Benfica não passa do nulo; Fejsa foi o melhor da 1.ª parte, Salvio mostrou-se no 2.º tempo; Reforços apresentaram pouco; Varela foi o melhor do Vitória

Benfica e Vit. Setúbal empataram a 0 na 1.ª jornada da Algarve Cup (nos penaltis ficou 3-3). As águias foram superiores, principalmente no 2.º tempo tiveram várias oportunidades para desbloquear o marcador, mas nunca conseguiram superar Bruno Varela (que saiu este ano da Luz em definitivo para os Sadinos). Numa partida típica de pré-época, além de uma boa exibição de Fejsa e da vontade que Salvio demonstrou na 2.ª parte (o argentino, que na época passada se apresentou muito preso, parece estar mais confiante e principalmente com um nível competitivo mais próximo de há 2 anos), os principais destaques foram as estreias de Carrillo, Kalaica, Reinildo, Celis, Benítez, Cervi e André Horta, mas sem que algum se conseguisse sobressair.

Quanto ao encontro, a 1.ª parte foi particularmente pobre, sendo que à excepção de um remate de Guedes ao poste e de um livre de Pizzi os destaques foram quase nulos. No 2.º tempo o encontro jogo foi mais vivo, com a "2.ª equipa" do Benfica (Rui Vitória mudou a maior parte dos elementos ao intervalo), a jogar numa velocidade superior e a acumular oportunidades, por Salvio, Fonte, Benítez e Cervi, no entanto nenhum conseguiu superar Varela. Já o conjunto de Couceiro, apenas por uma vez, num lance de bola parada, conseguiu criar perigo.

Benfica - Uma partida em que, como se esperava, o domínio pertenceu ao tricampeão, embora o resultado não tenha saído do nulo. Como é natural em jogos de pré-época, Rui Vitória aproveitou para dar minutos a quase todos os jogadores e as maiores notas de destaque vão para a utilização dos reforços Kalaica, Carrillo, Celis, André Horta e Cervi (Zivkovic não foi utilizado). No 11 inicial, João Teixeira mereceu a confiança na posição 8, Gonçalo Guedes apresentou-se a bom nível na posição de 2.º avançado, mas o homem com maior impacto foi Fejsa que cobriu muito bem o seu terreno e mostrou estar a "top" fisicamente. Quem também, porventura, beneficiou dessa maior frescura foram os argentinos Cervi e Benítez, elementos que aportaram outra dinâmica à manobra ofensiva, bastante rápidos e a combinarem com frequência com Rui Fonte e Salvio (parece estar mais solto que na temporada passada). Contudo, o jogo não foi produtivo para a maior parte dos elementos, apesar de ser visível a vontade em mostrar serviço de Horta (tentou agitar a partida) ou Celis (alguns desarmes que entusiasmaram a bancada). Destaque ainda para um dos jogadores que esteve maior parte em campo, Grimaldo, de quem se espera assumir a titularidade na presente temporada.

Vitória de Setúbal - À semelhança do rival, aproveitou o particular para testar soluções como Cardoso, Nuno Santos, João Amaral ou Bonilha, mas todos eles foram vistos apenas num contexto sem bola e de organização defensiva. Nuno Santos, extremo emprestado pelo Benfica, teve alguns bons pormenores, mas o homem da partida foi, sem dúvida, Bruno Varela que, no meio de algumas inseguranças, conseguiu travar tudo o que lhe foi surgindo.

Etiquetas: ,