Aqui tão perto

O Leicester, que já tem 132 anos de história, nunca esteve tão próximo de se tornar campeão inglês. Na última segunda, mal soou o apito de Mike Jones no Tottenham vs West Brom (1-1) no mundo das redes sociais a hashtag "#OldTrafford" tornou-se viral. O Teatro de Todos os Sonhos pode marcar o epílogo deste que é o maior conto de fadas do milénio. Já ninguém fica indiferente a este percurso do conjunto de Ranieri e no próximo dia 1 - nem de propósito, o Dia do Trabalhador -, das 14 às 16 horas, a Liga Inglesa promete registar um novo recorde de audiências.

O último domingo prometia ser atribulado. Os Foxes jogariam sem o seu máximo goleador e poucas horas depois de receberem o Swansea, estariam na gala dos melhores do ano do campeonato. Mas aqui, a união sempre fez a força e diante de uns Swans já com a cabeça na próxima temporada, estabeleceu-se a maior vitória da época – 4-0 -, com Ulloa, substituto de Vardy, em plano de evidência. Mais tarde, Mahrez foi galardoado o melhor jogador do ano - o primeiro africano de sempre a arrecadar este prémio, numa distinção a roçar o indiscutível. Para fechar em grande, o Tottenham não se superiorizou à sua ansiedade e a uma belíssima oposição montada por Tony Pulis – um muro lá atrás, e ao contrário do normal, com um leque considerável de oportunidades de marcar lá à frente – e o corrente líder já só necessita de um triunfo para atingir a glória. Para os Spurs só um milagre será capaz de inverter esta situação. Para Citizens e Gunners já nem a matemática permite sonhar. Os primeiros despacharam um Stoke irreconhecível nesta reta final enquanto os segundos não foram além do nulo na casa do Sunderland, desejoso por pontos que o salve. O vizinho Newcastle também amealhou um, e de forma espetacular, após ter ido para intervalo a perder por 2-0 diante dos Reds. Estará Benítez para o Liverpool assim como está Klopp para o Dortmund? Finalmente, Chelsea e Southampton, marcaram quatro golos no Vitality Stadium e Villa Park respetivamente e frente a emblemas a já apenas cumprir calendário, com ambos os visitantes a não largarem as parcas chances que ainda têm de ir à Europa.

O fim-de-semana passou também por Wembley, com a realização das meias-finais da FA Cup, a Taça mais antiga do mundo. O Manchester United vs Everton era visto como uma final antecipada, pese embora a temporada dececionante de um e outro clube, que viam aqui uma possibilidade de salvar a época. O jogo não defraudou as expetativas e viu Van Gaal sorrir no fim. Mesmo no fim. O 2-1 surgiu já em tempo de compensação e premiou a coragem do técnico holandês, que fez coexistir Rashford, Rooney, Martial, Fellaini e Lingard no onze, deixando Carrick sozinho ra retaguarda. Para a final está marcada uma batalha entre Diabos Vermelhos e Águias de Londres. O Palace, pelos mesmos números, bateu o Watford, na reedição da final dos Play-Offs do Championship 2013. Num encontro taticamente mais pobre, mas que ilustrou bem a essência deste tipo de competição – com equipas de menor dimensão a atingirem a ribalta. Depois de se fixarem como as grandes sensações da primeira volta da Premier League a par do Leicester, ambos os treinadores tiraram o pé do acelerador nesta segunda metade do ano para se concentrar na Taça. No final, falou mais alto a estratégia de Alan Pardew.

Onze Ideal da Jornada 35 da Premier League: Manone (Sunderland); Dawson (West Brom); Morgan (Leicester); Olsson (West Brom); Van Aanholt (Sunderland); Kanté (Leicester); Fàbregas (Chelsea); Hazard (Chelsea); Tadić (Southampton); Ulloa (Leicester) e Iheanacho (Manchester City).
MVP: Ulloa (Leicester) Enorme resposta do argentino à ausência de Vardy. A prova de que esta Epopeia Leicestariana não se esgota numa escassa lista de nomes. O avançado, que perdeu alguma preponderância esta temporada, pode fechar esta história como um dos grandes protagonistas caso seja herói em Old Trafford. É que Vardy viu o seu castigo alargado e tudo indica que depois do bis, Ranieri não vai querer alterar uma vírgula do último onze, que brilhou perante o seu público.
Jogador a Seguir: Iheanacho (Manchester City). Aguero será sempre Aguero, e apesar da paragem devido a lesão, ainda está na luta pelo título de melhor marcador. No entanto, o jovem nigeriano tem respondido quase sempre de maneira positiva quando chamado e até já leva mais golos do que Bony. Caso seja emprestado para poder jogar mais regularmente, o próximo ano poderá marcar perfeitamente a sua "explosão". Nota ainda para a seleção nigeriana, que começa a juntar um leque interessante de nomes, alguns ainda sub-21, ao seu ataque.
Treinador da Jornada: Claudio Ranieri (Leicester)
A Desilusão: Tottenham. Era proibido perder mais pontos, ainda para mais diante de uma equipa a cumprir calendário, gozando os Spurs de três dias a mais de descanso e usufruindo do fator casa. A verdade é que a certo momento do jogo exigia-se apertar mais de modo a alargar a vantagem e isso não aconteceu. Depois, com o golo sofrido, houve mais coração do que cabeça, não obstante a alguma infelicidade no decorrer da partida, com algumas bolas aos ferros. O Tottenham pode assim muito bem ter desperdiçado por completo uma oportunidade única de colorir o seu palmarés com a Premier League – nunca ganhou a Liga Inglesa nestes moldes.
Menção Honrosa: O funcionário do helicóptero. O Leicester goleara o Swansea mas o dia poderia acabar em tragédia. No final da partida, os jogadores foram transportados de helicóptero até Londres para a gala anual da Football Association. Quando estava a aterrar, Demarai Gray, um dos substitutos mais utilizados por Ranieri, precipitou-se e saiu num momento em que as pás do rotor ainda se encontravam em movimento. Só uma intervenção rápida do funcionário que se encontrava no heliporto, alertando o jogador para o perigo a tempo de este não ser atingido, evitou o desastre. Mahrez, ainda dentro do transporte, assistiu a tudo com olhar de enorme preocupação. O prémio acabou por desanuviá-lo.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Marco Rodrigues

Etiquetas: