João Mário pretende ir aos Jogos Olímpicos; ABC derrota Benfica e fica a 1 triunfo do título; Leicester vende avançado por 10 ME

Já deu para perceber que o tema Jogos Olímpicos ainda terá bastantes desenvolvimentos no plano do futebol nacional. Por um lado, porque jogadores importantes nos clubes poderão pretender participar (como são os casos de Rubén Semedo, João Mário ou Lindelof), por outro, o certame do Rio pode fazer com que elementos como André Silva ou Iuri Medeiros percam espaço no início da temporada (também é verdade que se brilharem no Brasil chegarão aos clubes com outro estatuto).

O Campeonato da Europa está aí à porta, mas na concentração da selecção portuguesa existe outro tema na ordem do dia: os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, nos quais Portugal terá representação no futebol 12 anos depois. Ora, um dos jogadores que conseguiu o apuramento para a competição (via Europeu de sub-21) foi João Mário, que revelou hoje que gostava de estar no Rio de Janeiro. "Sempre sonhei participar numa edição dos Jogos Olímpicos, mas não é uma decisão minha, mas do Sporting", disse o médio, expressando assim a sua vontade em estar presente mas deixando tudo nas mãos do seu clube.

O croata, que havia custado 13 milhões de euros aos Foxes em Janeiro de 2015, um recorde na história do clube inglês, assume o estatuto de substituto de Volland, que foi para o Leverkusen - O Leicester oficializou a venda do avançado Andrej Kramaric ao Hoffenheim por 10 milhões de euros. O jogador havia sido contratado pelos ingleses ao Rijeka mas nunca se afirmou no clube e foi emprestado no passado mercado de Inverno aos alemães, tendo participado em 15 jogos e marcado 5 golos, rendimento que serviu para que os responsáveis do Hoffenheim avançassem para a sua contratação a título definitivo.

Minhotos voltaram a superar o desgaste e mesmo que percam na Luz podem decidir a série em casa; Hugo Rocha voltou a destacar-se - O ABC derrotou o Benfica, por 27-23, no jogo 3 da final do playoff de Andebol, passando assim para a frente da série (2-1). Os bracarenses entraram a vencer, embora nunca se distanciassem no marcador, muito devido à boa exibição de Mitrevski. Do outro lado, Hugo Figueira não se mostrava inspirado, mas o ataque encarnado acumulou falhas técnicas, e pouco aproveitou as superioridades numéricas. A prematura dupla exclusão de Seabra obrigou Resende a remendar a sua defesa, mas nem esse facto desequilibrou o ABC, que seguiu para o intervalo a vencer por 13-12. No arranque do segundo tempo, o Benfica voltou a cometer bastantes erros no ataque, o que finalmente permitiu ao ABC disparar no marcador até obter uma vantagem de 4 golos. No entanto, as águias voltaram ao jogo, e chegaram mesmo a vencer por 19-18, após golo de João Pais. Quando a maré parecia ter virado, os amarelos de Braga voltaram a carregar, e mais uma vez aproveitando a ineficácia atacante encarnada, saltaram para uma vantagem de 23-19, sentenciando a partida. À medida que o tempo foi correndo, o Benfica entrou em desespero, e o ABC entrou em gestão. Destaque para o regresso de Nuno Grilo, após ausência, e para mais uma grande exibição de Hugo Rocha, tanto na defesa como na improvisada posição de pivot. Quanto ao Benfica, mostrou-se permeável na defesa aos seis metros (ao contrário do que mostrara frente ao Porto, onde a defesa foi muito coesa), cometeu imensas e variadas falhas no ataque, algumas delas anedóticas, e raramente aproveitou as vantagens numéricas. O ABC teve mais uma vez o mérito de ditar o ritmo, e mesmo sem usar muito a arma do contra-ataque, a sua defesa esteve eficaz.

Etiquetas: , , , , ,