Portugal despacha Alemanha; J. Carvalho, Dalot e P. Rodrigues destacaram-se

Portugal derrotou a Alemanha, por 4-3, na 2.ª jornada do grupo A do Europeu sub-19 e ficou muito perto das meias-finais. A selecção nacional, que só precisa de um empate frente à Itália para seguir em frente (até pode perder caso a 'Mannschaft' pontue contra a Áustria), foi claramente superior ao conjunto anfitrião e até podia ter conseguido um resultado mais expressivo, não fosse o desperdício na frente. Asumah Abubakar, Gonçalo Rodrigues (um golaço), Xande Silva e Buta marcaram, Dalot (que até vem do Europeu sub-17), Francisco Ferreira, Pedro Rodrigues e João Carvalho fizeram a diferença.

A selecção nacional, à semelhança do 1.º jogo, até começou praticamente a perder, golo de Ochs, mas, já depois de João Carvalho ter desperdiçado duas boas oportunidades, Abubakar fez mesmo o empate. No principio da 2.ª parte Guga, com um tiraço fora da área, colocou Portugal na frente, mas a Alemanha num penalti discutível empatou por Ochs. A selecção não acusou o golo e em pouco tempo colocou o marcador em 4-2, com golos de Xande Silva e Buta. Já nos descontos, Ochs, consumou o hattrick, em novo penalti, mas a vitória não fugiu a Portugal, já a Alemanha com esta segunda derrota fica já pelo caminho.

Portugal - Mais uma entrada para esquecer, com um golo sofrido precocemente e demasiada passividade para fazer face ao jogo combinativo do adversário. Os centrais não conseguiram lidar com a presença de Serra que servia frequentemente de apoio aos alas e médios germânicos, dificultando muito a tarefa de quem defende. Mas a forma como a selecção nacional reagiu é de louvar, isto numa fase em que parecia que o adversário podia ameaçar o 2.º golo. As oportunidades sucederam-se, nem sempre aproveitadas, surgindo o tento do empate após um excelente pontapé de Abubakar. Volvidos os primeiros 45 minutos, nova entrada em força da anfitriã com Portugal a aproveitar as transições e, alternadamente, um jogo mais pausado sempre alicerçado na imaginação e criatividade João Carvalho e Pedro Rodrigues. Individualmente, destaque para este último, na posição 6, a exibir uma tremenda eficácia no passe (quase sempre vertical) e até na progressão quando subiu para a posição 8 (após a entrada de Pedro Pacheco), com João Carvalho a funcionar muito bem no jogo entre-linhas, ficando apenas a pecar no último terço do campo. Para além dos Benfiquistas, menção para o bom jogo de Diogo Dalot (a grande penalidade não mancha o excelente contributo ofensivo que deu), de Francisco Ferreira (exímio nos duelos, claramente melhor que o companheiro), por oposição a Pedro Delgado (jogo para esquecer do médio ofensivo do Inter). Por último, Pedro Silva não teve culpa nos golos sofridos, Yuri Ribeiro mostrou-se pouco sóbrio, Abubakar não deu grandes indicações e Buta foi útil na velocidade que acrescentou nas transições.

Alemanha - Deixa a competição depois deste resultado (o melhor que pode conseguir é lutar pelo playoff de acesso ao Mundial), mas com a sensação que o 1.º jogo foi decisivo para este desfecho. O domínio completo frente à Itália não foi recompensado com a vitória e a partida de hoje derrocou as expectativas para o resto da competição. Individualmente, destaque para 2 elementos que mostraram ser acima da média: Henrichs, médio/lateral muito completo, com excelentes pormenores com bola, mostrando ainda boa disponibilidade defensiva e Ochs, autor de três golos, que é um dos jogadores com mais rodagem desta selecção.

Etiquetas: