30 de Abril de 2013

Deco acusa positivo em controlo antidoping

A carreira do internacional português, claramente um dos 3 jogadores mais importantes que passou pelo nosso campeonato nas últimas duas décadas, não merecia terminar com este rótulo.

Deco acusou furosemida, visto como um diurético, por isso proibida pelo Comitê Olímpico Internacional, num exame anti-doping realizado após o encontro entre o Fluminense e o Boavista, a contar para o campeonato carioca. Um caso em todo semelhante ao que ocorreu recentemente com o médio brasileiro Carlos Alberto, jogador do Vasco da Gama, que também já passou pelo FC Porto.

Dortmund na final da Liga dos Campeões; Real Madrid, na pior noite de Ronaldo, não conseguiu a remontada (os golos apareceram tarde) e cai pelo 3º ano consecutivo nas meias-finais

Real Madrid 2-0 Borussia Dortmund (Benzema 83´ e Sergio Ramos 88´)

O Borussia Dortmund conquistou o apuramento para a final da Liga dos Campeões, apesar da derrota por 2-0 em Madrid. Os alemães chegam à final pela 2ª vez na sua história e 16 anos depois da sua última presença. Quanto aos merengues, e a Mourinho, voltaram a cair nas meias finais, pela 3ª vez consecutiva (Barcelona, Bayern e agora o Dortmund), deixando para trás o sonho da conquista do 10º título e do 3º troféu por 3 clubes diferentes. No cômputo geral das duas mãos, a qualificação do Borussia acaba por ser justa, enquanto o Real poderá queixar-se do desperdício inicial desta 2ª mão (os golos chegaram tarde). Cristiano Ronaldo acabou por ter uma noite para esquecer, numa exibição completamente desinpirada.

Os merengues tiveram uma entrada bastante forte na partida, conseguindo três claras ocasiões de golo ainda antes dos 15 minutos. Primeiro foi Higuain a falhar perante Weidenfeller (boa defesa do alemão), depois foi Cristiano Ronaldo a obrigar o guarda-redes alemão a nova defesa e, finalmente, Ozil atirou ao lado, completamente isolado. Os alemães estavam a sofrer com o ambiente fantástico de Madrid, mas depois sacudiram a pressão e engoliram os merengues tacticamente  (não se desequilibraram defensivamente). No segundo tempo, assistiu-se a uma série de oportunidades para o Borussia "matar" a eliminatória, numa fase onde o Real Madrid estava completamente partido a meio campo. Lewandowski enviou um missil à trave da baliza de Diego Lopez, que pouco tempo depois, fez a defesa da noite, num remate de Gundogan (o jogador do Borussia tinha tudo para marcar). O Real Madrid ainda fez um forcing final para dar a volta à eliminatória, tudo graças ao golo de Benzema. Sergio Ramos marcou logo a seguir (após assistência do francês), mas os merengues não mais conseguiram incomodar Weidenfeller. Estes minutos finais de loucos, deixaram a ideia que se o Real tem marcado mais cedo podia ter conseguido a remontada.
Destaques:

Borussia Dortmund - Jurgen Klopp conseguiu o regresso do Borussia a uma final da Liga dos Campeões, após 16 anos de ausência e alguns anos na penúria da Bundesliga. Hoje, os alemães tiveram uma péssima entrada em campo, mas conseguiram estabilizar e voltar a engolir o Real Madrid tacticamente. Weidenfeller fez uma grande exibição entre os postes, Hummels, Pieszczek e Subotic trataram de anular Ronaldo e Higuain, Gundogan e Bender deram equilíbrio ao meio campo, Lewandowski deu grande trabalho à defensiva do Real, enquanto Reus e "Kuba" estiveram bem mais discretos.

Real Madrid - Ainda não foi desta que os merengues chegaram à final da Liga dos Campeões (11 anos), nem muito menos à conquista do 10º título. O resultado da 1ª mão deitou tudo a perder, ainda que o 3-0 era perfeitamente possível em Madrid. Uma boa entrada na partida, com grandes ocasiões para marcar, ainda deixou àgua na boca aos adeptos, que explodiram de alegria bem perto do final. Mais aí, já era tarde, e ficou a faltar um golo mais madrugador. José Mourinho voltou a falhar, pela 3ª vez consecutiva (sempre nas meias finais), enquanto Cristiano Ronaldo esteve péssimo. O português falhou uma boa oportunidade para marcar, e além disso, foi completamente vulgar tecnicamente (não desequilibrou, não acertou um passe, não fez nada bem). Claramente uma das suas piores noites. Sergio Ramos deu tudo pelos merengues e ainda fez o 2-0, Benzema entrou muito bem na partida (1 golo e 1 assistência), enquanto Ozil, Higuain e Di Maria falharam por completo a nível do passe e dos desequilíbrios (com a excepção dos primeiros 15 minutos e 10 minutos finais).

Vasco da Gama está a negociar Aimar; Argentino fica livre daqui a 2 meses

O Vasco da Gama iniciou contactos com vista à contratação de Pablo Aimar, jogador do Benfica. VM - O argentino termina contrato daqui a 2 meses, e é um jogador livre para assinar por qualquer clube. Tendo em conta o pouco que rendeu em 2012-13, o seu elevado salário e a sua idade, a saída do Benfica é um dado inevitável. O clube brasileiro procura contratar algumas vedetas, para dar nova alma ao Vasco, sendo que Aimar, junta-se a Helton, na lista de pretendentes pelos vascaínos. Por onde passa o futuro de Aimar? O Vasco da Gama irá conseguir dar nova alma ao clube, com a chegada de nomes sonantes?

E Agora, quem irá morrer na Praia?

Faltam 3 jornadas para o fim do campeonato. 9 pontos para disputar, um titulo perto de ser conquistado, uma possível presença histórica na Champions para Paços de Ferreira e um lugar por decidir na Liga Europa. A forma como o Benfica festejou a vitória diante do Marítimo mostra bem a confiança com que as hostes encarnadas encaram a possibilidade de vencerem o seu 33º campeonato. Mesmo indo ao Dragão, o Benfica só precisa de não falhar quando receber em casa Estoril e o aflito Moreirense na derradeira jornada. Quanto à luta pelo último lugar do pódio, apesar dos castores terem um calendário complicado até final (Sporting, Académica e FC Porto), a vantagem pontual (4+1) e o facto de só dependerem de si, pelo menos nesta fase, retira algum protagonismo a esta indefinição (veremos o que acontece na próxima ronda, já que o Braga tem 3 duelos teoricamente acessíveis no que falta ainda jogar neste campeonato).

Resta assim a Liga Europa (a "corrida" mais disputada dos últimos anos) para fazer com que várias equipas estejam de calculadora na mão até ao último minuto do campeonato. Comecemos por baixo. O Nacional da Madeira parece correr por fora nesta fase. Tem 34 pontos, está a 4 pontos do 5º lugar e ainda defronta Braga e FC Porto. O Marítimo está na mesma situação pontual mas com um calendário que lhe poderá permitir aproveitar um deslize dos seus rivais directos. Sendo que Vitória de Guimarães já assegurou a sua presença na Europa via Taça de Portugal, independentemente do lugar em que fique na liga, a luta pela última vaga Europeia será, em princípio, entre Estoril, Rio Ave e Sporting. Rio Ave e Sporting estão a 2 pontos do Estoril, mas com calendários diferentes. A equipa de Nuno Espírito Santo defronta Olhanense, Gil Vicente e Vitória de Guimarães. Os Leões defrontam Paços de Ferreira, Olhanense e Beira-Mar. Já o Estoril defrontará o o Benfica na Luz, e depois terminará diante de Beira-Mar e... Gil Vicente. Podemos concluir que além das 3 equipas na luta directa (ou 5 considerando as duas equipas da Madeira) também Gil Vicente, Beira-Mar e Olhanense (estes dois bastante aflitos) poderão ter uma palavra a dizer já que defrontam por duas ou três vezes uma destas equipas candidatas à Europa. O calendário do Rio Ave poderá ser a sua melhor vantagem? Evitando uma derrota na Luz, a Europa já não foge ao Estoril? E caso isso aconteça poderá Estoril baralhar as contas do título? Paços de Ferreira terá capacidade para ultrapassar Sporting e FC Porto? Esta situação de três frentes em aberto a 3 jornadas do fim é benéfica para o campeonato Português? Demonstra a competitividade da Liga ou é apenas reflexo da época menos conseguida de Sporting e Sporting de Braga? Quem vencerá cada uma das 3 frentes (FC Porto vs Benfica; Paços vs Braga; Estoril vs Rio Ave vs Sporting)?

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): Vasco Galhofo

Federação contraria a Liga e não aprova alargamento de 16 para 18 clubes

A Direcção da Federação Portuguesa de Futebol decidiu hoje chumbar a proposta de alargamento da I Liga, aprovado pela AG da Liga de clubes, considerando que a mesma não respeita os princípios da competição. Basicamente, a FPF considera que este tipo de decisões devem ser tomadas antes do inicio da época e não com a mesma em curso, pois os direitos, interesses e expectativas legítimas de todos os participantes podem ficar afectados. Nesse sentido a Federação propõe à Liga que aprove até 30 de Junho de 2013, nos termos que entender convenientes, o regime de subidas e descidas a aplicar no final da época 2013/2014 , que permita que, na época desportiva seguinte (2014/2015), esteja concretizada a deliberação do Conselho de Justiça. PS - Recordamos que tinha sido aprovado na Liga o alargamento do campeonato principal a 18 clubes, recorrendo à disputa de uma "liguilha" para preencher a 18.ª vaga (o 17.º será o Boavista), a realizar no final da presente temporada, envolvendo os dois últimos classificados da I Liga e os terceiro e quarto da II Liga. Campeonato com 16 ou 18 equipas? Se continuar com 16, como será feita a integração do Boavista? Até que ponto estes avanços e recuos (sobre o alargamento) pode prejudicar equipas como o Moreirense, Beira-Mar, Olhanense, Portimonense, Arouca, Leixões, Oliveirense, Aves, Santa Clara e Penafiel?

A 3 jornadas do fim, quem leva vantagem na corrida ao prémio de "melhor jovem" da Liga Zon-Sagres 2012-13?

Considerando apenas jogadores sub-21, ou seja que nasceram em ou depois de 1991, qual foi o melhor jovem deste campeonato? Na teoria James leva vantagem sobre a concorrência, apresenta um nº impressionante de golos e assistências, o problema é que o colombiano (um autêntico "papa estatísticas") esteve longe de fazer uma boa época (os seus golos e assistências não traduzem o pouco - tento em conta o seu enorme potencial - que ofereceu). Sendo assim, Ricardo, Tiago Rodrigues, Baldé e Paulo Oliveira (todos do Vitória), Dier, Ilori e Bruma (do Sporting), Filipe Augusto, Oblak e Hassan (Rio Ave), Alex Sandro, Danilo e Mangala (FC Porto), Ola John (Benfica) e Suk (Marítimo) são igualmente nomes a considerar. Qual deles (e porquê) o melhor?

29 de Abril de 2013

Benfica vence nos Barreiros e fica mais próximo do título: Encarnados realizaram uma primeira parte paupérrima (o único remate deu em golo), reagiram no 2º tempo e chegaram ao triunfo num lance infeliz de Rossi

Marítimo 1-2 Benfica (Rossi 42´; Lima 5´g.p. e Rossi 72´a.g.)

O Benfica alcançou um triunfo complicado na visita à Madeira, numa exibição com duas caras. Durante os primeiros 45 minutos, os encarnados assistiram ao domínio madeirense, enquanto no segundo tempo, a equipa de Jorge Jesus criou boas ocasiões para chegar ao golo. Um jogo dos encarnados que voltou a ficar marcado pelos ferros (1 para o Marítimo e 2 para o Benfica) e por um auto-golo de Rossi a dar a vitória ao Benfica. Com este resultado, o Marítimo ficou mais longe da Liga Europa, apesar de ter mostrado qualidade para tal. Suk voltou a estar em evidência (deu grande trabalho à defensiva encarnada), Matic encheu o campo e Salvio foi decisivo nas duas áreas. Igor Rossi fez o golo do Marítimo, mas acabou por oferecer os 3 pontos ao Benfica, enquanto Lima, para além da grande penalidade convertida, ainda rematou por duas vezes aos ferros.

O jogo não podia ter começado melhor para o Benfica, com o golo de Lima, a castigar uma grande penalidade cometida por Márcio Rozário. A resposta dos insulares surgiu pelo mesmo jogador, que na sequência de um livre directo, acertou no poste da baliza de Artur. O Marítimo estava a encostar o Benfica ao seu meio campo, ao mesmo tempo que criava situações de perigo. Igor Rossi ficou perto do empate aos 31 minutos, num cabeceamento perigoso, e Sami, num remate desviado em Luisão quase batia Artur. Aos 42 minutos, Igor Rossi marcou mesmo, na sequência de um longo cruzamento do lado direito (o central apareceu completamente sozinho para cabecear). No segundo tempo, assistiu-se à reacção encarnada. Primeiro foi Rodrigo a desperdiçar na cara de Salin (remate ao lado), depois foi Lima a rematar à trave e ao poste. Os encarnados continuaram a criar grande perigo para a baliza do Marítimo e chegaram ao golo, à passagem dos 72 minutos. Jogada de Salvio, cruzamento e desvio infeliz de Rossi. Os insulares tentaram reagir ao golo, mas o melhor que conseguiram foi um remate de Fidelis para as mãos de Artur e um cruzamento perigoso do mesmo jogador.

Destaques:

Marítimo - Primeira parte de grande nível por parte dos insulares, que não deixaram o Benfica jogar e muito menos chegar com perigo à sua baliza (com a excepção do golo). Contudo, no 2º tempo, os madeirenses caíram de rendimento e nunca mais conseguiram incomodar Artur. Com este resultado, a Liga Europa ficou cada vez mais longe, numa temporada para esquecer nos Barreiros (apenas 3 vitórias, contra 8 empates e 3 derrotas). No plano individual, para além de Suk, destaque para a exibição de Igor Rossi (esteve em bom nível na defesa, marcou um golo, mas foi infeliz com o auto-golo) e Artur (o médio ofensivo esteve em todo o lado, criou desequilíbrios e tirou bons cruzamentos).

Suk - Esta época vimos poucos avançados a desgastar tanto a defensiva dos encarnados e a ter tanta qualidade nos seus movimentos como o sul coreano. Tem capacidade física, recebe bem a bola, sabe esperar pelos apoios e é intenso nas suas acções.

Benfica - Uma péssima exibição durante os primeiros 45 minutos (apáticos, sem organização ofensiva e com muitos passes errados), mascarada pela reacção no segundo tempo. Aí, os encarnados voltaram a criar bastantes ocasiões de golo, chegando à vitória de forma feliz (vitória essa que foi festejada como se do título se tratasse).

Matic - Mais uma excelente exibição do sérvio, sempre com grande qualidade na recuperação da bola e critério na saída para o ataque (para além de ter criado alguns desequilíbrios no ataque).

Lima/Salvio - O brasileiro esteve em destaque, pela grande penalidade conquistada e convertida, e pelos dois remates que levaram a direcção dos postes. O argentino esteve incansável no apoio defensivo (fez dois cortes que levavam selo de golo) e foi decisivo no 2º golo encarnado.

André Almeida/Maxi - Os dois laterais estiveram em evidência, mas pela negativa. O português nunca se adaptou ao lado esquerdo, cometeu vários erros (perdas de bola) e não conseguiu apoiar o ataque, enquanto o uruguaio voltou a mostrar que não apresenta a mesma qualidade da temporada passada.

Ola John/Rodrigo - Duas exibições pouco conseguidas. O holandês esteve pouco activo no lado esquerdo do ataque, raramente criou desequilíbrios e nas duas únicas vezes que teve a bola na área (no 1º tempo) perdeu muito tempo e acabou por desperdiçar duas hipóteses de remate. Já o espanhol, não conseguiu acertar nos cruzamentos, mostrou pouca mobilidade e ainda desperdiçou uma excelente hipótese para marcar.

Rodrigo Aguirre volta a ser apontado ao FC Porto; Galatasary quer Lescott, Terry e Podolski; NBA: Bucks e Lakers "arrumados" com um 4-0

A imprensa uruguaia continua a insistir que Rodrigo Aguirre, avançado de 18 anos e 1m83, vai reforçar o FC Porto. O rumor não é novo, e inclusive adianta que os azuis e brancos desembolsaram 2,7 milhões de euros (por 80% do passe) para convencer o Liverpool de Montevideu a libertar o jovem, supostamente para o emprestarem ao SC Braga por uma época. VM - No último sub-20 não nos impressionou particularmente (Laxalt e Nicolás López foram os destaques do Uruguai), mas começou a ganhar nome no campeonato uruguaio, está a ser cobiçado por vários emblemas italianos e a sua idade (ainda é júnior de 2º ano), força e jogo aéreo dão boas perspectivas de futuro. Veremos se o rumor se confirma, sendo certo que depois da contratação de Caballero mais do que juntar uma nova promessa ao plantel era importante contratar uma alternativa válida a Jackson. Boa aposta?

Galatasary - O líder do campeonato turco quer juntar mais uns nomes sonantes ao seu elenco e aponta agora baterias para a Premier League. O clube de Sneijder e Drogba pretende aproveitar as situações desportivas de Lescott (vai ser dispensado pelo City), Terry (cada vez com menos espaço no Chelsea) e Podolski (nos últimos 2 meses só foi titular uma vez pelo Arsenal) para contratar os 2 centrais e o internacional alemão. Reforços que se enquadram na ambição do clube em lutar com os melhores clubes europeus da actualidade.

NBA - San Antonio(4)@LA Lakers(0) (103-82)- os desfalcados Lakers foram presa fácil, e foram de novo varridos dos playoffs. Os Spurs não facilitaram, liderados pelos 23pt (sem turnovers) de Tony Parker. Dwight Howard coroou a sua excelente época com uma expulsão no 3º período (duas técnicas, quatro na série). Tracy McGrady venceu a sua primeira série de playoffs da carreira. Miami(4)@Milwaukee(0) (88-77)- mais um jogo qb dos Heat (sem Wade) que mesmo sem acelerar, nunca estiveram em desvantagem. James terminou com 30pt, 8rb e 7ast, Allen apontou 4-7 triplos (16pt). Do outro lado, Ellis fez 21pt (10-20), e Jennings mostrou que jogar é mais difícil que falar, ao marcar apenas 3pt com 1-7 de eficácia (1ast, 2to). Denver(1)@Golden State(3) (101-105)- Curry bateu o seu recorde nos playoffs, ao marcar 31pt, 22 dos quais no 3º período. Os Warriors lançaram acima de 55%, marcaram 11 triplos (6 de Curry), forçaram 23 turnovers, e tiveram seis homens na casa das dezenas de pontos (Jack fez 8-9, 21pt; Landry 17pt). Ty Lawson voltou a ser o líder de Denver, com 26pt, Faried ganhou 12rb, e Iguodala marcou 19pt (7-11), mas perdeu a bola 7 vezes. New York(3)@Boston(1)- os Knicks (sem Smith, suspenso por um jogo) recuperaram na segunda parte de uma desvantagem que chegou a 20pt, apoiados nos 36pt de Carmelo (10-35, 0-7 de 3pt, 7to) e 27pt de Felton. No 3º período, os Celtics marcaram apenas 14pt, menos 2 que... Raymond Felton. Mas no prolongamento Jason Terry ajudou a resolver, ao marcar 9 dos seus 18pt. Jeff Green apontou 26pt, e Pierce 29pt, enquanto que Garnett ganhou 17rb (embora os Celtics permitissem 16 ofensivos). Desfechos expectáveis nas séries de Lakers e Bucks. Será curioso agora perceber por onde passa o futuro de Jennings (não fez por justificar um bom contrato), e principalmente D. Howard. A maneira como foi expulso, toda a época dos Lakers e estes playoffs (O conjunto de Los Angeles não era eliminado na primeira ronda dos play-off desde 1967), vão dar azo a muita especulação (aliás o normal é que haja uma revolução nos Lakers). San Antonio é o candidato mais forte do Oeste (ou estes Lakers com metade da equipa lesionada não eram teste para ninguém)? Nets ou Bulls quem pode complicar mais a tarefa dos Heat? E quando a DH12, vai permanecer nos Lakers ou rumar a outro franchise? Onde é que "encaixava" melhor?

Tiago Ilori/Marcos Rojo: A Dupla Maravilha ou uma questão de sorte?

Se quisermos invocar os ingredientes certos para construir uma grande equipa, sem dúvida que um deles passa pela composição da dupla de centrais. Exige-se que individualmente se comportem à altura, mas mais importante do que isso, que entre ambos ocorra uma química difícil de explicar: O Bóson de Higgs da zona nevrálgica do terreno. Olhando para outros emblemas, o que seria destes sem as atuais duplas Luisão/Garay (Benfica), Ramos/Varane (Real Madrid), Ferdinand/Vidic (Manchester United), Subotić/ Hummels (Borussia Dortmund), entre outras?

Não se trata no entanto de um fenómeno recente, outrora a influência das duplas de centrais no sucesso das equipas era igualmente determinante. Quem poderá olvidar as saudosas parelhas que em muito contribuíram para o alcançar da glória como Costacurta/Baresi (A.C. Milão/Itália), Montero/Ferrara (Juventus), Hierro/Karanka (Real Madrid), Ricardo Carvalho/Jorge Costa (F.C. Porto/Portugal), Danny Blind/Frank de Boer (Ajax/Holanda), Puyol/Piqué (Barcelona/Espanha), Desailly/Blanc (França), Ricardo Gomes/Aldair (Brasil), etc.? Olhando para a atual realidade leonina, sem esquecer os bons cúmplices que por ali já passaram (Marco Aurélio /Naybet ou Phil Babb/André Cruz, entre outras), é notório que Tiago Ilori e Marcos Rojo provocam nos adeptos leoninos mais lúcidos um sorriso otimista. As exibições contra FC Porto, Benfica e Nacional são prova disso (quem pode esquecer a forma como o jovem português, em poucos metros de terreno, alcançou Rondon para rapidamente lhe tirar o pão da boca e o golo à ponta de lança do defesa argentino nos últimos minutos do encontro?, ou como os 2 anularam Jackson Martínez o principal goleador do campeonato português), claramente um entendimento que só o treino não consegue explicar.

Se Marcos Rojo assumiu desde cedo a figura do patinho feio (quiçá porque os sportinguistas exigem que um jovem central internacional quando chega ao clube deve desde logo transformar-se no novo Franz Beckenbauer do futebol contemporâneo sob pena de se tornar merecedor de todas as críticas possíveis e imaginárias), não obstante ser evidente que tem tudo para ser uma referência do futebol europeu (o nível que revela na saída de bola, jogo de cabeça defensivo e ofensivo, velocidade, jogo de pés, polivalência, carisma, voz de comando, remate de longe e impetuosidade normalmente não está reunido no mesmo atleta), basta-lhe apenas continuar a evoluir tacticamente, ganhar confiança, melhorar no posicionamento e moderar a forma como por vezes recorre à falta. Já o português, de ar tímido e jeito franzino, faz do jogo aéreo o seu habitat natural, mas principalmente da velocidade o seu ponto forte como que contrariando as leis da física. Não corre, galga, realidade contra-natura para atletas de 1,90, habitualmente algo lentos e duros de rins. Precisa apenas de serenar e aprender a colocar com mais preceito a bola (já que ninguém lhe exige que seja um André Cruz ou um David Luiz com esta), pois tem todas as características para singrar, tornando ofertas de 1.5 M uma piada de mau gosto ou simples devaneio.

Sem prejuízo da qualidade individual dos dois elementos (mas que o espirito kamikaze leonino tratará de aniquilar, argumentando que um é lateral, pois a central não presta, o outro é muito novo e trazendo à colação um outro elemento que tão boa conta tem dado de si no meio campo defensivo), o que mais salta à vista é a cumplicidade manifestada, como quem diz ao mundo que foram feitos um para o outro. O que não é alheio o facto de um ser esquerdino (algo pouco comum) e outro destro, ambos serem jovens, terem margem para evoluir e características que funcionam em cheio (velocidade, domínio no jogo aéreo, qualidade no 1 contra 1, liderança e força do argentino, calma e postura do "Varane" português). Separados à nascença quis o destino voltar a uni-los, garantindo-lhes desde já o futuro assim o percebam os adeptos (deixando de morder na mão que lhes dá de comer), a direção (impedindo que lhe escape entre os dedos tao auspiciosa dupla) e o treinador (continuando a aposta na pedagogia, vertente onde Jesualdo é sem dúvida um dos melhores do mundo). Até onde poderá ir a dupla Ilori/Rojo? Deverá o Sporting manter esta dupla, construindo todo o ADN a partir destes dois cromossomas ou terá sido o fator “sorte” a construir o mito? Seria um erro enorme em termos de mercado (vai valorizar com o Mundial 2014), e desportivo (há muitos anos que os leões não tinham uma dupla com estas características: altura, velocidade e qualidade com bola), vender Rojo? Em que lugar, numa perspetiva de futuro, coloca a dupla leonina no panorama mundial (quem não está a par do paradigma leonina justificará que jogam de olhos fechados e que recorrem à telepatia, complementando-se tão bem, porque há muito que o fazem juntos)?

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): Sérgio Tomás

A "remontada" do Real Madrid é possível

Em Madrid todos acreditam que os merengues vão ser capazes de recuperar a desvantagem de 3 golos, mesmo depois de uma 1.ª mão em que os elementos comandados por Mourinho foram inferiores em todos os capítulos. Vídeos, declarações, tudo o está a ser utilizado para promover o encontro e criar a ideia que a remontada é possível. Veremos qual é a distância da vontade à prática. VM - A verdade é que apesar da diferença de 3 golos e da clara superioridade do Dortmund no Signal Iduna Park, a menor experiência da equipa de Klopp, o ambiente do Bernabéu, e a força das individualidades do Real, podem resultar num jogo épico que colocaria o colosso de Madrid a um passo de conquistar a tão desejada Décima. Esta "remontada" tem uma importância ainda maior para Ronaldo e Mou. Por um lado, o técnico português - que ao que tudo indica vai abandonar os merengues no final da temporada – quer sair do Bernabéu em grande e a conquista da Champions seria um feito tremendo. Por outro lado, Cristiano Ronaldo tem aqui uma excelente oportunidade para ganhar alguma vantagem sobre Leo Messi relativamente à luta pela Bola de Ouro. 

Clube Atlético Ouriense destrona a hegemonia do 1º de Dezembro e sagra-se campeão nacional da 1ª divisão de futebol feminino

O Clube Atlético Ouriense sagrou-se campeão nacional de futebol feminino, a uma jornada do final da respectiva competição. A vitória por 1-0 sobre o Albergaria, em casa, foi suficiente para a equipa orientada por Mauro Moderno conseguir o título pela primeira vez na sua história. Um feito que merece destaque, não só pelo facto de a equipa de Ourém ter quebrado a hegemonia do 1º de Dezembro (já levava 11 anos seguidos a ganhar a competição), mas também por ser um clube que milita pela primeira vez na primeira divisão de futebol feminino (tendo conseguido a promoção no ano transacto). Lembre-se que o Ouriense já tinha alcançado um outro feito importante (no dia 25 de Novembro de 2012) ao derrotar a equipa do 1º de Dezembro, que não perdia há mais de 6 anos nas competições nacionais.

De facto, a modalidade ainda tem pouco destaque no contexto nacional, mas este momento pode ser um ponto de viragem, uma vez que a falta de competitividade que o campeonato tinha (já se referiu que o 1º de Dezembro venceu por 11 vezes consecutivas), era certamente um factor de desinteresse. No que a esta matéria diz respeito, resta também lembrar que, apesar de o 1º de Dezembro ter lutado pelo título, a luta desenrolou-se de forma mais vincada entre o Albergaria e o Ouriense. Note-se que a equipa de Ourém se caracteriza por ter um plantel muito jovem, sendo várias as jogadoras que representam as equipas jovens da Seleção Portuguesa. Mais um bom sinal para a evolução da modalidade - juventude e talento. É claro que ainda há um longo caminho a percorrer, mas o caminho começa a ser trilhado. Será possível o futebol feminino ganhar o seu espaço no contexto do desporto nacional e ter uma visibilidade semelhante à que acontece na Alemanha, EUA, França e países nórdicos?

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): João Luís Serras de Sousa

28 de Abril de 2013

Bale eleito o melhor jogador do Ano na Premier League (galês venceu também o prémio de melhor jovem), De Gea, Suarez, Hazard e Ferdinand na melhor equipa; Paços de Ferreira empata em Guimarães

Premier League - Gareth Bale foi eleito o melhor jogador do ano (também conquistou o prémio para melhor jovem), depois de uma temporada de grande nível pelo Tottenham. O esquerdino com esta dupla nomeação repetiu o feito de Cristiano Ronaldo. Juntamente com o galês, De Gea (Man Utd), Zabaleta (Man City), Ferdinand (Man Utd), Vertonghen (Tottenham), Baines (Everton), Carrick (Man Utd), Hazard (Chelsea), Juan Mata (Chelsea), Luis Suarez (Liverpool) e Van Persie (Man Utd) entraram para a Equipa do Ano. VM - Na nossa opinião Begovic e Ashley Williams justificavam mais a eleição do que De Gea e Ferdinand, mas compreendemos a valorização dos jogadores do United. Michu e Cazorla eram outros elementos que podiam perfeitamente ter entrado neste 11. Quanto ao prémio de melhor jogador do Ano, a dúvida era entre Bale, Suárez e Van Persie, qualquer um que fosse escolhido pouco se podia apontar, já a questão do melhor jovem, continuamos a considerar os critérios absurdos: deviam incluir apenas jogadores sub-21 (e Bale já vai fazer 24 anos em Julho). Nesse sentido a escolha deveria ter recaído em Hazard ou Benteke (que apesar de ter 22 anos começou a época com 21). Concorda com o melhor 11 da Premier League? Qual o melhor 11? Quem foi o jogador do ano? E o melhor jovem?
 
Ciclismo - Chris Froome conquistou a Volta à Romandia, depois de defender a sua posição no contra-relógio final (3º classificado), ganho por Tony Martin. Rui Costa foi o 13º mais rápido e manteve o excelente 3º lugar, a 1´49 do britânico. Tiago Machado (16º) e Nelson Oliveira (18º) estiveram no top-20 do CR, com o primeiro a terminar a Volta na 17ª posição e o segundo a ser 59º. 2º pódio consecutivo para Rui Costa na Volta à Romandia, bom presságio para a Volta à Suíça e Tour?

Premier League – Arsenal e Manchester United empataram 1-1, num resultado que deixa os gunners com o 4º lugar em risco. Walcott inaugurou o marcador logo aos 2 minutos, mas Van Persie igualou aos 44´ de grande penalidade (marcou no regresso ao Emirates). O Chelsea derrotou o Swansea por 2-0 e subiu ao 3º lugar. Oscar marcou aos 44 minutos e Lampard fechou o marcador aos 45´+2 (g.p.). Reading e QPR empataram 0-0, num resultado que acabou por despromover as duas equipas ao Championship. Quem vai assegurar uma vaga na LC? Por onde vai passar o futuro das pseudo-estrelas do QPR (estrelas mais ao nível do salário do que rendimento)? E quanto a Carriço, ele que rodou entre o banco e a bancada, irá continuar no Reading?

Bundesliga – O Bayern Munique derrotou o Friburgo “apenas” por 1-0 e somou um novo recorde de pontos da Liga Alemã (84). Os bávaros chegaram aos 90 golos no campeonato e contam com 14 golos sofridos. O Bor. Dortmund (2-1 em Dusseldorf), o Bayer Leverkusen (1-0 ao Werder Bremen) e o Schalke 04 (4-1 ao Hamburgo) reforçaram as suas posições, enquanto o Greuther Furth (2-3 frente ao Hannover) foi despromovido.

Ucrânia – O Shakhtar Donetsk conquistou o tetra-campeonato, depois de empatar 1-1 na recepção ao Metalist. A equipa de Donetsk somou o 8º título de campeão e só está a 5 do Dínamo de Kiev.

Ligue 1 – O PSG está a apenas 3 pontos de conquistar o título, depois da vitória por 1-0 no terreno do Evian (marcou Pastore, enquanto Verratti e Sirigu foram expulsos). O Ol. Marselha também venceu por 1-0 (12 vitórias na Ligue 1 por este resultado), no terreno do Lorient, numa partida que terminou na pior maneira, com agressões entre Audard e Andre Ayew. Ol. Lyon e St-Etienne empataram 1-1, o Lille desperdiçou uma vantagem de 3 golos perante o Sochaux (3-3) e o Nice aproximou-se dos lugares europeus (3-1 ao Troyes).

La Liga – A Real Sociedad deu um passo importante para segurar a LC, depois de derrotar o Valencia, seu adversário directo, por 4-2. Os bascos têm agora 5 pontos de vantagem para os valencianos e para o Málaga, que derrotou o Getafe por 2-1. Valhadolid e Sevilha empataram 1-1, enquanto o Granada ganhou no terreno do Espanyol por 1-0 (Nolito).

Serie A – A Juventus está cada vez mais perto do título, depois de vencer o derby de Torino por 2-0. A vecchia signora ainda espreitava um deslize do Nápoles, o que acabou por não acontecer (vitória por 3-0 em Pescara). AC Milan (4-2 ao Catania) e Fiorentina (3-0 no terreno da Sampdoria) continuam na luta pela LC, enquanto a AS Roma (4-0 ao Siena) e a Udinese (1-0 em Cagliari) subiram para o 5º e 6º lugares, por troca com o Inter (0-1 em Palermo) e Lazio (0-0 em Parma). O Palermo e o Génova (1-0 no terreno do Chievo) somaram importantes triunfos na fuga à despromoção.

Liga ZON-Sagres – Vitória de Guimarães e Paços de Ferreira empataram 2-2, numa partida disputada à porta fechada. Tiago Rodrigues colocou os vimaranenses na frente (48´), Luiz Carlos respondeu aos 57´, Baldé voltou a marcar para o Vitória (75´), mas Caetano confirmou um saboroso empate para os castores aos 87´ (os pacenses ganharam 1 ponto ao Sp. Braga e continuam sem perder na Liga, se não contarmos com os jogos frente a Benfica e FC Porto). O Rio Ave somou um importante triunfo na luta pela LE, ao derrotar o Beira-Mar por 2-1. Yazalde colocou os aveirenses na frente (24´), Braga igualou na 2ª parte (61´) e Alberto Rodriguez ofereceu o triunfo aos vilacondenses aos 90´+3. Na fuga à despromoção, Gil Vicente e Académica ficaram mais aliviados. Os gilistas derrotaram o Olhanense por 2-0 (Hugo Vieira 23´e César Peixoto 49´g.p.), enquanto os estudantes, na estreia de Sérgio Conceição a vencer, derrotaram o Moreirense por 1-0 (Marinho 18´).

II Liga - Arouca (1-1 frente ao Benfica B) e Leixões (1-1 frente ao Penafiel) continuam em marcação cerrada na luta pela 2ª vaga para a I Liga (separados por 2 pontos). O Portimonense ganhou pontos na luta por uma suposta liguilha de promoção, ao derrotar a Oliveirense por 2-1, enquanto Desp. Aves (1-1 frente ao Sporting B) e Santa Clara (2-2 frente ao FC Porto B) atrasaram-se. O Belenenses derrotou o Atlético por 2-1, o Feirense venceu o Freamunde por 3-1 e o União da Madeira afundou ainda mais o Vit. Guimarães B (4-2). Na fuga à despromoção, o Sp. Covilhã empatou 2-2 em Tondela, Sp. Braga B e Marítimo B empataram 0-0, tal como Naval e Trofense.

Ténis - Rafael Nadal conquistou o Torneio de Barcelona pela 8ª vez (falhou apenas em 2010), ao derrotar na final o compatriota Nicolas Almagro, por 6-4 e 6-3 (Almagro perdeu pela 10ª vez em 10 jogos frente a Nadal).

Breves - Filipa Martins terminou a participação na Taça do Mundo de Ginástica Artística (Ljubljana) com um excelente 3º lugar na prova de Solo. Depois do 4º lugar nas Paralelas Assimétricas e o apuramento para as finais dos restantes aparelhos, a portuguesa conquistou o Bronze na despedida da Eslovénia. Telma Monteiro conquistou a medalha de Bronze nos Europeus de Judo, naquela que foi a sua 9ª medalha em 9 Europeus (4 Ouros, 1 Prata e 4 Bronzes) e a 13ª em termos internacionais (3 Pratas e 1 Bronze). A judoca portuguesa totaliza mais de 1/3 das medalhas internacionais do Judo português (35).

Sporting continua na luta pela Europa; Equipa de Jesualdo (que realizou uma das melhores exibições da época) volta a resolver apenas nos minutos finais depois de falhar diversas oportunidades (muito desperdício ofensivo), num jogo em que Rojo se estreou a marcar pelos leões, Capel se destacou e Bruma esteve em todas

Sporting 2-1 Nacional (Capel 5' e Rojo 85'; Candeias 73')

Este Sporting está condenado a sofrer. Os leões realizaram uma das melhores exibições em 2012-13, tiveram muito volume ofensivo, criaram várias oportunidades de golo, mas à semelhança do que aconteceu nas partidas anteriores só chegaram à vitória nos minutos finais. Resultado que permite ao clube leonino (que voltou a pecar muito na finalização e a sofrer desnecessariamente) continuar na luta pela Liga Europa, já o Nacional (que apenas "acordou na 2ª parte") ficou mais longe dos lugares europeus. Candeias foi o elemento em destaque nos insulares (além do golo com os seus desequilíbrios equilibrou a partida), já nos verde e brancos Capel fez o melhor jogo esta época, Rojo estreou-se a marcar (e voltou a demonstrar competência na defesa...voltamos a referir que o Sporting deve fazer um esforço para manter a actual dupla de centrais; Ilori e o argentino dão grande qualidade à defensiva), enquanto que Bruma foi o grande protagonista da partida (pelo que jogou, assistiu e até por ter estado envolvido de maneira infeliz no golo do Nacional).

Encontro que começou praticamente com o golo leonino. Depois de uma boa jogada de Bruma, Capel num remate "à Wolfswinkel" (de calcanhar) fez o 1-0. Os leões deram continuidade à boa entrada e dominaram por completo a 1ª parte, no entanto e apesar do espanhol ter atirado ao poste, sem conseguirem converter o volume ofensivo em golos. No 2º tempo tudo mudou, o Nacional entrou melhor, começou a criar perigo, e o jogo ficou totalmente partido, ao maior volume ofensivo dos insulares o Sporting respondeu com oportunidades claras de golo (Capel e Bruma não conseguiram concretizar). Até que o conjunto de Manuel Machado chegou mesmo ao empate, Bruma errou na saía de bola dentro da área leonina, Mateus recuperou e assistiu Candeias que fuzilou Patrício. Pouco depois Miguel Lopes saiu (novamente) por lesão dando o lugar a Viola e esse momento catapultou os leões para uns bons minutos finais (o argentino teve várias iniciativas interessantes e desequilibrou as marcações da defesa do Nacional). Logo na jogada seguinte, o Sporting 1º por Wolfswinkel, depois por Bruma e de seguida por Schaars falhou o 2-1, o Nacional ainda respondeu por Rondon (o venezuelano isolou-se mas deixou-se antecipar por Ilori), mas o clube leonino ia mesmo chegar à vantagem. Na sequência de um canto, Bruma cruzou e Rojo de cabeça deu a vitória aos leões. Até final destaque apenas para a expulsão de Bruno Moreira. Em suma, um resultado justo que valoriza a boa 1ª parte leonina e a maneira como os leões reagiram ao golo do empate.

Destaques

Sporting - Parece ser a sina dos leões: sofrer, sofrer, e voltar a sofrer. É assim há umas décadas, mas esta época a explicação é óbvia: o clube leonino tem muitos problemas ao nível da finalização (e Wolfswinkel está longe de ser o problema), aproveita mal as transições ofensivas (falta poder de decisão) e o actual registo 31 golos marcados para 34 sofridos não surpreende. Em termos positivos destaque para a boa exibição: mais volume ofensivo que é habitual, uma reacção muito boa à perda de bola, e a demonstração que esta época para o Sporting para alguns jogadores só agora devia começar (Viola, André Martins, entre outros, só agora começam a exibir o que sabem, já Labyad continua longe do que pode dar, enquanto que Carrillo surpreendentemente se mantém no banco).

Nacional - Boa leitura da partida por parte de Manuel Machado, a equipa melhorou sempre com as substituições (principalmente quando passou Moreno e Claudemir para o meio campo e fez entrar Campos e Miguel Rodrigues), mas essa melhoria foi insuficiente para "apagar" a má 1ª parte e as lacunas da equipa (os laterais foram banalizados pelos extremos leoninos e tivesse o Sporting outra eficácia e o resultado teria outros números). Destaque para a super-exibição de Candeias, marcou, criou desequilíbrios e foi ele a carregar a equipa; Mateus também foi importante, não só pela assistência mas pelo que trabalhou.

Miguel Lopes/Joãozinho - Mais duas exibições competentes. O esquerdino não dá muito nas vistas, mas, apesar das lacunas técnicas continua a ter prestações positivas (seguro na defesa, tenta sempre dar um apoio no ataque), já o lateral direito destacou-se mais fruto de boas acções ofensivas, mas já começa a ser preocupante o seu estado físico (nunca termina um encontro).

Bruma - É talvez o jogador mais competitivo deste Sporting. Corre, desequilibra, luta, esforça-se defensivamente e a tudo isso junta um talento enorme. Hoje, entrou com tudo no jogo, criou várias situações ofensivas devido à sua técnica e velocidade e acabou por ser decisivo com duas assistências. O jovem de 18 anos esteve tanto em evidência que até acabou por estar directamente ligado ao golo do Nacional com um erro na defesa, algo que atenuou com a sua intensidade e perseverança (inclusive acabou o encontro a jogar a lateral direito).

Ilori/Rojo - Já o referimos no passado e mantemos a ideia, é uma dupla que se complementa na perfeição (ler aqui). Hoje voltaram a estar em destaque, pelas acções defensivas (o português teve alguns lances preponderantes: tirou o golo a Rondon quando o venezuelano se isolou e ainda fez algumas dobras importantes), como ofensivas (o argentino, que esteve impecável na defesa, estreou-se finalmente a marcar pelos leões).

André Martins/Capel - O português foi um dos destaques na 1ª parte, funcionou bem com Adrien no meio campo e deu muita qualidade à posse de bola leonina. No entanto na 2ª foi-se apagando (tem de durar mais que 60m); já o espanhol realizou a melhor exibição esta época. Marcou com arte, conseguiu esticar o jogo por diversas vezes e aproveitou bem as fragilidades de Marçal para desequilibrar. As suas lacunas continuam a ser evidentes (demonstrou-as novamente pela maneira como decidiu mal vários lances depois de ter conseguido o desequilíbrio), e hoje juntou a isso uma enorme displicência em termos defensivos, mas foi igualmente notório o mérito que teve na maneira como catapultou o Sporting para uma boa exibição.

Desportivo de Chaves e Farense regressam aos campeonatos profissionais

Desportivo de Chaves e Farense venceram a zona Norte e Sul da II divisão, respectivamente, e acompanham o Ac. Viseu na subida à II Liga. As três equipas vão ainda disputar um playoff para decidir o campeão.

Confirmou-se o que se previa, o regresso dos históricos aos campeonatos profissionais. Em Chaves, o Desportivo local venceu o Ribeirão por 1-0 com um golo de Kuca e acabou por ficar no primeiro lugar da zona Norte. No Algarve, o Farense recebeu e venceu a União de Leiria por 2-1, com 14 mil pessoas nas bancadas do São Luís! Bruno Bernardo fez explodir o estádio logo aos 2 minutos, mas os leirienses empataram na segunda parte e colocaram o Mafra na II Liga por breves instantes, já que o clube da zona Oeste derrotou o Sertanense por 3-1. Ibukun, de grande penalidade, foi decisivo para o triunfo e colocou a cidade em festa.

A subida de dois emblemas com historial e muitos adeptos vai ter o tal impacto a nível regional (Trás-os-Montes e Algarve) que o nosso futebol precisa. Em relação ao Mafra e Ribeirão, realizaram excelentes épocas, são clubes que têm crescido bastante nos últimos anos e prometem voltar a lutar pela subida nos próximos anos. E, repetindo o que já dissemos anteriormente, faria sentido se alguma destas equipas fosse promovida, caso algum dos emblemas da Liga de Honra não cumpra as obrigações financeiras.

Bulls derrotam os Nets depois de 3 OT's (jogo frenético com Nate Robinson a brilhar); Pleno de Mourinho nos dérbis (8 vitórias em 8 jogos frente ao Atlético); Tottenham empata, Liverpool foi a Newcastle vencer por 6-0; Futsal: Benfica eliminado na Taça pelo Braga

NBA - Brooklyn(1) @Chicago(3) (134-142, após 3OT´s) - Partida louca no United Center em Chicago, onde Bulls e Nets fecharam o jogo após 3 prologamentos. Nate Robinson quase virou Michael Jordan, marcou 23 dos seus 34 pontos no 4º período e ficou a 1 ponto de igualar MJ no recorde de franchise). Os Nets estiveram a vencer por 14 pontos, bem perto do final (109-95), mas o pequeno base dos Bulls, com 12 pontos seguidos equilibrou o encontro, que apenas foi decidido 15 minutos (de jogo) depois. Pelo meio do OT, Nate Robinson fez um lançamento que oferecia a vitória aos Bulls, não fosse 2 segundos o suficiente para Joe Johnson igualar o marcador. Deron Williams marcou 32 pontos, mas "desapareceu" na fase decisiva, Brook Lopez e JJ contribuíram com 26 e 22 pontos, respectivamente, enquanto que do outro lado, para além de Nate, Hinrich marcou 18 pts e fez 14 ast, Noah marcou 15 pts e 13 reb, Boozer marcou 21 pts e Butler marcou 16 pts. San Antonio(3) @LA Lakers(0) (120-89) - Os Lakers podiam dar-se melhor no match-up com os Spurs, só que os texanos não estão para brincadeiras. Os 31 pontos de diferença marcam a pior derrota da história da equipa de LA em playoffs (jogos caseiros), numa partida dominada por Tim Duncan (26 pts e 9 reb) e Tony Parker (20 pts e 7 ast). Pau Gasol (11 pts, 13 reb e 10 ast), D. Howard (25 pts e 11 reb), Darius Morris (24 pts e 6 ast) e Goudelock (20 pts) exibiram-se a bom nível, mas faltam Kobe, Nash, MW Peace e Steve Blake. Denver(1) @Golden State(2) (108-110) - Partida enorme de Ty Lawson (35 pts e 10 ast), abafada pela dupla Jack-Curry. Os bases dos Warriors estão em grande forma (totalizaram 52 pts e 18 ast), e contaram com a preciosa ajuda de H. Barnes (19 pts e 7 reb) e Carl Landry (19 pts). Andre Miller e Iguodala combinaram para 8-28 em lançamentos. New York(3) @Boston(0) (90-76) - Os Knicks fizeram 3-0 na série e estão bem perto de alcançar as meias finais da Conferência Este. Carmelo (26 pts), JR Smith (15 pts) e Felton (15 pts e 10 ast) dominaram, enquanto do outro lado, Jeff Green (21 pts) foi insuficiente. Oklahoma(3)@HOuston(0) (104-101)- os Thunder desperdiçaram uma vantagem de 26pt, mas Durant (41pt, 14rb) não deixou fugir a vitória. Oklahoma atacou as tabelas (13rb ofensivos, 7 dos quais de Ibaka), e contou com um bom jogo de Reggie Jackson (14pt). Pelos Rockets Harden (30pt, 9-22) não chega, Parsons fez 21pt em 8-12, mas Jeremy Lin, a contas com problemas físicos, esteve em campo apenas 18 mins. LA Clippers(2)@Memphis(2) (83-104) - a defesa de Memphis apertou LA na segunda parte (20+16pt), e os seus postes voltaram a dominar. Gasol e Randolph marcaram 24pt cada um, conquistaram 22rb (os Clippers ganharam 28 no total) e Gasol teve ainda 3bl. LA lançou 19% de triplos e tiveram menos 12 lances livres. Paul fez 19pt, tantos como Griffin, mas para lá destes e Crawford, ninguém chegou à dezena de pontos. Indiana(2)@Atlanta(1) (69-90)- Hortford passou a PF, e sem Hibbert a incomodá-lo chegou aos 26pt e 16rb. Smith passou a SF, enfrentando Paul George com sucesso (concretizou apenas 4 tiros de campo). Não sendo muito eficientes (Harris fez 2-11, Teague 4-15), chegou para vencer. Os Pacers receberam uma dose de defesa, ficando-se  pelos 27% de campo e 16% de triplos, fazendo apenas 10ast para 22to. David west foi o menos mau, com 18pt em 7-14.

Ciclismo - Chris Froome continua na liderança da Volta à Romândia, prova onde Rui Costa segue na 3ª posição (a 1´21), depois de terminada a etapa rainha da prova. Simon Spilak venceu a etapa e encontra-se na 2ª posição da geral (Tiago Machado subiu para 21º, enquanto Nelson Oliveira caiu para 61º). A prova termina amanhão, com um contra-relógio. Boas sensações para Rui Costa? O que poderá fazer o português em 2013?

Premier League - O Tottenham poderá perder terreno na luta pela LC, depois de não fazer melhor que um empate (2-2) na deslocação ao aflito Wigan (Bale marcou logo a abrir, num golo caricato, e os spurs fecharam o marcador mesmo em cima dos 90 minutos, num auto-golo de Boyce). Em Newcastle, assistiu-se a uma das maiores humilhações da temporada na PL, com o Liverpool a impor um resultado impressionante (0-6). Mesmo sem Suarez, os reds não tiveram dificuldades, com destaque para Sturridge (2 golos) e Henderson (2 golos). O Everton derrotou o Fulham por 1-0, o Stoke City derrotou o Norwich por 1-0, o WBA venceu por 3-0 em Southampton e o Manchester City derrotou o West Ham por 2-1. Os spurs ainda vão chegar aos 4 primeiros? Como se explica este resultado e temporada do Newcastle?

La Liga - Em Madrid, manda o Real Madrid! José Mourinho conquistou a 8ª vitória e 8 jogos frente ao Atlético Madrid, mesmo rodando grande parte da equipa, a pensar na recepção ao Borussia Dortmund. O treinador português fez mesmo história, ao tornar-se no 1º treinador dos merengues a vencer 4 vezes seguidas no Vicente Calderon, enquanto os colchoneros não ganham um jogo ao rival há 14 anos. Falcao ainda adiantou o Atletico (4´), mas o auto-golo de Juanfran (13´) resfriou os colchoneros. Di Maria fechou o marcador aos 63 minutos. O Barcelona empatou 2-2 na deslocação a Bilbao, numa partida marcada pelo golaço de Messi. Susaeta colocou os bascos em vantagem (27´), Messi e Sanchez deram a volta aos 67 e 69 minutos, mas Herrera igualou aos 90 minutos. Celta de Vigo (1-0 no terreno do Levante) e Saragoça (3-2 ao Maiorca, com um golo de Postiga) alcançaram triunfos importantes na fuga à despromoção.

Futsal - O Benfica perdeu frente ao Sp. Braga, nos quartos-de-final da Taça de Portugal e foi eliminado da prova. Os minhotos venceram por 3-2, depois de saírem para o intervalo em desvantagem no marcador (1-2). O Sporting eliminou o Fundão, após prolongamento (5-4), o Cascais bateu o AJAB Tabuaço por 3-2 e o Fabril eliminou o Unidos Pinheirense por 6-5 (a.p.). Época desastrosa para os encarnados? Quem vai vencer a Taça de Portugal?

27 de Abril de 2013

FC Porto derrota Vit. Setúbal: Dragões tiveram dificuldades para derrubar muralha sadina (James falhou uma grande penalidade), mas continuam à espreita de um deslize encarnado

FC Porto 2-0 Vit. Setúbal (Lucho 65´ e Defour 86´)

Os dragões derrotaram o Vit. Setúbal por 2-0 e voltaram a reduzir a diferença para o Benfica (1 ponto). Uma partida completamente dominada pelo FC Porto, ainda que sem grande intensidade e com algumas dificuldades para superar o bloco defensivo do Vitória. Os dragões desperdiçaram várias ocasiões de golo (inclusive uma grande penalidade), antes de James Rodríguez assistir Lucho Gonzaléz para o 1-0, desbloqueando assim o marcador, enquanto os sadinos tentaram pressionar os azuis e brancos no final, mas não chegaram a assustar Helton.
A equipa de Vítor Pereira tentou entrar com velocidade e intensidade, mas o domínio dos dragões não era transformado em oportunidades de golo ou lances de perigo maior para o Vitória. A primeira excelente situação para o FC Porto chegar ao 1-0 surgiu num erro de Kieszek, desperdiçado por Atsu (remate por cima). Pouco tempo depois, foi Jackson Martínez a isolar James, mas o colombiano falhou a recepção e permitiu o corte de Kiko. O Vitória respondeu de pronto, com a sua melhor ocasião para chegar ao golo, num lance individual de Pedro Santos (o português enganou um defesa contrário, mas rematou para fora). Até ao intervalo, James tentou assistir um colega no centro da área (valeu o corte da defensiva sadina), Varela entrou para o lugar de Atsu, e o próprio extremo português tirou uma jogada de grande nível, não aproveitada por Jackson (falhou o desvio). No segundo tempo, o FC Porto voltou a estar bem mais forte, ao passo que os sadinos raramente saíram do meio campo. Contudo, a intensidade (bem menor) e a capacidade em enganar a defensiva do Vitória não permitiam ao FC Porto chegar à baliza de Kieszek. Aos 60 minutos, Otamendi obrigou o guarda-redes polaco a defesa complicada, e na sequência do pontapé de canto, Carlos Xistra assinalou grande penalidade, por mão de Jorge Luiz. Contudo, James Rodríguez permitiu a defesa de Kieszek e os dragões voltaram a desperdiçar um castigo máximo. Pouco tempo depois, o colombiano redimiu-se do falhanço e assistiu Lucho de forma espectacular (de trivela, fora do alcance da defesa sadina) para o 1-0. O Vitória de Setúbal reagiu ao golo portista e fez várias aproximações à área de Helton, mas sem grandes situações de perigo para o brasileiro. Do outro lado, mais oportunidades de golo, sendo que uma delas foi concretizada por Defour. O belga desviou certeiro para a baliza de Kiescek, após cruzamento de Mangala.

Destaques:

FC Porto - Entrada interessante, controlo total do jogo, mas pouca eficácia na frente de ataque (o fluxo de jogo dos dragões deveria ter maior tradução em oportunidades de golo). Os sadinos não permitiram grandes espaços na defensiva, o que dificultou a tarefa dos azuis e brancos, contudo, James conseguiu descobrir uma brecha no bloco de José Mota. Mais uma vitória no campeonato, invencibilidade caseira (o Dragão continua a ser um palco impossível para os visitantes, pelo menos nos últimos anos) e perseguição ao Benfica (1 ponto, com uma deslocação complicada dos encarnados à Madeira).

Vit. Setúbal - O plantel sadino não apresenta grandes opções, e a aposta de José Mota foi claramente no reforço do bloco defensivo. Apenas uma ocasião de golo em todo o jogo, mas as dificuldades criadas aos dragões foram evidentes. Kieszek brilhou na baliza, Frederico Venâncio mostrou qualidade no centro da defesa, Kiko também realizou uma exibição competente a lateral esquerdo, enquanto os restantes elementos limitaram-se a defender e a limitar os estragos no meio campo (faltou maior capacidade ofensiva).

James - O colombiano esteve paupérrimo durante 60 minutos, onde não conseguiu criar desequilíbrios, falhou uma excelente oportunidade para marcar e ainda desperdiçou uma grande penalidade, mas depois, assistiu Lucho com grande qualidade para o 1-0.

Lucho - O argentino realizou uma excelente exibição, com grande dinâmica e capacidade de aparecer em zonas de finalização. Não foi surpresa que tenha sido ele a escapar à defensiva sadina, inaugurando o marcador.

Fernando/Moutinho - O brasileiro voltou a encher o campo, enquanto o português esteve um discreto e pouco acrescentou em termos ofensivos.

Mangala - Boa exibição do francês, com grande segurança na defesa e um enquadramento interessante no ataque, quando passou para a lateral esquerda no segundo tempo (fez a assistência para o 2-0).

Jackson - O avançado dos dragões não marcou qualquer golo, mas fez uma partida interessante, tentado sempre servir os seus colegas de ataque (com a sua força e capacidade de desmarcação, foi sempre uma dor de cabeça para a defesa do Vitória).

Atsu/Varela - O ganês foi substituído bastante cedo, depois de uns minutos onde raramente criou desequilíbrios (e ainda desperdiçou uma clara oportunidade de golo), enquanto o português entrou bem na partida e participou activamente no 2º golo.

12 mil pessoas no Chaves-Ribeirão, 10 mil no Farense-Leiria - que este apoio tenha continuidade! Clubes regionais fortes só ajudam na evolução do futebol português

Se o futebol português continuar a ter o apoio dividido por apenas 4/5 equipas está condenado. Faz falta que os clubes regionais tenham uma força maior, à semelhança do que acontece no resto da Europa (Portugal é o único país onde as pessoas só manifestam interesse por determinados emblemas), só assim as equipas podem crescer, ser competitivas e principalmente ter sustentabilidade a nível financeiro. É urgente recuperar a paixão que existia nos anos 70/80/princípios de 90 em determinadas cidades, para que o espectáculo dentro e fora de campo ganhe outra "vida". 

Este fim-de-semana promete ficar marcado por grandes enchentes por todo o país, uma vez que se decidem os campeonatos da II divisão. A Norte, mais precisamente em Trás-os-Montes, o Chaves e o Ribeirão protagonizam um duelo decisivo na luta pela subida de divisão e, claro, os seus adeptos não vão deixar de apoiar as respectivas equipas. Prevê-se casa cheia no Estádio Municipal Eng.Manuel Branco Teixeira, com capacidade para 12 mil pessoas, sendo que pelas perspectivas, 1200 pessoas vão apoiar os visitantes (apesar da proximidade, não deixa de ser um excelente número). No Sul, na capital do Algarve, o Farense recebe a União de Leiria no São Luís com 1 ponto de vantagem sobre o Mafra. Os algarvios costumam ter uma excelente média de adeptos a assistir aos jogos, uma claque organizada barulhenta e, naturalmente, vão encher o estádio à procura de festejar a subida de divisão. Mas não só nestas cidades haverá muita gente a assistir aos jogos. Em Viseu, o Académico já é campeão e vai ter a oportunidade de festejar o título perante os seus adeptos no Estádio do Fontelo. Finalmente, em Mafra, também é prevista casa cheia, uma vez que o clube local ainda tem hipóteses de subir à Liga de Honra na recepção ao Sertanense. Como é natural, estes clubes não têm estas assistências em todos os jogos e isto explica-se pelo facto de estarem a lutar pela subida de divisão. Mas não podemos esquecer que muitos dos clubes da primeira e da segunda liga têm médias de assistência muito baixas e foram poucos os que atingiram estes números.

Um bom exemplo, um sinal de esperança em relação ao panorama actual do futebol português (estádios vazios e pouca paixão, à excepção do que diz respeito aos "grandes), mas era importante que este apoio não fosse circunstancial e tenha uma continuidade. A verdade, é que observando os casos do Chaves e Farense, pela influência que tem nas respectivas regiões e massa adepta que os apoia, estão criadas as condições para essa continuidade. Veremos se haverá uma evolução e principalmente se esta "onda" irá  ser uma espécie de ponto de partida para fazer regressar aquela paixão que existia em torno de determinados clubes em décadas passadas.

A 4 jornadas do fim, quem leva vantagem na corrida ao prémio de melhor jogador da Liga Zon-Sagres 2012-13?

Muitos candidatos (Garay, Helton, Patricio, Wolfswinkel, Mossoró, James, Steven Vitória, Douglas, Ghilas, Tarantini, Marcelo), uns mais fortes (Matic, Salvio e Jackson), outros que nesta recta final (Lima, Licá, Josué, Fernando podem aumentar o nº de votos), mas nenhum nome ainda com uma vantagem clara no debate em relação ao melhor jogador da Liga Zon-Sagres 2012-13. Nesse sentido, deixamos a questão aos nossos leitores: A 4 jornadas do fim, quem leva vantagem (e porquê) na corrida ao prémio de melhor jogador da Liga Zon-Sagres 2012-13? 

Henrikh Mkhitaryan, o médio com mais golos na Europa está na mira de Liverpool e Juventus

Depois da saída de Willian para o Anzhi (tinha muitas ofertas da Premier League), o Shakthar Donetsk pode perder outra referência no próximo Verão: Henrikh Mkhitaryan. O internacional arménio, grande sensação em termos europeus na época 2012-13 (médio com mais golos na Europa) é seguido atentamente, entre outras equipas, por Liverpool e Juventus e o facto de ter Mino Raiola como empresário poderá encaminhá-lo para a Serie A (recorde-se que este agente tem grande influência no mercado italiano, sendo responsável pelos destinos de Zlatan Ibrahimovic e Mario Balotelli, por exemplo). Leva 26 golos em 2012/2013, contabilizando todas as competições, e tem deslumbrado esta época (fundamental na grande prestação do Shakthar Donetsk na Liga dos Campeões: atirou o Chelsea para a LE e só foi eliminado pelo Dortmund nos "oitavos"). Joga preferencialmente atrás do ponta-de-lança (mas também pode jogar a 8 ou como interior), tem uma facilidade tremenda em finalizar com qualquer dos pés e a sua velocidade causa sempre muitos desequilíbrios na defensiva contrária. É o protótipo do médio ofensivo da moda: Pode alinhar nas faixas, posições interiores, como 2º avançado e a 10, é rápido e apresenta uma capacidade ao nível da finalização acima da média. Para o Liverpool seria um reforço de peso (não será de todo improvável ver também o Tottenham associado ao arménio). A equipa inglesa está, cada vez mais, dependente do que faz Luis Suárez, Steven Gerrard já não tem a disponibilidade física de outros tempos, e os reds precisam urgentemente de sangue novo. É certo que Sturridge e Coutinho trouxeram irreverência, no entanto a equipa necessita de regularidade e estabilidade. Por outro lado, a Juventus (que já contratou Llorente a custo zero) pretende vincar novamente o seu nome entre os maiores do futebol europeu e uma aquisição como Mkhitaryan teria sempre espaço no 5-3-2 de Conte (ou no meio campo ou como 2º avançado), ainda para mais quando em termos ofensivos apenas Vucinic apresenta uma qualidade acima da média. Resta saber qual será o futuro deste craque arménio (cláusula de rescisão fixada nos 35 milhões), sabendo que o Shakthar é conhecido por dificultar, e muito, as saída dos seus melhores jogadores. Esperemos, todavia, para o bem do futebol, que não tenha um destino à Willian. Por onde passa o futuro de Mkhitaryan (jogador que só no campeonato ucraniano conta já com 22 golos em 24 jogos disputados)? Uma das surpresas da época (ou apenas confirmação: tem aumentado sempre o seu nível desde que chegou ao Metalurh Donetsk)?

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): Ruben Silva

26 de Abril de 2013

Juventus oferece 15 milhões por Nani; Sebastian Rode é o 3º reforço do Bayern para 2013-14; Del Potro falha Portugal Open; OKC perdem Westbrook (PG, que nunca tinha falhado 1 jogo na NBA, Universidade e Liceu lesionou-se de uma maneira ridícula frente aos Houston e está em risco de falhar todos os jogos dos playoffs)

Nani - Continuem os rumores em relação à sua saída do Man Utd. A imprensa inglesa avança que a Juventus ofereceu aos Red Devils (que já recusaram uma proposta de 11 milhões do PSG) 15 milhões pelo extremo e um contrato de 3 anos (dobrando o salário que aufere no Manchester) ao internacional português. Equipa ideal para prosseguir a carreira? 

Bayern - Depois de Jan Kirchhoff e Mario Gotze (ler aqui) o campeão alemão garantiu a contratação de Sebastian Rode ao Eintracht Frankfurt por 9 milhões de euros. VM - Tem sido uma das grandes revelações da actual edição da Bundesliga e não surpreende que tenha dado "o salto" (também era pretendido pelo Dortmund e Arsenal). Um 6/8 muito competitivo que irá preencher um sector (Tymoschuk vai sair e como tal deve ocupar a vaga do ucraniano) no Bayern já de si bem preenchido com Schweinsteiger, Javi Martínez e Luiz Gustavo, sem esquecer o talentoso Emre Can e a ideia de que Kroos em 2013-14 poderá ser mais um 8 com Gotze a jogar a 10. É cada vez mais aliciante tentar perspectivar o que será a equipa base de Guardiola, mas com esta contratação parece que a ideia poderá passar por baixar Javi Martínez para central e manter um trio no meio campo com Schweinsteiger, Kroos e Gotze (3 médios que asseguram a qualidade na posse de bola que Pep pretende).

NBA - LA Clippers(2)@Memphis(1)-(82-94): o prémio de melhor defensor atribuído a Gasol motivou os Grizzlies, que conquistaram 45 ressaltos (contra 33), 17 dos quais ofensivos, e dominaram a zona pintada (40-26 em pontos). Randolph fez 27pt e 11rb, Gasol 16pt e 8rb. Paul ficou reduzido a 8pt, 4ast e 5to, e griffin ficou-se pelos 16pt e 2rb; Brooklyn(1)@Chicago(2)-(76-79): os Nets foram miseráveis no ataque (28% nos três primeiros períodos), mas conseguiram recuperar até aos 3 de diferença. Na última jogada, CJ lançou uma airball do canto... Boozer voltou a dominar os Nets (22pt, 9-15, 16rb), Deng adicionou 21pt e 10rb, enquanto que Noah meio manco fez 0-7 de campo. Por Brooklyn, Lopez voltou a a ser o melhor (22pt, 9rb, 7bl), enquanto que Williamns e Johnson combinaram para 11-28, totalizando 33pt e 7ast. Miami(3)@Milwaukee(0)-(104-91): os Bucks tiveram 10pt de vantagem, e foram para o intervalo na frente, mas um terceiro parcial de 30-18 para Miami virou o jogo. Ray Allen fez 23pt do banco (5-8 triplos...bateu o recorde de Reggie Miller), James apontou 22pt (9-14), e os Heat venceram, mesmo concretizando apenas 14 dos 25 lances livres. Larry Sanders liderou os Bucks (16pt, 11rb), mas é pouco, ainda por cima com a defesa de Miami a apertar Ellis (2-9, 7pt) e Jennings (5-15, 16pt), os supostos motores atacantes de Milwaukee. Notas: um choque estúpido por culpa de Patrick Beverley (veja o vídeo na página do Facebook do VM) quando ia pedir um desconto de tempo mostrou-se desastroso para Russel Westbrook e os Thunder. O base terá que ser operado ao menisco do joelho direito, não se sabendo qual a data de regresso à competição (pode ainda regressar esta temporada, mas não há certezas). Westbrook nunca falhara um jogo por Oklahoma (fora também totalista no Liceu e Universidade), e vê quebrada aquela que era a maior série em curso de partidas jogadas consecutivamente, com 439 (o recorde pertence a AC Green, com 1192). Os Thunder sofrem um duro golpe nas suas aspirações, pois perdem o seu segundo melhor jogador/marcador, além de um base explosivo (embora por vezes egoísta) e excelente defensor. Reggie Jackson (jogou menos de 15mins/jogo na fase regular) deve ser titular, mas cabe agora a Kevin Durant carregar (quase literalmente) a equipa às costas. As hipóteses dos OKC estão condenadas? Ou Reggie Jackson vai dar uma boa resposta? Caminho livre para os Spurs (ou Clippers) no Oeste?

Portugal Open - O actual detentor do Estoril Open (bicampeão em título), nº 7 Mundial e primeiro cabeça-de-série, Juan Martin Del Potro, vai falhar o torneio português devido a vírus (o compatriota Juan Monaco também estará ausente). Assim, o suíço Stanislas Wawrinka (17º mundial) passa a ser a principal atracção do quadro masculino. VM - Más notícias para os amantes do ténis, e para a organização. O Estoril Open (agora Portugal Open) conquistou o seu lugar no ATP (era considerado uma boa preparação para Roland Garros), atraiu nomes sonantes (Muster, Federer, e os principais especialistas espanhóis como Nadal, Ferrero ou Moya), mas questões financeiras (custa muito trazer os melhores, que pedem cachets elevados) e a concorrência de Barcelona têm vindo a deteriorar a qualidade dos quadros do torneio. As condições (eternamente temporárias) proporcionadas também não são especialmente atractivas, embora a organização profissional minimize esse facto ao longo dos anos. O interesse no torneio português perdeu-se? Até que ponto esta situação pode comprometer a continuidade do Portugal Open? Quais os principais favoritos (quadro feminino e masculino) nesta edição)?

Braga perde no Estoril e fica mais longe da Liga dos Campeões; Minhotos estiveram a vencer mas estorilistas (que deram um passo importante rumo à Liga Europa) conseguiram a reviravolta (Steven Vitória já leva 9 golos no campeonato)

Estoril 2-1 Sp. Braga (Douglão 54' p.b. e Steven Vitória 68'; Mossoró 18')

O Sp. Braga pode ter comprometido de vez o acesso à LC (minhotos ficam a torcer por uma vitória do rival Vit. Guimarães frente ao Paços; pacenses podem acabar a ronda com uma vantagem de 6+1 a 3 jornadas do fim), depois de ter perdido por 2-1 na deslocação ao terreno do Estoril. Já os estorilistas, com este triunfo, subiram provisoriamente à 5ª posição (lugar de acesso à LE). Depois de um jogo em que os gverreiros chegaram à vantagem, mas que na 2ª parte não tiveram resposta para  a atitude e espírito competitivo da equipa orientada por Marco Silva. Em termos individuais, destaque para o grande jogo de Steven Vitória (9.º golo na Liga), sendo que Carlos Eduardo (merecia o golo no final) voltou a demonstrar que tem qualidade para estar noutro nível. No lado minhoto, nota para os bons 45 minutos de Mossoró (desapareceu no 2.º tempo) e para a exibição de Quim (impediu uma derrota com outras proporções).

Os primeiros minutos foram de claro ascendente por parte dos estorilistas, sendo que Steven Vitória, logo aos 7 minutos, esteve perto de inaugurar o marcador. Os minhotos equilibraram a partida e, pouco depois do primeiro aviso do Estoril, surgiu o 1-0 para o Braga, por intermédio de Mossoró, num cruzamento que traiu Vagner (o forte vento que se fez sentir teve influência). O encontro, depois do golo bracarense, subiu claramente de intensidade, numa altura em que as individualidades começaram a brilhar. Primeiro foi Mossoró que, com uma jogada de génio, esteve perto de aumentar a vantagem, depois foi Vagner a mostrar segurança entre os postes, defendendo as bombas de Carlão e Viana. Até ao intervalo, o Sp. Braga, claramente por cima do jogo, procurou o segundo golo, mas o resultado não sofreu quaisquer alterações. A segunda metade do encontro começou com mais do mesmo. Hugo Viana cobrou um livre junto ao primeiro poste e Vagner voltou a evitar o golo dos Gverreiros. Numa altura em que o forte vento incomodava, e de que maneira, os guardiões, surgiu o golo do empate. Boa iniciativa do lateral Jefferson que viu o seu cruzamento ser desviado por Douglão para a própria baliza. O Estoril, depois do golo, começou a incomodar bastante a defensiva bracarense (grande oportunidade de Carlos Eduardo isolado perante Quim) e o golo da reviravolta não tardou a aparecer. Evandro rematou rasteiro e Steven Vitória, num desvio fortuito, colocou a equipa de Marco Silva em vantagem. A equipa lisboeta estava muito mais forte do que o Braga no encontro (muitos desequilíbrios nas laterais) e não deixava a equipa minhota chegar perto da sua baliza. Os bracarenses, a partir dos 75', procuraram, com as entradas de Zé Luís e Hélder Barbosa, incomodar Vagner mas era o Estoril que, em ataques rápidos, criava perigo. Num desses lances, Elderson foi expulso por travar Carlos Eduardo, quando este seguia isolado para a baliza de Quim. Até ao final do encontro, o Estoril esteve muito perto de aumentar a vantagem no seguimento de dois livres-directos, mas o poste, numa primeira ocasião, e o guardião bracarense, numa outra, não permitiram que o resultado se altera-se.

Destaques

Estoril – Depois de uma primeira parte algo desinspirada, a equipa de Marco Silva (excelente trabalho do técnico português) não poderia ter dado uma resposta melhor. Muita intensidade, grande atitude e domínio claro no segundo tempo. Os estorilistas, apoiados numa grande prestação de Carlos Eduardo, criaram muitos problemas à defensiva minhota e a verdade é que o resultado, em virtude das muitas ocasiões de golo, peca por escasso. Steven Vitória esteve novamente imperial (já leva 9 golos no campeonato) e Jefferson (deu muita profundidade ao flanco esquerdo e esteve perto de marcar) voltou a demonstrar toda a sua qualidade.

Braga – Os arsenalistas até começaram bem o jogo (a vantagem ao intervalo é merecida), mas a segunda parte foi uma nulidade e o resultado até podia ter sido mais volumoso (o vento prejudicou claramente). A formação orientada por José Peseiro (deixou Alan no banco), no segundo tempo, sofreu muito, cometeu muitos erros defensivos e foi muito pressionada. Em termos individuais, destaque para a excelente primeira parte de Mossoró (muitos desequilíbrios) e para as boas intervenções de Quim. Em contra-partida, a defensiva bracarense – ao contrário do que tem sido habitual – cometeu demasiados erros e sofreu muito perante as investidas de Licá e Luís Leal.

Quando o dinheiro não é tudo; Os 450 milhões que o Real investiu foram insuficientes para derrotar o Dortmund (11 de Klopp custou "apenas" 40 milhões)

A vitória do Borussia Dortmund sobre o Real Madrid por números tão expressivos pode ser considerada uma surpresa para os menos atentos, mas valoriza essencialmente não só o excelente trabalho nível técnico e táctico de Jürgen Klopp, como acaba por ser um exemplo na ditadura do dinheiro que monopoliza neste momento o futebol mundial. Se analisarmos o valor das contratações do onze alemão que alinhou no Signal Iduna Park e as compararmos com as do onze merengue, a diferença é abismal! Os 40 milhões que foram investidos pelos alemães (quase o que custou Modric...) estão bem distantes dos 450 milhões que foram gastos pelos espanhóis em contratações e espelham a diferença de mentalidades entre os dois emblemas. É facilmente visível que a política dos dois clubes é totalmente antagónica: enquanto o Real compra jogadores feitos e investe somas exorbitantes, o Dortmund aposta em jovens e potencia-os, bem diferente de os formar. Se olharmos para o 11 de Klopp, apenas Götze fez a formação completa no Borussia. Reus foi repescado, Schmelzer apenas chegou aos 17 anos e os restantes foram contratados ainda muito jovens. Mas ao contrário do que seria lógico, foi o conjunto alemão a superiorizar-se (e de maneira evidente) ao colosso espanhol. Aliás, independentemente do encontro da 1ª mão das meias finais da Liga dos Campeões, os resultados do modelo prático, eficiente do Dortmund e onde impera a visão de mercado estão à vista: títulos, bom futebol e o estatuto de única equipa que ainda não perdeu nesta edição da LC. É caso para dizer: o dinheiro não é mesmo tudo.

Vamos então aos números, começando pelas estrelas: Cristiano Ronaldo é a contratação mais cara da história do futebol, tendo custado 94 milhões de euros; Reus, que passou pela formação do clube, custou 18 milhões de euros e foi o jogador que obrigou a um investimento maior por parte do Borussia. Hummels, Gundögan e Lewandowski, juntos, custaram pouco mais de 13 milhões de euros, o mesmo que Higuain, jogador mais barato do 11 do Real. Olhando para os guarda-redes, Diego López foi contratado por 3,5 milhões, enquanto que Weidenfeller chegou ao Borussia a custo zero. Schmelzer pode ser considerado da formação, ao passo que Coentrão custou, inexplicavelmente, 30 milhões de euros; Ramos foi adquirido por 27 milhões, Piszczek veio do Hertha a custo zero. Ao nível de centrais, o valor das contratações de Subotic e Hummels é muito pouco quando comparado com os 10 milhões que custou Varane e os 30 que custou Pepe. No meio campo, Khedira (15 milhões) e Xabi (34 milhões) obrigaram a investimentos avultados, ao contrário do jovem Bender e de Kuba. Götze é a maior figura da formação do Borussia; Özil custou 15 milhões. Contando ainda com os suplentes, Kaká custou 65 milhões de euros, Di Maria 24 milhões e Benzema 40 milhões. Klopp lançou Kehl, Schieber e Grosskreutz, jogadores cujo valor da contratação não é significativo. 

Barcelona quer Neymar e mais 5

Mas será o investimento uma boa política de mercado? Nos últimos 4 anos os catalães gastaram 300 milhões de euros em transferências, mas foram raros os reforços que se conseguiram impor no 11 inicial (os jogadores da formação por norma percebem melhor o estilo/essência do clube e apresentam um rendimento superior).

Era expectável, com a goleada sofrida em Munique e a ameaça do fim de ciclo (o Barça domina o futebol mundial há 5 anos), os catalães já centram as suas atenções na próxima época e depois de terem garantido a continuidade de Vilanova no comando técnico do clube manifestaram a intenção de fazer o maior investimento no plantel dos últimos anos. Nesse sentido, hoje o Mundo Deportivo avança que o Barça pretende reforçar todos os sectores e contratar um guarda-redes (Valdés já disse que vai sair), 1 central (Kompany, Agger e Íñigo Martínez tem sido falados), 2 médios e 2 avançados (sendo que um deles é Neymar). Que jogadores deve contratar o Barcelona? VM - Caso se confirme esta renovação, um guardião como Sommer (um dos melhores do Mundo a jogar com os pés e uma presença semelhante à de Valdés), um central (Thiago Silva era o ideal, mas é caro) como Hummels ou Dier (ambos fortes fisicamente e com uma boa saída de bola), e um avançado como Suárez ou Lewandowski (encaixavam na perfeição no sistema do Barça) seria o ideal (a questão dos médios, quando Thiago e Cesc, que seriam titulares em praticamente todas as equipas do Mundo, quase não jogam, já nos faz alguma confusão, no entanto também é verdade que este ano Busquets, Xavi e Iniesta fizeram demasiados minutos, e por outro lado Song não foi a alternativa a trinco que o Barça esperava). Mas falar em nomes quando se trata do Barcelona é sempre complicado. Nos últimos 4 anos os catalães (ao contrário da ideia generalizada tem sempre orçamentos brutais) investiram 300 milhões no reforço da equipa (jogadores como Chigrinskiy, Ibrahimovic, Alexis, Fabregas, Song, Keirrison, Mascherano, Villa, Alba, ou Henrique), e salvo algumas excepções poucos singraram. O problema é que o Tiki-Taka tem tanto de bom (maneira como dominou os adversários) como de mau (impede alguns elementos de se adaptarem). A prova disso foi a pouca exuberância de Ibra ou Alexis (o chileno na Série A era de longe um dos 3 melhores jogadores), como tal, caso a ideia seja manter o sistema, talvez o ideal seja mesmo dar mais espaço aos elementos da melhor escola de formação do Mundo (La Masia). 

João Capela teve 3.7, um “bom mais”, pela arbitragem no Benfica-Sporting; Observador da Liga deu razão ao árbitro em todos os lances polémicos para penalti que os leões reclamaram

João Capela teve 3.7, um “bom mais”, pela arbitragem no Benfica-Sporting. Na nota atribuída pelo observador é dada razão ao árbitro em todos os lances polémicos para penalti que o Sporting reclamou. Se João Capela tivesse errado num lance susceptível de ser assinalada grande penalidade, a nota desceria para 2,5. Recorde-se que os árbitros são avaliados de 0 a 5, mais de 3,5 é considerado bom. Entre 4 e 4,5 é muito bom. Entre 4,5 e 5, é excelente. O 3,7 atribuído a João Capela pelo observador Luis Ferreira, é considerado um “bom mais”. Fonte: RR. VM - Como sabem não comentamos arbitragens, mas parece evidente que esta nota não traduz o que se passou no dérby. Sendo certo que cada português é uma espécie de especialista em arbitragens e analisou os lances polémicos (as alegadas 4 penalidades, o nº de faltas de Maxi, e as entradas de Luisão e Matic) à sua maneira, ficou claro que a prestação de Capela esteve muito longe de ser positiva, bem pelo contrário. No entanto, esta nota apenas reforça o peso dos observadores no contexto do futebol português: mais do que os árbitros acabam por ser as notas dos observadores e a maneira como ajudam na promoção de alguns e descida de outros que leva à descredibilização da classe e à própria corrupção. Posto isto. Será curioso ver a reacção de Bruno de Carvalho, ele que estranhamente teve uma atitude algo passiva no final do Benfica-Sporting.

Liverpool oferece 1,5 milhões de euros por Tiago Ilori; Bruno de Carvalho continua sem resolver o problema mais urgente do clube leonino: renovar os contratos das jovens promessas e de Jesualdo

Depois do PSG agora é o Liverpool que demonstra interesse em Tiago Ilori. Os "Reds" estão no mercado por um central (Carragher vai abandonar o futebol no final da época) e vêem no jovem defesa do Sporting uma excelente opção. De acordo com o "Mirror" vão mesmo avançar com uma proposta de 1,5 milhões de euros para tentar convencer os responsáveis leoninos a libertar o internacional português. VM Passam dias, semanas e a nova direcção do Sporting, liderada por Bruno de Carvalho, continua sem resolver o essencial: definir a estrutura técnica para a próxima época (ou seja renovar com Jesualdo) e segurar as jovens promessas com contratos de longa duração. A falta de frescura financeira dos leões é conhecida internacionalmente, as particularidades dos contratos de Ilori, Bruma, Dier, etc, também, e nos próximos tempos (principalmente quando os campeonatos terminarem) a menos que o clube leonino renove os seus vínculos, o assédio vai aumentar e a pressão dos empresários sobre os jogadores também (facilmente se convence um jovem de 19 anos com contrato apenas até aos 20/21 anos a fazer chantagem perante o clube exigindo que o deixem sair por uma verba simbólica). O caso de Ilori é apenas um exemplo, mas irá acontecer o mesmo com Bruma, entre outros. Parece evidente que o futuro dos leões passa por esta geração, como tal enquanto que este problema (renovações) não estiver resolvido, Bruno de Carvalho continua a colocar em risco o futuro leonino. No que diz respeito a Jesualdo, esta indefinição em relação ao seu futuro não só faz pouco sentido e até pode ser prejudicial, como os leões só tinham a ganhar caso estivessem já a preparar a próxima época com esta situação definida. Por último, não surpreende o interesse do Liverpool em Ilori, tem sido um dos destaques do Sporting e tem características excelentes para a posição de central, no entanto, pelos valores do negócio e porque o clube leonino devia fazer um esforço para manter alguns nomes (Ilori é um deles) para a próxima época, não nos parece viável a sua saída.

25 de Abril de 2013

Benfica perde na Turquia na 1ª mão das meias-finais da Liga Europa; Resultado perigoso, mas melhor que a exibição (os encarnados voltaram a ser protegidos pela "estrelinha" da sorte e viram os turcos a falhar um penalti e atirar 3 bolas ao poste) e que deixa tudo em aberto para a 2ª mão (o Fenerbahçe está perfeitamente ao alcance das águias)

Fenerbahçe 1-0 Benfica (Korkmaz 72´)

Os encarnados saíram da Turquia com um resultado perigoso (pela falta de golos) e negativo, embora abra possibilidades para a 2ª mão. A exibição não foi positiva e a "estrelinha" da sorte voltou a entrar em acção, com o Fenerbahçe a acertar 3 vezes nos ferros (uma delas numa grande penalidade). A equipa turca, fortemente apoiada pelos seus adeptos, encarou a partida como se de uma final se tratasse (pressão e muita intensidade), enquanto do lado da Luz, apenas se destacou a presença de Matic, Salvio e Artur. Foi a 1ª derrota do Benfica em 2013 (nos 90 minutos), contudo, a reviravolta é perfeitamente possível (Salvio evidenciou as lacunas do Fenerbahçe nos primeiros minutos e os turcos sem Webo, Topal e possivelmente Meireles valem muito menos). Na outra partida das meias finais, o Chelsea derrotou o Basileia por 2-1 (na Suíça), com golos de Moses (12´), Schar (87´g.p.) e David Luiz (90´).

O Benfica até entrou bem na partida, com Salvio a desperdiçar uma excelente ocasião para marcar, após assistência de Cardozo (Demirel saiu bem da baliza). Aimar fez o segundo remate perigoso dos encarnados, ainda antes dos 15 minutos, momento onde os turcos começaram a impor o seu futebol. Primeiro, foi Webo a falhar o 1-0, após cruzamento de Sow, depois foi o senegalês a cabecear à trave e Korkmaz também ameaçou num cabeceamento à figura de Artur. A partir da meia hora, a partida entrou numa fase sem grandes lances de destaque, até ao minuto 45. Ola John cometeu grande penalidade, mas Cristian rematou ao poste. Ao intervalo, Jorge Jesus tirou Aimar e colocou Gaitán em campo, enquanto os turcos entraram com tudo no segundo tempo. Cristian e Raúl Meireles obrigaram Artur a duas intervenções complicadas, e Kuyt rematou ao poste, numa clara oportunidade de golo. O Benfica respondeu através de Gaitán, num remate que também foi travado pelo poste da baliza de Demirel. A 20 minutos do final, o Fenerbahçe acabou por chegar ao 1-0, na sequência de um pontapé de canto. Melgarejo alivia mal a bola, e Korkmaz desvia para o fundo da baliza de Artur (a bola ainda bateu no poste). Os encarnados tentaram reagir ao golo, pressionar mais alto, mas a melhor situação que conseguiram criar, foi numa jogada de André Gomes, cortada por Yobo.

Destaques:

Jorge Jesus - Arriscou em demasia com um meio campo com Aimar e André Gomes, 2 jogadores com pouco ritmo. E passou por aí a má exibição encarnada, nunca controlaram o jogo, perderam sempre a luta no meio campo e a bola raramente chegou em condições ao último terço.

Benfica - Primeira derrota em 2013 (no tempo regulamentar) e uma exibição pouco conseguida, logo na fase mais importante da época. O período mais complicado e decisivo da temporada está aí (começou na partida frente ao Sporting) e vai ter continuidade até ao jogo contra o Estoril. Os encarnados jogam esta 2ª feira na Madeira, recebem o Fenerbahçe na 5ª feira e os "canarinhos" no fim-de-semana seguinte (ou 2ª feira).

Fenerbahçe - Os turcos fizeram valer do seu poderio caseiro e podiam mesmo ter construído outro resultado. A equipa de Raúl Meireles está perto de fazer história (o Galatasaray é a única equipa turca com uma final europeia), mas terá que viajar até à Luz sem o português (em princípio), Webo e Topal. O futebol é algo simples, mas a intensidade e vontade tornou-o eficaz. No plano individual, destaque positivo para o lateral direito Gonul (segurança e profundidade), Cristian (apesar do penalti falhado realizou uma excelente partida), dupla de centrais, Kuyt (muito esforçado e batalhador) e Webo (deu muito trabalho à defensiva encarnada).

Matic/Salvio - Boas exibições do sérvio e do argentino, que escaparam à mediocridade dos restantes colegas (excepto Artur). O esquerdino teve um papel importante na sua área de acção, principalmente no plano defensivo (apesar de ter falhado alguns passes que deram origem a jogadas de perigo dos turcos), enquanto o extremo direito causou grandes problemas à defensiva do Fenerbahçe (banalizou Ziegler várias vezes e deve passar por aí a estratégia na 2ª mão).

Aimar/André Gomes - Pelo contrário, a dupla que jogou na frente de Matic esteve claramente abaixo dos demais. O argentino continua sem ritmo, falhou muitos passes e não conseguiu assumir a ofensiva encarnada, enquanto o jovem português foi sempre um elemento passivo no miolo.

Cardozo/Ola John - O paraguaio ainda assistiu Salvio para um dos melhores lances do Benfica e deu trabalho à defensiva do Fenerbahçe no primeiro tempo, mas foi desaparecendo ao longo do jogo. O holandês raramente criou desequilíbrios e ainda cometeu uma grande penalidade desnecessária (foi uma nulidade).

Garay/Jardel - Muitos problemas para a dupla de centrais do Benfica. Webo e Sow ganharam inúmeros lances, enquanto o brasileiro também cometeu graves erros individuais (muitos passes errados).

Melgarejo/Artur - O paraguaio teve responsabilidades no golo turco, ao fazer a "assistência" para Korkmaz (cortou mal a bola) e passou por algumas dificuldades na defesa, enquanto o guarda-redes brasileiro realizou uma exibição segura e bastante competente.

A Visão do Leitor!

Se pretende partilhar a sua visão sobre qualquer tema da actualidade desportiva (só vamos aceitar textos bem estruturados, isentos e pessoais), envie-nos as respectivas crónicas para visaodemercado.blog@gmail.com. Temos tido pouco tempo pessoal e profissional,  também alguma falta de motivação (não se percebe o pouco feedback a todos os níveis), e como tal, este parece ser o melhor momento para "abrir as portas" do VM aos nossos leitores.

Liga Zon-Sagres: Um 11 a "custo zero"

Com o campeonato a terminar os clubes começam já a avaliar as opções para a próxima época, definir os alvos do mercado e a estudar as melhores hipóteses para reforçar o plantel. Uma prática comum nos últimos anos por parte das equipas portuguesas é a aposta nos jogadores em final de contrato, nesse sentido apontamos um 11 recheado de qualidade, que será certamente alvo de muita cobiça.

Cássio (Paços de Ferreira) - 3º guarda-redes menos batido da Liga. Pouco exuberante, destaca-se pela regularidade e competência.
Salino (Sp. Braga) - A 100% é um dos 3 melhores laterais direitos a jogar em Portugal.
Miguel Vítor (Benfica) - Já chegou a ter o estatuto de titular nos encarnados, mas com Jesus foi encostado. Não deve ter problemas em arranjar um novo clube.
Steven Vitória (Estoril) - Um dos principais destaques da Liga pela sua vertente goleadora. Os golos que marcou, exibições e presença física (1m95) devem garantir-lhe um bom contrato.
Cohene (Paços de Ferreira) - Esta época jogou pouco, mas já demonstrou no passado ter qualidade.
Roberge (Marítimo) - Central esquerdino que pode jogar a lateral ou no meio campo, será certamente um dos jogadores a custo zero mais cobiçados em Portugal.
Rafael Miranda (Marítimo) - Médio competente e com o rótulo de indiscutível desde que chegou aos insulares.
Hugo Viana (Sp. Braga) - Depois de Aimar é o jogador mais cotado entre os que estão em final de contrato. Será curioso perceber qual será a sua opção de carreira, sendo certo que tem muito mercado no estrangeiro.
Tope Obadeyi (Rio Ave) - Provavelmente fruto da sua situação contratual jogou pouco, mas quando o fez demonstrou ser um extremo/avançado com capacidade (poderoso fisicamente) para ser titular num clube de I Liga.
Pedro Santos (Vit. Setúbal) - Ao que tudo indica, à semelhança do que acontece com Luiz Carlos do Paços, irá rumar a Braga a custo zero. Não surpreende, já que tem sido uma das boas revelações da Liga. Um extremo com boa técnica e que desequilibra com facilidade.
Fidélis (Marítimo) - Começou a época a todo o "gás". Apontou vários golos nas competições europeias, mas foi perdendo protagonismo ao longo da temporada. Destaca-se essencialmente pela sua capacidade física, mas não terá problemas em arranjar espaço em outro emblema da I Liga.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): Sérgio Franco
 
Site Meter