Galáxia Suk S7 ou Suk Galaxy S7

A decifração de códigos e símbolos estimula, a telegrafia reúne uns quantos apaixonados, a semiótica busca a significação universal.

Um chuto na bola. Um remate de cabeça. Um tiro acrobático. Uma bola a bater na rede. Um sorriso na cara. Bola no meio-campo, árbitro consulta o relógio, jogo prestes a começar. O número 10, qual nervoso miudinho, acaricia a bola. Flash-backs fugazes, ruído circundante impercetível. Apito soa, bola para o Vitória. É Suk quem dá o pontapé de saída. Foco total, companheiros de equipa compenetrados e a baliza adversária como ponto de atenção recrudescido. Flaches já só mesmo fotográficos – o ‘velhinho’ S6 ainda não desilude -, o sul coreano já é visto com outros olhos pelos oponentes: recuar e contribuir para a construção do jogo ofensivo, cair na faixa para dar profundidade, remate de meia distância ou aparecimento de mansinho na zona de decisão? Porfiar com os melhores está ao seu alcance, são poucos os que o superam nos remates enquadrados. E, como se a pontaria afinada não bastasse, os passes açucarados também constam no seu almanaque. No total são 11 contribuições diretas (7 golos e 4 assistências, só Jonas apresenta maior influência) para a conta pessoal, robustecendo um coletivo sonhador: 3º melhor ataque da liga, 5º lugar na classificação e luta pelo Jamor. Os episódios da Madeira já lá vão – os recordes são para se bater – mas a crença mantém-se firme. 1.91m de técnica, capacidade de transporte, jogo aéreo e melhorias nítidas na lucidez. A altura não impede de ajoelhar, de impelir a fé, de mostrar indulgência. Afasta-se do ato presunçoso, enfatiza-o, torna-o distinto! Os analistas fazem ‘mea culpa’, o túnel da seleção prestes a ser ultrapassado e o desejo natalício do novo Galaxy 7 exorcizado pela permanência do menino bonito da galáxia sadina (atribua-se, por uns instantes, um papel secundário à tecnologia de ponta sul-coreana). Multiculturalismo ao mais alto nível de quem pouco pronuncia a língua de Camões, mas cabula através da universalidade do futebol.

O futebol estimula, reúne uns quantos apaixonados e busca a significação universal.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Renato Santarém

Etiquetas: