«Não me importava de ganhar menos para que o futebol fosse menos negócio»

O mundo do futebol de alto nível está quase sempre afastado da vida "real", vivendo os seus intervenientes (sobretudo os jogadores) numa bolha, num Universo próprio. Isto pode levar a graves problemas não só durante uma carreira (os jogadores muitas vezes são facilmente enganados, por exemplo) mas sobretudo quando esta termina, já que muitos dos atletas não estão preparados para enfrentar o mais básico dos problemas (porque levam uma vida "demasiado mastigada", como diz Mata). Neste campo, uma vénia para o espanhol, que mostra que há casos de elementos de topo que são capazes de pensar e refletir sobre estas situações. 

Juan Mata deu uma entrevista ao programa "Salvados", do canal de televisão espanhol "La Sexta", na qual abordou diversas questões relacionadas com os salários de um futebolista de elite, o negócio no qual o desporto-rei se tornou ou o luxo em que os seus melhores praticantes vivem. Assim, o médio refere que "no negócio do futebol parece que os donos dos clubes são mais importantes que os adeptos. Eu não gosto do negócio do futebol. Gosto de jogar, de treinar, de competir. Não me importava de ganhar menos para que o futebol fosse menos negócio", assegura Mata. O jogador do Manchester United diz ainda que "quando jogas a este nível, muito bem remunerado, acaba por parecer que vives numa bolha. Em relação à sociedade em geral, recebo um disparate de dinheiro. Algo irreal. Comparando com o mundo do futebol, recebo uma quantia normal, tendo em conta o que recebem os meus companheiros ou outros jogadores em situação semelhante.", aponta o espanhol, que acrescentou ainda que tem "medo que me ofereçam sempre uma vida já demasiado mastigada, demasiado facilitada. Para a mínima coisa peço ajuda e fazem-na por mim. É um dos aspectos em que está vida é irreal". Para ajudar a manter os pés na terra, Juan Mata entende que a figura do representante é muito importante, sendo que no seu caso é o Pai que faz esse trabalho. No entanto, o canhoto garante que há colegas seus muito mal aconselhados, com muitos problemas para gerir o seu dinheiro e o futuro, o que o fez chegar a "falar com companheiros mais jovens, porque quando chegamos a um clube grande achamos todos que somos Maradona, mas se não te conseguires manter num futuro próximo não és ninguém". 


Etiquetas: