6 jogadores que deviam ter saído em Janeiro

O mercado de Janeiro é muitas vezes descrito como uma altura de retoques, de ajustes. Mais do que procurar grandes transferências (normalmente mais associadas ao Verão), esta janela caracteriza-se por ser o momento em que se corrigem desequilíbrios nos planteis, nomeadamente através da saída de jogadores sem espaço nas equipas (ou que já estejam a mais em conjuntos secundários), conseguindo-se assim objectivos como valorizar activos que se encontravam num processo de desvalorização, poupar salários avultados de suplentes ou fazer crescer jovens jogadores. No entanto, há sempre alguns jogadores que acabam por não conseguir melhorar a sua situação a meio da temporada, vendo, por vezes, a mesma piorar, acabando por ser um "fardo" para os seus clubes. Assim, apontamos 6 jogadores para os quais, na teoria, teria sido benéfico mudar de clube, mas que acabaram por não o fazer:

Ryan Gauld (Sporting) - Chegou rotulado de "mini-Messi", tendo mesmo sido uma das contratações mais caras da Era Bruno de Carvalho, mas até ao momento não encontrou espaço na equipa principal, sendo que não faz sentido que continue na II Liga. Se os Leões acreditam realmente na capacidade de Gauld para ser uma referência no futuro (e por algo pagaram cerca de 3 Milhões por um jogador de 19 anos vindo de uma liga menor como a Escocesa), o canhoto já deveria estar a evoluir na I Liga, correndo-se o risco de uma estagnação, até pela forma pouco elogiável como o Sporting tem gerido a equipa B (serve mais para depositar excedentários do que para potenciar jovens sub-20).

André Silva (FC Porto) - É apontado como candidato a futuro ponta-de-lança da Selecção, mas, depois de se ter destacado na equipa B Portista, a forma como foi lançado na equipa principal é bastante criticável. Ao invés de ir ganhando minutos em contextos mais propícios e facilitados para um jovem, foi sempre "lançado às feras", entrando em Alvalade ou no encontro frente ao Rio Ave no Dragão, em momentos em de grande pressão e em que se exigia uma resposta imediata, servindo isso só para queimar o Português. Para culminar, a SAD azul e branco, quando se chegou a pensar numa aposta em André Silva para concorrente directo de Aboubakar (dada a saída de Osvaldo), contratou Marega e Suk, tapando-lhe as portas da primeira equipa. Assim, previa-se uma cedência a um clube da Primeira Liga, mas tal não sucedeu, continuando o dianteiro "a mais" na Segunda Liga.

Adel Taarabt (Benfica) - Um dos maiores flops da temporada. O Marroquino chegou com o rótulo de problemático e pouco profissional, e a verdade é que tudo tem feito para honrar o seu passado, começando pelo facto de ter chegado à pré-época com excesso de peso, até notícias que dão conta de recorrentes incursões pela noite Lisboeta. O Benfica acarreta agora com o seu avultado ordenado (a somar a um prémio de assinatura igualmente "gordo") e só teria em ganhar em desfazer-se do pagamento do mesmo, mas nenhum clube parece disposto em pagar tanto por um "peso morto".

Raul Gudino (FC Porto) - O "Courtois Mexicano" é uma grande esperança das balizas (ainda não fez 20 anos e tem já cerca de 40 jogos pela equipa B), mas para continuar a crescer tem de continuar a jogar. É que com a contratação de José Sá, um elemento mais velho, com algum Hype pelo Europeu  sub-21 e com experiência de I Liga, o Mexicano até corre o risco de passar a ver muitos jogos do conjunto secundário dos Dragões a partir do banco. Assim, para evitar que ou uma recente aquisição ou um elemento que parece ter grande futuro fique no banco, o ideal seria emprestar Gudino a uma equipa da I Liga que necessitasse de um bom guardião, garantindo não só minutos ao Mexicano mas também dando-lhe um enquadramento competitivo mais exigente.

Sérgio Oliveira (FC Porto) - Regressou à Invicta esta temporada, depois de se ter destacado no Paços e no Europeu sub-21, mas praticamente não jogou. Mesmo a saída de Imbula só deve fazer com que passe a ir algumas vezes ao banco, mas a situação, no geral, não se deve alterar. Ora, isto até pode hipotecar a sua presença nos Jogos Olímpicos, já que a concorrência é apertada e ainda por cima o médio, a ser chamado, ocuparia uma das vagas reservadas aos jogadores com mais de 23 anos, pelo que não seria de estranhar se Rui Jorge abdicasse de um elemento que provavelmente fará uma época "em branco".

Ricardo Esgaio (Sporting) - Uma situação algo semelhante à de Sérgio Oliveira (um jogador que terminou a época passada emprestado a um clube da Primeira Liga , que foi titular no Euro e pode ter a presença nos Jogos em risco), mas tendo, em relação ao Portista, a vantagem de não ocupar uma das  vagas destinada a jogadores com mais de 23 anos e de, ainda assim, apesar de estar longe de ser um titular, tem mais do dobro dos minutos de utilização de Oliveira. No entanto, a subida de forma de João Pereira e com a chegada de Schelotto, conjugada com o facto dos Leões já só estarem presentes em duas competições, Esgaio deverá ter cada vez menos minutos, e apesar das "atenuantes", pode ter a presença no Rio em risco.

Pedro Barata

Etiquetas: