionar a premência da contratação do brasileiro (afinal, Layún realizou uma excelente época e obrigou a um investimento avultado), mas a sua qualidade é inequívoca. Um lateral que desequilibra a nível ofensivo com muita facilidade, dotado de habilidades técnicas interessantes e que ainda tem capacidade para progredir (conta com 23 anos), tudo caraterísticas que, no campeonato português, fazem a diferença. Após uma temporada no Inter de Milão algo agridoce (começou a titular e efetuou 22 jogos durante o ano, mas era capaz de mais), o brasileiro chega ao Dragão com vontade de ser um dos destaques da Liga.

3.º Zivkovic (Benfica) -  Após o sucesso com Markovic, o Benfica tenta repetir a receita com Zivkovic, também ele sérvio e proveniente da formação do Partizan. Andrija, não obstante a tenra idade (20 anos, completados em julho), era a figura do emblema dos Balcãs e um dos mais promissores atletas da Sérvia. Campeão mundial de sub-20, o extremo somou 12 golos na derradeira temporada sendo que, se não fosse a polémica associada à sua renovação, provavelmente teria aumentado o pecúlio. Contratado a custo zero (embora os encarnados tenham desembolsado cerca de 5 M€ para o convencer a assinar), o craque nascido em Niš promete ser um dos nomes de peso das “águias” para a nova época.
4.º Cervi (Benfica) - Não será fácil ao jovem argentino conquistar, desde já, a titularidade na Luz (a concorrência para as alas é feroz - basta olhar para esta lista) mas, a médio-prazo, parece ter tudo para singrar. Confirmado como reforço desde setembro de 2015, o ex Rosario Central apenas se estreou com a camisola encarnada na presente pré-época, demonstrando predicados (velocidade, irreverência, capacidade para desequilibrar) que, se bem lapidados, podem fazer dele um caso sério.
5.º Felipe (FC Porto) - Um dos melhores centrais do campeonato brasileiro na última época vai jogar na Liga Portuguesa em 2016/17. O FC Porto necessitava de um defesa com perfil de líder e o ex-Corinthians é, à primeira vista, uma opção acertada. Num mercado onde os jogadores com qualidade para o eixo defensivo escasseiam, os 6,2 M€ investidos em Felipe compreendem-se, aguardando-se que o jogador de 27 anos assuma, desde cedo, preponderância no plantel às ordens de Nuno Espírito Santo.
6.º Rúben Ribeiro (Rio Ave) - Reforço de peso para Capucho. O extremo/médio ofensivo tem tido uma carreira marcada pela irregularidade mas a última temporada aumentou, e muito, a sua cotação, guiando o Boavista rumo aos lugares de salvação. Contratado a custo zero, Ribeiro tem, agora, a oportunidade de demonstrar, num patamar superior (no Rio Ave disputará, pelo menos, as rondas de qualificação para a Liga Europa), todo o nível que possui.
7.º Alan Ruiz (Sporting) -  O facto de o Sporting ter desembolsado 5,3 M€ na aquisição de Ruiz é, por si só, garantia de confiança. E não é caso para menos. O argentino possuia, até abandonar o Colón, registos de enaltecer (7 golos em 9 jogos) sendo que, apesar de jovem (22 anos), já tem alguma experiência (alinhou no Grêmio, por exemplo). Com Teo Gutiérrez na porta de saída, Alan será, ao que tudo indica, o substituto do colombiano no onze leonino e, se repetir o que revelou na Argentina, será uma peça chave para Jorge Jesus.
8.º Bakic (Sp. Braga) - Eis um jogador que, se der seguimento ao que mostrou em 2016, será um caso sério. Cedido durante meia época ao Belenenses pela Fiorentina, o montenegrino não demorou muito tempo a ganhar o seu lugar, transformando-se num imprescindível para Julio Velásquez (15 partidas e 4 golos), que viu nele o centrocampista que a equipa necessitava. Perante exibições bem conseguidas, o interesse alheio aumentou, acabando por ser o Sporting de Braga a levar a melhor na perseguição ao 9 vezes internacional pelo Montenegro, tendo custado cerca de 1,4M€.
9.º Paulo Henrique (Estoril) - 22 golos na Liga belga em 2010-11, 21 ao serviço do Trabzonspor em 2013-14 dizem bem do que pode acrescentar a nível ofensivo. Um avançado forte, rápido que já proporcionou transferências na ordem dos 4 milhões de euros e que chega a Portugal com apenas 27 anos o que, caso esteja focado, deixa boas perspectivas.
10.º Felipe Lopes (Chaves) - Regressar a um país onde já foi (muito) feliz. Em 2012, quando saiu para o Wolfsburgo, Lopes era um dos melhores centrais do campeonato português, exibindo-se sempre a altíssimo nível num Nacional pujante. Porém, desde então a sua carreira tem sido descendente, com uma conjugação de fatores negativos (falta de frescura física, problemas médicos...) a atraiçoar um jogador claramente capaz. Num Chaves promissor (vários elementos de créditos firmados já foram anunciados), Felipe, que chega a custo zero, tentará impôr-se, procurando replicar os tempos de sucesso obtidos na Madeira.
11.º Soares (V. Guimarães) - Novo treinador, novos jogadores, objetivos de sempre. O Vitória de Guimarães, após um ano terrível a todos os níveis, apostou forte para 2016/17 e, após garantir um técnico competente (Pedro Martins tem deixado bons trabalhos por onde passa), rapidamente começou a reforçar-se. Soares, avançado que apontou 14 golos na derradeira temporada, ao serviço do Nacional, será o substituto de Henrique Dourado (somou 12 tentos). Já adaptado ao futebol luso e contratado sem custos de transferência, Soares deverá ser um dos indiscutíveis para o antigo timoneiro do Rio Ave.
12.º Tomás Martínez (Sp, Braga)
A transição do futebol júnior para o sénior nem sempre é fácil, como bem o atesta Tomás Martínez. Formado na profícua cantera do River Plate e prometendo muito desde cedo, Martínez não conseguiu destacar-se no emblema argentino, tendo sido vendido ao Braga por 1 M€. Em Portugal, contudo, tem as condições necessárias para deixar marca: inteligência, margem para progredir, espaço e tempo, algo que faltou na Argentina. Um craque para seguir com atenção ao longo do ano.
13.º André Santos (Arouca) - Aos 27 anos parece não ser capaz de voltar a ser titular num grande, como foi em 2010/11, no Sporting, mas é inquestionavelmente uma excelente adição ao plantel do Arouca. Vindo da segunda divisão francesa, onde defendeu as cores do Metz, o médio português reencontrará Lito Vidigal com quem já tinha estabelecido uma parceria interessante em Leiria. Após duas épocas em que esteve praticamente fora do radar, o regresso ao nosso país poderá ser benéfico para um jogador que tanto prometeu.
14.º Nemanja Petrović (Chaves) - Chega a Portugal cotado, depois de ter sido o titular da Sérvia no último Europeu sub-21. Um lateral esquerdo que já participou na fase de qualificação da Champions e que gosta de se envolver no processo ofensivo, apesar de ter ainda de evoluir defensivamente. Proveniente do Maccabi Netanya, o lateral de 24 anos poderá ser uma das revelações da prova.
15.º Rúben Ferreira (V. Guimarães) - Um elemento que Pedro Martins bem conhece e que dará qualidade a um sector onde os vimaranenses estão órfãos deste a saída de Traoré no ano passado. Apesar de nunca ter dado o salto que se esperava, é um lateral competente, sobretudo a nível ofensivo, onde consegue acrescentar a sua qualidade no cruzamento e nas bolas paradas, e experiente, levando já várias temporadas de 1ª Liga. Tem como aspectos negativos a excessiva agressividade que por vezes coloca nos lances e que já lhe valeu alguns castigos, bem como o facto de se desconcentrar várias vezes durante as partidas. No entanto, parece claro que será um bom reforço para o Vitória, que terá aqui um dos grandes dinamizadores do seu jogo nesta temporada.


Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Antonio Hess

Etiquetas: