Messi não perdoa; Arsenal ainda acreditou mas o Barcelona está com pé e meio nos quartos-de-final; ter Stegen brilhou na baliza, Neymar e Súarez desperdiçaram na frente, mas depois apareceu o Bola de Ouro para resolver

Imagem: Daily Mail
Arsenal 0-2 Barcelona (Messi 71' e 83' g.p.)

Eliminatória praticamente resolvida. O Barcelona justificou o favoritismo e ao vencer em Londres, o Arsenal, por 2-0, está praticamente nos quartos-de-final da Champions. Os Gunners, apesar de terem dado quase sempre a iniciativa aos campeões da Europa, conseguiram equilibrar a partida e tiveram oportunidades suficientes para sair desta 1.ª mão com um resultado mais favorável, mas uma boa exibição de Ter Stegen a juntar à finalização de Messi desequilibrou a balança.

Um encontro que, ao contrário do que é habitual, apresentou um Arsenal mais expectante e a dar a iniciativa aos culés, que monopolizaram quase por completo a posse de bola. No entanto, os Gunners iam discutindo o jogo (muito às custas das transições rápidas) e até foram os primeiros a estar perto de marcar, num lance em que Oxlade-Chamberlain, em excelente posição, rematou fraco e à figura de ter Stegen. O Barça reagiu, foi empurrando os homens da casa para a sua área e por duas vezes Luis Suárez desperdiçou: primeiro quando tenta dar o golo a Messi e depois num cabeceamento, sem oposição, a rasar o poste. No segundo tempo pertenceu a Neymar a primeira oportunidade, mas o craque brasileiro perdeu no um-para-um perante Cech. Na resposta, Giroud, num lance em que ganhou nas alturas obrigou ter Stegen a uma defesa fantástica. Quando até parecia que o Arsenal queria assumir mais a bola, eis que surgiu o golo dos blaugrana, após contra-ataque de grande qualidade da MSN, concluído por Messi (a calma com que deitou Cech…). Ramsey ainda esteve perto de igualar (valeu novamente o guardião alemão da formação espanhola), mas foram novamente os visitantes a marcar, após falta de Flamini (tinha acabado de entrar) sobre Messi dentro da área, com o próprio astro argentino a converter da marca dos 11 metros. Até ao fim, o Barcelona controlou o encontro e até esteve perto do 0-3, mas Cech negou o golo com uma bela intervenção. Em suma, venceu a melhor equipa, num encontro até relativamente equilibrado, mas com um resultado que deixa poucas dúvidas em que irá passar à próxima eliminatória.

Arsenal - Fica a ideia que o mal foi a equipa ter acreditado, já que na fase em que esteve por cima permitiu a transição que resultou no 1-0 para o Barcelona. A táctica na 1.ª parte deu certo - o Barça não teve um remate enquadrado - mas no 2.º tempo, quando o jogo abriu, tudo se tornou mais fácil para os campeões da Europa. Cech ainda foi adiando o golo, com várias defesas de bom nível, Giroud, apesar de ter pecado na finalização, deu muito trabalho à defesa do Barça, e Alexis também emprestou muita intensidade, mas elementos como Mertesacker e Ozil não estiveram à altura deste jogo.

Barcelona - Muita posse, mas a equipa revelou alguma inércia no 1.º tempo e, ao contrário do que acontecia no passado, mais uma vez só conseguiu resolver nos momentos de transição, o que já é uma imagem de marca deste conjunto de Luís Enrique. A nível individual, Messi, que até estava algo escondido do jogo, apareceu para fazer a diferença e não perdoou, ao contrário de Neymar que, apesar de ter feito uma assistência, voltou a vacilar, e Suárez (3 finalizações pouco conseguidas). Nota ainda para Dani Alves, que num momento decisivo voltou a dizer presente com uma boa exibição, ele que até vem de uma fase pouca conseguida. Curiosamente já na época passada foi nesta fase em que aumentou o nível.

Etiquetas: , ,