Campeã do mundo travada; Polónia desperdiçou "golos cantados"

Alemanha 0-0 Polónia

A Alemanha não foi além do nulo frente à Polónia, resultado que praticamente apura as duas equipas para a próxima fase mas que castiga o desperdício do conjunto de Adam Nawałka. Os polacos tiveram as únicas oportunidades claras, Milik falhou mesmo 2 golos cantados, e podiam ter já garantido o 1.º lugar no grupo. A 'Mannschaft', que já não tinha impressionado frente à Ucrânia, por sua vez, voltou a revelar algumas dificuldades no momento ofensivo (a equipa está quase sempre "manca" no corredor direito) e mesmo no capítulo defensivo, apesar de alguns cortes soberbos de Hummels e Boateng (mas mesmo aí se notou o desequilíbrio nesse sector) deu demasiados espaços à Polónia.

Quanto ao jogo, a Alemanha teve sempre mais bola, no entanto foram raros os momentos em que levou perigo. Götze, de cabeça, atirou por cima logo a abrir, Kroos também rematou ao lado pouco depois, mas os lances de perigo da primeira parte, de ambos os lados, ficaram por aí. O segundo tempo abriu com a oportunidade da noite, mas Milik, após cruzamento de Grosicki, falhou de forma escandalosa já na pequena área (a bola saiu a rasar o poste). No lance seguinte, foi Götze a rematar fraco quando podia ter feito mais, enquanto que Milik voltou a levar perigo num livre combinado com Lewandowski… Que logo a seguir podia ter feito o 1.º da noite, no entanto surgiu um corte in extremis de Boateng a salvar a Alemanha. Milik, sempre ele a levar perigo, podia ter voltado a fazer um golo, mas, depois de um lance bem trabalho dos polacos, falhou o remate quando já se cantava golo. Do outro lado, foi Özil a obrigar Fabianski a defender, finalmente, uma bola na prova. Até final, nota para um remate por cima de Müller, após perda de bola de Grosicki, aos 78 minutos, já que nos últimos 15 minutos do jogo os guarda-redes nem foram testados.

Alemanha - Exibição pouco convincente dos campeões do mundo. Com bola, a circulação foi pouco agressiva, sempre muito por fora e sem conseguir que os homens da frente se conectassem entre si (a incapacidade dos laterais em acrescentarem no processo ofensivo condiciona muito jogo),o que levou a que as oportunidades fossem uma enorme realidade. Sem bola, também foram concedidas demasiadas veleidades, sendo que durante alguns períodos nem a reacção à perda, que muitas vezes leva ao domínio sobre o adversario, foi particularmente forte. No plano individual, Kroos baixou um pouco o nível em relação ao 1º jogo, Khedira não conseguiu aparecer nos espaços livres vindo desde trás, ao passo que todos os homens da frente estiveram aquém: Gotze alternou entre o desparecido e o impreciso (e por 2 vezes teve hipótese de finalizar mas fê-lo mal), Draxler começou mexido mas não justificou a aposta, Ozil não desequilibrou e Muller não só esteve trabalhou como não conseguiu aparecer a finalizar.

Polónia - Excelente exibição perante uma das grandes favoritas a vencer o torneio. E, para lá do resultado (que é muito bom), o que deve deixar Nawalka satisfeito é mesmo o nível exibicional mostrado, já que a equipa teve uma coesão defensiva excelente e fica mesmo a queixar-se das oportunidades desperdiçadas. Individualmente, Fabianski teve menos trabalho do que seria de esperar mas brilhou com uma grande defesa a remate de Ozil, ao passo que toda a linha defensiva leva nota positiva, actuando sempre com contundência e inteligência perante o móvel ataque alemão. No meio-campo, Krychowiak, como é seu timbre, fartou-se de fazer cortes e coberturas, assumindo-se como um verdadeiro tampão, ao passo que Kuba conseguiu por algumas vezes imprimir a sua velocidade e acutilância para levar perigo pela direita. Na frente, a dupla Milik-Lewandowski até protagonizou uns movimentos e acções interessantes ao nível da criação, mas pecou na finalização, sobretudo o jogador do Ajax que falhou 2 oportunidades claríssimas (também Lewa demorou uma eternidade a rematar numa ocasião em que ficou isolado).

Etiquetas: , ,