FC Porto vacila e deixa Sporting isolado; Sem abre-latas ficou mais difícil

FC Porto 0-0 Sp. Braga

Resultado que valoriza ainda mais a vitória do Sporting e deixa os leões isolados na liderança da Liga. O FC Porto não passou do nulo frente ao Sp. Braga e caiu para o 2.º lugar da tabela. Os portistas dominaram no 1.º tempo, criaram várias oportunidades, mas foram perdendo clarividência com o decorrer do encontro - a lesão de Brahimi tirou capacidade de desequilíbrio ao ataque e acabaram por vacilar numa jornada em que estavam proibidos de o fazer (não se pode perder pontos em rondas de dérbis, quando há a hipótese de ganhar margem a um ou aos dois rivais). Mérito para o conjunto de Fonseca, que teve Kritciuk em grande na baliza e na 2.ª parte conseguiu controlar melhor o encontro.

Quanto ao jogo, a primeira parte foi de sentido único. O Sp. Braga apresentou-se muito organizado em campo, com duas linhas de 4 vincadas e dois homens na frente mas só deu FC Porto. Os Dragões foram somando boas oportunidades para inaugurar o marcador, que não foi desfeito nos primeiros 45 minutos, muito por culpa de Kritciuk. Logo aos 9 minutos, lance espetacular que podia resultar num golaço. Tello lança Aboubakar em velocidade, o camaronês passa Ricardo Ferreira com um toque sublime e dispara forte de pé esquerdo com a bola a passar pouco por cima da baliza adversária. Pouco depois, duro revés para o Sp. Braga que viu Djavan sair lesionado (não estava a dar espaço a Tello) que foi rendido por Marcelo Goiano. Quem ganhou com isto foi Tello, que menos de 10 minutos depois, tira dois da frente e dispara para defesa segura de Kritciuk. O FC Porto estava a apresentar muita qualidade na circulação de bola (embora algo lenta) e apenas 3 minutos volvidos, André André, do meio da rua, dispara forte com a bola a passar mais uma vez por cima do travessão. As oportunidades estavam a surgir, e aos 33' foi Layun, de primeira, na sequência de uma jogada de insistência, atirar perto do poste. O encontro foi se aproximando do intervalo, mas tempo ainda para mais três/quatro lances de perigo. Primeiro foi Tello, a passe de Brahimi, a isolar-se perante Kritciuk, mas a permitir a defesa ao guardião russo, para na sequência André André rematar a rasar o poste. Pouco depois, Tello rouba a bola a Mauro a meio campo e lança Brahimi, que rompe pela linha final, mas o remate é intercetado pelo homem do jogo, que viria também a antecipar-se a Aboubakar, num cruzamento que saiu atrasado de Cissokho. A segunda parte foi mais do mesmo mas com menos oportunidades e que teve um FC Porto mais lento, Aos 71' Aboubakar rematou ao lado, quatro minutos depois foi a vez de Bueno levar perigo na cobrança de um livre lateral, com os próprios jogadores a terem novas oportunidades aos 80' e 83'. A três minutos dos 90, Danilo de cabeça após canto testou Kritciuk, o mesmo Danilo um minuto depois, num excelente passe, permite a Bueno quase marcar num vólei, com a última oportunidade a pertencer a Tello que rematou à figura já dentro de área, Alan numa transição também levou perigo à baliza de Casillas, mas nenhuma equipa desfez o nulo. Em suma, um resultado que não representa o que foi o encontro, já que o conjunto azul e branco e criou oportunidades de sobra para chegar ao golo, mas que penaliza a ineficácia do FC Porto.


FC Porto - Num dia de dérbi lisboeta era imperativo vencer, mas o conjunto de Lopetegui voltou a vacilar. Os azuis e brancos tiveram oportunidades suficientes para conseguir os 3 pontos, no entanto, por ineficácia, pela lesão de Brahimi aos 58 minutos, que tirou capacidade de desequilíbrio à frente, ou por alguma lentidão em alguns períodos do jogo, a verdade é que os golos não apareceram. Imbula, que saiu pouco depois da hora de jogo rendido por Bueno, foi talvez o melhor em campo. O francês, muito forte fisicamente, definiu sempre bem e mostrou por que é que é uma besta fisicamente. Brahimi também voltou a estar em foco, desequilibrando Baiano várias vezes, mas acabou por sair lesionado. Aboubakar começou a todo o gás, com vários pormenores deliciosos, mas foi perdendo força perante Boly. Já Tello nem sempre definiu bem, pior esteve Cissokho (permeável defensivamente e um pouco lento no ataque), que foi o homem menos da formação de Julen Lopetegui.

Sp. Braga - Pequena vingança de Paulo Fonseca, embora o empate até seja feliz. A equipa tentou estar organizada mas durante um bom período só se limitou a defender, mesmo assim é um ponto importante, num jogo em que se notou alguma debilidade física (principalmente nos últimos 10 minutos), propícia de quem tinha jogado na quinta-feira. Rafa foi um quebra-cabeças sempre que lançava a transição em controlo, Alan também esteve bem a oferecer linha de passe e baixar no terreno, já Mauro sofreu com Imbula e esteve abaixo do que tem feito. Na frente, o duo de avançados raramente teve bola, no entanto a defesa fez o seu trabalho, apesar da lesão precoce de Djavan (talvez o lateral esquerdo mais consistente desde que a época começou em Portugal). Face isso, destaque para os dois homens que viabilizaram a permanência do nulo: Boly foi um esteio defensivamente e ainda mostrou a sua qualidade técnica na saída de bola, já Kritciuk (totalista no campeonato), mostrou porque ganhou o lugar a Matheus, com várias defesas de bom nível.

Etiquetas: ,