Sporting não teve de correr muito para cumprir

Sporting 3-1 Moreirense (Gelson 29',  Aquilani 37' e Slimani 58'; Rafael Martins 80' g.p.)

Noite perfeita para o Sporting. Pela vitória (3-1 ao Moreirense), pelo marcador (apenas o 2.º jogo em Alvalade em que os leões vencem por mais de 1 golo de diferença) e por o baixo ritmo do jogo não ter obrigado a um grande desgaste físico, o que pode ser importante tendo em perspectiva o embate frente ao Braga para a Taça. Os leões, sem deslumbrar, fizeram o suficiente para segurar a liderança na Liga, num jogo em que Jesus fez alinhar de inicio 6 jogadores (Esgaio, Ewerton, Jonathan, Aquilani, Gelson e Teo) que não entraram no 11 diante do Besiktas, optando por sentar William e João Mário, que entraram apenas na 2.ª parte; Já o conjunto de Miguel Leal, que esta época já empatou com o Braga e FC Porto e esteve perto da surpresa no Estádio da Luz, equilibrou o encontro nos primeiros 25 minutos, mas num curto espaço de tempo viu-se em desvantagem e apesar da tentativa de recuperação na fase final (esteve perto de fazer o 2-3, valeu Patrício aos verde e brancos), já não foi a tempo de disputar o resultado. Gelson, numa jogada de laboratório, Aquilani (assistido por Adrien) ampliou e Slimani numa recarga a um penalti que o próprio desperdiçou apontaram os golos leoninos. Rafael Martins (que esteve em destaque nos últimos 15 minutos) reduziu para o Moreirense.

Quanto ao encontro, os leões até deram a ideia de entrar bem, Bryan Ruiz deixou o primeiro aviso logo no minuto inicial, mas com o passar do tempo foram denotando dificuldades para furar a defesa contrária, com a turma de Miguel Leal a mostrar-se defensivamente bem organizada. No entanto, perto da meia-hora, surge o primeiro golo do encontro. Livre estudado, com Ruiz a simular o remate e a servir Gelson que, na cara de Stefanovic, não perdoou. O golo deu alguma confiança e tranquilidade aos homens da casa, que estiveram novamente perto de marcar no minuto 35, com Slimani, em boa posição, a cabecear à figura do guarda-redes contrário. Mas o segundo golo viria mesmo a surgir, construído pela dupla de médios leonina. Jogada de Adrien, que cruza para o centro da área e Aquilani, livre de oposição, com facilidade a empurrar para o fundo da baliza. No 2.º tempo o Moreirense surgiu mais afoito, mas viria a ser o Sporting a voltar a marcar. Lance de confusão na área, com Slimani a ser derrubado. Na conversão do penalti (com Jorge Jesus a dar a indicação que seria o avançado a executar em detrimento de Adrien) o argelino falhou, mas na recarga fez mesmo o 3-0. Depois desse golo, os leões baixaram o ritmo de jogo, talvez já a pensar no encontro a meio da semana em Braga para a Taça de Portugal. Os visitantes aproveitaram e nos últimos 15 minutos puseram em sentido a defesa leonina. Primeiro foi Rafael Martins a testar Rui Patrício com uma cabeçada, mas o avançado viria mesmo a marcar no minuto seguinte, na conversão (fuzilou por completo o guardião leonino) de uma grande penalidade cometida por Naldo. Pouco depois, o mesmo Rafael Martins, numa jogada de contra-ataque, quase reduziu para um golo de diferença, mas Rui Patrício voltou a estar à altura com uma grande intervenção e evitou que os minutos finais tivessem emoção acrescida. No entanto, o resultado manteve-se até ao final e os três pontos ficaram mesmo em Alvalade.

Sporting - As dificuldades habituais no momento ofensivo nos primeiros 30 minutos mas depois do 1-0 (mais uma vez a eficácia fez a diferença) o jogo tornou-se fácil. Jesus, como se esperava, desta vez, geriu no campeonato e deu-se bem. Gelson abriu o marcador, Aquilani foi das melhores unidades leoninas nos primeiros 50 minutos (vários passes de categoria e 1 golo), e hoje os laterais - Esgaio e Jonathan - deram uma resposta mais positiva. O argentino envolveu-se muito no ataque e o português foi competente na defesa; Curiosamente com as entradas de William e João Mário a equipa leonina, que já estava a jogar num ritmo baixo, adormeceu de maneira perigosa e ainda teve de sofrer nos últimos minutos, valeu nesta fase Patrício, com uma grande intervenção. Pela positiva, mais uma grande exibição interna de Adrien, que continua a ser o motor dos leões, mas fica a ideia que o único indiscutível neste momento para Jesus é Bryan Ruiz. O internacional pela Costa Rica voltou a não ser poupado e até se percebe, já que, pela sua técnica e capacidade de decisão, demonstra sempre estar num nível superior aos restantes companheiros do meio campo/ataque leonino. Já Naldo ficou ligado ao golo e melhor oportunidade do Moreirense.

Moreirense - Rafael Martins foi novamente a melhor unidade, tendo, com a sua velocidade e força, criado muitas dificuldades a Naldo. Apesar disso e de ter marcado bem a grande penalidade, desperdiçou a oportunidade de fazer o 3-2 e tornar os últimos 10 minutos incertos. Mas no geral o conjunto de Miguel Leal não apresentou muitas soluções para contrariar o futebol do Sporting, principalmente depois do 1-0. As substituições ainda permitiram equilibrar, mas nessa fase o encontro já estava resolvido. 

Etiquetas: ,