De 34 tire 11

Portugal garantiu a presença no Europeu de França, mantendo a tendência recente de estar em todas as grandes competições, mas, desta feita, não precisando do sofrimento do Playoff. Desde a chegada de Fernando Santos, a equipa das Quinas venceu todos os encontros de qualificação (sempre pela margem mínima) e selou o passaporte para o certame em terras Gaulesas. Ora, a cerca de 8 meses para o torneio, é já possível fazer um esboço daquilo que serão as escolhas do seleccionador nacional, bem como as dúvidas que pairam sobre a cabeça do técnico. Não esquecendo que no futebol os cenários mudam muito rapidamente, ou seja, um jogador que hoje parece opção fixa pode perder a titularidade no clube e ser descartado, sendo que pode, a qualquer momento, aparecer um "Nélson Semedo" (há 3 meses quem pensava nele para a selecção?) e baralhar as contas. A realidade é que FS utilizou 29 jogadores (Ricardo Costa, João Pereira, Ricardo Horta e Ivan Cavaleiro só foram utilizados por Paulo Bento), havendo unidades que ou não foram chamadas (como Ruben Neves ou Gonçalo Guedes) ou foram mas não jogaram (como os guarda-redes suplentes, Daniel Carriço, Rafa ou Rui Fonte) que possuem legítimas esperanças de estar na lista final. 

Começando pela baliza, Rui Patrício, Beto (que terá de superar a concorrência de Sérgio Rico) e Anthony Lopes devem ser, se a sua condição física o permitir (o que no caso do jogador do Sevilha é particularmente relevante), as 3 opções para guarda-redes. As alternativas devem passar por Eduardo e Ventura, jogadores que foram chamados quando um dos membros do trio não está disponível (como é o caso da mais recente convocatória). 

Na defesa surgem algumas dúvidas. Se Ricardo Carvalho (titular nos 6 jogos de apuramento com Santos), Pepe, Fábio Coentrão (a jogar no sector mais recuado ou no meio-campo) e Bruno Alves parecem ter lugar garantido, falta definir o quarto central e os restantes laterais. Para o centro da defesa, José Fonte tem, neste momento, vantagem, mas nomes como Daniel Carriço, Neto, Paulo Oliveira ou Ilori, se forem opções nas suas equipas, podem baralhar as contas. Para lateral-direito, há vários candidatos mas nenhum com o rótulo de indiscutível. Cedric e Vieirinha partem na frente, mas Bosingwa (titular em 2 partidas) Ricardo Pereira (em grande em França), Nélson Semedo, João Cancelo ou Miguel Lopes possuem legítimas pretensões de estar na convocatória, sendo que o hábito de Lopes e Ricardo em jogar nos dois corredores pode ser um trunfo a ter em conta. Já para o lado canhoto, Eliseu e Raphael Guerreiro lutam por uma vaga, já que não é expectável que Santos leve ambos, ocupando assim uma vaga que pode ser ocupada por elementos de posições mais avançadas. Sendo que se o selecionador optar por um lateral-direito que faça ambos os corredores, Coentrão pode ser o único lateral-esquerdo convocado.

O Sector intermediário, que com Bento parecia condenado às mesmas opções, subitamente ganhou muita quantidade e qualidade. Apesar da concorrência, os nomes de Tiago e João Moutinho dificilmente não estarão na lista, sendo que se William render ao seu nível no Sporting também deve estar nos 23. Assim, a chave para saber quem FS levará ao Euro pode estar nas características que o técnico quiser ter nas restantes opções. Se pretender levar outro médio mais defensivo, Danilo é o nome mais provável, não sendo de descartar uma aposta em Ruben Neves. Para segundo médio, parecem sobrar duas vagas (ou três), as quais serão disputadas entre André André, João Mário, Adrien Silva, André Gomes e Miguel Veloso (talvez João Mário e André Gomes, pela qualidade qu apresentam, levem vantagem). Finalmente, o toque de criatividade de Bernardo Silva dificilmente não terá espaço.

Na frente, se Fernando Santos levar 8 defesas (contando Coentrão como defesa) e 7 médios (contando Bernardo como médio), sobram 5 vagas. Havendo lugar cativo para Ronaldo e Nani, Quaresma (mesmo com o pouco fulgor no Besiktas) e Danny (não obstante o fraco rendimento pela equipa lusa) foram assíduas escolhas do treinador, pelo que levam vantagem sobre uma concorrência formada por Varela (sem vida fácil no Dragão), Rafa (que tal como Bernardo pode contar como médio mais criativo) ou Gonçalo Guedes (se mantiver este protagonismo será uma hipótese muito forte), não descartando nomes como Bruma ou Ivan Cavaleiro. Finalmente, FS não deverá deixar de levar um número 9 e aí as opções são muito escassas. Éder é o mais forte candidato, com Rui Fonte a liderar a perseguição (sendo que se nomes como Paciência ou André Silva - que em Janeiro deveria ser emprestado a uma equipa da Primeira Liga - desatarem a marcar podem entrar nas contas).

Pedro Barata

Etiquetas: