28: Agora é só entre vizinhos

A jornada 28 da I Liga teve o condão de praticamente definir quem serão os dois primeiros classificados da competição. Com efeito, a derrota do FC Porto em casa frente ao Tondela (a maior surpresa da competição até ao momento) deixa os Dragões a olharem não só para o primeiro lugar (a 9 pontos à falta de 6 jornadas), mas também para o segundo (a 7 pontos mais uma desvantagem que, para já, é de 2-0 no confronto directo) como longínquas miragens, muito difíceis de alcançar. Já os dois grandes da Capital aplicaram "manitas" e deixaram bem claro que não pretendem abrandar o ritmo nesta recta final, estando agora, indubitavelmente, traçado um cenário de luta entre "vizinhos" da segunda circular pela conquista do título.

Mas começando por onde mandam as regras, ou seja, pelo princípio, na Sexta-Feira o Benfica goleou uma das melhores equipas do nosso futebol, o Sporting de Braga, por claros 5-1, naquela que foi a décima nona vitória nas últimas 20 partidas, a contar para todas as competições. O conjunto de Paulo Fonseca até podia ter chegado ao golo bastante cedo no desafio, mas nem Wilson Eduardo nem Rafa foram capazes de bater Ederson, e a partir daí assistiu-se a novo vendaval ofensivo da turma de Rui Vitória, com elementos como Jonas, Mitroglou, Pizzi ou Renato em destaque. Antes da difícil deslocação a Munique, para a Champions, os Bicampeões conseguiram pressionar o Sporting. No entanto os Leões não se deixaram intimidar, indo também golear no Restelo, por 5-2, num encontro em que os de Alvalade criaram cerca de uma dezena de oportunidades flagrantes de golo, chegando aos 10 tentos apontados nas 2 últimas jornadas. Slimani bisou e chegou aos 31 golos na temporada (juntando clube e seleção), sendo que também Teo fez o gosto ao pé por duas vezes, no seu segundo bis consecutivo. Bem mais longe dos adversários de Lisboa ficou o FC Porto de José Peseiro, que num Dragão praticamente vazio, perdeu frente ao lanterna-vermelha Tondela e fica, agora, com a final do Jamor (oportunidade para quebrar um jejum de quase 3 anos sem títulos) como grande objectivo da época. Os Portistas voltaram a ser um conjunto algo anárquico, desorganizado, e acabaram vergados por um grande golo de Luís Alberto, que faz com que o conjunto de Petit sonhe com o milagre da manutenção (que ainda assim, continua um cenário altamente improvável, já que o Boavista está a 8 pontos).

Na luta pela Europa, o Arouca voltou a vencer (nas últimas 9 jornadas só perdeu em Alvalade), batendo uma Académica (ainda não venceu fora) cuja urgência de vitórias aumenta a cada jornada que passa. A equipa de Lito está 2 pontos acima do Rio Ave, que se deslocou a Moreira de Cónegos e venceu pela margem mínima. Um pouco mais atrás, mas com legítimas aspirações Europeias, encontra-se o Estoril, que depois de uma má fase (os Canarinhos estiveram 11 jornadas sem vencer) ganhou 5 dos últimos 7 desafios (com a dupla Bonatini-Matheus em evidência) e está a 3 pontos de Rio Ave e a 5 do Arouca. Desta feita, a formação da Linha derrotou um adversário directo, o Paços que enfrenta uma crise de resultados, somando apenas 1 vitórias nos derradeiros 13 jogos disputados. Já num duelo madeirense,  um Marítimo com menos uma unidade desde os 18' (estúpida expulsão de Dyego Sousa) conseguiu bater o Nacional por 2-0, com um grande golo de Edgar Costa, permitindo à equipa de Nelo Vingada ultrapassar a simbólica barreira dos 30 pontos e garantir que, em princípio, não passará por sobressaltos nas últimas jornadas. Finalmente, na luta pela manutenção, o Boavista conseguiu um importante ponto, em Guimarães, frente a um Vitória que tarda em conseguir um bom rendimento e o União da Madeira deixou escapar uma vantagem de 2 pontos, em casa, frente ao Vitória de Setúbal, algo já verificado na primeira volta (Vasco Costa fez de Arnold), continuando assim os Insulares com pouca margem para a descida, ao passo que aos Sadinos faltará um triunfo para garantir a manutenção na I Liga.

Melhor equipa: Benfica - Nas derradeiras 7 jornadas da Liga, o Sp. Braga era a equipa mais forte que os Encarnados enfrentariam, pelo que era normal que o duelo fosse visto como decisivo nas contas do título. Ora, os líderes da competição deram uma grande resposta, goleando uma formação que está nos quartos da Liga Europa, demonstrando mais uma vez que estão com uma enorme saúde competitiva.

Pior equipa: FC Porto - Novo episódio negro numa péssima temporada para os Dragões. Uma derrota em casa frente ao último é muito mau para um plantel que muitos viam como o melhor do país. Este desaire significa não só o adeus ao título como, muito provavelmente, o fim das hipóteses de atingir o segundo lugar, o que significa que para chegar à fase de grupos da próxima Champions os Azuis e Brancos terão de disputar o playoff. Agora, só a Taça poderá maquilhar um pouco este final de época.

Melhor 11 da 28ª jornada da I Liga: Cláudio Ramos (Tondela), Lionn (Rio Ave), Jubal (Arouca), Paulo Vinícius (Boavista), Lucas Lima (Arouca) Luis Alberto (Tondela), Fransérgio (Marítimo) Adrien (Sporting), Pizzi (Benfica), Slimani (Sporting) e Jonas (Benfica)

Melhor jogador: Slimani (Sporting) - Depois de demonstrar pé quente na Selecção, o argelino foi novamente o desbloqueador dos leões, tendo chegado aos 22 golos no campeonato com mais um bis. É notória a sua evolução técnica, algo visível no primeiro golo no Restelo, enquanto que o entendimento com Teo está melhor do que nunca.

Jogador Desilusão: Brahimi (FC Porto) - No polo oposto, outro magrebino. Os adeptos começam a perder a paciência com o talentoso extremo, tendo-o assobiado. Apesar da qualidade técnica ser mais do que muita e da notória capacidade para desequilibrar, o 8 dos portistas continua a ser muito inconsequente em vários jogos, sobretudo perante este tipo de adversários de menor prestígio, onde existe um certo facilitismo por vezes.

Jogador a Seguir: Oto'o (Tondela) - O lateral gabonês já tinha deixado boas indicações em Alvalade e voltou a realizar uma boa exibição no campo de um candidato ao título. Rápido e potente, tem dado nas vistas e não teve grandes problemas em controlar Brahimi, sendo que, apesar do seu estilo mais físico do que técnico, tem apenas 21 anos e poderá continuar a evoluir. 

Etiquetas: