Alemanha perdulária permite à Irlanda do Norte continuar a sonhar; Polónia marca duelo com a Suíça

Sem surpresas. A Alemanha confirmou o favoritismo, batendo a Irlanda do Norte por 1-0 (poderiam ter sido muitos mais, tanto foi o desperdício), garantindo assim a vitória no grupo C. Em 2.º lugar ficou a Polónia, que concluiu uma excelente fase de grupos com nova vitória, desta feita por 1-0 frente a uma Ucrânia que abandona França sem qualquer golo marcado. Os polacos nos oitavos-de-final vão medir forças frente à Suíça. Já a Irlanda do Norte apesar de só ter feito 3 pontos ainda alimenta o sonho de continuar na competição, já que pelo menos tem vantagem em relação à Albânia por um dos melhores terceiros (não ter sido goleada ajudou na diferença de golos). 

Irlanda do Norte 0-1 Alemanha (Gomez 30') - Os alemães golearam nas oportunidades, os norte-irlandeses fora de campo com um apoio incrível, e no final as duas selecções ficaram satisfeitas. O resultado pertimiu à 'Mannschaft' segurar o 1.º lugar, enquanto que a derrota pela margem mínima deixa o conjunto de Michael O'Neill com boas hipóteses de continuar em prova. Quanto ao jogo, a primeira parte foi de claro domínio alemão, que tiveram um jogo de paciência, mas conseguindo criar muitos desequilíbrios e oportunidades de golo. A primeira pertenceu a Muller, que falhou na cara de McGovern, tendo o guardião norte-irlandês depois ganho no frente-a-frente perante Ozil e Gotze. Depois foi Muller novamente a dispor de duas chances para marcar, primeiro rematando perto do poste (muito bem Gomez a servir de apoio frontal) e depois cabeceando ao poste. Mas o 1-0 viria mesmo a surgir em mais uma bela jogada, com Muller a isolar-se mas, face à pressão dos jogadores adversários, a assistir Gomez, que rematou para o fundo das redes (a bola ainda bateu num defesa britânico). De seguida mais uma grande combinação e mais uma vez azar para Muller, que viu o seu remate bater na barra. Até ao intervalo, Khedira e Gomez tiveram hipótese de ampliar, mas o resultado manteve-se. A segunda parte começou como acabou com a primeira, com os germânicos a criarem duas oportunidades através de Gotze: primeiro viu McGovern fazer uma grande defesa e de seguida desviou um cruzamento para fora. Pouco depois foi Khedira a obrigar o guarda-redes contrário a mais uma bela intervenção (Gomez falhou a recarga), mas a partir daí o ritmo de jogo baixo, com a formação alemã a gerir a bola. Gomez ainda esteve perto do 2-0, mas o resultado não viria a sofrer alterações. Destaques: A Alemanha dominou, devia ter goleado, mas nem tudo foi perfeito. Muller continua sem marcar em Europeus e teve várias oportunidades para isso (está demasiado perdulário). Gotze foi outro elemento que pecou em demasia na definição. Melhor voltou a estar Kroos, que pautou o jogo da Mannschaft'. Na Irlanda do Norte a figura foi o guardião Michael McGovern, com várias defesas de bom nível.

Ucrânia 0-1 Polónia - (Błaszczykowski 54') - Partida recheada de oportunidades, que podia ter caído para qualquer dos lados, mas que premeia o colectivo polaco. Quanto ao encontro, a Polónia começou melhor, com Milik a falhar uma excelente oportunidade logo aos 3 minutos, e no minuto a seguir foi Lewandowski a desperdiçar quando estava isolado. A Ucrânia respondeu e aos 17' Yarmolenko, isolado, atirou ao lado. Até final da 1ª parte, foram os ucranianos a ter mais posse, mas sem muito perigo. Para a 2ª parte, entrou Błaszczykowski e Kuba não demorou a ter impacto, marcando um belo golo aos 54' (puxou para o pé esquerdo e rematou colocado). Ainda na ressaca, Kapustka este perto de ampliar, mas depois foi a Ucrânia a reagir com Zozulya ou Stepanenko perto do golo, mas a vitória foi mesmo polaca, coroando 2 fases de grupo com sensações bem distintas. Destaques: A Polónia foi uma das belas equipas desta 1ª fase. Deixou sempre uma imagem de bloco sólido (ainda não sofreu golos), compacto, com ideias sólidas e processos bem trabalhados. Para os polacos, segue-se um duelo com a Suíça, numa partida que se vê equilibrada. Já a Ucrânia sai de cena de cabeça baixa, com 3 derrotas em 3 jogos e sem qualquer golo marcado (em termos meramente pontuais, é a pior equipa do Europeu). Individualmente, Krychowiak voltou a dominar no meio-campo, ao passo que na frente a dupla Milik-Lewandowski voltou a protagonizar belos movimentos (nota-se que há trabalho) mas a estar perdulária. Já Kuba saiu do banco para apontar o golo da vitória. Na Ucrânia, os craques Yarmolenko Konoplyanka nunca foram acompanhados pelo colectivo, tendo ser de optar por ações individuais "à herói".

Etiquetas: