Coloca-o no meio

Diz-se que os homens não se medem aos palmos e que o talento não tem altura. Aos 20 anos, Daniel Podence, de 1m65, atravessa a melhor fase da sua carreira profissional. Natural de Oeiras e formado na Academia de Alcochete, casa onde habita deste 2005, quando era apenas um menino com 10 anos, desde muito cedo revelou uma certa habilidade para a modalidade. Começou por ser avançado, quando actuava ainda no futebol de 7, mas rapidamente se fixou como extremo, algo recorrente em Portugal quando falamos de um jogador com uma certa qualidade técnica e criatividade. Por outro lado, sempre foi um dos mais baixos da turma verde e branca, compensando essa debilidade física com a técnica e com a entrega ao jogo. Em Janeiro de 2014, assinou contrato profissional com o Sporting até 2019, ficando blindando por uma cláusula de 45 milhões de euros. Fixou-se na equipa B definitivamente, uma vez que na temporada anterior, ainda júnior, já havia tido direito a minutos em algumas partidas na II Liga. Naturalmente, a estreia na principal formação dos leões não tardou, tendo a mesma ocorrido em Novembro do mesmo ano, numa partida da Taça de Portugal, em Espinho, onde o jovem entrou para o lugar de Diego Capel. Deste modo, Podence começava a dar corpo ao sonho de uma carreira na alta roda do futebol.

Todavia, a competição na equipa principal remeteu-o para a equipa B, sendo a Taça da Liga o escape para aparições ocasionais na turma de Marco Silva. Os adeptos queriam ver mais de Podence, mas parecia faltar qualquer coisa. Assim, a chegada de Jorge Jesus acabaria por mudar algo na sua forma de jogar. Quase sempre titular na equipa B, Podence conta com 6 golos e 6 assistências em 2015/16, sendo que 5 desses tentos surgiram no último mês. Poder-se-ia pensar que estaríamos perante um crescer de forma súbito, mas este dado estatístico, que ajudou a melhorar bastante a prestação da formação secundária do Sporting, acaba por estar relacionado com a nova posição de Podence. JJ deu ordem para o prodígio ser colocado numa posição mais central do terreno, onde possa explanar toda a sua técnica, visão de jogo e criatividade. Na verdade, o seu drible curto tornou-se mais perigoso para os adversários, a sua eficácia no remate melhorou e a sua inteligência tem-lhe permitido criar inúmeros desequilíbrios entrelinhas. 

Em suma, é notório que, tal como outros, Podence não poderá continuar na equipa B na próxima época, necessitando de ser testado noutro patamar competitivo já a partir do ano desportivo seguinte. Jesus quererá observá-lo na pré-temporada, mas com a anunciada chegada de Alan Ruiz, com a incerteza sobre a saída de Teo Gutiérrez e com a possível colocação de Bryan Ruiz pelo corredor central, a possibilidade de Podence conquistar um lugar no plantel será bastante complicada. Todavia, o agora apelidado de “Pequeno Mago” quererá mostrar o seu valor e, um pouco à semelhança de Gelson Martins, tentar ser o novo menino de Jesus. 

Rodrigo Ferreira


Etiquetas: