Portugal "à Fernando Santos" praticamente no Euro; Miguel Veloso passou de descartado a herói

Albânia 0-1 Portugal (Veloso 90'+2)

Portugal está com um pé e meio no França'2016. À semelhança do que tinha acontecido na Dinamarca (os jogos com Fernando Santos tem tido sempre uma "estrelinha" destas), um golo, de cabeça, desta vez do inesperado Veloso (que passou de descartado a decisivo), já nos descontos, permitiu à selecção nacional garantir os 3 pontos e ficar ainda mais isolada na liderança do grupo I. Um resultado que não traduz na totalidade o que foi o jogo, já que a equipa das quinas, apesar de ser claramente melhor, nem fez o suficiente para chegar à vitória. Foi mais uma partida com poucas oportunidades claras (Eliseu desperdiçou a melhor), que apresentou uma equipa anfitriã, que curiosamente até parece ser a mais fraca do grupo, a adoptar sempre uma postura especulativa e Portugal, apesar da coesão defensiva (Pepe e Carvalho estiveram imperiais), a revelar uma estranha incapacidade para criar situações de desequilíbrios (os lances ofensivos resumem-se a uns remates de fora da área de Ronaldo).

Quanto ao encontro, Fernando Santos deu a titularidade a Veloso, Bernardo Silva e Danny, relegando Adrien, João Mário e Éder para o banco, e Portugal entrou com alguma vontade de dominar, com Nani na esquerda, Bernardo na direita e Danny e Veloso tentando aproximar-se de Ronaldo. Após uns minutos iniciais marcados pela maior posse de bola portuguesa, o perigou chegou ao minuto 10, quando Ronaldo, de fora da área, remata para defesa de Berisha e, na sequência do canto, Nani remata ao poste após desvio ao primeiro poste. Depois, Portugal foi estando mais vezes por cima (a Albânia revelava imensas dificuldades na saída da bola, recorrendo quase sempre ao pontapé para a frente), mas sem criar muitas dificuldades à defensiva adversária, excepção feita a novo remate de Ronaldo de fora da área à passagem dos 30’ que passou perto do poste direito. Pouco depois, aos 38’, foi Bernardo a levar perigo à baliza de Berisha, num remate cruzado após combinação com Nani, mas o jogo foi para o intervalo a zeros. No início do segundo tempo, a Albânia entrou com outro ímpeto, mais agressiva na procura da baliza e com menos posse para Portugal, mas ainda assim a melhor chance dos primeiros minutos da segunda metade foi da equipa das Quinas, quando Danny, após cruzamento de Cedric, não consegue cabecear no sentido da baliza quando estava em excelente posição. Até que nos últimos 20 minutos a Albânia começou a crescer no jogo e a ter mais bola no meio campo ofensivo, tendo tido mesmo uma boa oportunidade com Çikalleshi a acertar na barra num lance em que rematou à entrada da área e a bola bate em Pepe. Com o jogo mais partido, Portugal também aproveitou para tentar alguns lances de transição, tendo num desses lances tido a melhor oportunidade do jogo, com Ronaldo a isolar Eliseu mas o chapéu do esquerdino passou ao lado do poste. Já nos descontos, na sequência de um canto de Quaresma, Veloso saltou mais alto para marcar o único golo do encontro.

Destaques:

Portugal - Mais um encontro com um futebol de pouca qualidade, mas com a quinta vitória consecutiva em jogos do apuramento para o Euro na Era Fernando Santos, a qual faz com que a equipa das Quinas esteja a um pequeno passo de França, faltando apenas um empate no confronto frente à Dinamarca para selar a qualificação. Na primeira parte a equipa até teve alguns momentos de ligeira melhoria, sobretudo por revelar alguma capacidade de circulação, mas ainda assim foi muito curto, já que a qualidade continua a ser escassa, com pouca dinâmica, nenhuma criatividade e quase sem qualquer situação de golo que não seja um remate de longe. Individualmente, Rui Patrício nunca foi verdadeiramente testado, a dupla Pepe - Carvalho esteve ao nível do costume, muito serena, concentrada e lesta nas dobras, ao passo que Eliseu esteve muito perto do golo. Danilo não deu muita qualidade na saída de bola, mas teve algumas acções positivas ao nível da recuperação e Miguel Veloso foi o herói, marcando em cima do apito final com uma portentosa cabeçada (e no resto do jogo esteve esforçado e concentrado, sempre preocupado em pressionar com critério). Bernardo Silva esteve bem até sair, com alguns momentos em que revelou a sua qualidade (sobretudo um passe a isolar Ronaldo e um remate perigoso), ao contrário de Danny, mais uma vez longe do que se pede a um titular da selecção (simplesmente mal se viu). Cristiano Ronaldo esteve quase sempre muito isolado na frente, sem qualquer apoio, mas falhou demasiados passes. Ainda assim, está ligado a quase todos os momentos de perigo, seja por 3 remates de longe perigosos seja na assistência para Eliseu.

Albânia - Uma equipa limitada, com enormes dificuldades na saída de bola e que se baseia em defender com muita gente e num espírito aguerrido e combativo. Na primeira parte a equipa pouco atacou, e mesmo na segunda, com as linhas um pouco mais subidas e algumas situações de bola parada perto da área portuguesa, a única situação de perigo surgiu num remate que desviou em Pepe e bateu na Barra. A verdade é que os Albaneses estiveram quase a manter a invencibilidade, mas mesmo com esta derrota a inédita qualificação continua ao alcance. Individualmente, Berisha nada podia fazer no golo sofrido e esteve bem a responder aos remates de longe de Cristiano e Cana impôs a sua experiência na defesa. Çikalleshi rematou ao ferro e Gashi foi dos que mais qualidade mostrou

Etiquetas: ,