Por falar em sonhos, chegamos.

Pssst, acorda. Desfruta desta viagem comigo, temo que não voltaremos aqui durante anos, décadas talvez. Sei bem o que estás a sentir. Ainda não acreditas, aliás, nunca quiseste acreditar naquilo que sempre te disse. Este comboio é especial, pequenino mas muito bem estruturado, é mais rápido que todos os outros e só pára no destino. Destino... lembraste daquilo que te disse sobre o nosso? Destino como eu o conheço, não tem plural e não depende de ti, de mim, ou mesmo dos carris que pisamos neste momento. Claro, também não quiseste ouvir porque para ti somos demasiado pequeninos. Para quem olha lá de cima, talvez. Visto do atlântico, eu diria que a perspectiva é algo diferente. Estamos bem lá na frente, uma bela e coesa muralha que esconde as debilidades da velha Europa. Heróis do mar, grita-se por aí. Sabes, não gosto do que leio sobre nós. Chego mesmo a ficar embaraçado, é incrível como entre todas aquelas mentiras, as mais reles são mesmo escritas por nós. Aqui dou-te razão, por vezes somos muito pequeninos. Se dás um passo em falso, vão empurrar-te e fazer com que caias. Se te levantares, com mais força, e chegares onde pretendes, vão aplaudir-te e partilhar os louros como se da própria conquista se tratasse. Não é triste? Sou tão português como tu, também digo as minhas idiotices, não sou melhor do que qualquer um de nós, mas eu sei ter paciência. Claro que gostava de exibir a crista do nosso querido Galo de Barcelos durante todo o caminho e de dizer que o único obstáculo que ainda me assusta é o lendário Gigante Adamastor. Mas ambos sabemos que não é bem assim. Contudo, e somos a prova viva disso, a glória está à mercê de quem a procura e não apenas daqueles a quem tu chamas de "grandes", "tubarões". Já que ainda temos um tempinho, aproveito para te dizer mais uma coisa. Não há nada neste mundo que supere o respeito. E o respeito conquista-se, claro, com trabalho, sacrifício e união. Ou ainda achas que estamos tão perto porque tivemos sorte? Sorte é podermos estar aqui, sentados na primeira fila, a assistir a uma viagem que já começou no dia 17 de Maio quando 23 dos nossos guerreiros foram seleccionados para defender o nosso orgulho. Esse que tantas vezes esbanjamos a torto e a direito. O sucesso é muito mais do que aquilo que vês na TV ou lês no jornal, o sucesso começa lá dentro, fora dos olhares mais atentos, onde qualquer um de nós sonharia estar. Por falar em sonhos, chegamos. Bem vindo a Paris! Não sei se alguém te disse como seria este último capítulo, ou se já te contaram como acaba esta história arrepiante que tens tentado ignorar, mas a mim prometeram-me que voltaríamos no dia 11, e é para festejar.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Hélder Fonseca

Etiquetas: