Finalmente a nota artística; Sporting aplica uma "Manita" ao Vit. Guimarães

Sporting 5-1 Vit. Guimarães (Slimani 12', 58' e 78', Téo Gutiérrez 24' e Adrien 60'; Josué 82')

Talvez no momento mais delicado da época (pelos empates e clima que se tem criado em torno do clube), o Sporting de Jesus responde com uma exibição de mão cheia. Os leões golearam o Vit. de Guimarães sem apelo nem agravo, resultado que permite encarar as semanas de paragem com outra confiança e principalmente não deixam fugir o FC Porto na tabela. Foram 5, mas até podiam ter sido mais, tal foi qualidade de jogo dos leões (claramente a melhor exibição da temporada) em contraste com a inércia que os vimaranenses apresentaram (e Conceição até se costuma dar bem com JJ). Slimani brilhou com um hattrick (e golos foram de cabeça), Téo também respondeu às críticas com um golo; Jefferson bisou nas assistências, William encheu o campo no regresso à titularidade para a Liga; João Mário esteve em destaque a jogar na direita. No Vitória, apesar da goleada (o caudal ofensivo dos leões nos primeiros 30 minutos foi fatal, sendo que a expulsão de Saré aos 54 minutos também não ajudou), Josué esteve em evidência, não só pelo golo que marcou mas igualmente por aqueles que evitou, com vários cortes de grande nível.

Quanto ao jogo, os leões chegaram ao 1-0 aos 12 minutos por Slimani, que de cabeça, qual Jardel, respondeu a um cruzamento de João Mário e depois embalaram para uma primeira parte de grande nível recheada de oportunidades de golo. Téo num canto de Jefferson atirou à barra, depois foi Ruiz, numa grande lance colectivo do Sporting, a permitir o corte a Josué quando o golo parecia certo. Mas os leões estavam por cima e, num dos muitos erros do Vitória, Montoya atrasa para uma zona onde só estava Téo, que driblou Douglas e rematou para o 2-0. Pouco depois foi Ruiz, numa excelente jogada na linha de fundo, a ficar perto do golo, num lance em que o ex-Fulham se lesiona (foi substituido por Gelson). Antes do intervalo foi Téo a chegar atrasado a um cruzamento de Gelson. No 2.º tempo o Vitória entrou melhor, Dalbert estou logo Patrício no primeiro minuto, mas aos 54 minutos Bouba Saré levou o vermelho directo por uma entrada sobre Gélson e a partir daí o Sporting acelerou e consumou a goleada. Slimani novamente de cabeça, aproveita um cruzamento de Jefferson, para fazer o 3-0, pouco depois Adrien num livre, a bola bate em Dalbert e trai Douglas, faz o 4-0. Os vimaranenses ainda assustaram em alguns lances de bola parada, mas foi Slimani, novamente assistido por Jefferson, a fazer o 5-0. No entanto, o Vitória chegou mesmo ao golo, em mais um lance de bola parada Josué respondeu a um canto de João Pedro e reduziu. Até final os leões ainda podiam ter aumentado (Gélson não isolou Montero num lance claro de golo e Aquilani teve um falhanço incrível de cabeça) mas o resultado não se alterou.

Sporting - Em semana de borrasca, nada como uma vitória tranquila. Os leões tiveram a eficácia que faltou na Turquia, por exemplo, as jogadas foram saindo bem, beneficiando também de um adversário que se mostrou macio no ataque, e facilitou ainda na defesa, como comprova o segundo golo. Os leões marcaram cedo e rapidamente alargaram a vantagem, o que eliminou quaisquer nervos que pudessem atacar equipa e adeptos. Na verdade, o Vitória também pouco fez por enervar os donos da casa, pois nunca se mostrou afoito no ataque, e foi demasiado permissivo na zona intermediária. A expulsão foi como que um atirar de toalha ao chão, carimbando um resultado que nunca esteve em dúvida.  Jesus apresentou João Mário à direita, e fez regressar Esgaio, bem como Slimani, mas naturalmente quem fez a diferença foi o reforço William Carvalho. O médio defensivo dominou por completo o meio-campo, e mostrou mais uma vez que não precisa de correr freneticamente para fazer valer a sua influência; por outro lado, a sua capacidade de passe faz toda a diferença, pois a bola chega sempre jogável aos colegas, estejam eles perto, ou sejam lançados em profundidade. Slimani foi figura de destaque com dois golos de cabeça, em que mostrou boa movimentação mas contou com a apatia dos seus marcadores, Teo também esteve interventivo, e desta vez não falhou na cara do golo. A defesa não foi verdadeiramente testada (apesar de ter revelado algumas dificuldades nos lances de bola parada), no plano ofensivo Esgaio e Jefferson mais uma vez não foram totalmente eficazes no apoio ao ataque, embora o esquerdino tenha somado duas assistência. João Mário, não sendo rápido e forte nos duelos individuais, deu outro critério ao ataque pela ala, e foi dele o cruzamento para o golo inaugural.

Vit. Guimarães - Conceição somou a 2.ª derrota em 2 jogos, e ao contrário do que aconteceu contra o Sp. Braga desta vez apresentou uma equipa muito passiva. O meio campo deu sempre muito espaço (William pôde sempre receber à vontade, e isso costuma ser fatal), as divididas caíram para os verde e brancos, os atacantes foram inofensivos, e a defesa mostrou-se permissiva. Montoya deu o mote, com uma assistência para Teo, mas já antes os centrais demonstraram passividade perante a movimentação de Slimani. Saré complicou ainda mais a tarefa dos colegas, ao ser expulso após entrada de sola com a bola já longe, mas com 11 ou 10 o destino dos homens de Conceição estava traçado. A equipa nunca teve bola, foi passiva, deixou e viu jogar, e bem pode agradecer a Josué e Douglas sair de Alvalade com apenas uma mão cheia de golos sofridos.

Etiquetas: ,