Não foi bonito, mas Slimani resolveu no fim; Sporting consolida liderança apesar do Arouca ter controlado a lentidão do conjunto de Jesus; Naldo foi expulso por empurrar o treinador dos arouquenses

Arouca 0-1 Sporting (Slimani 90')

Estrelinha! O Sporting consolidou a liderança na 1.ª Liga ao derrotar o Arouca com um golo de Slimani no minuto 90. Um lance, e uma vitória, que caiu do Céu, já que o conjunto de Jesus pouco fez para conquistar os 3 pontos (foi mais um jogo lento e pouco conseguido, em que as oportunidades claras de golo se resumiram a duas situações na sequência de bolas parada), tendo chegado ao golo num contexto adverso, depois de Naldo ter sido expulso um pouco antes de maneira caricata (o central empurrou Lito Vidigal, numa situação em que o treinador arouquense entrou dentro de campo para pontapear a bola). Numa exibição pobre dos leões, William foi o mais esclarecido, já Teo, Adrien e Ruiz voltaram a acrescentar pouco; No Arouca, a organização defensiva fez a diferença, Nuno Valente também se evidenciou no meio campo, e Ivo foi dos mais interventivos na frente, tendo mesmo desperdiçado a melhor oportunidade da 2.ª parte.

Em relação ao jogo, a primeira parte praticamente não teve história. O Sporting dominava a posse de bola e o Arouca, recolhido no seu meio-campo, tentava aproveitar a velocidade dos seus atacantes para criar perigo nas transições, mas os lances de destaque foram quase nulos. Os primeiros até foram os primeiros a criar perigo, mas Patrício impediu que o cruzamento de Roberto tivesse destino, enquanto que a terminar o primeiro tempo Paulo Oliveira, num cabeceamento esteve perto do golo (Bracalli defendeu "à queima"), e Adrien, em nova bola parada, a seguir também atirou ao lado, naquelas que até foram as melhores oportunidades do clube leonino nos primeiros 89 minutos. Na 2.ª parte, contrariedade para Jorge Jesus. Jefferson foi substituído por Esgaio, alegadamente por problemas físicos, e, se o Sporting já apresentava pouca largura, mais fechado se tornou o jogo. João Mário foi o primeiro a tentar o golo, mas o remate de meia distância saiu por cima e, de seguida, Ivo Rodrigues, na sequência de um lançamento lateral, esteve a centímetros de festejar o primeiro em Arouca. Jesus lançou Montero e Gelson, que nada trouxeram, enquanto que o Arouca ia conseguindo anular o ataque leonino e sair para o contra-ataque. Aos 88 minutos lance caricato, com Naldo a ser expulso por empurrar Lito Vidigal, que também acabaria por ter o mesmo destino, após o técnico arouquense entrar em campo em protesto com Cosme Machado. Por fim, o momento o jogo. Bryan Ruiz faz um passe longo, Montero domina o remate sai mal, mas Slimani, no meio da defesa da formação da casa, aproveita o ressalto e com a baliza à mercê oferece os três pontos aos leões, que desta forma mantêm a distância para FC Porto (5 pontos) e Benfica (8).

Arouca - Depois de bater o Benfica em casa emprestada, a equipa de Lito esteve próxima de roubar pontos a outro grande de Lisboa, mas um ressalto infeliz estragou os planos do técnico, entretanto expulso. O Arouca fez aquilo que se esperava, equipa compacta, a fechar espaços, e com pouca vontade de colocar muita gente na frente. O terreno pesado e as muitas paragens ajudaram a estratégia de uma equipa que mostrou organização, mas muito pouco futebol, e cujo golo tardio pode ser considerado como castigo de quem realmente nunca pensou em vencer. Ainda assim, Bracalli foi pouco testado (mostrou-se eficaz sempre que chamado, nada podendo fazer perante o remate de Slimani), embora o centro da defesa tenha permitido alguns espaços, mal aproveitados pelos dianteiros leoninos. Ivo Rodrigues foi dos mais esclarecidos, mas nunca teve companhia, pois Zequinha e Roberto funcionaram mais como defesas que avançados. Os laterais fecharam bem perante os extremos leoninos, e no meio campo apenas Nuno Valente tentou incutir alguma dinâmica.

Sporting - A poupança na Albânia não se fez notar: a exibição pouco convincente, a roçar a mediocridade, qualidade de jogo inexistente, mas os três pontos seguem para Alvalade, e no fim o campeão é quem faz mais pontos, não quem joga melhor. Em Arouca o Sporting teve a estrelinha que costuma acompanhar os vencedores; poucas oportunidades criou (na primeira parte só chegou perto da baliza perto do fim, e de bola parada), ficou reduzido a dez perto do fim, mas conseguiu um solitário golo quase ao cair do pano, após um ressalto feliz. Quanto à exibição colectiva, ficou bem longe dos mínimos exigidos, com demasiadas perdas de bola e pouca velocidade de processos, em especial perto da área adversária, onde os passes saíram invariavelmente para fora ou para os pés dos defesas de amarelo. Na segunda parte os leões melhoraram um pouco e instalaram-se no meio-campo do Arouca, mas o domínio territorial não se concretizou em grandes jogadas de perigo, sendo que ainda apanharam um susto após um lançamento lateral, curiosamente uma imagem de marca de Jorge Jesus. As substituições também pouco trouxeram de novo, embora Montero tenha ficado ligado ao lance decisivo. Individualmente, o destaque vai para Adrien, pela negativa. O capitão jogou em modo-Albânia, e acumulou perdas de bola e maus passes. Slimani não acertou um passe, desperdiçando inúmeras jogadas de ataque, mas não falhou quando teve a bola à sua mercê na área, e os pontas de lança estão em campo é para marcar golos. William foi o mais esclarecido do miolo, o único capaz de colocar a bola jogável na frente, impondo o seu físico num terreno pesado. Teo e Ruiz pouco apareceram, enquanto que João Mário melhorou com a passagem para o meio. Esgaio, sem ser tão acutilante como Jefferson, foi dos poucos que conseguiu manter posse de bola.

Etiquetas: ,