10 verdades que ficam do Sporting-Benfica

Deu Benfica no dérbi e apesar de agora se discutir mais quem foi melhor no jogo, ou se a táctica adoptada se coadune com a grandeza das instituições, a única certeza é que este triunfo, o 1.º num Clássico na Era Rui Vitória, alterou o panorama na tabela classificativa. As águias, numa fase em que o calendário até é acessível, tiraram o Sporting da liderança, e só dependem de si para alcançarem o tri. Veremos quais as consequências imediatas deste desfecho, mas, para já, aqui ficam 10 verdades do Sporting-Benfica:

1.ª - Falar antes do tempo por norma dá mau resultado - Jesus começou a época a apostar nos mind-games, o que até parece ter resultado numa fase inicial, mas desde que no dia 6 de Janeiro afirmou que Rui Vitória não era treinador, tudo mudou... e principalmente tudo se virou contra o técnico leonino.  Foi notório que RV potenciou isso a seu favor e a união que se criou à sua volta resultou em 12 vitórias em 13 jogos, já o Sporting depois desse momento em 14 jogos, ganhou apenas 7 tendo perdido 4 e empatado 3.

2.ª - O visado é sempre Jonas mas a principal figura é que tem desaparecido - Jonas vai terminar mais uma época sem marcar aos grandes, o que já parece ser uma imagem, no entanto quem tem estado muito aquém do que pode e sabe nos Clássicos é Gaitán. O argentino não tem correspondido ao rótulo de melhor jogador em Portugal, pouco tem acrescentado e até tem somado más exibições: contra o FC Porto perdoou num momento decisivo e frente ao Sporting abusou das más decisões, com vários passes e cruzamentos sem sentido.

3.ª - A classe também passa por marcar golos - É, indiscutivelmente, um dos jogadores com maior talento do campeonato português. Mas as oportunidades que falhou - aliás, os golos cantados que não chegaram a ser - podem vir a custar o título ao Sporting. No espaço de cinco dias, Bryan Ruiz levou os adeptos ao desespero e custou a perda de pontos e do primeiro lugar. Se em Guimarães já tinha sido escandaloso, o lance de Alvalade, de baliza aberta, simplesmente não podia não dar golo.

4.ª - Abordagem ao mercado, no capítulo ofensivo, desastrosa - Nulo com o Rio Ave e com o Vitória de Guimarães. Uma derrota sem golos marcados contra o Benfica, e uma eliminação frente ao Bayer Leverkusen com um golo em duas mãos. Slimani já não está com a mesma veia goleadora da primeira metade da temporada, e o Sporting vendeu o único jogador que parecia ter capacidade de desbloquear partidas vindo do banco. Fredy Montero já deixa saudades em Alvalade. Teo está longe de apresentar o rendimento do início da temporada (agora, é quase um a menos) e Barcos, que chegou para ser o substituto de "El Avioncito", não parece ter encantado Jesus e, em Março, ainda não é solução.

5.ª - Quando a idade não pesa - A maioria ficou apreensiva quando viu a notícia de que Júlio César se tinha lesionado. Afinal, os encarnados iriam a Alvalade com um guarda-redes sem experiência e que só tinha actuado na Taça da Liga. É fácil falar depois de ver, mas Ederson provou que o Benfica não tem só um guarda-redes para o futuro. Não há razões para temer o presente. Foi um dos heróis em Alvalade, bem como Lindelof, outro que vai aproveitando as lesões para se afirmar. Quando as referências não estão em condições, jogam os miúdos. E que bem têm jogado.

6.ª - O grego é para manter - Com o golo decisivo em Alvalade, Mitroglou, o tal que foi "desviado" do Sporting, vai acabar a época com 3 golos marcados a leões (para a Taça e para o campeonato) e dragões, sendo que a sua capacidade de jogar de costas para a baliza e esperar pelos apoios tem sido uma das armas dos encarnados nos jogos com os rivais directos.

7.ª - Carrillo faz falta e o Sporting está demasiado dependente de João Mário - Nos jogos mais exigentes, é gritante. A utilização do médio português na direita foi uma novidade no jogo da Luz, mas a exibição correspondeu e foi uma das chaves para a superioridade do Sporting. Contra o FC Porto e Bayer Leverkusen, por exemplo, João Mário também esteve a um nível soberbo. Ontem, teve um rendimento abaixo daquilo que é habitual e a equipa ressentiu-se. As movimentações do jogador são fundamentais na dinâmica ofensiva do conjunto de Jorge Jesus, e quando João Mário não oferece aquilo que é necessário o jogo dos leões torna-se mais previsível.

8.ª - Os "patinhos-feios" continuam a calar os críticos - Muitas vezes se falou na suposta fragilidade do Benfica nas laterais da defesa, com André Almeida e Eliseu a serem vistos como os elos mais fracos da equipa. Mas a verdade é que os Internacionais Portugueses raramente comprometem, e nos grandes jogos por norma tem estado impecáveis. Frente ao Sporting voltaram a repetir a dose.

9.ª - O Sporting não perdeu a liderança no dérbi - O problema do conjunto de Jorge Jesus vai bem mais além do jogo de ontem. Não tirando importância do duelo com o Benfica, a verdade é que os Leões nos 8 jogos da segunda volta  apenas venceram metade, sendo que dos 4 encontros em que os comandados de JJ não saíram vencedores, 3 foram em casa, e essa falta de autoridade caseira é incompatível com um campeão.

10.ª - Não foi um jogo para Fernando Santos ver - Se o Selecionador Nacional esperava ficar com certezas com o dérbi, no final terá saído algo desiludido. A maior parte dos jogadores lusos que ainda não tem bilhete garantido para França, mas que vinham a somar pontos nos últimos jogos, estiveram mal. João Pereira deu pouca dinâmica no lado direito e defensivamente recorreu quase sempre à falta, os médios Sanches e Adrien não foram imponentes como em partidas anteriores - mais correria que boas decisões - e William, apesar de ter melhorado na 2.ª parte, no primeiro tempo somou demasiadas perdas de bola, maus passes e poucas recuperações.

Etiquetas: ,