Benfica encaixa 5,5 ME; Ronaldo bisa nos golos e nas assistências mas Real acaba a sofrer; PSG goleia; Juventus volta a superiorizar-se ao City; Utd não marca ao PSV e pode cair; Sevilha e CSKA praticamente fora das competições europeias

Com a vitória do Atlético, o Benfica garantiu a passagem aos oitavos-de-final. Mais do que o prémio monetário (5,5 milhões de euros, mais 2 milhões do que na temporada passada), é importante para os encarnados o facto de voltarem a marcar presença na fase a eliminar da Liga dos Campeões. Não é novidade que uma presença na final da Liga Europa não supera o feito de chegar a uma fase adiantada (os quartos-de-final, por exemplo) da Champions, e se a equipa de Rui Vitória conseguir o primeiro lugar pode sonhar com tal proeza. O grupo era relativamente acessível, mas na era JJ também houve grupos de valor semelhante que não foram ultrapassados. Da jornada de hoje fica mais um recorde de Ronaldo, que se tornou no jogador com mais bis na história da competição (23 contra os 22 de Messi), e a quase eliminação do Sevilha (só dá para a Liga Europa) e do CSKA (excelente notícia para o ranking de Portugal) das competições europeias. Destaque também para a Juve, que, apesar da época tremida a nível interno, conseguiu superiorizar-se à melhor equipa inglesa da actualidade nos dois jogos. 

Grupo A: Shakhtar 3-4 Real Madrid (Alex Teixeira x2 e Dentinho; Ronaldo x2, Modric e Carvajal); Malmö 0-5 PSG (Di María x2, Rabiot, Ibrahimovic e Lucas) - O Real Madrid complicou aquilo que tornou fácil e acabou a sofrer em Donetsk. Na ressaca da humilhação frente ao Barcelona, Rafa Benítez deixou Navas, Danilo (entraria para o lugar de Varane, lesionado ainda no primeiro tempo), Benzema e Kroos no banco mas a resposta de quem jogou foi muito positiva. Os espanhóis chegaram ao 4-0 com um Ronaldo endiabrado (Bale também esteve em grande), a bisar nos golos e nas assistências. Contudo, quando tudo parecia decidido, Taison, que entrou na segunda parte para agitar o jogo, e Alex Teixeira quiseram baralhar as contas e quase conseguiam uma recuperação épica nos minutos finais. Em Malmö, num jogo que marcou o regresso de Ibra às origens, o PSG passeou e destruiu os suecos por uns esclarecedores 5-0. O herói da casa marcou um dos golos, mas a figura foi Di María, que bisou e contribuiu fortemente para a goleada. 

Grupo B: Man United 0-0 PSV; CSKA 0-2 Wolfsburgo (Akinfeev a.g. e Schürrle) - Em ano de regresso à Liga dos Campeões, os Red Devils, que vão à Alemanha na última jornada, terão de obter pelo menos o mesmo resultado que o PSV, que recebe o CSKA, se quiserem seguir em frente. Isto porque em Old Trafford não foram capazes de desfazer o nulo com os holandeses, mostrando as dificuldades do costume quando é necessário assumir as despesas do jogo; Já os Lobos chegaram à liderança do grupo em Moscovo, batendo uma equipa em clara quebra e que está praticamente fora das competições europeias. A vantagem só chegou na segunda parte, com um auto-golo de Akinfeev (frango enorme) e um golo de Schürrle.

Grupo C: Atlético 2-0 Galatasaray (Griezmann x2) - O homem do costume resolveu e colocou os madrilenos nos oitavos-de-final, estando para decidir o primeiro lugar na próxima jornada, em Lisboa. Griezmann, que tem sido de longe a figura em maior destaque no conjunto de Simeone, bisou perante uma equipa turca que nunca mostrou capacidade de criar problemas e que ainda terá de lutar com o Astana pelo apuramento para a Liga Europa. 

Grupo D: Juventus 1-0 Man City (Mandzukic); Bor. Mönchengladbach 4-2 Sevilha (Stindl x2, Johnson e Raffael; Vitolo e Banega) - Mesmo com irregularidade a nível interno, a Juve tem provado ser a equipa mais forte do grupo (basta um ponto para garantir o primeiro lugar) e venceu pela segunda vez o Man City. A equipa de Allegri, com Alex Sandro em fase de afirmação, Lichsteiner muito activo, um meio campo a carburar e um Dybala finalmente a justificar o investimento, bateu os ingleses de forma justa num excelente jogo de futebol. O golo solitário de Mandzukic, ainda na primeira parte, foi suficiente para o triunfo do tetracampeão italiano, que teve várias oportunidades para avolumar o resultado. O City, apesar de ter tido mais posse de bola e de também ter tido as suas chances, foi menos objectivo ofensivamente e não teve a mesma qualidade em termos defensivos, o que acabou por ditar a derrota. Na Alemanha, o Sevilha complicou a permanência nas competições europeias, ao perder frente ao Gladbach por 4-2. Stindl, cada vez mais uma figura na equipa dos Potros, bisou e vai mostrando cada vez melhor entendimento com Raffael, que também marcou. Com Xhaka e Dahoud (bela revelação nesta temporada) a dominarem no meio campo, o melhor que o Sevilha pode fazer foi ir reduzindo distâncias, com golos de Vitolo e Banega. 

Etiquetas: ,