Valeu o tiro de Talisca; Benfica sofreu em Marvila (Oriental teve as duas melhores oportunidades) mas somou mais 3 pontos; Nélson teve nota negativa no regresso, Guedes também pouco acrescentou; Já Ederson brilhou

Oriental 0-1 Benfica (Talisca 74')

Sofrido, e talvez nem justo, mas o Benfica voltou a somar mais 3 pontos na Taça da Liga ao vencer pela margem mínima no terreno do Oriental. O conjunto de Marvila teve duas oportunidades claras para inaugurar o marcador, ambas por Fernando, dividiu sempre o encontro, mas Talisca, já na parte final da partida, e depois de 70 minutos sem as águias conseguiram criar uma verdadeira chance de golo, com um remate fora da área, a sua imagem de marca, derrubou o actual penúltimo classificado da II Liga. Valeu ao campeão nacional a grande exibição de Éderson, que fez de muro ao tirar 2 golos cantados ao COL e ainda a travar um bom remate de Peter, num jogo em que Nélson Semedo, no regresso à competição, demonstrou estar muito "enferrujado", Guedes na frente também acrescentou pouco e sem surpresa saiu ao intervalo; Samaris e Talisca no meio campo, foram igualmente muito passivos, mas o brasileiro (que além do golo ainda atirou à barra) acabou em grande, quando assumiu um papel mais ofensivo com a saída do apagado Djuricic; No Oriental, Fernando e Peter deram muito trabalho à defensiva encarnada; Bruno Aguiar juntou critério na posse, enquanto que João Pedro na esquerda, deu sempre uma boa profundidade, apesar do relvado nem sempre ter ajudado nas suas investidas ao ataque.

Quanto à partida, o Benfica sentiu muitas dificuldades para impor a sua superioridade no plano teórico, com o conjunto da casa a ser muito aguerrido e agressivo, dificultando a circulação de bola dos Encarnados (o mau estado do relvado também não ajudava). Nos minutos iniciais, apenas Mitroglou, por duas vezes, incomodou Mota, ainda que sem grande perigo, com a melhor oportunidade do primeiro tempo a pertencer mesmo ao Oriental, quando aos 18 minutos Fernando aproveitou a passividade de Talisca após um canto para roubar a bola ao Brasileiro e ficar só com Ederson pela frente, mas o antigo guardião do Rio Ave conseguiu evitar o golo inaugural da partida. A melhor ocasião para os Encarnados surgiu mesmo numa transição (já que em organização ofensiva a equipa de Rui Vitória nem à área adversária chegava), mas Djuricic e Guedes não deram a melhor sequência ao lance e o desafio chegou ao intervalo empatado a zero. O segundo tempo até começou com Samaris a ameaçar de livre mas foi Fernando a voltar a estar perto de abrir o marcador, no entanto quando o extremo tinha tudo para marcar Ederson correspondeu com nova excelente defesa a evitar o golo do Oriental, que por esta altura havia tido as duas melhores ocasiões da partida. Rui Vitória ia mexendo na equipa (ao intervalo saiu Guedes para entrar Pizzi pouco depois entraram Sanches e Jiménez), mas a qualidade da exibição dos Encarnados não subia, sem capacidade para criar perigo para a baliza adversária. Mesmo assim, aos 74' , o conjunto de Rui Vitória chegou ao golo, com Talisca a aproveitar uma bola perdida à entrada da área para aplicar o seu excelente remate de meia-distância e bater Mota. Mesmo com o golo sofrido, o Oriental não desistiu e pouco depois Peter dispara de fora da área, a bola desvia em Lisandro e só não entra na baliza porque Edersson voltou a responder à altura. Até final, os homens da casa não conseguiram criar mais nenhuma situação para atingir o empate, tendo sido o Benfica a estar perto do segundo golo, primeiro com Talisca de novo a rematar à entrada da área, mas desta feita a bola foi à barra, e depois com Jiménez a cabecear para bela defesa de Mota.

Destaques:

Benfica -
O mais importante foi conseguido, com a segunda vitória em dois jogos da Taça da Liga (ambas muito sofridas), mas a exibição esteve longe de convencer. Frente ao penúltimo classificado do segundo escalão do futebol Português, o conjunto de Rui Vitória sentiu dificuldades com a agressividade do adversário, sem capacidade de circular bem a bola para criar perigo. Num encontro em que muitos jogadores não aproveitaram a oportunidade, Éderson disse presente, com 3 excelentes intervenções que foram cruciais para o triunfo da equipa e que deixam Rui Vitória descansado caso Júlio Cesar tenha algum impedimento. No plano oposto, estiveram Nélson Semedo, que no regresso de lesão se mostrou lento, preso de movimentos e perdendo demasiadas bolas, Samaris, que passou de referência no início da época a somar maus passes e decisões erradas, adivinhando-se ao grego vida difícil para recuperar o lugar, e Gonçalo Guedes, que uma vez mais esteve discreto (atrapalhou-se na única vez que teve espaço) e acabou por ser preterido ao intervalo. Já Talisca passou quase tudo o jogo num plano discreto mas quando passou a jogar mais à frente acabou por resolver o jogo (e ficar perto de bisar), mostrando que é talvez o jogador em Portugal com maior facilidade/qualidade na meia-distância.

Oriental - Apesar da derrota o clube de Marvila deixa uma excelente imagem, vendendo muito cara a derrota face ao bicampeão nacional. Com uma postura aguerrida (muita capacidade nos duelos) e um bom preenchimento dos espaços, a equipa da II Liga dificultou imenso a tarefa do seu adversário, conseguindo mesmo obter as mais claras ocasiões de golo, nas quais faltou maior eficácia para obter um resultado que seria histórico. Individualmente, há vários elementos que saem deste encontro valorizados. O guardião Mota até teve menos trabalho do que estaria à espera, mas mostrou-se seguro e ainda tirou um golo a Jiménez, ao passo que na defesa João Pedro esteve bem sem bola e com bola deu qualidade pelo flanco. No meio-campo, Bruno Aguiar fez valer o seu estatuto como jogador mais experiente, dando um bom critério com bola, enquanto que no ataque Peter deu muito trabalho aos defesas do Benfica, ganhando alguns lances, e Fernando conseguiu aparecer bem a finalizar mas pecou por não ter conseguindo ultrapassar Éderson. 

Etiquetas: