FC Porto bate Osnabrück pela margem mínima; André Silva ganhou pontos, Varela foi utilizado a lateral direito; Telles foi o reforço em maior destaque

Osnabruck 1-2 FC Porto (Heider 6'; Marcano 34', André Silva 64')

Num amigável que não permitiu tirar grandes ilações o FC Porto bateu o Osnabrück, da III divisão da Alemanha, com uma reviravolta depois de ter começado a partida praticamente a perder. Marcano empatou, André Silva (a unidade em maior destaque dos dragões) garantiu a vitória, mas a nível individual poucos elementos ganharam pontos. Hêrnani e Quintero (que até falhou um penalti), que ainda estão numa situação incerta, estiveram particularmente discretos, melhor esteve Alex Telles, que tentou soltar a sua qualidade técnica em algumas situações. Numa partida em que Nuno fez alinhar José Sá, Maxi, Felipe, Layún, Marcano, Ruben, Herrera, Brahimi, Aboubakar, Josué, André Silva, mas mantendo o 4-3-3 que caracteriza os azuis e brancos com André Silva a jogar na ala, destaque ainda para utilização de Silvestre Varela, na 2.ª parte, a lateral direito.

Quanto ao encontro, o FC Porto começou praticamente a perder, com Heider, sozinho no coração da área, a bater José Sá. Os dragões foram tentando reagir e chegaram ao empate aos 34', com Marcano a corresponder a um canto da direita de Brahimi para fazer o 1-1, resultado que prevaleceu até ao intervalo. No 2.º tempo, NES realizou diversas alterações, e a equipa portuguesa chegou à vantagem aos 65', quando uma perda de bola dos alemães (fruto da pressão portista) deu a André Silva a oportunidade de fazer o 2-1. Pouco depois, João Carlos Teixeira ganha uma grande penalidade mas na transformação Quintero permite a defesa do guarda-redes. Até final dos dragões ainda acertaram no poste mas o resultado não se alterou.

FC Porto - Frente a um adversário de um nível competitivo inferior, a formação de NES não deixou grandes indicações, com um futebol lento, pouco incisivo (para já persiste a excessiva circulação inofensiva pelos corredores) e com poucos jogadores a marcarem pontos. Com efeito, individualmente, o grande destaque foi André Silva, que começou na ala e terminou no meio mas teve sempre uma boa contribuição para o jogo ofensivo da equipa, marcando o golo da vitória e ganhando pontos na luta com Aboubakar (que atirou ao poste mas esteve um pouco impreciso). No que toca aos reforços, Felipe esteve bem (forte no jogo aéreo), tal como Alex Telles, que se incorporou a preceito no ataque (já João Carlos Teixeira esteve muito participativo mas sem fazer a diferença). Pela negativa, há-que destacar os nomes de jogadores como Corona, Quintero ou Hernâni, que não terão agradado a Nuno.

Etiquetas: