O regresso 20 anos depois

Depois de ter abandonado o principal escalão do futebol português em 1995, aquela que foi apenas a 5.ª participação dos madeirenses na I Liga, o União conseguiu  reerguer-se e voltar a juntar-se ao convívio dos grandes nesta temporada. O clube andou pelos campeonatos não profissionais e a subida de divisão foi conseguida em cima do risco de meta, graças a uma ajuda de André Carvalhas e, respectivamente, do Tondela na última jornada da II Liga, mas a verdade é que Vítor Oliveira, treinador muito habituado a estas andanças nos últimos anos, conseguiu cumprir o sonho dos adeptos do União e colocou a terceira equipa da Madeira na primeira divisão do futebol nacional. No entanto, como seria de esperar, o herói da subida preferiu abraçar outro projecto na mesma divisão e o escolhido para enfrentar este desafio foi Luís Norton de Matos. Treinador experiente (61 anos), mas que há muito tempo estava afastado do comando técnico de uma formação da I Liga e que, apesar da competência reconhecida por muitos (sobretudo ao nível da formação e crescimento de jogadores), nunca obteve grandes resultados na sua carreira. Ainda assim, conseguiu alguns reforços interessantes para este União, muitos deles portugueses (André Moreira, Paulinho, Paulo Monteiro ou Joãozinho), outros também de origem estrangeira e com experiência na I Liga (Diego Galo e Danilo Dias) e, por fim, outros com algum cartel internacional e que podem acrescentar algo ao conjunto recém-promovido (Renny Vega, Shehu, Gonzalo Bueno ou Breitner). No entanto, é visível que a inexperiência poderá ser o grande adversário desta equipa e que o sector recuado será o grande pilar da formação de Norton de Matos, não sendo por isso de admirar que sejam neste momento uma das melhores defesas da competição (apenas 2 golos sofridos). Assim, na luta pela manutenção, a segurança defensiva predominará em relação à criatividade e qualidade no ataque, até porque muitos dos jogadores que formam esse sector são uma incógnita a este nível.

União da Madeira versão 2015-16:
Entradas: Renny Vega (Dep. La Guaira), André Moreira (Atlético Madrid), Paulinho (Moreirense), Tiago Ferreira (Zulte Waregem), Joãozinho (Sp. Braga), Diego Galo (Arouca), Paulo Monteiro (Concordia Chiajna), Nilson (DOXA), Gian (Sanjoanense), Erick Iragua (Universitario Pando), Breitner (Mineros), Shehu (Qadsia), Danilo Dias (Qarabag), Edder Farías (Caracas FC), Gonzalo Bueno (Kuban Krasnodar), Paulo Cézar (Khaitan), Jhonder Cádiz (Caracas FC), Amilton Silva (Varzim)
Saídas: Pedro Trigueira, Stéphane, Edson Almeida, Diogo Coelho, Jaime, André Vinícius, Roberto Silva, Chico Gomes, Jota, Ayrton Victor, Naftal, Zé Luís, Micael Babo, Leandro Bispo, Amessan, Talles Cunha, Barnes, Mendy
Objectivo: Manutenção
11 base: André Moreira, Paulinho, Paulo Monteiro, Diego Galo, Joãozinho, Gian, Soares, Danilo Dias, Amilton, Breitner, Gonzalo Bueno
Ponto forte: Laterais - O União acertou em cheio nas contratações que fez para as laterais. Paulinho realizou uma temporada muito consistente em Moreira de Cónegos e até surpreende que não tenha rumado a um clube com outras ambições e Joãozinho, lateral que já passou por Sporting e Braga, dá muitas garantias a este nível, tendo-se destacado, recorde-se, no Beira-Mar.
Ponto fraco: Ataque - Neste arranque de época, Norton de Matos tem mantido estável o sector recuado e o meio-campo defensivo, mas continua à procura das melhores soluções do meio-campo para a frente. Já foram testados vários jogadores e ainda nenhum demonstrou totais garantias, de tal forma que não surpreende o clube madeirense ser um dos piores ataque da prova até à data. Neste sentido, a falta de um goleador poderá ser muito prejudicial na luta pela manutenção, mesmo tendo em conta a chegada do promissor Gonzalo Bueno, sendo que no meio-campo ofensivo apenas Danilo Dias já demonstrou qualidade na I Liga. 
Jogador chave: Danilo Dias - Numa equipa tão inexperiente nestas andanças, o médio ofensivo brasileiro pode assumir um grande protagonismo e ser determinante para o sucesso dos madeirenses. Rápido, bom tecnicamente e com bom poder de finalização, será certamente uma pedra basilar nas transições rápidas da formação de Norton de Matos.
Jogador a seguir: André Moreira - Emprestado pelo Atlético de Madrid, o guarda-redes titular no último mundial sub-20 tem estado em destaque neste arranque de época e promete realizar uma boa temporada. O União é neste momento a melhor defesa do campeonato a par do FC Porto (apenas 2 golos sofridos) e em alguns jogos muito o deve ao seu guarda-redes. Em face da escassez de guarda-redes portugueses titulares na I Liga, esta afirmação de André Moreira poderá ser também muito importante ao nível da Selecção nacional.
Previsão: 15.º lugar - Neste regresso à I Liga, o objectivo não poderá ser outro que não a manutenção no principal escalão do futebol português. Norton de Matos é um bom treinador, por norma coloca as suas equipas a jogar um bom futebol, mas a verdade é que a formação madeirense até tem primado mais pela coesão defensiva (sector onde tem mais qualidade, sem dúvida). Em face dessa qualidade no sector mais recuado, a permanência poderá muito bem ser uma realidade, sendo que a escassez de opções de qualidade no sector ofensivo poderá impedir o União de ser mais ambicioso e praticar um futebol mais atractivo. As transições rápidas serão a grande arma da equipa, aproveitando a velocidade de elementos como Danilo Dias, Amilton, Breitner ou Kisley, enquanto que a coqueluche Gonzalo Bueno, jogador ainda não utilizado pelo treinador do clube recém-promovido, tentará afirmar-se definitivamente esta época depois de tanto ter prometido.

Rodrigo Ferreira

Etiquetas: