Taarabt desperdiça penalti e o FC Porto castiga; Ismael Díaz bisou; Rafa, Govea e Ramos também estiveram em destaque; Carvalho foi o único destaque das águias

João Carvalho foi a unidade mais dos encarnados, Nuno Santos lesionou-se com alguma gravidade ainda na 1.ª parte, Taarabt não ganhou pontos; Azuis e brancos, mesmo sem André Silva, deram sequência ao que tinham feito contra o Sporting (na última jornada esmagaram os leões). Rafa voltou a destacar-se a nível ofensivo; Govea e Chico Ramos dominaram o meio campo; Ismael, qual Hulk, fez a diferença na frente.

O FC Porto B confirmou a superioridade na II Liga ao vencer, no Seixal, o Benfica B, por 3-0, resultado que deixa os dragões ainda mais confortáveis na liderança, já a equipa de Helder continua nos lugares inferiores e já a 19 pontos do rival. Clássico com duas partes distintas, na 1.ª as águias (apesar do conjunto de Castro ter tido mais bola) tiveram algum ascendente e podiam ter inaugurado o marcador de penalti não fosse Taarabt ter entregado a bola a Gudino de maneira displicente, e em cima dos 45 atiraram ao poste por Diogo Gonçalves, mas no 2.º tempo só deu FC Porto. Rafa, de livre, inaugurou o marcador aos 48, tendo Ismael Díaz pouco depois ampliado. Os azuis e brancos, em vantagem, controlaram e voltaram a juntar mais um golo ao marcador, novamente por Díaz. Hélder alinhou com: M. Santos, Lindelöf, Rebocho, Clesio, R. Dias, Pawel, J. Teixeira, N. Santos, Taarabt, D. Gonçalves e J. Carvalho; Castro apostou em: Gudiño, Victor Garcia, Chidozie, Maurício, Rafa, Omar Govea, Francisco Ramos, Graça, Ismael, Gleison e Leonardo Ruiz.

Benfica B - Apesar dos encarnados apelarem constantemente ao propósito formador da sua equipa, os resultados, ainda que secundários nesta divisão, não têm tido a regularidade de outras épocas. Vários elementos que transitam constantemente entre as 3 equipas (júniores, A e B), com a descida de atletas que estão sem espaço na equipa A (Taarabt à cabeça) e a inexperiência de vários júniores, não têm ajudado Hélder Cristóvão a construir uma equipa na verdadeira acepção da palavra. Quanto ao jogo, o Benfica criou mais oportunidades que os Portistas na 1.ª parte, mas não as conseguiu concretizar e isso acabou por fazer a diferença. Primeiro Taarabt num penalty convertido de forma curiosa, depois Diogo Gonçalves a atirar ao poste e ainda alguns lances de Nuno Saltos a partir da direita que não acabaram no fundo das redes. Ainda assim, ficou sempre a sensação que eram extemporâneos e o controlo da partida nunca foi concreto. Individualmente, valeram as exibições de João Carvalho (sempre a procurar a bola e a desequilibrar dentro do bloco Portista), Rúben Dias (foi acertando nas marcações) e Pedro Rebocho que conseguiu bloquear as iniciativas de Gleison.

FC Porto B - Liderança isolada, goleadas às equipas B concorrentes e futebol de posse que, de certa forma, também beneficia da estabilidade que esta equipa tem tido (apesar de hoje não contar com o principal goleador). Hoje até passou por dificuldades na 1.ª parte, mas acabou por mostrar um nível de jogo mais maduro que o adversário, a aproveitar as desconcentrações da defesa dos encarnados, com especial destaque para o ainda júnior Ismael Díaz que com a sua velocidade e potência fez estragos com as diagonais a partir da esquerda. Rafa também contribuiu para os constantes desequilíbrios nesse corredor e ainda juntou à boa exibição um golo de bola parada, uma das suas imagens de marca. Em foco esteve, novamente, o meio-campo dos dragões, com Francisco Ramos e Graça a criarem constantemente situações de superioridade, a tabelar, a aparecer na frente, com o Mexicano Omar Govea a estabilizar a equipa (ele que tem roubado o espaço de afirmação a Podtawski). Menos feliz esteve Ruiz (praticamente não se viu) e Gleison que hoje não teve o impacto habitual a partir da ala direita. Por fim, mais uma boa exibição de Victor Garcia (ele que renovou contrato recentemente) a conseguir anular os alas encarnados e a mostrar estar claramente acima deste patamar, o que é natural dado ser a sua 3.ª época neste escalão.

Etiquetas: