NFL - Superbowl 50 - Denver Broncos campeões!

7 de Fevereiro de 2016
Levi´s Stadium - Santa Clara, Califórnia
23.30h

Bem vindos ao SuperBowl 50!

O maior evento desportivo dos Estados Unidos, e um dos jogos que mais suscita atenções globais. Face a face, os 2 melhores conjuntos de cada conferência durante a fase regular, que acabaram por também vencer os títulos de campeões de conferência. Duas equipas que sustentaram a sua temporada, num tremendo jogo colectivo, numa defesa fortíssima e pressionante e numa vontade férrea de chegar à Califórnia e conquistar o título maior. De um lado, os Carolina Panthers da NFC, liderados pelo novel treinador do ano Ron Rivera e comandados em campo pelo MVP da temporada, o electrizante e espetacular QB Cam Newton, bem secundado por outras referências como Josh Norman, Luke Kuechly, Kurt Coleman, Ted Ginn Jr, Jonathan Stewart e Greg Olsen. Do outro lado, Gary Kubiak comandou os Denver Broncos da AFC a mais uma final. No campo o veteraníssimo QB Peyton Manning procurava a última glória e teria a ajuda dos seus super defesas, Von Miller, Aqib Talib, Danny Trevathan e das suas armas ofensivas, DeMariyus Thomas, Cj Anderson e Emanuel Sanders.

Em perspectiva, as defesas tinham tudo para se superiorizarem aos ataques e o jogo tinha tudo para ser um verdadeiro clinic táctico. Pois bem…foi precisamente isso que aconteceu!

Naquele que foi um dos SuperBowls mais aborrecidos de sempre, a velha máxima que os ataques ganham jogos e as defesas ganham campeonatos, foi mais precisa do que nunca. E nesse aspecto nada nem ninguém nesta época se conseguiu superiorizar aos Denver Broncos, novel vencedores do Superbowl! A defesa dos homens de Kubiak abafou por completo os electrizantes Panthers, como já o haviam feito com os Patriots na final de conferência. E Cam Newton, o MVP da temporada, pareceu durante quase todo o jogo, um QB banal, tal foi a forma como Von Miller (o MVP do jogo) e companhia meteram no bolso a Dab Company. Aliás, quem acompanhou o fantástico trajecto que esta equipa de Carolina teve durante toda a época, sabe que Cam Newton pontuou quase sempre. Hoje, não só ficou a zeros, como teve imensa dificuldade em fazer entrar qualquer passe. Os bad boys, Von Miller, Aqib Talib, Danny Trevathan, Chris Harris, Malick Jackson e De Marcus Ware fizeram mossa, e não fosse a potência do RB Jonathan Stewart com as suas arrancadas (o único Panther a marcar um TD), e a coça teria sido bem maior.

Não que o ataque dos Broncos tivesse sido esplendoroso. Longe disso. Peyton Manning sairá pela porta grande, como campeão, mas fez um jogo muito fraco, com muitos erros. CJ Anderson foi o atacante de serviço, e o escudeiro de confiança de Manning na árdua tarefa de ganhar jardas pelo chão. A receita foi basicamente a mesma durante toda a época. Manning a jogar no risco zero, muito running game com CJ Anderson e Hillman, se desse lá se marcava um TD e se não desse Brandon Mc Manus ia somando pontinhos, mas acima de tudo a pressão defensiva e a excelência da mesma, não só impedia o adversário como também marcava. E foi assim que logo no primeiro quarto os Broncos chegavam ao 10-0. Já depois de McManus somar os primeiros 3 pontos num field goal depois da primeira drive, a acabar o primeiro quarto Von Miller fez a Cam Newton o que já havia feito a Tom Brady e meio sack já depois das 10 jardas, foi suficiente para o gigante Malik Jackson se atirar para cima da bola e fazer o primeiro TD.

Cam desesperava, e estava dado o mote para o que viria a seguir. No segundo quarto, Jonathan Stewart num voo híper atlético sobre toda a gente, ainda daria esperança. Mas os Broncos fazem lembrar aquela irritante Selecção da Grécia que ganhou o Euro em Portugal e sem se darem muito por eles, principalmente a nível ofensivo lá chegariam ao fim do primeiro tempo com uma vantagem de 13-7, após semearem mais 3 pontinhos num FG.

O jogo estava tão pouco interessante, que os Coldplay com a Beyonce e Bruno Mars foram tão excitantes como uma jam dos Led Zeppelin com os Radiohead. E se Chris Martin resolvesse dedicar uma música a cada uma das equipas, decerto que se no caso dos Broncos seria um “Paradise” já no caso dos Panthers, a “Yellow” seria mais apropriada…

No terceiro período mais da mesma receita… Pressão defensiva e mais um FG para Brandon Mc Manus, provavelmente o kicker mais ofensivo da NFL… Para os últimos 15 minutos, quando uma reacção épica era o que se pedia, os Panthers foram tentando, mas foram esbarrando na muralha defensiva dos homens de Kubiak, que sentenciaram o jogo numa run já bem perto da end zone por CJ Anderson, culminada com uma conversão já desnecessária de 2 pontos, mas que serviu para Peyton se despedir com um passe para a end zone para Fowler, e tornar o jogo ainda mais memorável.

Poder-se-ia falar de uma arbitragem talvez pouco feliz e de alguns lances altamente duvidosos em prejuízo dos Panthers, mas o que fez a diferença foi mesma a super defesa dos Broncos. Outro ponto importante e que chegamos a discutir por aqui, foi a falta de calo dos homens de Carolina nestes jogos a doer. Hoje isso foi por demais visível, e quando a pressão aumentou, Cam Newton e companhia foram incapazes de sair dela, acabando por dar uma pálida imagem de si próprios e até de algum mau perder. Vitória justa de uma equipa que quase sem soluções ofensivas, consegue dominar os seus adversários de uma forma quase esgotante.

Parabéns aos Denver Broncos pelo seu terceiro título da NFL!

Quanto aos prémios individuais desta época na NFL, estes foram sem surpresa para os óbvios destaques tal como já o tínhamos adiantado aqui.

MVP: Cam Newton - QB (Carolina Panthers)
Defensive Player of the Year: JJ Watt – DE (Houston Texans)
Ofensive Player of the Year: Cam Newton – QB (Carolina Panthers)
Rookie of the Year: Jameis Winston – QB (Tampa Bay Buccaneers)
Defensive Rookie of the Year: Marcus Peters – CB (Kansas City Chiefs)
Offensive Player of the Year: Todd Gurley – RB (St. Louis Rams)
Coach of the Year: Ron Rivera (Carolina Panthers)
Assistant Coach of the Year: Wade Phillips (Denver Broncos)
Comeback Player of the Year: Eric Berry – S (Kansas City Chiefs)
Air Player of the Year: Carson Palmer – QB (Arizona Cardinals)
Ground Player of the Year: Adrian Peterson – RB (Minesotta Vikings)
Fantasy Player of the Year: Antonio Brown – WR (Pittsburgh Steelers)
Performance Play of the Year : Aaron Rodgers – QB (Green Bay Packers) vs Detroit Lions

Inicia-se agora a silly season, com o draft, as trocas e com o pensamento já virado para o SuperBowl 51.

Um bem haja a toda a comunidade que acompanhou a NFL através destes resumos semanais, com a promessa que em 2016 teremos mais!

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Flávio Trindade

Etiquetas: