Se quiser que o seu filho seja futebolista tente que nasça no 1.º semestre

É, muitas vezes, discutida a importância dos títulos das camadas jovens ou do rendimento que muitos jogadores evidenciam. Apela-se a casos que eram estrelas no futebol de formação e mais tarde se perderam, a gerações que prometiam e não cumpriram, em prol da defesa da ideia de que o futebol de formação não é indicador do sucesso que os jogadores poderão ter no futebol profissional. Nesse contexto, há algumas curiosidades que costumam pairar no ar quando se fala sobre estes assuntos, sendo uma delas a predominância de jogadores nascidos nos primeiros meses do ano nas selecções e equipas jovens. Sendo assim, nada melhor do que ir à procura de factos que o comprovam/desmintam, tentando estabelecer alguma relação com o sucesso/insucesso colectivo das equipas , sabendo sempre que é irracional ditar relações causa/efeito num desporto tão volátil onde operam várias variáveis de forma simultânea.

Tendências no futebol nacional:
No nosso contexto há claramente uma tendência para os jogadores nascidos no 1.º semestre serem dominantes das convocatórias das selecções jovens nacionais. Essa dinâmica acaba por se esbater com o avançar dos anos e, chegando à fase dos sub21, é visível que as percentagens desses jogadores baixam dos 80 ou 90% para os 60%. Mais notório é o equilíbrio existente no escalão máximo do futebol Português, a selecção AA, onde os ditos jogadores não só perdem o ascendente como são ultrapassados por jogadores nascidos no 2º semestre (por exemplo, na última convocatória da selecção nacional, apenas 41,67% pertenciam ao leque dos atletas nascidos no 1º semestre). Nota: Pode ver abaixo os dados recolhidos com base nas últimas convocatórias da FPF, excepção feita aos sub15 (nascidos em 2001) que ainda não tiveram momento competitivo em 2015/2016.

Portugal:
Geração 2000 (sub-16) - 26 convocados. 25 nascidos no 1º semestre do ano.
Geração 99 (sub-17) - 21 convocados. 16 nascidos no 1º semestre do ano.
Geração 98 (sub-18) - 18 convocados. 14 nascidos no 1º semestre do ano.
Geração 97 (sub-19) - 20 convocados. 17 nascidos no 1º semestre do ano.
Geração 95 (sub-20) - 21 convocados. 14 nascidos no 1º semestre do ano.
Geração 94/95/96 (sub-21) - 23 convocados. 14 nascidos no 1º semestre do ano.
Selecção AA - 24 convocados. 10 nascidos no 1º semestre do ano.

Tendências internacionais:
Identificada uma tendência no futebol nacional, é tempo de ver se somos caso único no que concerne a esta preferência por jogadores nascidos nos primeiros meses do ano. Para isso, e por questões de limitação temporal e espacial, opta-se por recolher dados dos últimos 3 mundiais nas categorias de sub-17, sub-20 e AA. Nota: Foram seleccionados países que estão associados ao sucesso colectivo e, por isso, de alguma forma forma comparáveis à selecção Portuguesa. É ainda importante referir que nos escalões sub-17 e sub-20 as convocatórias integram 21 jogadores, enquanto que no escalão sénior contemplam 23.

Uma rápida observação é suficiente para entender que este perfil de jogador é completamente dominante no escalão sub-17, onde todos os países abordados têm, de forma esclarecedora, taxas superiores aos 50% (A equipa mais distribuída é o Brasil 2015 que, ainda assim, assume valores superiores aos 60%). Subindo um degrau no patamar etário, os dados apontam para conclusões similares, apesar de o serem em menor grau. Nos 3 mundiais sub-20 analisados, e tendo por base o mesmo tipo de país, as taxas sofrem um decréscimo médio considerável dos 80/90 % para os 60/70, mostrando que, à medida que as diferenças físicas se vão reduzindo, o jogador mais novo tende a aproximar-se do mais velho. Por último, e no escalão mais relevante do futebol, e como seria de racional em qualquer um deles, o equilíbrio parece ser maior, salvo algumas excepções. As equipas dividem-se de forma simétrica durante os meses e gravitam em torno de taxas a rondar os 50%.

Mundial sub-17 2015:
Brasil - 13 nascidos no 1º semestre do ano (61,90%)
Alemanha - 19 nascidos no 1º semestre do ano (90,47%)
Bélgica - 18 nascidos no 1º semestre do ano (85,71%)
França - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)
Croácia - 14 nascidos no 1º semestre do ano (66,67%)

Mundial sub-17 2013:
Brasil - 20 nascidos no 1º semestre do ano (95,23%)
Uruguai - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)
Croácia - 17 nascidos no 1º semestre do ano (80,95%)
Argentina - 17 nascidos no 1º semestre do ano (80,95%)
Suécia - 18 nascidos no 1º semestre do ano (85,71%)

Mundial sub-17 2011:
Holanda - 19 nascidos no 1º semestre do ano (90,47%)
Argentina - 18 nascidos no 1º semestre do ano (85,71%)
França - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)
Alemanha - 18 nascidos no 1º semestre do ano (85,71%)
Brasil - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)

Mundial sub-20 2015:
Sérvia - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)
Brasil - 15 nascidos no 1º semestre do ano (71,42%)
Alemanha - 13 nascidos no 1º semestre do ano (61,90%)
México - 16 nascidos no 1º semestre do ano (76,19%)
Argentina - 15 nascidos no 1º semestre do ano (71,42%)

Mundial sub-20 2013:
França - 12 nascidos no 1º semestre do ano (57,14%)
Espanha - 11 nascidos no 1º semestre do ano (52,38%)
Uruguai - 15 nascidos no 1º semestre do ano (71,42%)
Croácia - 13 nascidos no 1º semestre do ano (61,90%)
Colômbia - 20 nascidos no 1º semestre do ano (95,23%)

Mundial sub-20 2011:
França - 18 nascidos no 1º semestre do ano (85,71%)
Espanha - 19 nascidos no 1º semestre do ano (90,47%)
Croácia - 12 nascidos no 1º semestre do ano (57,14%)
Brasil - 15 nascidos no 1º semestre do ano (71,42%)
Inglaterra - 9 nascidos no 1º semestre do ano (42,85%)

Mundial Seniores 2014:
Brasil - 11 nascidos no 1º semestre do ano (47,82%)
França - 13 nascidos no 1º semestre do ano (56,52%)
Argentina - 18 nascidos no 1º semestre do ano (78,26%)
Alemanha - 12 nascidos no 1º semestre do ano (52,17%)
Inglaterra - 12 nascidos no 1º semestre do ano (52,17%)

Mundial Seniores 2010:
Espanha - 14 nascidos no 1º semestre do ano (60,87%)
França - 10 nascidos no 1º semestre do ano (43,34%)
Alemanha - 14 nascidos no 1º semestre do ano (60,87%)
Holanda - 12 nascidos no 1º semestre do ano (52,17%)
Brasil - 12 nascidos no 1º semestre do ano (52,17%)

Mundial Seniores 2006:
Alemanha - 11 nascidos no 1º semestre do ano (47,82%)
Itália - 11 nascidos no 1 º semestre do ano (47,82%)
França - 11 nascidos no 1º semestre do ano (47,82%)
Brasil - 15 nascidos no 1º semestre do ano (65,21%)
Espanha - 9 nascidos no 1º semestre do ano (39,13%)

Algumas conclusões:
- Há um fenómeno claro de dominância dos jogadores nascidos no 1º semestre sobre os restantes nas idades mais precoces, sendo que esse hiato vai sendo esbatido com o passar dos anos.
- Preocupa que alguns jogadores, porventura mais talentosos e com mais margem para o futebol profissional, fiquem pelo caminho por desvantagem no desenvolvimento físico.
- Estes valores estendem-se por quase todas as potências do futebol mundial, não só nas competições analisadas, como em algumas deixadas de fora por questões óbvias (Europeus sub-19, Europeus sub-17, etc).

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): João Magalhães

Etiquetas: