Miami, Oklahoma e "Melo"

A fase regular da NBA aproxima-se do fim, e com sete equipas já apuradas para os playoffs, este seria um momento bastante oportuno para fazer um balanço da principal liga norte-americana de basquetebol. No entanto, nem eu sou a pessoa indicada para o fazer, nem é esse o propósito do meu próximo artigo.

Miami e Oklahoma são as cidades que irão acolher, a partir do próximo domingo, os dois novos franchises da North American Soccer League (NASL), a segunda divisão norte-americana de futebol. Já “Melo”, principal figura dos New York Knicks, é o dono do Puerto Rico FC, um terceiro franchise que só se irá estrear em Julho, quando se inicia a época de outono.

A competição

Fundada em 2009, a NASL ocupa o segundo lugar da pirâmide do futebol dos Estados Unidos, abaixo da Major League Soccer (MLS), mas acima da United Soccer League (USL). A primeira edição teve lugar em 2011 e foi disputada por oito equipas. Em 2016, a competição irá atingir um novo máximo com a participação de 12 clubes, algo que só acontecerá durante o segundo semestre do ano.

A NASL está dividida em duas fases: a época de primavera, jogada a uma volta entre os meses de Abril e Junho, e a época de outono, com duas voltas que se estendem até ao início de Novembro. Será nesta segunda fase que o Puerto Rico se irá juntar às restantes 11 equipas.

Os campeões de cada uma das fases qualificam-se directamente para as meias-finais do playoff, onde irão defrontar as outras duas equipas melhor posicionadas numa tabela final, com os pontos acumulados pelas equipas em ambas as fases. O playoff é jogado a uma mão na casa dos dois campeões. O campeão que tiver somado mais pontos, recebe o 4º classificado, enquanto o outro campeão recebe o 3º. Os vencedores apuram-se para a final, designada Soccer Bowl, que será disputada na casa da equipa que mais pontos somou nas duas fases.

Miami FC
Cinco anos depois, a cidade de Miami voltará a estar representada na NASL. No início de 2011, o Miami FC, que tinha sido fundado em 2006, mudou-se para a vizinha Flórida, recuperando a sua designação original: Fort Lauderdale Strikers. Agora, o novo Miami FC, em nada tem que ver com a equipa que juntou em 2006 os dois campeões do mundo Romário e Zinho, ou a equipa que recebeu no final dos anos 70, Gordon Banks, George Best ou Gerd Müller.

O novo franchise é presidido por Riccardo Silva, um empresário italiano que detém uma empresa de distribuição de direitos televisivos, e conta com a colaboração de um dos defesas mais condecorados na história do futebol, Paolo Maldini, que assume as funções de co-proprietário. No banco, estará outro dos defesas mais respeitados na história da modalidade, Alessandro Nesta, de 40 anos, que assume a sua primeira experiência como treinador.

O elenco de Miami conta três figuras mais ou menos bem conhecidas. São elas: Matuzalém, médio brasileiro de 35 anos, que construiu grande parte da sua carreira em Itália; Wilson Palacios, um dos futebolistas hondurenhos de maior relevo na última década, com quase uma centena de internacionalizações e mais de 140 presenças na Premier League; e Darío Cvitanich, ponta-de-lança argentino de 31 anos, segundo melhor marcador da Ligue 1 em 2012/13, que regressa ao activo depois de algumas lesões que precipitaram a sua rescisão com o Pachuca, do México.

Rayo Oklahoma City
Como o nome deixa antever, o novo franchise de Oklahoma está intimamente relacionado com o seu homónimo espanhol, o Rayo Vallecano. Em Agosto, Raúl Martín Presa, presidente do emblema de Vallecas adquiriu o Oklahoma City, um clube inicialmente criado em 2013 que competia na Premier Development League (PDL), um campeonato amador dos Estados Unidos. No entanto, só em Novembro se soube que o agora denominado Rayo OKC iria competir na nova temporada da NASL.

A equipa será orientada por Alen Marcina, de 36 anos, que orientou o agora extinto San Antonio Scorpions entre 2013 e 2015. Apesar da tenra idade, o técnico canadiano já conta com um título de campeão da NASL no currículo, quando em 2014, os seus Scorpions levaram a melhor sobre os Fort Lauderdale Strikers. Quem o acompanhará nesta experiência, é o luso-canadiano Daniel Fernandes, guarda-redes internacional português que marcou presença no Mundial da África do Sul. O norte-americano Caleb, que no nosso país, representou Atlético CP, Vitória de Setúbal e Gil Vicente, será o número 2 da baliza.

O plantel do Rayo OKC é um dos mais apetrechados da liga. A principal figura é o internacional grego Georgios Samaras. Depois de uma época de má memória, o avançado de 31 anos tem sofrido alguns problemas nas costas, que lhe bloquearam uma transferência para a Sampdoria, e nem o New York Cosmos, que também compete na NASL, se mostrou disposto a correr riscos com a sua contratação. Em todo o caso, este não parece ser um princípio de fim de carreira muito digno para um jogador com a sua dimensão. O segundo jogador mais credenciado desta equipa é o internacional ganês Derek Boateng.

Puerto Rico FC
Em Abril de 2011, LeBron James tornou-se accionista do Liverpool. Em Agosto de 2012, Kevin Garnett procurou seguir-lhes as pisadas com a Roma, mas sem sucesso. Em Junho de 2015, Carmelo Anthony anunciou a entrada de uma equipa de Porto Rico na NASL. A relação entre a estrela dos New York Knicks e este arquipélago das Caraíbas não é difícil de descortinar. Afinal, tanto o seu pai, como os pais da sua esposa são naturais de Porto Rico.

A equipa será orientada pelo inglês Adrian Whitbread, antigo treinador do Barnet, da League Two, que regressa a Porto Rico depois de orientar o Puerto Rico Islanders em 2012, o último representante do arquipélago nos campeonatos dos Estados Unidos. Antes de cessar funções em 2012, a “Tropa Naranja” conseguiu alguns resultados de destaque, nomeadamente, ao atingir as meias-finais da Liga dos Campeões da CONCACAF em 2009, e ao alcançar o título de campeão da D2 Pro League em 2010, um campeonato de transição, antes da implementação da NASL.

Como a equipa só se irá estrear em Julho, é natural que o plantel ainda esteja muito longe de estar fechado. O único jogador, cujo nome poderá não soar tão estranho é o do ponta-de-lança brasileiro Oliver Minatel, que representou o Nacional da Madeira entre 2010 e 2013, depois de ter sido contratado ao PSV Eindhoven.

Restantes equipas
Carolina RailHawks FC (Cary, Carolina do Norte, EUA) – 6º classificado em 2015.
FC Edmonton (Edmonton, Alberta, Canadá) – 7º classificado em 2015.
Fort Lauderdale Strikers (Fort Lauderdale, Flórida, EUA) – semifinalista em 2015.
Indy Eleven (Indianápolis, Indiana, EUA) – 9º classificado em 2015.
Jacksonville Armada FC (Jacksonville, Flórida, EUA) – 11º classificado em 2015.
Minnesota United FC (Minneapolis e Saint Paul, Minnesota, EUA) – semifinalista em 2015.
New York Cosmos (Hempstead, Nova Iorque, EUA) – campeão em 2015.
Ottawa Fury FC (Otava, Ontário, Canadá) – finalista vencido em 2015.
Tampa Bay Rowdies (baía de Tampa, Flórida, EUA) – 5º classificado em 2015.

Outras figuras: 
Niko Kranjcar (New York Cosmos), Juan Arango (New York Cosmos), Ibson (Minnesota United), Julian de Guzmán (Ottawa Fury), Romuald Peiser (Ottawa Fury), Kléberson (Fort Lauderdale Strikers), Rovérsio (New York Cosmos), Robbie Findley (Rayo OKC), Nacho Novo (Carolina RailHawks) e Freddy Adu (Tampa Bay Rowdies).

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): João Lains

Etiquetas: