Sporting joga mal e cai contra adversário da II Liga; Portimonense foi superior na 1.ª parte; Leões voltaram a apresentar um futebol lento e prevísivel; William para complicar ainda desperdiçou um penalti; Fabrício destacou-se nos algarvios

Portimonense 2-0 Sporting (Ewerton 36' e 90'+3 g.p.)

O Sporting está praticamente fora da Taça da Liga, depois de ter sido derrotado - e de forma justa - por uma espectacular equipa do Portimonense (2-0). Não basta falar de uma péssima exibição da turma leonina (surpreendida pelo segundo jogo consecutivo e com uma pressão enorme para o desafio em Paços de Ferreira), é preciso destacar a partida excepcional dos algarvios, que, com esta vitória, estão praticamente nas meias-finais da prova. William voltou a estar num nível medíocre (culpas no primeiro golo e um penalty falhado), Marcelo também não esteve bem nos dois golos. Jadson, Fabrício, Marçal e Fidelis fizeram um grande jogo, mas o que sobressaiu foi o colectivo do Portimonense.

Os 90 minutos de jogo trouxeram uma equipa algarvia sempre com uma atitude bastante superior à dos leões, mas não é esse o único factor que explica o triunfo. Apesar de ter tido mais lances junto da baliza contrária (quase todos mal decididos), o Sporting nunca teve o controlo do encontro e deu sempre muito espaço ao Portimonense no meio campo. Os comandados de José Augusto chegaram ao 1-0 através de uma jogada rápida, com Ewerton a aparecer sozinho e a bater Marcelo Boeck. A reacção não foi imediata e até ao intervalo praticamente não existiram oportunidades de golo. Na segunda parte, o líder do campeonato tentou pressionar, mas a equipa da casa, mesmo com alguns momentos de aperto, manteve a organização e nunca acusou o desgaste. Aquilani esteve nos lances de maior perigo, atirando à barra de cabeça e ficando perto do golo num remate de fora da área. O momento do jogo foi protagonizado por William Carvalho, que desperdiçou uma grande penalidade por mão na bola do lateral Lumor. A partir daqui, o Portimonense ganhou confiança para a recta final do encontro e, depois de obrigar Marcelo a defender remates de longe, conseguiu forçar o guarda-redes brasileiro a cometer falta dentro da área. No penalty, Ewerton fez o 2-0 e tornou-se no homem do jogo.

Destaques: 

Sporting - Péssima exibição, péssimo resultado e muita pressão para a partida em Paços. Os leões continuam a parecer sem motivação para encarar os jogos com adversários de menor qualidade, e a atitude de hoje não pode ter deixado Jorge Jesus satisfeito. A equipa mostrou sinais de intranquilidade e não conseguiu superiorizar-se a um adversário da II Liga, o que, numa fase importante da época, não é nada positivo. William foi titular, capitão e teve honras de marcador de penalty, mas continua a anos-luz daquilo que já fez no passado. Leu mal o jogo no 1-0 (falhou a cobertura a Ewerton), bateu o penalty de forma displicente e é mais um problema do que uma solução neste momento. Marcelo, apesar de ter somado algumas defesas, é outro dos responsáveis directos pela derrota, com culpas no primeiro golo (a bola entrou do seu lado) e uma abordagem escusada no lance do penalty. Não oferece nenhum tipo de segurança à defesa, que sofreu 6 golos nos últimos 3 jogos. Paulo Oliveira está num mau momento e parece pouco sereno (ofereceu muitas bolas e baseou-se nos chutões para a frente), Ewerton também não está muito melhor, dando a ideia de que está algo condicionado fisicamente. Os reforços acabaram por sair com nota positiva. Schelotto foi dos mais activos e ofereceu muita profundidade pelo lado direito, Zeegelaar conseguiu, embora em menor grau, fazer o mesmo no flanco oposto. Bruno César foi o maior agitador do jogo ofensivo leonino, mas nem sempre deu a melhor sequência aos lances. Pela negativa, três jogadores no ataque. Mané regressou miraculosamente à equipa e continua a ser um jogador que dá pouca presença e apresenta limitações, (em 45 minutos apenas desequilibrou num lance), Teo também voltou de férias mas não é deste colombiano que o Sporting precisa. Lento, desintegrado e desconcentrado, teve um jogo para esquecer. Montero, apesar dos bons pormenores técnicos, como é habitual, também não conseguiu ser constante.

Portimonense - É sem dúvida uma das equipas mais interessantes da II Liga e não seria surpreendente se para o ano estivesse a disputar a primeira divisão. Grande trabalho de José Augusto, que, com dois elementos muito experientes (Ricardo Pessoa e Pires) e uma série de brasileiros com qualidade, montou um conjunto organizado defensivamente e que pratica um excelente futebol. Ewerton foi o homem do jogo pelos 2 golos, mas houve outros elementos em maior destaque. Desde logo Carlos Henriques, absolutamente decisivo na grande penalidade. Jadson esteve impecável no eixo defensivo, saindo sem qualquer falha do encontro. No meio campo, Marcel foi um monstro e recuperou inúmeras bolas à frente da defesa, sendo que Fabrício, médio ofensivo com muita qualidade técnica, foi o responsável por estabelecer a ligação com os homens da frente. Pires esteve mais apagado, com Fidelis a assumir o protagonismo e a ser um trabalho para a defesa do Sporting. Incrível capacidade de jogar de costas para a baliza e de levar a equipa para a frente. 

Etiquetas: , ,