Gales e Bale dizem presente

País de Gales 2-1 Eslováquia (Bale 10' e Robson-Kanu 81'; Duda 61')

Num competição em que os melhores terceiros passam à próxima fase, o País de Gales deu um passo importante rumo aos oitavos-de-final do Europeu ao bater a Eslováquia por 2-1. Bale entrou para a história ao marcar o 1.º golo de Gales num Europeu, mas foi o suplente Robson-Kanu a assumir o papel de herói ao apontar o golo do triunfo. Os eslovacos, que tiveram a 1.ª grande oportunidade do encontro, por intermédio de Hamsik, ainda chegaram ao empate e atiraram uma bola ao poste já perto do fim, mas esta derrota frente ao adversário na teoria mais acessível pode pesar.

Quanto ao jogo, começou logo com uma soberana oportunidade para a Eslováquia, com Hamsik a roubar a bola a Bale e a cavalgar deixando toda a defesa galesa para trás, mas quando Ward já estava batido Davies conseguiu evitar o golo. Mas foi o País de Gales a marcar primeiro, e através da sua estrela: aos 10', Bale, num livre ligeiramente descaído para a direita, dispara ao seu jeito, com o efeito da bola a enganar Kozacik  para o 1-0. A partir daqui, o filme do jogo foi quase sempre o mesmo, com os eslovacos a terem mais iniciativa,  a dominarem na posse, mas sem conseguirem penetrar no bloco da turma de Coleman, que se apresentava sempre muito compacta, chegando o desafio ao intervalo com os galeses na frente. O segundo tempo começou com Bale perto do segundo num cabeceamento, mas foi a Eslováquia a chegar ao empate, com Mak a arrancar pela direita e a servir o recém-entrado Duda, que na primeira vez que tocou na bola marcou. Os eslovacos dispuseram de alguns minutos de superioridade depois do golo, mas foi a partir da entrada de outro suplente, Robson-Kanu, que Gales passou para cima da partida, e ,já depois de Ramsey ter desperdiçado em boa posição, o jogador do Arsenal aproveitou o espaço nas costas da linha média adversária para servir Robson-Kanu que disparou para o 2-1. Até final, Duda ainda cabeceou ao poste, mas a vitória sorriu mesmo à turma de Coleman.

Destaques:

País de Gales - Excelente resultado, o qual, neste formato, pode muito bem permitir que, com 1 ponto nos 2 próximos jogos, os galeses continuem a fazer história e prossigam para a fase seguinte. A estratégia foi clara e semelhante ao visto durante a fase de qualificação: manter sempre o bloco compacto, junto, dando liberdade a Ramsey e sobretudo Bale na frente de ataque. Ora, isto fez com que na primeira hora de jogo só por uma vez a Eslováquia criasse uma situação de golo, sendo que após o empate, quando parecia que os galeses iam passar por uma fase de sufoco, a equipa conseguiu dar um passo à frente, subir no terreno e chegar à vitória. No plano individual, a super-estrela Bale respondeu a quem duvidava da sua capacidade de liderar a equipa, inaugurando o marcador e, mesmo numa missão solitária que nem sempre é fácil, conseguindo ir deixando detalhes da sua qualidade, sobretudo na parte final quando passou a haver mais espaço. Na defesa, Williams não fica bem na fotografia do golo (muito duro de rins), ao passo que no meio-campo Allen fez uma bela exibição, destacando-se pela qualidade de passe. Ramsey não esteve muito bem (nota-se que ainda procura a melhor forma depois de uma época com problemas físicos) mas acaba por ser fundamental no lance golo, enquanto que Robson-Kanu saiu do banco para mudar o jogo, não só por ter feito o golo da vitória mas também por ter acrescentado outra presença na frente, não estando a equipa tão centrada em Bale.

Eslováquia - Um desaire que obriga os estreantes a subirem o nível nas próximas partidas (estão, desde já, proibidos de perder na próxima jornada com a Rússia). A ideia de jogo até foi positiva, conseguindo ter a bola e estar por cima no jogo, mas a circulação foi quase sempre lenta, previsível, sem conseguir que os jogadores mais criativos recebessem em zonas incómodas para o adversário, o que resultou numa enorme dificuldade para criar desequilíbrios. No plano individual, Kozacik é traído no primeiro golo por ter dado um passo para o lado, enquanto que os centrais Skrtel e Durica deixaram uma péssima imagem (agressivos em excesso, com algumas acções que poderiam ter tido outra sanção por parte do árbitro). No meio-campo, Hamsik, ainda que de forma algo descontínua, mostrou a sua qualidade, estando muito perto de marcar um grande golo, enquanto Mak, algo desparecido durante grade parte da partida, fez uma excelente cavalgada que resultou no golo de Duda, que 52 segundos de entrar conseguiu logo fazer o empate e poderia mesmo ter bisado, não fosse o seu cabeceamento beijar o poste direito da baliza do País de Gales.

Etiquetas: , ,