terça-feira, Março 26

Azerbaijão 0-2 Portugal (Bruno Alves 63´e Hugo Almeida 79´)

Portugal regressou finalmente às vitórias, ainda que com uma exibição com pouco brilho e um resultado curto para as aspirações. A verdade é que devido à situação precária no grupo, todos os golos vão ser importantes até final, pois ao contrário do que foi referido durante a emissão da RTP, o confronto directo não é o factor de desempate mais importante (a FIFA é diferente da UEFA), mas sim a diferença entre golos marcados e sofridos. A expulsão de Aliyev aos 55 minutos, abriu caminho para os golos de Bruno Alves e Hugo Almeida, curiosamente os marcadores dos golos na última visita ao Azerbaijão.

Quanto à partida, Portugal foi claramente dominador, não teve grandes sustos na defesa, mas pecou na criação de oportunidades de golo e na finalização das mesmas. Com as dificuldades em entrar na defensiva azeri, o conjunto português apostou na meia distância, mas os remates de Moutinho e Postiga não colocaram em causa a baliza de Agayev. Pouco tempo depois, e através de uma jogada entre Danny e Vieirinha, Hélder Postiga desperdiça a melhor ocasião até então, ao reagir de forma lenta ao cruzamento do extremo do Wolfsburgo (rematou por cima, em esforço, já na pequena área). Miguel Veloso e Bruno Alves tentaram de livre, mas o remate do esquerdo passou perto do poste, e o tiro do central foi embater no poste. Mesmo em cima do intervalo, Hélder Postiga voltou a desperdiçar uma ocasião soberana, após um remate de Raul Meireles. Portugal entrou novamente com força para o 2º tempo, mas foi após a expulsão de Aliyev que chegou aos golos (o avançado azeri viu 2 cartões amarelos em 5 minutos). A pressão sobre a defensiva do Azerbaijão era cada vez maior, mas Portugal apenas chegou ao golo de bola parada. Pontapé de canto de João Moutinho e novo golo de Bruno Alves. Quando se pensava que a selecção das quinas ia partir novamente para cima dos azeris, assistiu-se a um controlo do ritmo de jogo, sem grandes preocupações ofensivas (nesta fase valeram os "arranques" de Coentrão pelo flanco). O 0-2 surgiu sem surpresa, graças a uma iniciativa de Coentrão (bem servido por Varela) e à finalização de Hugo Almeida. Podiam ter sido mais, não fosse João Pereira ter falhado de forma escandalosa já em período de compensação (completamente isolado e na pequena área).

Destaques:

Azerbaijão - A evolução do futebol azeri tem sido bastante lenta e dificilmente nos próximos anos a selecção de Vogts vai a alguma fase final. Se no ponto de vista defensivo, o Azerbaijão mostra pontos positivos (já não sofrem as goleadas de antigamente), do ponto de vista ofensivo ainda deixam muito a desejar.

Portugal - Exibição pouco consistente, pois tendo em conta o adversário, exigia-se muito mais. Destaque para a introdução de Vieirinha e Danny no 11 inicial (Paulo Bento podia ter sido menos contido defensivamente e desmanchar o 4-3-3), jogadores que não desiludiram. Do ponto de vista positivo, destaque para o regresso às vitórias, para mais um golo de Bruno Alves (ao seu estilo) e para a disponibilidade de Vieirinha e Danny (não se cansaram de pegar no jogo). No lado negativo, a grande incapacidade para criar ocasiões de golo (e quando Portugal cria, desperdiça...) e a falta de atitude para chegar mais perto da baliza azeri depois do 0-1.

Prestações individuais - Vieirinha fez uma excelente estreia como titular na selecção das quinas (continuamos sem perceber porque tardou a ser lançado na selecção), com inúmeros desequilíbrios, cruzamentos bem medidos e alguns remates. Danny esteve entre o 8 e o 80 (perdeu bastantes bolas), mas teve o mérito de ter pegado no jogo a meio campo e ter servido o ataque na com qualidade. H. Postiga fez uma péssima exibição, não só pelos golos falhados (dois de forma escandalosa), mas pelo pouco que produziu ofensivamente (hoje até foi bem servido). Fábio Coentrão puxou pela equipa no segundo tempo (deu grande profundidade), enquanto João Pereira podia ter feito bem melhor nalguns lances (alguma desconcentração no apoio ao ataque). Bruno Alves foi o líder da equipa (dominou na defesa, rematou ao poste e ainda marcou o golo que desbloqueou o jogo), mas faltou maior qualidade no meio campo (Moutinho esteve bem melhor que Veloso e Meireles, que estão muito longe daquilo que Portugal precisa neste momento.

38 comentários:

  1. Que exibição fraca. Foi preciso ficarem a jogar contra 10

    ResponderEliminar
  2. Ganharam é o que interessa mas é preciso melhorar.

    Gostei do Vieirinha e o Danny que estiveram muito mais interventivos que o Ronaldo e Nani costumam estar.

    ResponderEliminar
  3. Sinceramente, vale e muito pelo resultado, que acaba por ser o mais importante ! Selecção demasiado "mediana" para o nome Portugal e para os portugueses. Alguns podem argumentar que Portugal tinha algumas baixas importantes, contudo relembro que jogamos contra o Azerbeijão, que não é propriamente um portento de qualidade.

    Aproveito, e deixo aqui a pergunta aos outros comentadores e leitores deste blogue, ou ao próprio VM caso entenda responder: Quem merecia ser maior aposta por parte de Paulo Bento ? E que jogadores com menos de 23 anos merecem ser chamados com mais regularidade de modo a prevenir o futuro ? É que tanto a vocês não sei, mas as convocatórias têm-se baseado sempre nos mesmos jogadores. Saudações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que acontece é que o lote de jogadores seleccionáveis é muito curto e isso não é culpa do Paulo Bento. Ele erra é nos poucos que tem insistir sempre nos mesmos, até o poderia fazer mas se realmente estivessem em boa forma e não deixam de forma incompreensível outros em melhor forma de fora.

      A meu ver é assim que agrupo os jogadores à disposição do nosso seleccionador:

      Temos um grupo de 6 jogadores de grande qualidade que têm lugar nas melhores equipas do futebol europeu. São eles Cristiano Ronaldo (AE), Pepe (DC), Nani (AD), João Moutinho (MC), Fábio Coentrão (DE) e Rui Patrício (GR).

      Depois há um grupo de jogadores que têm sido peças importantes nos últimos anos da nossa selecção e que tinham qualidade para chegar aos melhores clubes europeus mas por uma razão ou por outra acabaram em equipas com forte poder financeiro em campeonato de menor expressão: Raul Meireles (MC) e Bruno Alves (DC).

      Fazendo um balanço temos 8 jogadores muito experimentados a nível internacional de boa/grande qualidade que só por si faz de nós uma selecção forte. Depois restam 3 posições que quanto a mim as opções nunca me convenceram: João Pereira (DD), Miguel Veloso (MDC) não porque seja mau jogador mas porque não tem as características próprias desta posição (não tem intensidade a defender, não se destaca por recuperar bolas e não me venham contra argumentar com o Pirlo, porque na Itália joga um homem chamado De Rossi que se encarrega disso) e Hélder Postiga (PL).

      E este é o nosso onze base.

      Eliminar
    2. Amigo, essa historia de termos poucos jogadores seleccionáveis nao é verdadeira

      Rui Patrício, Quím, Mário Felgueiras, Eduardo, Beto, Quím,

      Nelson, Silvio, Ruben Amorim, Pereirinha, João Pereira, Miguel Lopes

      Steven Vitoria, Neto, Bruno Alves, Luís Neto, Pepe, André Pinto, Tiago Ilori, Nuno André Coelho

      Joaozinho, Fábio Coentrao, Hélder Lopes, Antunes

      Custodio, Manuel Fernandes, Veloso, André Leao

      Zeca, Meireles, Moutinho, Josué, Adrien Silva, Carlos Marins, Paulo Machado

      Vieirinha, Nani, Ronaldo, Varela, Danny

      Eliminar
    3. Concordo com tudo o que disse, menos a parte do Miguel Veloso, que discordo categoricamente, visto que há trincos e trincos. Pirlo na Itália tem o De Rossi, na Juve não tem. Concordo que os melhores trincos, ou médios de fensivos, puros 6, são jogadores mais aguerridos e agressivos, mas existem muitos, e continuaram a existir no mundo do futebol, jogadores nessa posição com estas caracteristicas. E no plantel de Portugal, não temos nenhum "10", temos dois "8" de trabalho, como é Moutinho e Raul Meireles, e depois temos um
      "6", com capacidade para fazer jogar vindo de tras, conseguindo dar apoio aos medios sem comprometer defensivamente...

      Eliminar
    4. Seleccionáveis são todos, até o Djaló.
      Penso que se referissem a "seleccionáveis" de jeito

      Eliminar
    5. Eu não cheguei a terminar a minha ideia mas aproveito desde já para responder aos outros leitores.

      Joel e Nuno é claro que temos milhares de jogadores que podiam ser seleccionados e vocês à boa maneira do português em vez de contribuir para esta discussão com ideias dão mais valor a preciosismos. O lote de jogadores com qualidade para ser chamado à selecção é que é manifestamente curto e eu facilmente o limito a 50 jogadores.

      DC mas o próprio esquema táctico da Juventus com 3 defesas centrais permite que o Pirlo tenha mais liberdade. E a Juventus tem 2 trabalhadores, jogue Marchisio, Pogba ou Vidal mas na selecção só vejo o Moutinho, o Meireles não é um box-to-box.

      Eliminar
    6. Jogadores que merecem uma convocatória e têm no máximo 28 anos:
      - Mário Felgueiras
      - Paulo Oliveira
      - Tiago Ilori
      - Steven Vitória
      - Rúben Ferreira
      - André Leão
      - André Almeida
      - André Gomes
      - Tiago Rodrigues
      - Josué
      - Bruno Gama
      - Licá
      - Ricardo
      - Bruma
      - Amido Baldé
      - Ricardo Vaz Tê (a época passada esteve em bom plano)

      Eliminar
    7. #Joao
      A pergunta é: que selecção queremos?

      Se queremos (entre aspas) uma selecção mediana, os "seleccionáveis" do Joel servem. Se queremos uma selecção de elite, mais de metade daqueles nomes são para riscar. Se conseguires sequer 30 jogadores de qualidade para formar um núcleo duro de uma equipa que faça figura nas grandes competições, ou és muito optimista, ou eu não conheço os jogadores portugueses ainda no activo.

      Potencial, algum. Qualidade, pouca. E acima de tudo, curta experiência competitiva a um nível elevado.
      Porque isso importa.
      Por mais qualidade que tenha o Steven Vitoria (um exemplo), ele não está habituado a um grau de exigência competitiva elevado, e não vai "aprender" isso na selecção.

      Eliminar
    8. Nuno mas a questão é mesmo essa, nós não temos muitas opções, não podemos escolher se queremos uma selecção de topo ou mediana, só podemos é escolher aqueles que estão à disposição. Quer queiramos, quer não o nível da nossa selecção irá descer até que a nova geração atinja um nível de maturidade e qualidade que nos permite ter novamente uma selecção de top.

      Mas continuo a achar que temos um leque de jogadores suficientes para fazer boa figura no Brasil e vou deixar aqui as minhas opções. Eu ao contrário de muitos que aqui comentam não exijo uma revolução (nós estamos mal sim mas fomos semifinalistas de um Europeu) e não defendo a chamada de miúdos de 19/20/21 anos que só este ano tiveram oportunidades nas equipas principais. Por exemplo vejo muita gente a pedir a chamada do Paulo Oliveira, Tiago Rodrigues ou do Baldé, miúdos que possivelmente nem estariam jogar senão fossem os cortes orçamentais e o aparecimento das equipas B's.

      Eliminar
  4. Apesar da vitória (conseguida quase exclusivamente devido à expulsão do jogador azeri) foi uma exibição paupérrima e a roçar o miserável (como tem sido frequente na era Paulo Bento). Não é concebível que uma selecção composta por jogadores que actuam nos melhores campeonatos do mundo pratique um futebol de tão baixo nível e a culpa só pode ser de quem não incute nos jogadores uma disciplina táctica capaz de superar adversários sem argumentos (Azerbaijão, Albânia, Gabão, Israel...). Assim, e apesar de ser um claro defensor da opção por um seleccionador português (uma vez que temos treinadores do melhor que há) parece ser evidente que o papel de Paulo Bento é de mero convocador de jogadores e escolha do 11 uma vez que não é perceptível qualquer rotina dos jogadores, ou seja, táctica inexistente, intrusão entre eles diminuta e jogadas ensaiadas zero!

    Para apostar num novo seleccionador este seria o momento ideal de forma a dar-lhe alguma margem de erro e selecção nos últimos jogos de apuramento. No entanto penso que a todos os seleccionadores deve-lhes ser dado tempo de implementar o seu sistema de jogo e escolha acertada de jogadores na selecção, mas que com Paulo Bento deteriora-se jogo após jogo, acrescendo o facto de não reunir os melhores 23 (evidente apesar de nunca existir uma escolha consensual) e de não apostar em jovens (apesar de ser um caminho perigoso a verdade é que a geração que deveria estar a ser chamada é fraca e portanto a culpa é de toda a estrutura da federação que não soube potenciar os jovens jogadores de forma atempada).

    Em relação aos jogadores a dupla Bruno Alves - Pepe (uma das melhores da história do nosso campeonato) incrivelmente não resulta nesta selecção. Nunca comunicam entre si e as falhas dos 2 no jogo colectivo entre centrais são eminentes. É algo estranho, uma vez que a rotina entre eles já foi frequente, e parabéns ao incrível seleccionador que conseguiu estragar uma dupla que tinha tudo para se afirmar inequivocamente. No entanto, a verdade é que não há ninguém à altura para os relegar para o banco (apesar de Neto espreitar o lugar e de já o ter conquistado no Zenit).

    Na frente Postiga e Hugo Almeida não são jogadores capazes e o festival de golos falhados por ambos ao serviço da selecção é inacreditável. Hoje marcou o suplente, mas isso também tem sido uma constante, porque dos 2, quem joga de início não costuma facturar. Seria imperioso apostar seriamente em Éder (depois de recuperar da lesão) e convocar Lima que quer se queira quer não é o melhor ponta de lança "português" da actualidade.

    Nas alas Varela nunca deveria ser opção (nos 23!) e Vieirinha apesar de nada de excepcional foi dos melhores e demonstra que além de Ronaldo e Nani há opções viáveis ao invés de Varela (Pizzi e Bruno Gama também têm tido bons apontamentos no Deportivo).

    No meio campo é claro que Manuel Fernandes é o jogador indicado para "carregar" a equipa assumindo o papel de 10 (as outras ÚNICAS opções são Hugo Viana e Carlos Martins que não tem minutos de jogo) e é incrível a forma como o melhor jogador do campeonato turco é sistematicamente esquecido.

    Houve os casos Bosingwa e Ricardo Carvalho que bem jeito nos teriam dado, mas actualmente temos os casos Hugo Viana, Manuel Fernandes, Lima (eventualmente Maicon e Fernando) e Varela que apesar de não passarem despercebidos são esquecidos pela generalidade das pessoas.

    Por fim, parece óbvio que Portugal irá mais uma vez ao Play-off e o desempenho da selecção no Mundial irá ditar o futuro de um seleccionador que não faz as melhores convocatórias, não impinge disciplina táctica ou rigor competitivo aos jogadores, não lê o jogo de forma a retirar ilações capazes de alterar o rumo dos acontecimentos e acima de tudo não treina as bolas paradas defensivas (ou se o faz é a um nível miserável uma vez que cada canto contra Portugal é uma jogada de perigo eminente).

    ResponderEliminar
  5. Para mim o mais incrível é como num jogo deste carácter o nosso seleccionador não tem a decência/perspicácia de entrar com Patrício, Pereira, Pepe, Alves, Coentrão, Meireles, Moutinho, Danny, Vieirinha, Pizzi e Postiga e mete na mesma 3 médios onde nenhum deles é declaradamente ofensivo. Além de durante o jogo, pós explusão do azeri, ao invés de meter um médio (carlos martins) para rodar o jogo (tal como fez, e bem, Mourinho contra o United depois da expulsão do Nani, colocando Modric) espeta com mais um ponta-de-lança para retirar espaços nos últimos metros e causar atrapalhação. O fundamental estando com mais 1 jogador e havendo tanto tempo para jogar seria sempre trocar a bola na expectativa dos azeris abrirem espaços, o que aconteceriam naturalmente se os fizessem "dançar" com mudança do centro de jogo (à imagem do que faz a Espanha, por exemplo). Enfim, é mau demais ter um tipo que não sabe ler o jogo à frente da selecção lusa.

    Ass: José Gonçalves

    ResponderEliminar
  6. Nao esquecer que a Russia so ganhou 1-0 no Azerbaijao com um penalti polemico, aos 80 e tal minutos!

    ResponderEliminar
  7. Será que Portugal tem de ser "eliminado" de uma fase final para haver um lufada de ar fresco nas convocatórias e no 11 titular...?
    É mau demais..

    ResponderEliminar
  8. Digam-me uma coisa, se os play-offs são 8 equipas, as Selecções não são divididas em 2 grupos conforme o ranking e a partir daí é que se faz o sorteio? Penso que para o Europeu foi assim.

    Digo isto porque toda a gente diz que se a Espanha perder hoje Portugal (se lá chegar) pode ter de defrontar a Espanha.

    ResponderEliminar
  9. Não foi dos piores jogos, principalmente na 1ª parte até houve alguns momentos positivos, mas é francamente curto contra uma equipa como o Azerbaijão.. se não houvesse a expulsão não sei até que ponto a nossa situação não seria muito mais difícil nesta altura.
    Quanto à equipa, destaco aquele que para mim devia ser o "10" de Portugal mas nunca joga nessa posição, Danny podia sem duvida ser o nosso médio criativo, que tanta falta faz muitas vezes, durante a primeira parte apareceu e bem algumas vezes na zona centra, continuo a achar também que Hugo Almeida marcaria mais que Postiga se tivesse os mesmos jogos e minutos...

    ResponderEliminar
  10. Nota-se tanto que esta selecção deve jogar com 2 MC (para mim seriam Manuel Fernandes e Moutinho) e depois com Nani e Ronaldo e Danny ou Quaresma a completar o lote de médios atacantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Totalmente de acordo.

      Ass: José Gonçalves

      Eliminar
    2. quaresma????

      vierinha, pizzi ou bruno gama talvez....

      Eliminar
    3. Digo o mesmo: Quaresma???

      Antes dele existem outros jogadores como vieirinha, pizzi, bruno gama, até mesmo o bruma ou o ricardo.

      Eliminar
  11. Portugal nao consegue grandes resultados frente a estas equipas devido ao medo e ao uso do 4x3x3 com 3 médios mais de recuperação que criatividade (veloso,meireles e moutinho) que resulta e muito bem frente a seleções com qualidade equivalente ou superior como exemplo de holandas, espanhas.. Se Portugal frente a estas equipas mais fracas fosse mais ofensivo com outra táctica ou mesmo neste 4x3x3 mas com médios mais criativos como por exemplo (moutinho,Hugo Viana e danny) daria maior poder ofensivo e talvez melhor futebol.. mas isto é so uma opinião..

    Tiago

    ResponderEliminar
  12. Resultado que peca por escassear mas a selecção está de parabéns por ter voltado às vitórias.

    Para mim, os melhores jogadores que temos para ir à selecção são:

    Guarda-Redes:
    - Rui Patrício
    - Mário Felgueiras
    - Eduardo Carvalho

    Defesas Direitos:
    - Miguel Lopes
    - Sílvio pereia

    Defesas Centrais:
    - Képler Ferreira "Pepe"
    - Luís Neto
    - Paulo Oliveira
    - Tiago Ilori

    Defesas Esquerdos:
    - Fábio Coentrão
    - Vitorino Antunes

    Médios Defensivos:
    - Miguel Veloso
    - André Leão

    Médios Centro:
    - Manuel Fernandes
    - João Moutinho
    - Tiago Rodrigues
    - Josué (este é joga mais a médio ofensivo centro)

    Extremos Direitos:
    - Luís da Cunha "Nani"
    - Adelino Freitas "Vieirinha"

    Extremos Esquerdos:
    - Cristiano Ronaldo
    - Luís Fernandes "Pizzi"

    Avançados:
    - Éderzito Lopes "Éder"
    - Nelsón Oliveira

    Agora para esta dupla jornada, o sr. Paulo Bento podia ter convocado:
    - Ricardo Pereira em vez de Luís da Cunha "Nani" (lesionado)
    - Amido Baldé em vez de Éderzito Lopes "Éder" (lesionado)
    - Hugo Almeida em vez de Nelsón Oliveira (fraco rendimento no clube)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bruno Alves tem de estar aí...

      Eliminar
    2. Tiago Rodrigues, Ilori ou Paulo Oliveira, entre outros, ainda nao estao prontos para entrarem na Selecçao A, ainda para mais quando os resultados e as exibiçoes nao tem sido as melhores e quando a pressao e enorme para a equipa estar presente no Mundial 2014. Colocar esses miudos agora poderia ser um risco para a sua evoluçao sustentada.

      Faria as seguintes trocas a sua lista:
      Eduardo - Beto/Ricardo
      Paulo Oliveira - Bruno Alves
      Tiago Ilori - Jose Fonte
      Andre Leao - Custodio
      Tiago Rodrigues - Adrien

      Eliminar
    3. Nélson Oliveira??? Deve estar a gozar só pode?!!!!

      O homem nem no fraco Depor joga com regularidade quanto mais na selecção!!!

      O Neto no Zenit só tem dado casas (participa sempre nos lances dos golos adversários, tem quase sempre culpa no cartório!!!)

      O Neto não é tão bom, como a nossa imprensa o pinta, tem muitas limitações, aconselho a ver os diversos jogos que o Zenit fez ultimamente!!!

      Eliminar
    4. Convocatória típica de quem joga ou jogou FM, que vê potencial em tudo e acha que basta lançar os jovens para dentro de campo que eles rendem. Que critiquem o treinador é uma coisa, agora que ninguém duvide que os actuais jogadores da selecção são bons jogadores e que com outro esquema (não há nenhum alternativo) e com outro treinador renderiam muito mais. Não vale a pena entrarmos em revoluções que eu chamo malucas e descontroladas.

      Eliminar
    5. Excluir Bruno Alves, Raúl Meireles, Danny, Hélder Postiga e Hugo Almeida da seleção nacional é, no mínimo, hilariante.

      Eliminar
  13. Penso que caso Portugal se consiga apurar os 23 selecionaveis nunca vao fugir muito destes, pelo que o Paulo Bento tem feito ultimamente.
    GR (3): Rui Patricio, Eduardo, Beto
    DD (2): Joao Patricio, Silvio
    DE (2): Fabio Coentrao, ?
    DC (4): Pepe, Bruno Alves, Luis Neto, ?
    MC (3): Moutinho, Meireles, M. Veloso
    MAE (2): Ronaldo, Varela
    MAD (2): Nani, Vieirinha
    MAC (2): Danny, ?
    PL (3): Postiga, H. Almeida, Pizzi

    A segunda posicao de MAC penso que deve passar pelo C. Martins, embora pense que o H. Viana seria melhor hipotese nao parece fazer parte dos planos do Paulo Bento.
    Vejo poucas "vagas" para os mais jovens, em particular visto que por agora nao tem sido chamados.
    Vejo a defesa como a maior necessidade de mais alternativas fortes, o Joao Pereira e sempre uma incognita e se perdermos o Fabio Coentrao ou o Pepe, quem os substitui?
    No meio ha mais alternativas validas, mas penso que falta um maestro tipo o Rui Costa.
    Os pontas de lanca creio que vao ser estes, nao vejo o Paulo Bento a dar o braco a torcer, mas alem destes quem ha mais? o Eder, que vamos a ver como se recompoe da lesao, quem mais tem minutos nas pernas e instinto matador? Nunca gostamos dos PL que temos, o Pauleta era mal amado, mas marcava que se fartava, as equipas pequenas principalmente e verdade, mas esses golos agora fazem muita falta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revendo que disse acho que nao vai haver segundo MAC, vai outro MC, o Custodio.
      Ja agora reforco, estes nao sao os jogadores que eu acho que deviam ser chamados, mas sim os que eu acho que o Paulo Bento vai chamar, em caso de conseguirmos o apuramento.

      Eliminar
  14. Da mesma forma como não percebo o porquê do Vieirinha só agora, aliás percebo, se nani não estivesse lesionado ainda não tinha sido desta, não percebo ainda as convocatórias onde se prefere suplentes e quem não joga a titulares mesmo que de equipas menores

    ResponderEliminar
  15. As nossas opções são muito limitadas mas jogar num 4-3-3 com Veloso, Moutinho e Meireles a meio-campo é muito defensivo. É um bom meio-campo para as fases finais onde jogamos contra Espanha, Alemanha, Holanda, etc mas para jogar frente ao Azerbaijão, que defendeu o jogo todo acaba por ser muito escasso. Só se viu Danny e Vieirinha a atacar condignamente, Postiga sozinho acabava por estragar mais do que construir e os elementos do meio-campo são muito limitados a atacar. É a equipa que temos mas acho que para jogos frente a seleções mais fracas como Israel e o Azerbaijão, Paulo Bento podia perfeitamente deixar jogador de maior nomeada mas que estão em baixo de forma de fora e convocar jogadores em bom momento de forma, mesmo tendo menor qualidade. Assim, aliando a natural motivação de representar o país e a boa forma, chegavam bem para vergar estes adversários mais acessíveis.

    Marco B.

    ResponderEliminar
  16. Nao foi um mau jogo da Selecçao Nacional, mas a verdade e que frente a um adversario tao debil como o Azerbaijao, sobretudo a nivel ofensivo, pedia-se mais a equipa das quinas. O ritmo de jogo e a velocidade dos processos foi mais elevada do que contra Israel, assim como a atitude face a perda da bola (a recuperaçao total de Moutinho ajudou imenso neste aspecto), o que fez com que Portugal dominasse o jogo de inicio ao fim e conseguisse criar algumas oportunidades de golo.

    Ainda assim, a bola teimava em nao entrar, seja por desperdicios inacreditaveis do Postiga, fosse por azar nos livres de Veloso e Bruno Alves, mas apos a expulsao do avançado do Azerbaijao a tarefa lusa foi mais facilitada e os portugueses conseguiram a chegar a vantagem num bom golo de bola parada do Bruno Alves (mais um).

    Como diz o VM, Portugal deveria ter carregado mais, mas apenas conseguiu mais um golo, pouco para o dominio exercido durante os 90 minutos pelos comandados de Paulo Bento.

    A nivel individual, destaco pela positiva o Vieirinha e o Danny, sobretudo pela capacidade de acelerarem e pegarem no jogo, sendo que o primeiro foi importante a dar largura a equipa e a cruzar bem, enquanto que o luso-venezuelano criou alguns desequilibrios na defensiva contraria (continuo a achar que renderia mais a 10).
    Alem deles, destaco o Moutinho pela entrega na pressao e recuperaçao de bola, o Coentrao pelos 90 minutos de intensidade e de vontade de "carregar" em cima do adversario (o melhor em campo) e o Bruno Alves pelo 1º golo e por ter sido um lider na defesa portuguesa, evitando as desconcentraçoes do costume.
    Destaque ainda para o regresso aos golos de Hugo Almeida na Selecçao.

    A nivel negativo destaco a pouca intensidade do meio-campo portugues, nomeadamente do Veloso e do Meireles que estao em ma forma. Penso que neste tipo de jogos o Paulo Bento poderia ser mais audaz e alinhar apenas com um deles ao lado do Moutinho, colocando o Danny a 10 e assumindo um 4-2-3-1.
    Alem disso, destaco a pessima exibiçao do Postiga, nao so pela ineficacia, mas por nao ter participado em nada no jogo colectivo como costuma fazer e a ma exibiçao do Joao Pereira (o banco no Valencia esta a fazer-lhe mal), culminada num falhanço incrivel na pequena area que daria o 3-0 a favor de Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo com o seu comentário. Aliás, o 4-2-3-1 é na minha opinião a imagem de marca da selecção portuguesa dos últimos anos, e para mim só é razoável não usar este sistema pelo facto de estarmos "órfãos" de um verdadeiro "10"... No entanto, tal como disse, Danny e mesmo o Nani, e até porque não o Manuel Fernandes poderiam desempenhar essa função. Mas já se viu que PB arrisca 0, mesmo com selecções deste "calibre"...

      Cumprimentos

      Raiuga

      Eliminar
  17. É verdade que ganhámos sem sofrer golos, o que é bom independentemente da valia do adversário. No entanto, também é verdade que não encantámos, longe disso.
    Na primeira parte fomos dominadores mas tivemos algumas dificuldades em desmontar a estrura defensiva do adversário.O perigo foi criado em duas bolas paradas e no último minuto por Postiga que teve tudo para inaugurar o marcador.
    Na segunda parte continuámos a dominar e após a expulsão marcámos dois golos e podiamos ter marcado mais, nomeadamente, numa perdida incrível pelo J. Pereira.

    Houve pontos positivos a retirar deste jogo:
    -Ganhámos 3 pontos, sem sofrer golos e Patrício teve pouco que fazer (como já havia salientado)
    -Defesas: B. Alves voltou aos golos e desta vez fez uma boa exibição; F. Coentrão à imagem do jogo com Israel voltou a ser um dos melhores jogadores da seleção nacional, melhorando no capítulo defensivo.
    -Médios:J. Moutinho apresentou-se bem fisicamente e conseguiu assumir preponderância na organização e construção do jogo da equipa.
    Avançados:Vieirinha demonstrou ser uma opção de qualidade, oferece largura, improviso, define bem e cruza muito bem; Danny esteve bem, muito activo e esforçado, assumiu o jogo embora, por vezes, fosse um tanto ao quanto trapalhão.

    No entanto também houve pontos negativos nesta partida:
    -Defesa:O amarelo que retira Pepe do próximo jogo e a exibição de J. Pereira especialmente no apoio ao ataque repleta de lances mal definidos quer ao nível do passe, do cruzamento e da finalização.
    Médios:Raul Meireles dá a ideia que já entra em campo cansado e hoje isso ainda foi mais flagrante pouco activo e muito lento, Veloso tem que se aplicar tanto no jogo como se aplica nas bolas paradas aí sim irá voltar à forma que já o vi atingir embora hoje tenha feito melhor do que contra Israel naquela posição exige-se mais ao nível da intensidade de jogo, capacidade de pressão e desarme tem que ser mais preponderante na equipa.
    Avançados:Postiga esteve desinspirado hoje, pouco ou nada lhe saiu bem, muito mal na finalização como já havia acontecido contra Israel, mas nesse jogo o golo atenuou.

    António

    ResponderEliminar
  18. Portugal precisa de jogar com o Danny no meio!
    A nossa táctica sempre foi mais um 4-2-3-1 que um 4-3-3, os nossos jogadores tem uma mentalidade mt mais talhada para o 4-2-3-1, com todos na maxima força, o plantel do paulo bento seria:
    Gr:Patricio, Eduardo, Beto
    Dd:J.Pereira, Silvio
    De: Coentrão, Antunes?!?
    Dc: Pepe,B.Alves,Neto,R.Costa
    Mdc: M.Veloso,Custódio
    Mc: Moutinho, R. Meireles
    Mac: Danny,
    Mad: Nani,Varela
    Mae: Cr7, Vieirinha
    Ac: Postiga,Eder, H. Almeida?!?!

    e era mt mais estavel o plantel, e mt mais ofensivo... depois de estar a ganhar era so tirar o Danny e meter o Meireles, e a perder tirar o Moutinho/Veloso e meter o Eder...

    Fácil!

    kanjy6

    ResponderEliminar

Depois do 25 de Abril de 1974, Portugal "descobriu" a liberdade de expressão, portanto expressem-se à vontade! No entanto, os comentários a insultar, serão apagados pelo lápis azul!!

COMENTÁRIOS DE ANÓNIMOS, OFENSIVOS OU INCENDIÁRIOS SERÃO AUTOMATICAMENTE REJEITADOS