Do Benfica ou do Sintrense?

Para a UEFA, um jogador é considerado formado numa Instituição, se entre os 15 e os 21 anos, esteve três épocas completas ou mais no clube, ou se porventura, somar um total de 36 meses no mesmo emblema, sendo que neste caso, a estadia na equipa não tenha de ser consecutiva. Há porém quem se oponha a esta maneira de atribuir o "titulo" de formado a um jogador, defendendo que um atleta apenas pode ser considerado da formação do clube X ou Y, se tiver jogado nos escalões de formação do mesmo, leia-se juniores, juvenis, iniciados, etc. Posto isto e analisando as duas maneiras de encarar este "problema", qual será na verdade a melhor ideologia? O conceito de formação é e sempre foi difícil de delimitar. Segundo o dicionário português, o acto de formar, é definido como a "acção de dar origem a, fazer existir, conceber algo, organizar e/ou dispor numa dada ordem, transmitir valores a alguém ou educar." Ora tendo em conta o significado do conceito propriamente dito, estará um atleta formado aos 18 anos? Estará um jogador que acabou de atingir a maioridade na plenitude dos conhecimentos tecnico/tácticos do jogo. Estará ele no patamar máximo no que concerne ao desenvolvimento das condições físico-desportivas que ajudarão o atleta a desempenhar a sua profissão no máximo das sua capacidades? Estes alicerces que acompanharão os atletas ao longo da sua carreira deverão ser aprendidos/interiorizados/conquistados o mais cedo possível de modo a que o jogador atinge uma maturação o quanto antes.

O futebol de hoje quando comparado com aquele praticado décadas atrás, denota várias diferenças, entre elas na formação. Analisando os melhores jogadores do Mundo dos dias de hoje, notam-se alguns traços semelhantes entre grande parte desses atletas. Lionel Messi, o astro argentino, começou a jogar nas escolas do Newell's Old Boys, com apenas 6 anos de idade. Cristiano Ronaldo, actual capitão da selecção portuguesa, deu os primeiros passos no mundo do futebol com 8 anos, no Clube de Futebol Andorinha de Santo António. Neymar Jr, com apenas 6 anos, dava os primeiros chutes no Portuguesa Santista, com igual idade, Franck Ribery começou a jogar no clube da sua cidade natal, o Conti Boulogne. Igualmente com 6 anos, Memphis Depay, a nova sensação holandesa, começou no mundo do futebol, jogando pelo VV Moordrecht, clube da sua cidade natal. Retrocedendo algumas décadas, regressamos ao tempo de Pelé ou Maradona, o astro brasileiro, só aos 11 anos, à beira de completar os 12 foi ter a sua primeira experiência no mundo do futebol. Já El Pibe, foi aprovado aos 9 anos, nos testes de captação do Argentinos Juniors. Johan Cruyff, chegou ao Ajax já com os seus 10 anos. Shevchenko, um dos melhores jogadores ucranianos de sempre, jogou nas ruas de Kiev até aos 9 anos quando foi encontrado pelo Dynamo de Kiev. O romeno George Hagi, apenas aos 14 anos teve o seu primeiro contacto com uma equipa federada. O controverso Eric Cantona, deu os primeiros toques no esférico ao serviço do SO Les Caillols, com 14 anos. Bem, penso que já dei a entender onde quero chegar, certo? No passado a formação iniciava-se tardiamente, dava-se ênfase ao futebol de rua, partidas muitas vezes jogadas em terrenos irregulares, desnivelados, com diversos objectos fixos entre uma baliza e outra. Partidas jogadas muitas vezes com equipas pequenas de 2 para 2 ou 3 para 3, consoante o número de jogadores. A componente técnica era a mais trabalhada até então, ao jogar em espaços pequenos e irregulares, os atletas dotados de mais técnica sobressaiam e tornava-se mais fácil para os clubes recrutar os mesmos. Voltando aos dias de hoje, vivemos num mundo bastante competitivo, onde um jogador que demonstra algum dote para o futebol está livre, mas daqui a uma hora já está num determinado clube. Esta competitividade leva as equipas a adquirirem cada vez mais cedo os jogadores, ou as crianças se assim preferirem.

O paragrafo anterior, ainda que meio solto, serve para demonstrar que não é por um jogador ter mais anos de formação que outro que será necessariamente melhor, ou que estará melhor formado. Na verdade, um jogador até ao 17/18 anos, aprende os princípios básicos de jogo, aprende os fundamentos técnico/tácticos para que quando chegar à equipa principal tenha bases suficientes para acompanhar e alcançar os seus companheiros mais velhos. Aprende as especificações de cada uma das posições e mais concretamente da posição que desempenha no terreno de jogo e claro, desenvolve o seu corpo em prol da actividade física de alta competição. Ora depois de tudo isto o jovem atleta irá ser integrado na equipa principal onde fará os primeiros jogos como jogador profissional. E aqui volto a colocar a questão, estará um jogador com 17/18 anos, que acabou de atingir a maioridade completamente formado? Seguindo o raciocínio daqueles que dizem que um jogador apenas é da formação do clube X, se tiver actuado no mesmo antes de completar os 18 anos, quererá dizer que tudo aquilo que o jogador aprender na equipa principal não é válido como formação.

Tudo isto vem no seguimento de uma discussão que tenho assistido já por diversas vezes sobre a nova coqueluche do clube da Luz, Nelson Semedo, um jogador que passou pelos escalões de formação do Sintrense, tendo se estreado na equipa principal ainda com 17 anos, à beira de completar os 18, tudo isto numa equipa da então denominada III Divisão Nacional. Na temporada seguinte, então com 18 anos, foi contratado ao Benfica e emprestado ao Fátima, então na II Divisão - Zona Sul, o equivalente ao Campeonato Nacional de Seniores dos dias de hoje. Voltaria ao Benfica então com 19 anos, a pouco menos de meio ano de completar os 20 anos. Actuou no Benfica B durante as duas épocas seguintes, jogando na Segunda Liga Portuguesa, uma das ligas que mais tem crescido a nível competitivo nos últimos anos. Posto isto, pergunto, Nelson Semedo estava formado aos 18 anos, depois de jogar nos juvenis, juniores e de disputar alguns jogos pela equipa principal do Sintrense? (nda: escalão amador). Não terá aprendido nada na sua passagem pelo Fátima que joga uma divisão acima? (nda: escalão semi-profissional),. Não terá evoluído em todos os aspectos ao jogar pela formação secundária do Benfica na Segunda Liga Portuguesa? (nda: escalão: profissional).

Como vêem, a palavra "formação" é difícil de aplicar dada a subjectividade por trás do conceito. O certo é que seguindo a ideologia da UEFA ou a outra acima apontada, um jogador com 19, 20, 21 ou mesmo mais velho, estará em processo de formação dependendo do seu background futebolístico. Reforço por isso a ideia, o conceito formação tem múltiplas formas de interpretar e cada um é livre de dar a sua interpretação.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Frederico Pinto

Etiquetas: