O BBC português

O ano de 1922 ficou marcado pelo aparecimento da, provavelmente, cadeia informativa mais badalada do planeta. A British Broadcasting Corporation, prosaicamente conhecida como BBC, revolucionou o universo britânico, provocando uma onda que, indubitavelmente, McNamara gostaria de surfar.

Em tempos menos ancestrais, o epíteto voltou à baila, desta vez em solo espanhol. Bale, Benzema e Ronaldo (2nd edition) deram azo a uma deterioração de defesas contrárias e concederam um ‘handicap’ brutal, ao transformar um ‘terno’ num ás de trunfo.

O voo iniciado em terras de sua majestade, com escala na capital hispânica, acaba de aterrar no país mais ocidental da Europa.

Bruno ‘Bélico’ de Carvalho (3rd edition), nome artístico de Bruno de Carvalho, em parceria com Pedro Guerra – personagem carismática cujo nome de BI se compagina com o artístico – dão mote a um novo enredo que promete dar cartas na ficção nacional. O primeiro episódio, transmitido na passada segunda-feira, pela TVI (24), atingiu os píncaros de audiências. Esta novela, com contornos muito peculiares – não se vaticina quando será transmitido o próximo episódio – retrata um duelo mordaz, sofrível e que não mitiga um futebol português cancerígeno.

Desmistificar o lado obscuro do futebol afigura-se como uma prioridade (ou, pelo menos, deveria), mas não é com insinuações medonhas, ameaças à integridade física e frases que ficam “pela metade” que a coisa chega a bom porto.

A violência nos estádios tem aumentado de forma ridiculamente exacerbada. O que se deveria chamar espetáculo, hoje, é sinónimo de tarjas ofensivas, cânticos racistas e agressões corporais.

As causas estão à vista e parecem estar a agravar-se.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Renato Santarem

Etiquetas: