Sevilha tricampeão da Liga Europa; Liverpool foi superior na 1.ª parte mas Klopp voltou a ser prata; Grande remontada dos Andaluzes na 2.ª parte; Coke foi o herói improvável; Gameiro também marcou; Carriço titular na final pelo 3.º ano consecutivo; La Liga volta a colocar 5 equipas na Champions

Daily Mail
Liverpool 1-3 Sevilha (Sturridge 35'; Gameiro 46', Coke 64' e 70')

O Sevilha conquistou pelo 3.º ano consecutivo a Liga Europa (5.ª vez nos últimos 10 anos), ao derrotar o Liverpool, na final de Basileia, por 3-1. Na 1.ª remontada no jogo decisivo da 2.ª competição europeia desde a final de Alvalade em 2005, o conjunto de Émery depois de uma 1.ª parte em que foi claramente inferior engoliu os Reds no 2.º tempo, carimbando assim a passagem para a Champions (a La Liga, pelo 2.º ano consecutivo, vai colocar novamente 5 clubes na prova milionária). Sturridge marcou 1 golaço, mas Firmino e Coutinho não fizeram a diferença; Coke, adaptado a extremo, foi o MVP com um bis. Gameiro também marcou e ainda desperdiçou duas oportunidades claras, numa noite em que Carriço juntou mais uma medalha de ouro ao currículo (3 Ligas Europas, sempre como titular), e em que Klopp voltou a morrer na praia (2 finais europeias, duas derrotas, sendo que pelo Liverpool esta época também já tinha perdido na final da Taça).

O encontro teve um início equilibrado, intenso e com muita luta a meio campo, mas na 1.ª parte praticamente só deu Liverpool. Os Reds tiveram mais bola, com o Sevilha mais expectante na procura do contra-ataque (a habitual estratégia), mas a mostrar-se incapaz de o conseguir fazer. Can foi o primeiro a dar o aviso com um remate de longe (Soria correspondeu bem), tendo depois Sturridge cabeceado e Carriço tirado em cima da linha. O mesmo Sturridge (grande passe de Lallana) esteve novamente perto de marcar (Soria opôs-se com uma bela mancha) e pouco depois Gameiro dispôs da melhor oportunidade para o Sevilha, mas o seu remate de bicicleta saiu ao lado. Os Reds chegaram mesmo à vantagem através de Sturridge, que concluiu uma boa jogada de envolvimento com uma trivela e fez um golaço. Até ao intervalo, Lovren viu um golo ser-lhe anulado (por fora-de-jogo de Sturridge), tendo depois o avançado inglês falhado o desvio a um cruzamento. No entanto o resultado não se alterou, tendo a formação inglesa ficado a queixar-se de 3 penaltis por mão na bola no 1.º tempo. No entanto, a 2.ª parte teve uma história completamente diferente, com o Sevilha a empatar logo nos segundos iniciais depois de uma grande jogada de Mariano, que depois cruzou para Gameiro, que só teve de encostar. Logo de seguida o avançado luso-francês isolou-se mas permitiu o corte de Touré, tendo depois Mignolet feito uma grande defesa a mais um remate seu. Os Reds sentiram muito o golo sofrido, passando a formação da Andaluzia a estar claramente por cima, com uma pressão constante e muito efectiva. O 2-1 acabou mesmo por acontecer após uma excelente jogada colectiva, com Coke a finalizar muito bem. Klopp reagiu, lançando Origi para o lugar de Firmino, mas o Liverpool estava desorientado e sofreu mesmo o terceiro golo, com Coke a aproveitar uma bola perdida (mais uma vez a defesa dos Reds a vacilar) na área e a bisar no encontro (Mignolet ainda tocou). Até ao fim, Klopp arriscou tudo, Unay Emery também aproveitou para mexer na equipa (Rami saiu lesionado), mas o jogo desenrolou-se sem mais oportunidades, embora com o Sevilha sempre muito mais perigoso (incrível apatia do Liverpool). Como tal, o resultado manteve-se e o Sevilha conseguiu mesmo o tri e mostrar que é o rei desta competição.

Destaques:

Sevilha -  Passem a chamar-lhe Liga Sevilha. Os andaluzes continuam o seu romance com a segunda principal competição de clubes a nível europeu, um troféu que tem alimentado o prestígio do clube ao longo dos últimos anos. E, desta feita, a certa altura a equipa de Emery viu a tarefa muito complicada, isto depois de um primeiro tempo em que foi completamente superada pelo Liverpool (sem capacidade de fazer uma boa posse, sem encontrar caminhos rumo à baliza rival e com a sua última linha constantemente exposta às investidas dos Reds). No entanto, o Sevilha entrou à campeão na segunda parte, passando a recuperar a bola mais à frente e, sobretudo, com muita dinâmica ofensiva e velocidade em procurar a baliza de Mignolet. Individualmente, Carriço sofreu muito na primeira parte (até na saída de bola) mas cresceu com a equipa e consegue o feito de ter no palmarés 3 competições europeias (e jogando a final como titular), ao passo que Mariano, que na primeira parte esteve frágil, surgiu com um tremendo fulgor no segundo tempo, fazendo a jogada do golo do empate. Mais à frente, Banega, mesmo na pior fase da equipa, foi sempre o craque que teve a classe de ter a bola, de filtrar passes e de facilitar o jogo dos colegas, sendo que a energia e facilidade para progredir com bola de Vitolo (muito bem no segundo golo) também foi chave. Mas o herói improvável foi o capitão Coke, com 2 golos, tendo também Gameiro estado ao nível esperado, com um golo e muito trabalho a Lovren e Touré.

Liverpool - Tão boa primeira parte, mas tão má segunda parte que tudo deitou a perder. Depois de uma grande entrada (intensidade, velocidade, agressividade, não expondo os centrais a erros e encontrando os desequilíbrios na frente), o conjunto de Klopp não conseguiu materializar a superioridade em mais golos e depois na segunda parte ao sofrer o golo tão cedo acusou claramente o golpe, ficando "KO" face à avalanche andaluza. Fica a certeza de que há muito por onde crescer, mas a marca de, na próxima temporada, um pentacampeão europeu ficar fora das competições europeias. No plano individual, Lovren mostrou porque é que já nem na Croácia é opção (lento, sem capacidade nos duelos e com várias "paragens cerebrais"), Moreno foi batido no golo do empate por Mariano e a dupla Can-Milner não conseguiu trazer para a segunda parte a capacidade de se impor no meio-campo evidenciado na etapa inicial. Na frente, Sturridge marcou um golaço, Lallana teve bons apontamentos, mas a grande desilusão da final foi mesmo Coutinho, que simplesmente não apareceu.

Etiquetas: , ,