Brasil em crise consegue empate nos descontos (Jonas entrou na 2.ª parte); Messi marca; Chile goleia; Colômbia e Uruguai também vencem

Decorrido o primeiro terço da qualificação, e antes de uma pausa prolongada (só em 2016/2017 voltarão as eliminatórias, devido à Copa América), parece claro haver já uma divisão: Venezuela, Bolívia e Perú necessitam de um milagre para chegar à Rússia, havendo assim 7 candidatos (separados de momento por 4 pontos) a 4 vagas de apuramento directo mais o posto do playoff. Destaque para novo empate do Brasil (Jonas entrou na parte final),  que ainda só venceu o Perú e a Venezuela nestes 6 jogos e está fora da zona de apuramento (e a situação até poderia ser pior não fosse o forcing final que rendeu dois golos); Já a Argentina conseguiu dar a volta a um arranque em falso (2 empates e 1 derrota nos 3 primeiros jogos), vencendo com comodidade uma frágil Bolívia, num encontro em que Messi teve lances de "ET" e Di María saiu lesionado; o Uruguai, com Coates e Maxi de início, voltou a servir-se da dupla Cavani-Suarez para somar 3 pontos e atingir na liderança o Equador, que perdeu na Colômbia (2 vitórias essenciais nesta jornada dupla) com um James a um nível bastante superior ao que nos tem habituado esta temporada. Também o Chile, depois de 3 jogos sem vencer, obteve um triunfo importante e colocou-se no meio desta disputada corrida. 

Está concluída a sexta das dezoito jornadas da qualificação Sul-Americana para o Mundial da Rússia. Assim, Paraguai e Brasil empataram a 2, num jogo em que os Guarani estiveram a vencer por 2-0 mas permitiram o empate na parte final. Sem Neymar a Canarinha apresentou o fraco nível dos últimos tempos, sofrendo golos de Lezcano, aos 39', e Benitez, aos 48, em lances que demonstram bem as fragilidades defensivas do Escrete. Aos 80', Ricardo Oliveira, a recarga de remate de  Hulk, reduziu mesmo antes de ser substituído por Jonas para o assalto final em busca do empate, e o golo chegou mesmo no fim, com um remate de Dani Alves, aos 93 minutos, de pé esquerdo (muita passividade dos locais). 3 pontos acima do eterno rival está a Argentina, que recebeu e venceu a Bolívia por 2-0. Com o relvado no Estádio Mário Alberto Kempes em péssimo estado, o jogo foi de sentido único, com a equipa da casa constantemente no ataque e os visitantes tentando, basicamente, perder por poucos. Os homens de Martino chegaram aos golos na primeira meia hora, primeira com Messi a isolar Higuain, que supera o guarda-redes mas vê um defesa tirar a bola em cima da linha, conseguindo ainda assim recolher o ressalto e assistir Mercado (que já tinha feito o gosto ao pé diante do Chile) para o 1-0, e pouco depois com o Bola de Ouro a converter uma grande penalidade. O grande contratempo para a formação das pampas foi a saída por lesão de Di María aos 31', tendo sido o segundo tempo disputado a um ritmo mais abaixo, só agitado por algumas iniciativas de Messi ou de Angel Correa (que entrou para o lugar de Di María). 2 pontos acima, dividindo a liderança, estão duas formações: o Uruguai, que venceu o Perú por 1-0 (golo de Cavani, num grande disparo de pé esquerdo após belo passe de Suarez), e o Equador, que foi derrotado pela Colômbia por 3-1. Em Barranquilla, os Cafeteros realizaram uma excelente exibição, marcando por Bacca (um bis) e Seba Pérez, só conseguindo os visitantes reduzir por Arroyo já em cima do final. Finalmente, o Chile foi à Venezuela vencer por 4-1, com um bis do ex-Sporting Pinilla e outros 2 golos de Vidal, que deram a volta ao tento inicial de Otero. Com este resultado, a formação de Pizzi está no quarto lugar, com os mesmos pontos que a Colômbia. 

Etiquetas: