Excesso de qualidade/quantidade

A menos de um mês do início da temporada, o Benfica apresenta-se com um elevado número de elementos para as faixas, algo que já vem sendo habitual nos últimos anos. Muita qualidade, mas um excesso de quantidade que deverá obrigar a uma filtragem

Rui Vitória conta neste momento com 7 extremos no plantel. São eles Pizzi, Gonçalo Guedes, Carcela, Salvio e os reforços Carrillo, Cervi e Zivkovic. Além destes, há ainda que referenciar Benítez, proveniente do Lanús neste defeso, mas que deve ser emprestado ao Boca e Diogo Gonçalves, um dos jovens mais promissores da formação das águias. Começando pelos que já cá estavam, Pizzi à partida terá lugar garantido no final da pré-temporada. Titular na época transacta e tendo sido muito importante em algumas fases da mesma, certamente que RV não quererá prescindir dele, uma vez que, não sendo um virtuoso, é versátil (algo que lhe pode permitir voltar ao miolo), oferece equilíbrio ao meio-campo e capacidade de passe e de remate. Por outro lado, terá imensa concorrência no "seu" flanco direito. Salvio, outrora um indiscutível, regressou de uma lesão grave no final da época, mas naturalmente não conseguiu apresentar a mesma chama. Renovou recentemente, algo que poderá ter dois tipos de leitura: aposta firme da direcção na sua total recuperação, visto que a 100% é um desequilibrador nato, que cria estragos com facilidade na nossa Liga; ou uma maior margem para o poder negociar, até porque continua a ser um jogador com muito mercado. Além do argentino, há ainda que contar com dois reforços sonantes, que têm em comum com Salvio o facto de renderem muito mais pelo flanco direito. Carrillo chegou do rival Sporting a custo zero, numa demonstração de força negocial do campeão nacional, havendo uma enorme expectativa em torno do que poderá acrescentar. Técnica, poder de aceleração e qualidade no drible não lhe faltam, mas importará saber se conseguirá ser consistente, algo que nem sempre conseguiu em Alvalade, e em que forma regressará depois de tanto tempo sem competir. Já Zivkovic, um jovem de apenas 19 anos chegado a custo zero também, que era já a grande referência do Partizan e que brilhou no último Mundial sub-20, onde ajudou a Sérvia a conquistar o título, será igualmente uma grande aposta da estrutura do futebol, algo que levou os responsáveis dos encarnados a entrarem num jogo de paciência pelo talentoso extremo e a oferecer-lhe um elevado prémio de assinatura. Apesar da sua tenra idade, o seu pé esquerdo tem tudo para fazer estragos em terras lusas.

Quanto ao lado esquerdo, a luta poderá ser mais equilibrada em teoria, mas o argentino Franco Cervi, adquirido por 6 milhões de euros ao Rosario Central depois do mesmo estar quase garantido no rival da 2.ª circular, deverá levar alguma vantagem. Irreverente e reconhecidamente talentoso, terá como missão fazer esquecer Gaitán e continuar a linhagem de grandes extremos oriundos do país das Pampas que têm passado por Portugal. Por fim, há ainda que contar com Carcela, que, mesmo nunca tendo sido um titular na época passada e de ter pretendentes lá fora, respondeu sempre bem quando foi chamado à acção no ano transacto, bem como com Gonçalo Guedes, que depois de ter sido uma grande aposta de Vitória no início, acabou por perder algum espaço com o desenrolar da temporada. Ainda assim, continuou a ter minutos sempre que possível e, até pelo facto de ser português e da formação, terá uma palavra forte a dizer quanto à sua inclusão neste plantel versão 2016/17.

Rodrigo Ferreira

Etiquetas: