31 de Dezembro de 2012



O VM deseja para 2013 as maiores felicidades àqueles que connosco seguem o desporto nacional e internacional. Que o novo ano vos permita atingir os vossos objectivos pessoais e desportivos.

Nos relvados, nas pistas, nas arenas, nos pavilhões, que o espectáculo, fair-play e emoção sejam as notas dominantes, e no campo pessoal e profissional que o próximo ano vos traga muito sucesso. Sabemos que nem sempre a nossa Visão imparcial, isenta e conhecedora (para alguns arrogante) agrada a todos, mas não queríamos deixar fugir esta oportunidade sem deixar uma mensagem não só de felicidades, mas igualmente de obrigado, pois sem vocês (e o vosso feedback), seria impossível chegar onde estamos neste momento.

Para terminar, um especial agradecimento e voto de felicidades para os nossos colaboradores: F. Nascimento, T. Cunha, A. Mesquita, R. Alves, A. Borges, A. Costa, José P., A. Carvalho, Nuno R., C. Soares, Francisco Paiva, Diogo Miguel, E. Ribeiro. Sem eles, a tarefa dos administradores Pedro_M, Sergio_Alj, T. Cunha e M. Gonçalves seria deveras complicada.

Bom Ano Novo!

Tal como o VM adiantou em 1ª mão (ver aqui), Daniel Carriço vai representar o Reading, actual 19º classificado da Premier League. O jogador custou 750 mil euros aos ingleses, enquanto o Sporting fica com uma percentagem do passe, numa futura transferência. VM - A saída de Carriço era inevitável, pelo que os leões só tinham uma solução para tentar ganhar algo em troca. Os 750 mil euros são um mal menor nesta fase, mas provam mais uma vez o fraco timing dos leões em transferir jogadores. O defesa/médio português foi bastante cobiçado nos últimos anos e o seu valor de mercado rondava os 10 milhões de euros (chegaram a sair rumores com valores mais elevados), contudo, à medida que foi sendo menos utilizado e com o contrato prestes a terminar, obviamente que quanto mais tarde os leões o tentassem vender, menor seria a recompensa financeira. Bom negócio para os leões? Irá Daniel Carriço estabilizar e ganhar minutos na Premier League?

Em 2012, o Benfica conquistou o seu 23º campeonato nacional de basquetebol. Depois de uma fase regular onde o FC Porto ficou em 1º lugar com apenas duas derrotas, e depois de ultrapassar o Vitória S.C. (3-0) e o CAB Madeira (desistencia) facilmente no playoff, a equipa portuense seguia como favorita para a final, onde iria encontrar o seu rival que tinha eliminado Academica (3-1) e Lusitania (3-1). Após ambas as equipas vencerem um jogo em casa e outro fora, a negra foi jogada no Dragão Caixa num jogo com poucos pontos (53-56) mas com muita emoção. Tirando algumas cenas lamentáveis (de ambas as partes) no jogo decisivo, esta final foi um hino a modalidade no nosso pais. Nos restantes troféus, o FC Porto venceu a Taça de Portugal e a Taça Hugo Santos e o Benfica venceu o Trofeu António Pratas.

A nivel internacional, o Olympiakos venceu surpreendentemente a Euroliga numa final espetacular frente ao favorito CSKA de Moscovo (com Andrei Kirilenko e Alexey Shved). O Olympiakos venceu também o campeonato grego, enquanto CSKA e Barcelona se tornaram, respectivamente, campeões russos e espanhóis. Quanto as seleções, 2012 foi ano de Jogos Olimpicos. Os EUA voltaram a mostrar o seu poderio e conquistaram a medalha de ouro, basicamente devido à qualidade individual dos seus jogadores. Espanha demonstrou mais uma vez que é a 2ª melhor seleção do mundo e conseguiu a medalha de prata, após dar luta na final (107-100) aos norte-americanos. A Rússia ficou com o bronze depois de vencer a Argentina. A seleçao portuguesa somou por derrotas os 8 jogos de qualificação para o Eurobasket 2013.

2013

Esta temporada arancou com más noticias para o basquetebol nacional: dois dos históricos da modalidade, FC Porto e Barreirense acabaram com as suas equipas profissionais. Assim sendo, espera-se que o Benfica domine a temporada, tendo em conta a qualidade e profundidade do seu plantel. Para já, o clube da Luz venceu o Troféu António Pratas e a Supertaça e segue invicto no campeonato (9-0). Os seus maiores adversários no playoff deverão ser Académica, Ovarense e Vitória.

Lá fora, já se iniciou o Top 16 da Euroliga (com novo formato), sendo que os maiores favoritos à vitória final sao o campeão Olympiakos, Barcelona (apesar das más performances nas competiçoes internas), Real Madrid, CSKA e Panathinaikos. 2013 é tambem ano de Eurobasket, na Eslovénia, sendo "nuestros hermanos" os grandes favoritos, junto com Rússia França, Grecia e Lituânia. No draft de 2013 da NBA deverão ser escolhidos alguns jogadores que jogam na Europa: Rudy Gobert (poste francês) e Dario Saric (extremo croata) devem ser escolhas altas, enquanto que Alex Abrines (se entrar este ano), Joffrey Lauvergne e os dois ucranianos (Oleksandr Lypovyy e Artem Pustovyi) devem ser selecionados na 2ª ronda.

Destaques de 2012? Será que o Benfica vai renovar o titulo de campeão? Quem vai vencer o Eurobasket 2013? E a Euroliga? Poderá Rudy Gobert ser escolhido no Top 3 do draft de 2013 da NBA?

Visão do leitor: Rafael R.

30 de Dezembro de 2012

O Deportivo da Corunha confirmou na sua página oficial que Domingos Paciência vai orientar os galegos até ao final da presente temporada. O ex-técnico do Sporting substitui José Luis Oltra e terá a complicada tarefa de evitar a descida de divisão. VM - Na teoria não é o melhor desafio para Domingos, o Deportivo apresenta um plantel algo limitado e a menos que contrate 3/4 elementos de inegável qualidade em Janeiro muito dificilmente irá fugir à despromoção. Fez mal em não ter chegado a um acordo com o Olympiakos no princípio da época, claramente um trampolim mais cómodo para fazer carreira a nível internacional (ele que depois do desastre que foi a sua passagem por Alvalade - faz agora um ano estava a ser eliminado na Taça da Liga num grupo acessível e deixou os leões no 5º lugar no campeonato - viu lhe serem fechadas as melhores "portas" a nível interno). Nota final para o alívio financeiro que representa esta noticia para os leões (eles que continuavam a pagar o salário a DP, e assim evitam esta despesa nos próximos 6 meses), e para o prestígio que é para Portugal ter mais um treinador numa das ligas mais fortes do Mundo. Conseguirá Domingos ter sucesso na La Liga? Que jogadores (da nossa Liga) o podem acompanhar no Depor neste mês de Janeiro? Teste decisivo para avaliar as suas capacidades, principalmente numa perspectiva de no futuro vir a orientar novamente um dos "grandes"? Ou DP já demonstrou que não tem qualidade para triunfar no Sporting, Benfica e Porto (estando essas portas definitivamente fechadas)? E, por último, como se explica que tenha estado um ano no desemprego (a situação era demasiado confortável para abraçar um novo projecto, e aproveitou para se "vingar" do clube leonino)?

Estoril 2-2 FC Porto (Steven Vitória 15´e 61´g.p.; J. Martínez 31´e J. Moutinho 88´)

Estoril e FC Porto empataram no Estádio da Amoreira, num resultado que quase coloca os canarinhos fora da competição. Os dragões foram surpreendidos pela excelente exibição da equipa da casa e, não fosse o golaço de João Moutinho, estariam em situação perigosa no grupo A da Taça da Liga. Nesta partida, foi evidente a falta de alternativa a James Rodríguez e Jackson Martínez (saiu ao intervalo), com os dragões a serem praticamente inofensivos no ataque (valeu a eficácia).


A equipa da casa entrou melhor na partida e marcou mesmo nos primeiros 15 minutos. Steven Vitória marcou com grande qualidade, um livre directo à entrada da área portista. O jogo decorreu com equilíbrio e sem oportunidades de golo, até o FC Porto empatar à passagem da meia hora. Otamendi fez um passe longo para Jackson, que cabeceou para a baliza deserta (Mário Matos falhou completamente a saída). Perto do intervalo, foi Danilo a rematar com perigo, na sequência de um livre directo. A segunda parte foi bem mais animada. Kelvin quase fez o 1-2 para os dragões, num cabeceamento ao lado da baliza, enquanto Luis Leal falhou por duas vezes na cara de Helton (o brasileiro defendeu nas duas ocasiões). Do outro lado, foi novamente Kelvin a desperdiçar (defesa de Mário Matos) e, na resposta, o Estoril chega ao 2-1. Otamendi joga a bola com a mão, na grande área, e Steven Vitória bisou na partida. Os dragões pressionaram mais até final (João Moutinho quase empatou, mas Mário Matos respondeu com boa defesa), enquanto os canarinhos responderam em perigosos contra-ataques. Mesmo a acabar o jogo, João Moutinho, com espaço à entrada da área, remata forte e sem hipóteses para o guarda-redes do Estoril. Principais destaques?

Taça da Liga - Grupo A: Vit. Setúbal 3-1 Nacional (Jorginho 39´, Amoreirinha 43´e Meyong 66´; Claudemir 8´); Grupo B: Beira-Mar 2-2 Vit. Guimarães (Rúben Ribeiro 54´e 79´; Ricardo 10´e M. Matias 66´); Grupo C: Paços de Ferreira 2-0 Marítimo (Josué 44´e 90´+2). Grupo D: Académica 0-0 Olhanense

II Liga - U. Madeira 1-1 Arouca (Bruno 10´g.p.; Joeano 23´g.p.); Feirense 2-2 Santa Clara (Oliveira 30´e Pires 90´+1; Reguila 13´g.p. e Porcellis 79´); Sp. Braga B 1-1 FC Porto B (Zé Luis 20´; Tozé 13´); Leixões 3-0 Oliveirense (Fábio Santos 26´, Malafaia 63´e G. Graça 83´).

Premier League - O Chelsea ganhou no terreno do Everton por 2-1 e manteve a distância para o United e City (11 pts e 4 pts, mas menos 1 jogo). Os toffies entraram melhor e marcaram logo no primeiro minuto, por Pienaar, mas Frank Lampard liderou a reviravolta, com dois golos (42´e 72´). O Liverpool derrotou o QPR por 3-0 e subiu ao 9º lugar da PL. Os golos foram marcados na 1ª parte, por intermédio de Luis Suarez (10´e 16´) e Daniel Agger (28´).

Moreirense 1-1 Benfica (Ghilas 42'; Cardozo 90'+2 g.p.)

O Benfica conquistou um ponto no terreno do Moreirense e mantém-se no primeiro lugar do grupo D, apesar de ter realizado uma exibição muito fraca. A equipa da casa mostrou a agressividade e capacidade de luta habitual, não permitiu grandes oportunidades de golo aos encarnados e merecia ter saído com outro resultado. Jorge Jesus apostou na maioria dos titulares, mas o descanso de Natal terá feito mal a muitos deles.


Quanto à partida, o Moreirense não deixou o meio campo do Benfica jogar e construir lances de perigo no ataque. Os cónegos foram mesmo a equipa mais perigosa e Ghilas quase marcou aos 10 minutos (o cabeceamento do argelino foi parado pelos reflexos de Paulo Lopes). Aos 25 minutos, foi Vinicius a aproveitar um ressalto e disparar um míssil, que passou perto da trave da baliza do Benfica. A equipa da casa chegou mesmo ao golo, perto do intervalo. Renatinho isolou Ghilas, que não facilitou frente a Paulo Lopes. No reinício de jogo, o avançado argelino ficou perto de bisar, quando cabeceou por cima da baliza dos encarnados. Aos 57 minutos, Lima é travado na grande área em falta, mas na conversão da grande penalidade, o brasileiro permitiu a defesa de Ricardo Andrade. O Benfica tentava reagir ao resultado negativo, mas as jogadas saíam bastante confusas e, algumas mesmo, sem qualquer nexo. Lima teve um cabeceamento para as mãos de Ricardo Andrade e Garay fez um desvio perigoso (Anilton afastou da área). O golo do empate surgiu já em tempo de compensação, noutra grande penalidade cometida pela defensiva do Moreirense. Cardozo, mais uma vez com grande calma, bateu Ricardo Andrade e manteve o Benfica na liderança do grupo.

A equipa de Jorge Jesus terá realizado uma das piores exibições da temporada, quer em futebol praticado, quer nas oportunidades de golo criadas (foram raras). Notou-se grande dificuldade em construir jogo, pouca agressividade, passividade no ataque e muitas perdas de bola (muitas delas depois de maus domínios de bola). Ola John e Salvio foram duas nulidades em ambos os flancos, bem como os dois defesas laterais (André Almeida ainda falhou no golo, pois colocou Ghilas em jogo), Cardozo esteve pouco agressivo, Lima desinspirado, enquanto Matic e Enzo Pérez foram dos menos maus (tentaram levar o jogo para a frente, mas a fraca mobilidade dos 4 elementos mais atacantes não os ajudou). Do lado contrário, mais do mesmo. O Moreirense é uma equipa batalhadora, agressiva no bom sentido, não se intimida com os grandes e não coloca autocarros à frente da baliza, contudo, falta sempre qualquer coisa para chegar às vitórias. Ghilas voltou a ser importante (pressionou muito, colocou os centrais do Benfica em sentido e ainda marcou um golo), Ricardo Andrade esteve bastante seguro (defendeu uma grande penalidade e esteve insuperável nas saídas a cruzamentos) e Diego Gaúcho realizou uma excelente exibição no centro da defesa. Principais destaques?

29 de Dezembro de 2012

Izet Hajrović - Depois de Centuríon, agora é o jovem suíço que é associado ao Benfica. O médio ofensivo/extremo de 21 anos do Grasshoppers (líder do campeonato) tem sido um dos destaques da Liga suíça e está igualmente na mira do Dortmund. Estas "explorações" de mercado (Centurion e Hajrović) indicam que o clube da Luz está no mercado por mais um ala?

Sp. Braga - Diego Ivo é o novo reforço dos "Gverreiros". O defesa central de 23 anos (1.88m) terminou contrato com o Sport Recife e assinou por 4 temporadas e meia com o clube minhoto. Bom reforço para o Sp. Braga?

Sporting - Elias afirmou à imprensa brasileira que está infeliz no clube leonino: "Estou infeliz. É complicado chegar a um clube e, a meio da época, perder a oportunidade de chegar aos títulos. Isso afeta, perdes a motivação, perdes a confiança. Sou brasileiro, gosto sempre de ganhar, ser o primeiro. Quero isso, quero lutar por títulos." Entretanto, Godinho Lopes referiu esta tarde que o brasileiro será um dos elementos a sair em Janeiro, sendo que será penalizado por essas declarações. O Sporting poderá recuperar o investimento feito em Elias? Qual o futuro do médio brasileiro?

Paulo Pereira Cristóvão - O antigo dirigente leonino deu uma entrevista ao Expresso, onde afirmou que Godinho Lopes, Carlos Freitas e Luis Duque sabiam da rede de informação sobre os jogadores do clube leonino: "Assumo ter montado uma rede de informação estática que nos permitia saber os comportamentos desviantes que poderiam colocar em causa os nossos ativos. (...) Uma estrutura que permite alertar a toda a hora online comportamentos desviantes dos ativos é mau? Então investimos mais de 40 milhões e ser-nos-ia indiferente que um jogador andasse a passear na linha de comboio, coisa que nunca aconteceu? Querem outro caso Jardel? Não!" Quem sabia da rede de informação? "Toda a gente, o presidente, o Luís Duque, o Carlos Freitas, o Pedro Sousa, eu... Havia pessoas pagas para isso. (...) Ele é o presidente de um clube de loucos, está rodeado por gente louca. Mas aí é culpa dele: quando entrámos, disse-lhe que se queria lá estar muitos anos, a democracia devia parar seis meses. Em que clube é que existem 30 grupos a opinar? Eu estive nos Conselhos Leoninos, uns dormem e outros estão calados! Têm de meter na cabeça que fazem todos parte de uma grande orquestra que está a tocar num navio parecido com o “Titanic” e ou vão ao fundo preocupados se o penacho veio da lavandaria ou deixam trabalhar quem está - e quem está tem de impor-se e calar papagaios. Não imaginam as dificuldades." PPC falou ainda sobre Eduardo Barroso: "É um tolo, a quem chamo enfant térrible por educação. Está a tornar o clube alvo de chacota" e José Eduardo: "José Eduardo, ex-jogador do Sporting, o que tem a solução do futuro do clube, é fornecedor de catering do Sporting e se não receber os 50 mil euros da distribuição não há comida durante os jogos - é esse o sportinguismo dele." Palavras duras de PPC? O Sporting é um "clube de loucos"? Concordam com a rede de informação montada por PPC?

Premier League - Tarde espectacular em Inglaterra, com 35 golos em apenas 8 jogos (faltam disputar duas partidas, para fechar a jornada). O Arsenal derrotou o Newcastle por incríveis 7-3, depois de ter saído para o intervalo com 1-1 no marcador. O jogo esteve equilibrado até aos 70 minutos, altura em que estava 3-3, contudo, os gunners aceleram e marcaram 4 golos nos últimos 17 minutos (Walcott 20´, 73´e 90´+2, O. Chamberlain 51´, Podolski 64´ e Giroud 85´e 87´; Wilshere 43´a.g., Marveaux 59´e Demba Ba 69´). O Manchester City também sofreu na visita ao terreno do Norwich, numa partida que terminou com a vitória dos citizens por 4-3. Dzeko bisou (2´e 5´), Pilkin´gton reduziu aos 15 minutos e Nasri recebeu ordem de expulsão aos 44 minutos. No segundo tempo, Aguero fez o 1-3 (50´), Russell Martin reduziu aos 63 minutos, o guarda-redes dos canários fez auto-golo aos 67 minutos e o mesmo Martin fez o 3-4 final aos 75 minutos. O jogo do Manchester United foi mais tranquilo, com os red devils a derrotarem o WBA por 2-0 (McAuley 9´a.g. e Van Persie 90´+1). O Tottenham de André Villas-Boas viajou até Sunderland para derrotar o seu adversário por 2-1 (O´Shea 40´; Cuellar 48´a.g. e Lennon 51´), enquanto o Aston Villa (0-3 em casa, frente ao Wigan) e Fulham (1-2 em casa, frente ao Swansea) estão em crise de resultados. O Reading regressou às vitórias, depois de bater o West Ham por 1-0, enquanto o Stoke City-Southampton terminou em 3-3 (a equipa da casa igualou aos 90 minutos, depois de ficar reduzida a 10 elementos). Campeonato mais espectacular do Mundo? Como se explicam os resultados do Newcastle?

II Liga - O Belenenses voltou a vencer e aumentou a distância para o 2º classificado. Os azuis do Restelo derrotaram o Trofense por 2-0, com golos de Fernando Ferreira (40´) e Salem (81´). Em Portimão, os jovens leões cederam por 1-0, com o golo a ser marcado por Simmy, aos 45´+1. O Benfica B também foi surpreendido, ao perder por 1-0 na recepção ao lanterna vermalha, o Freamunde (Diogo Ramos 19´). Restantes resultados: Desp. Aves 2-1 Atlético (Rabiola 66´g.p. e 87´; Romaric 17´a.g.); Tondela 3-1 Marítimo B (Fábio Pacheco 31´e 84´e Backar 60´; Bauer 25´); Penafiel 4-0 Vit. Guimarães B (Guedes 46´, Diogo Viana 56´e Rui Miguel 78´e 85´); Naval 3-3 Sp. Covilhã (João Martins 51´, André Carvalhas 61´e João Pedro 71´; Fabrício 16´ e Dani Matos 79´e 90´+1). Principais destaques?

NBA - Destaque de uma noite de 12 jogos, para a derrota dos Miami Heat (sem Wade) em Detroit, com uma super-exibição do banco dos Pistons (Will Bynum com 25 pts e 10 ast, Drummond com 10 pts e 10 reb, Austin Daye com 11 pts e Villanueva com 18 pts e 6 reb). LeBron James esteve enorme, com 35 pts, 6 reb, 5 ast e 6 stl, bem como Chris Bosh (28 pts, 9 reb e 3 blk) mas não foram suficientes. LA Lakers (104-87 sobre os Blazers) e Golden State Warriors (96-89 sobre os Sixers) conquistaram vitórias normais, bem como os Hawks (102-94 em Cleveland), os Nets (97-81 sobre os Bobcats) e os Pacers (97-91 sobre os Suns). Os Wizards regressaram aos triunfos (105-97 sobre os Magic), os Raptors foram ganhar a New Orleans (104-97, após OT), os Nuggets dominaram em Dallas (106-85), com 39 pts de Gallinari (7 triplos), enquanto os Spurs derrotaram os Rockets (122-116), num duelo texano. Para o fim, os dois jogos mais emocionantes da noite, com a vitória dos Clippers (16ª seguida) em Utah (116-114), numa partida decidida quase em cima da buzina (2 lances livres de Chris Paul), e a vitória dos Kings sobre os Knicks. Novo buzzer-beater, mas desta vez foi para a equipa de Sacramento (James Johnson vinha de uma série de 0-11 em triplos, mas marcou o lançamento mais importante), após uma perda de bola de Jason Kidd. A derrota dos Heat explica-se pela ausência de Wade? Quem vai parar os LA Clippers? Golden State Warriors cada vez mais uma confirmação? A série de 17 derrotas dos Bobcats terminará hoje na recepção aos Hornets?

Rio Ave 3-0 Sporting (Tope Obadeyi 55', Tarantini 65' e Hassan 90')

Novo jogo, novo desaire, nova exibição medíocre (os erros defensivos habituais e a já evidente nulidade ofensiva), em suma um espelho do que tem sido o Sporting desta época, principalmente desde que a dupla Oceano/Vercauteren assumiu o comando técnico da equipa leonina (afastaram os leões das 4 "frentes" em que estavam quando Sá Pinto foi despedido). Derrota contundente em Vila do Conde afasta os leões (praticamente) da Taça da Liga (o único título que o clube leonino ainda podia vencer esta época) e deixa a certeza não só que algo tem de mudar urgentemente em Alvalade (o "pequeno príncipe já demonstrou que não tem capacidade para mudar o rumo), como impede os leões (que já nada vencem desde 2008) de chegar aos títulos até 2014.

No que diz respeito ao encontro, vitória justa e inequívoca do Rio Ave. Os vila-condenses foram superiores, tiveram mais remates, mais oportunidades de golo, e não fosse a (mais uma) super-exibição de Patrício e o resultado até podia ter tido números mais escandalosos. Obadeyi e Del Valle criaram muitas dificuldades à defensiva leonina, desequilibraram, foram criando oportunidades de golo e com a expulsão de Dier (exagerada e considerando os critérios do árbitro algo estranha), o Sporting (que já denotava alguma intranquilidade) perdeu-se completamente. O Rio Ave aproveitou esse momento para, na 2ª parte, converter a superioridade em golos e voltou a derrotar os leões esta época. Resultado que dá continuidade à boa época dos vila-condenses (apesar de não dependerem de si para continuar da Taça da Liga) e que penaliza a falta de confiança, fio de jogo e inércia em contrariar o momento dos leões. A dupla Marcelo-Nivaldo voltou (já tinha acontecido o mesmo em Alvalade) a "engolir Wolfswinkel, Tarantini equilibrou o meio campo (e ainda marcou um bom golo), Lionn e Edimar demonstraram segurança nas laterais, Obadeyi desequilibrou muito nas alas (e ainda aproveitou a passividade defensiva dos leões para marcar), e Del Valle foi sempre um perigo na frente (também já o tinha sido em Alvalade, aliás em certas circunstâncias a facilidade com que enfrentava e driblava por vezes 3/4 adversários quase fazia parecer que a defesa do Sporting estava a defrontar Ronaldo o "fenómeno"). Do lado leonino, Patrício com quase uma dezena de defesas de enorme nível foi de longe a principal figura, depois outros elementos como Jeffren (remate ao poste e algumas boas acções), Carrillo (alguns desequilíbrios mas é notório que o peruano está pouco confiante nas acções individuais), Adrien (os melhores momentos do Sporting foi quando o médio deu alguma qualidade à circulação de bola), Esgaio (boa oportunidade ainda com 0-0, entrega no meio campo, mas a lateral acabou por ficar ligado ao lance do 1-0), e Labyad (mexeu com o jogo leonino quando entrou e ainda criou uma boa oportunidade), tiveram alguns bons momentos (o problema para o Sporting é que o jogo tem 90m, e estas acções ocasionais e falta de consistência durante toda a partida, acabam por ser fatal). Nota para as exibições de Insua (mais do mesmo, chega a dar dó ver o argentino a ser batido defensivamente e a maneira como decide sempre mal ofensivamente) e Rinaudo (não conseguiu ganhar o meio campo, esteve mal nas dobras e foi facilmente ultrapassado diversas vezes pelos jogadores vila-condenses). Destaques?

2012 foi um ano um pouco mais morno que o anterior para os amantes do rugby, algo natural devido a ser o ano da ressaca do Rugby World Cup 2011, mas ainda assim, foi apenas mais morno para os menos atentos, pois vários foram os fatores de interesse para aqueles que seguem a modalidade com paixão. O novo torneio das 4 nações com a Argentina a juntar-se aos três tubarões Austrália, África do Sul e Nova Zelândia foi a grande referência internacional do ano que antecede vários jogos decisivos de apuramento para o mundial 2015 e preparação para os jogos Olímpicos de 2016, que com a inclusão do rugby de sete na competição, deixa todas as grandes nações com enorme vontade de se apurarem e conquistarem a primeira edição desta nova modalidade olímpica, competição onde os nossos lobos comandados Frederico Sousa têm natural aspiração a elevar o nome do nosso país, numa modalidade em que somos bastante respeitados.

Começando então de dentro para fora, no nosso campeonato nacional, o CDUL voltou a conquistar o título e em grande estilo, após um jejum de mais de duas décadas. Os universitários venceram na final do campeonato uma equipa de Agronomia que mais uma vez voltou a vacilar no jogo decisivo do ano e deixou assim escapar a hipótese de levar para a Tapada mais um título nacional, isto apesar de ter liderado a fase regular do campeonato durante grande parte da competição. O CDUL foi um justíssimo campeão, pois praticou um elevado nível de rugby durante toda a época e principalmente nos jogos decisivos. Esta equipa prima acima de tudo pela sua enorme velocidade e técnica, fazendo das transições ofensivas o seu ponte forte, já Agronomia, com uma defesa compacta e recheada de jovens com uma enorme alma e coração, foi vice-campeã e venceu pela quarta vez consecutiva a taça de Portugal. Menção honrosa para a Académica que com uma equipa com bastantes jogadores experientes perdeu dignamente no regresso à final de uma grande competição. No panorama internacional, o País de Gales foi o grande destaque europeu do ano, ao vencer o torneio das 6 nações após vencer os 5 jogos em disputa, algo que foi amplamente merecido após o grande mundial que realizaram no ano anterior que fez com que os galeses caíssem, na meia-final, aos pés dos franceses de forma injusta. Justiça feita em 2012 e o País de Gales venceu a competição sem espaço para dúvidas. Quanto ao reformulado torneio das 4 nações, a Nova Zelândia venceu sem grande surpresa a competição após ter dominado com relativa tranquilidade, deixando sempre a ideia que são bastante superiores, até sem ter que dar tudo por tudo em campo, e após vencer o campeonato do mundo, venceram assim esta nova competição. De referir que a Argentina lutou honrosamente contra estas grandes equipas e justificou plenamente a sua entrada na competição. No panorama das equipas nacionais, em 2012 os lobos tiveram alguns jogos e estágios de preparação para o apuramento para o campeonato do mundo. Os resultados não têm sido os melhores mas também se têm feito várias experiências e há vários jogadores novos prontos para se integrarem. Quanto aos sevens, após vencerem o Algarve rugby sevens, apuraram-se para o mundial em 2013 e reúnem agora forças, após boa participação no circuito mundial, para se prepararem para a competição e para os jogos olímpicos. Os sevens recebem agora e cada vez mais, incentivos para a tentativa de nos tornarmos numa potência mundial. Em grande destaque está o lobo Pedro Leal que recentemente foi eleito o 14º melhor jogador do mundo na modalidade de sevens. Parabéns ao Pedro por um feito que bastante honra e orgulho trás não só à modalidade mas a todo o país. Por outro lado e pela negativa, José Ricardo Sequeira, treinador e jogador com muitos anos de ligação ao mais alto nível do Rugby nacional, faleceu no passado dia 24, após doença fulminante. Para toda a sua família e amigos, os mais sinceros sentimentos e que descanse em paz.

2013
Para o próximo ano começa o apuramento para o campeonato do mundo, e Portugal aspira a conquistar mais uma vez o histórico apuramento, algo que apenas será conseguido com muito esforço e dedicação por parte dos nossos atletas, mas todos têm que ter fé que mais uma vez, os Lobos podem vir a estar nas bocas do mundo. No panorama internacional mais dois torneios para seguir atentamente, o 4 e 6 nações, com grandes jogos em perspectiva para todos os que amam a modalidade. Força Lobos!

Balanço de 2012? Prognósticos para 2013?

Visão do Leitor: Francisco Paiva

MOTO GP: Jorge Lorenzo voltou a dominar e alcançou o seu 2º título na categoria. O espanhol teeve como opositor Dani Pedrosa que tendo talvez a melhor época até agora na categoria rainha, voltou a mostrar que falha nas alturas decisivas e vale sobretudo pela regularidade e não pela agressividade em pista. Podia ter sido um campeonato bem mais tranquilo para Lorenzo, não tivesse este caído mais vezes que o habitual, já que, fora Pedrosa, mais ninguém se mostrou a altura. Casey Stoner teve a sua época de despedida em que mostrou claramente que já se encontrava desmotivado (como fizeram ver as críticas às CRT durante toda a temporada, bem como a um ou outro piloto ou membro da FIM) e a que se juntou uma lesão a meio da temporada que o tirou de muitos GP’s , tendo como momento mais alto a vitória já clássica na Austrália. Já para Rossi, e apesar de ser o piloto com mais carisma e adeptos, voltou a andar arredado da frente e concluiu o seu purgatório na Ducati num 6º lugar que se deveu
em muito à regularidade (poucas quedas) e ao 2º lugar em San Marino numa corrida algo estranha e peculiar. A maior desilusão da época acabou por ser Ben Spies que esteve irreconhecível com quedas atrás de quedas, que lhe fizeram perder o lugar na Yamaha para 2013. Já as maiores surpresas,foram Andrea Dovizioso (mais confirmação que surpresa), Álvaro Bautista (muito ajudado pelas corridas com chuva) e Stefan Brandl que para época de estreia, acabou por se sair bem.

- Nas CRT, categoria estranha colocada no MotoGp, Alex Espargaro acabou por superar o favoritíssimo Randy De Puniet e arrecadar este mini campeonato.
- No Moto2, Marc Marquez passeou toda a época pela categoria, renovando o título de campeão e culminando assim da melhor forma aquela que, já se sabia há muito, seria a última época antes de “subir” ao MotoGP onde irá acompanhar Dani Pedrosa na Repsol Honda. Pol Espargaro acabou por ser dos poucos a ter algum andamento para o seu compatriota e merece também algum destaque.
- No Moto3, o alemão com nome latino Sandro Cortese arrecadou o ceptro de campeão mundial fazendo uma época muito regular e denotando até uma elevada maturidade ao comando da KTM. Já o português Miguel Oliveira teve uma época de altos e baixos, com os mais altos a serem o 2º lugar alcançado na Austrália e o 3º na Catalunha e os mais baixos as quedas que ainda atormentam o português. Acabou assim num 8º lugar, que não demonstra a total capacidade do nosso piloto.

2013

Para o próximo ano os olhos estão todos postos no regresso de Rossi à Yamaha e na relação que este terá com Lorenzo, bem como ver se o italiano de Urbino ainda tem a motivação e a velocidade de outros tempos ou se o problema não era a Ducati que sempre criticou. Destaque também nesta vertente para a mudança de Dovizioso para a mesma Ducati sendo que a grande dúvida é perceber se este, foi um passo em frente ou se pelo contrário, ir para a Ducati significa ,como com Rossi, um passo atrás na carreira. Já Marc Marquez , que substitui Stoner, vai fazer uma dupla interessante com Pedrosa com quem pode aprender muito nas etapas inaugurais do campeonato. Outra estreia nas motos que não as CRT, é a de Bradley Smith que terá a difícil tarefa de substituir Dovizioso mas que dará outra liberdade a Cal Crutchlow dentro da equipa. Já nas CRT destaque para a entrada de Laverty vindo das Superbikes e da “descida” de Barbera a esta “categoria”. Vaticina-se portanto uma corrida a 3 entre Lorenzo, Rossi e Pedrosa com Marquez a poder fazer algumas gracinhas durante a época, bem como Dovizioso (caso a moto ajude) e Bautista a poderem-se intrometer aqui e acolá.

No Moto2, o destaque vai para a subida de Sandro Cortese a esta categoria e com o regresso de Pasini (em 2012 teve numa CRT). Nicolas Terol, Randy Krummenacher, Pol Espargaró poderão ser alguns dos outros candidatos ao titulo de campeão nesta categoria. Realce também para alguns “velhinhos” presentes nesta categoria, como são os casos de Toni Elias, Mike Di Meglio, Anthony West e Mika Kallio.

No Moto3, sendo a categoria com maior incerteza dado a entrada de pilotos vindos das mais diversas categorias, podemos esperar maior emotividade que na época anterior com a esperança que Miguel Oliveira, numa nova equipa e juntamente com o também talentoso Efrén Vasquez, possa demonstrar de vez o seu valor. Luis Salom, Maverick Vinales (caso não vá tantas vezes ao chão), Alex Rins e porque não o próprio Miguel Oliveira, serão os principais candidatos ao titulo.

Quais os destaques individuais de 2012? Pedrosa falhou nas alturas erradas? Para 2013, Rossi vai voltar em grande? Qual a relação entre Rossi e Lorenzo? De todos os pilotos, em qual têm mais expectativas? Favoritos no Moto2 e Moto3? Miguel Oliveira é um legítimo candidato ao título?

Visão do Leitor: Pedro Baptista

28 de Dezembro de 2012

Sporting - Vercauteren divulgou esta tarde a lista de convocados para a deslocação ao terreno do Rio Ave, na 2ª jornada da Taça da Liga. Entre os ausentes, destacam-se Elias, Boulahrouz, Daniel Carriço e Izmailov, enquanto João Mário e Zezinho juntam-se a Eric Dier e Ricardo Esgaio, dos jogadores que iniciaram a temporada na equipa B. Lista de convocados - GR: Rui Patrício, Marcelo e Victor Golas; DEF: Xandão, Marcos Rojo, Cédric, Insua, Eric Dier; MED: Rinaudo, Carrillo, Ricardo Esgaio, Labyad, Capel, Adrien, Pranjic, João Mário, Jeffren e Zezinho; AVA: Wolfswinkel e Viola. Qual será o 11 de Vercauteren? Deverá apostar em Zezinho e João Mário de início?

Boavista - Sem surpresas, João Loureiro recebeu 567 votos num universo de 581 votantes, nas eleições do clube axadrezado.

José Mourinho - O treinador português foi eleito o melhor do Mundo (e mais mediático também) em 2012, pela Globe Soccer. Prémio justo? Irá o português vencer a Bola de Ouro?

Rolando - Não é novidade que o defesa central português quer sair do FC Porto, nem que pretende jogar em Itália (tudo menos o QPR...). O empresário de Rolando afirmou hoje a uma rádio italiana que o seu jogador gostaria de jogar no Nápoles, mas que o clube italiano teria que pagar entre 8 e 10 milhões de euros ao FC Porto. Por onde passa o futuro de Rolando? Poderá ingressar na Serie A? Por que valores?

Bruno César - O brasileiro também não parece muito satisfeito com a sua pouca utilização em 2012-13, de acordo com as palavras do seu empresário. Tiago Ribeiro afirmou que o jogador dá preferência aos encarnados, mas se surgir uma proposta boa de outro clube, irá estudá-la (caso continue a jogar com pouca regularidade na Luz). O médio tem razões para estar insatisfeito na Luz? Poderá sair em Janeiro?

Rio Ave - João Tomás está próximo de reforçar o Recreativo de Libolo, bicampeão angolano de futebol. Dirigentes do clube angolano estão em Portugal para negociar a transferência do jogador, que poderá render algum dinheiro aos vilacondenses. VM - Do ponto de vista financeiro, será importante ao Rio Ave conseguir algo em troca do avançado, contudo, do ponto de vista desportivo, a equipa de Vila do Conde vai ficar a perder (apesar de ter outros bons valores na frente de ataque), bem como a Liga ZON-Sagres.

Nacional - O clube insular assegurou a contratação de Ali Ghazal, internacional sub-21 pelo Egipto. O médio defensivo actuava no Wadi Degla e assinou por 4  anos e meio. Bom reforço para o Nacional?

NBA - Dallas @Oklahoma (105-111) - Apesar do péssimo jogo de Dirk Nowitzki e OJ Mayo, os Mavs realizaram uma excelente partida em Oklahoma. Darren Collison fez um buzzer-beater extraordinário que levou o jogo para OT, mas os Thunder foram superiores nesse período. O PG dos Mavs marcou 32 pts (5 reb, 4 ast e 4 stl), Kaman contribuiu com 17 pts e 8 reb e S. Marion fez 14 pts, 9 reb e 7 ast. Do outro lado, Kevin Durant marcou 40 pts (8 reb, 5 ast e 3 blk) e contou com a preciosa ajuda de Ibaka (19 pts, 17 reb e 5 blk), Kevin Martin (18 pts e 7 reb) e Westbrook (16 pts, 6 reb e 10 ast, mas pouca eficácia 7-20). Boston @LA Clippers (77-106) - 15ª vitória consecutiva para os Clippers, com novo cabaz para o adversário (29 pts de diferença). Chris Paul (8 pts e 11 ast) e Blake Griffin (15 pts e 8 reb) nem precisaram de jogar muito, pois do banco de suplentes veio Lamar Odom (4 pts, 13 reb, 5 ast e 4 blk!), Matt Barnes (21 pts), Jamal Crawford (17 pts) e Bledsoe (6 stl!). Do lado dos Celtics, apenas Garnett (16 pts) e Courtney Lee (12 pts) lançaram acima dos 50%. Quem vai conseguir travar os Clippers?

Futebol Internacional - A BBC Sports elaborou a lista dos 50 jogadores com mais probabilidades de se transferirem no mercado de Inverno. Os representantes do campeonato português são João Moutinho e Ricky Van Wolfswinkel. O médio foi alvo da forte cobiça do Tottenham de Villas-Boas, à qual se junta agora o interesse do Zenit. Quanto ao holandês, tem sido associado à Fiorentina e o Sporting necessita urgentemente de encaixes financeiros. Entre os nomes estão também Carvalho (deve reforçar o Milan), Nani (pode rumar ao Arsenal, clube ideal neste momento, ou mesmo à Juventus) e ainda Quaresma, que depois de rescindir com o Besiktas tem como interessados o Marselha, o Gala e o Porto. De destacar ainda Centurión (tem sido apontado a águias e dragões) e Dédé, que deve sair do Vasco da Gama face à crise que o clube atravessa. Demba Ba (pode reforçar o Arsenal) e Michu (é fortemente pretendido pelo Atlético) são outros dos potenciais negócios de Inverno. Que nomes agitarão o mercado? Quem vai abandonar o campeonato português e que reforços chegarão?

Futsal - Numa entrevista concedida ao SAPO Desporto, Ricardinho criticou a secção de futsal do Benfica: "Perdi 14 mil euros por mês porque pensei que ia treinar duas vezes por dia, ia ser profissional e encontrar um grupo em condições, mas infelizmente não encontrei. Alguns jogadores ainda se servem do Benfica e foi por isso que saí no final do ano. Nos anos em que lá estive aprendi a mística do clube, a obrigação de ter de ganhar em qualquer lado. Hoje em dia, os jogadores que lá estão não percebem isso. Hoje em dia os capitães do Benfica não conseguem passar a mensagem porque não o viveram. Eu tive a meu lado jogadores como André Lima, Arnaldo ou Pedro Costa, que viviam para o Benfica e não do Benfica". Quem serão os jogadores a que Ricardinho aponta o dedo (a falta de atitude da equipa tem sido clara)? Como se explicam os péssimos resultados dos encarnados nesta temporada? Conseguirá Paulo Fernandes reconduzir as águias ao título?

Mercado - Segundo a imprensa italiana, Ricardo Carvalho está muito próximo de se tornar reforço do Milan a custo zero. Sem jogar em Madrid, o central português de 34 anos pretende um contrato de um ano e meio. A alternativa dos rossoneros é Vlad Chiriches, romeno que passou pelos juniores do Benfica. Clube ideal para terminar a carreira? Roderick Miranda vai voltar ao Benfica em Janeiro, uma vez que as suas exibições ao serviço do Depor não agradaram. Sidnei, que tem actuado pela equipa B dos encarnados, fará o caminho inverso. Podem ser opção para Jesus no futuro?

De todas as (muitas) promoções de MMA existentes no Mundo, a mais mediática de todas será certamente a UFC. A empresa presidida por Dana White tem sob contrato alguns dos melhores praticantes do planeta (americanos, brasileiros, e cada vez mais europeus), e continua a sua caminhada com o objectivo da mais completa credibilização de um desporto que ainda é visto por muitos como uma espécie de luta de cães, mas com seres humanos. O ano de 2012 foi repleto de grandes momentos (outros nem por isso), e 2013 promete ser tão bom ou melhor. Segue-se um pequeno resumo do que se passou no ano que finda, e do que se espera para o próximo.

Super-lutas: a mais falada e aguardada é que oporia George Saint-Pierre (campeão WW) a Anderson Silva (campeão MW). Ambos os homens são dominadores a 100% nas suas categorias, pelo que juntá-los seria o equivalente a colocar Frazier e Ali frente a frente. Há quem se oponha, dada a diferença de peso (Silva é bastante grande, lutando até na categoria acima), e o canadiano não se tem mostrado muito receptivo. Mas agora entrou em cena outro campeão: Jon Jones, que praticamente arrumou com a divisão de LHW é apresentado como possível oponente de Silva. Se juntarmos o facto de Silva não ter adversário à altura, e que os rumores de uma retirada se adensam, 2013 pode ser o ano em que estes dois monstros da MMA se encontram.

Strikeforce: e 2013 marca o fim da Strikeforce. Comprada pela UFC em 2011, a promoção foi-se mantendo em lume brando, mas viu alguns dos melhores lutadores mudarem de banner. Com o final decretado, resta saber quem passa para a UFC, e em que condições. Gilbert Melendez, Luke Rockhold ou "Jacaré" Souza podem ter papéis relevantes na UFC, e até lutarem a curto prazo pelos cinturões de campeões.

Meninas no octágono: o UFC 157 vai ficar na História como o primeiro evento com um combate feminino. Com a Strikeforce veio a divisão feminina (BantamWeight), e após reflexão Dana White resolveu mesmo apostar nas meninas. E o primeiro combate até vai ser um cabeça de cartaz, opondo a campeã Ronda Rousey (o título transitou da Strikeforce) a Liz Carmouche. Rousey pode bem vir a ser uma das figuras da promoção; além de ser uma lutadora temível (judoca), tem uma cara laroca e um corpo de arrasar, na linha da fotogénica Gina Carano. O maior entrave é mesmo a sua enorme qualidade: de momento, Rousey parece estar muitos patamares acima de todas as suas concorrentes, pelo que alguns combates possam parecer meras exibições do seu talento. Isto até, "Cyborg dos Santos terminar a sua suspensão por doping...

Drogas: por falar em drogas, 2012 foi um ano difícil para a UFC. Recreativas, os típicos esteróides, o ano teve um pouco de tudo. Complicada é a questão do TRT (tratamentos de testosterona), um procedimento médico usado por alguns lutadores. Embora seja receitado por médicos e tecnicamente legal, é visto (por adeptos e outros lutadores) como apenas mais um método de melhorar o rendimento físico, daí que existam pressões para o ilegalizar (é legal, desde que exista atestado médico a comprovar a sua necessidade). Mas o caso mais bicudo de gerir é mesmo o de Alistar Overeem. O holandês tem feito a carreira sob um manto de dúvidas, quer pelo modo como "encheu", como pelo facto de faltar a alguns controlos. Nas vésperas de lutar pelo título de HW, acusou valores demasiado elevados de testosterona/epitestosterona, e foi suspenso  Voltará em Fevereiro, e depois de passar por António Silva irá decerto ter a sua chance de lutar pelo título. Mas como o campeão Dos Santos se tem fartado de referir, será sempre considerado uma fraude.

Ídolos que caem: é sempre difícil a um adepto ver os seus ídolos definharem. Mais penoso se torna em desportos de combate, pois isso acarreta ver os nossos heróis levarem valentes sovas. Alguns destes concluíram que o seu tempo passou (Fedor Emelianenko, um dos melhores de sempre, retirou-se, tal como Tito Ortiz), outros teimam em continuar. Entre estes encontram-se Rich Franklin (atirado ao tapete por um também ultrapassado Cung Lee), BJ Penn (duas derrotas seguidas, a última das quais um massacre), Minotauro Nogueira (demasiados kms nas pernas) ou Wanderlei Silva (outro apanhado pelas punições sofridas ao longo da brilhante carreira). Depois há aqueles que, embora competitivos, já não são as forças poderosas de tempos idos, tais como Maurício Rua ou Vitor Belfort. Com a entrada de novos lutadores (vindos da SF ou recrutados noutras paragens), é natural que alguns destes nomes pensem na reforma.

Previsões por divisão

HW: o ano vai fechar com o rematch de Dos Santos com Cain Velasquez. Caso o pugilista brasileiro volte a levar o americano/mexicano ao tapete (e pensamos que tal irá acontecer), o seu próximo encontro será com o monstro Alistair Overeem. Dos Santos, que tem uma defesa quase perfeita a takedowns é um exímio lutador em pé (praticamente não é atingido, e tem socos fortes e colocados) terá no kickboxer da Holanda um adversário de peso (literalmente). Tirando estes três nomes, o panorama é pouco animador. Sobram o "arranha-céus" Struve, que terá de vencer 2/3 combates de peso em 2013 para ter uma hipótese de lutar pelo cinto, e o surpreendente Daniel Cormier. O brasileiro Werdum pode ter ainda uma palavra a dizer, mas para ser (de novo) levado a sério, terá de bater Cormier e/ou o perdedor do combate atrás referido.

LHW: Jon Jones limpou a divisão, batendo tudo quanto foi campeão. O americano (considerado por muitos como o primeiro MMA de "berço") usa o seu tamanho, agilidade e alcance para derrotar quem lhe apareça pela frente. Sonnen será uma formalidade, até que encontre o vencedor do combate Machida/Henderson (com quem deveria ter lutado). A correr por fora parecem estar o sueco Gustaffson (fez "nome" ao bater Maurício Rua) e Glover Teixeira, que pretende usar Quinton Jackson como prova de que possui os punhos mais potentes da divisão. Claro que tudo isto pode ser posto em causa se "Bones" for chamado a lutar com Anderson Silva.

MW: Anderson Silva. Retirada, GSP, Jon Jones, são três possibilidades. Considerado como um dos melhores de sempre, e o melhor pound-for-pound da actualidade, o brasileiro parece por vezes não ter motivação para defrontar talento bem abaixo do seu. Posto de lado Chael Sonnen (com muita novela), o Michael Bisping (outro que fala muito) pode ser a próxima vítima. Isto se o britânico não for emparelhado com o cubano Hector Lombard, uma das fortes aquisições da UFC, que se redimiu em Dezembro de uma estreia medíocre.

WW: depois de passar por Condit, Saint-Pierre irá defrontar Nick Diaz (caso este não fume umas ganzas na véspera). Na fila está Johny Hendricks, que apresentou o resiliente Martin Kampmann ao chão do octágono há algumas semanas atrás. Outros nomes a ter em conta são Rory MacDonald (se bater Condit torna-se um candidato ao título) e Demian Maia, um mestre da submissão que ainda não perdeu nesta divisão de peso (irá defrontar John Fitch, que nos últimos anos apenas perdeu com GSP e Condit).

LW: Benson Henderson não tem de momento alguém ao seu nível. A UFC bem pode inventar nomes, mas de momento só há duas opções viáveis: Gilbert Melendez, ou a subida de peso (já falada) de José Aldo.

FW: mais uma divisão em que o campeão é incontestado. José Aldo tem passeado, mas agora tem um adversário temível, o ex-campeão LW Frankie Edgar. O americano é conhecido por nunca desistir, e aguentar grandes tareias. Já o brasileiro, diz-se, parece estar a perder potência devido às perdas de peso. Nomes a seguir, Chan Sung Jung, conhecido pelos golpes acrobáticos e Denis Siver, pequeno como LW, mas que está a subir nos rankings desta divisão. Chad Mendes é outro lutador de topo, mas em 2013 não deverá lutar pelo título, a não ser que Edgar ultrapasse ALdo de forma categórica o suficiente para não haver desforra.

BW: com o campeão Dominick Cruz lesionado, resta a Renan Barão ir defendendo o seu título interino. Michael MacDonald é o adversário que se segue, sendo que a partir daqui o cenário é turvo,pois tanto Brian Bowles como Urijah Faber já foram derrotados recentemente pelos citados.

Balanço de 2012? E para 2013: que lutadores da Strikeforce terão impacto imediato na UFC (alguns podem até obter combate de título)? A MMA feminina vai, com a entrada na UFC, dar o salto para a ribalta? Que lutadores se deviam retirar durante o ano 2013? A nova temporada vai terminar com os mesmos campeões com que se inicia, ou alguns cintos vão mudar de dono? Se sim, quais serão?

Visão do Leitor: Nuno Ranito

27 de Dezembro de 2012

C. Ronaldo -  De acordo com o jornal "As", o craque português não vai aceitar uma proposta de renovação por parte do Real Madrid (até 2018 e 15 milhões de euros por ano). O contrato do português termina em 2015, mas as "questões emocionais" parecem sobrepor-se às financeiras (é claro que Ronaldo não está feliz em Madrid). Caso este impasse se mantenha, o português terá que ser vendido (Manchester City e PSG estão na linha da frente) ou então sai de Madrid a custo zero (o regresso ao United seria uma possibilidade). Por onde passa o futuro de Ronaldo? Quais as razões para não renovar com o Real Madrid?

João Pereira - O antigo defesa do Sporting deu uma entrevista à SIC, onde criticou a forma como os leões têm sido geridos. O lateral do Valencia referiu que os leões "têm que se mentalizar que vão passar pelo deserto, como Benfica e FC Porto já passaram" e que "não é a despedir treinadores de seis em seis meses que vai conseguir formar uma grande equipa". Sobre Daniel Carriço, JP afirmou que o Sporting tem que renovar com o defesa/médio, que é melhor jogador que Boulahrouz: "Custa muito ao Sporting renovar com o português, e se calhar aumentar o ordenado significativamente. É mais fácil trazer um jogador de fora. Está à vista de todos que o Boulahrouz deve ganhar bem mais do que o Carriço. É melhor? Na minha opinião não, mas é só a minha opinião". JP tem razão nas suas afirmações? Deveria o Sporting renovar com Daniel Carriço?

Totonegócio - A Federação Portuguesa de Futebol pagou as dívidas fiscais de quase todos os clubes portugueses à Autoridade Tributária e Aduaneira, cifrada em 11 milhões de euros. De fora, ficaram o E. Amadora, Boavista, Salgueiros, Maia, Desp. Chaves e U. Leiria. Este pagamento "possibilita que os clubes apresentem as respectivas situações fiscais regularizadas perante os órgãos de licenciamento nacionais e internacionais" e permite também que os clubes sem dívidas "recebam as verbas a que tinham direito por via dos jogos sociais, algo que não acontecia enquanto o processo não fosse resolvido". A FPF fez bem em pagar as dívidas dos clubes?

Mercado - Walter vai ter de se apresentar no Porto a 3 de Janeiro (o Goiás quer renovar o empréstimo); Souza continua a ser cobiçado pelo Grémio (campeão nacional quer 10 milhões de euros pelo médio); Michel (pouco utilizado no Sp. Braga) deve regressar ao Benfica na próxima semana; Eliseu (e nos últimos 3 anos repetiu-se várias vezes) volta a afirmar que Jesus o quer na Luz; Diego Ivo, defesa central de 23 anos e 1m88, deve assinar pelo Sp. Braga até 2017.

Raul Meireles - O médio português viu o seu castigo ser reduzido de 11 jogos para apenas 4, na sequência dos insultos e suposto cuspidela no árbitro da partida entre o Fenerbahçe e o Galatasaray. De acordo com a comissão de apelo, Meireles não cuspiu no árbitro, pois não parou de falar durante todo o acontecimento. Castigo justo para o jogador do Fenerbahçe?

Ibrahimovic - Pode não vir a ganhar nenhuma Bola de Ouro, mas o craque do PSG vai ser inspiração para uma nova palavra do dicionário sueco (2013). A personalidade de Ibra deu origem ao verbo "Zlatanear", que significa "dominar, prosseguir com confiança, seguir em frente com força e determinação." Mais uma prova de quão especial é este jogador?

Boavista - João Loureiro será o único candidato às eleições do clube portuense, que vão decorrer na próxima sexta-feira. O antigo presidente do Boavista vai regressar à liderança do clube, depois de ter abandonado o cargo em 2007. Os axadrezados disputam a II Divisão e têm uma dívida de 48 milhões de euros (o clube pediu a adesão ao Processo Especial de Revitalização, para tentar ultrapassar este grave problema). Boas notícias para o Boavista? Poderá João Loureiro recolocar o Boavista na Liga ZON-Sagres? Não é um pouco estranho, o principal responsável pela situação financeira do clube regressar à presidência?

NBA - Os LA Lakers perderam em Denver por 126-114, de nada valendo mais 40 pts de Kobe Bryant. Dwight Howard foi expulso no 3º período, enquanto o colectivo dos Nuggets levou a melhor. Faried fez 21 pts e 15 reb (9 ofensivos), Corey Brewer marcou 27 pts (6 triplos), Gallinari marcou 19 pts, Lawson e Iguodala marcaram 17 pts cada. San Antonio Spurs (100-80 sobre Toronto) e Portland Trail Blazers (109-91 sobre os Kings) conquistaram vitórias tranquilas em casa, tal como os Warriors (94-83) em Utah. Miami Heat (105-92 em Charlotte) fixou a 16ª derrota consecutiva dos Bobcats, os Hornets quebraram uma série dolorosa em Orlando (97-94) e os Cavs ganharam ao lanterna vermelha (87-84 em Washington). Os Hawks estiveram a ganhar por 22 pts no 4º período sobre os Pistons, mas só resolveram o encontro no 2º OT (126-119, com Josh Smith em destaque - 31 pts, 10 reb, 6 ast, 2 stl e 2 blk), enquanto os Sixers (99-89 em Memphis) e os Rockets (87-84 em Minnesota) conquistaram importantes vitórias. Para o final, o grande destaque da noite, com JR Smith a voltar a decidir sobre o final (tinha 1 segundo para lançar). Nas ausências de Carmelo e Felton, coube ao suplente dos Knicks decidir a partida em Phoenix (99-97). Em Milwaukee, nova derrota para os Brooklyn Nets (108-93). Deron Williams não jogou, enquanto a dupla Ellis-Jennings esteve irresistível. Depois desta derrota, os responsáveis dos Nets resolveram despedir Avery Johnson do comando técnico da equipa (que até foi eleito o melhor treinador de Novembro...). Boa decisão dos Nets? Quem vai ocupar a vaga de treinador em Brooklyn? Lakers de volta à realidade? Golden State Warriors e Houston Rockets com qualidade para garantir um lugar entre os 8 melhores no Oeste?

O ano de 2012 teve como protagonista Michael Phelps. O super nadador norte americano colocou um ponto final na sua brilhante carreira, tornando-se o atleta com o maior número de medalhas conquistadas na história das Olimpíadas (22 no total, sendo que 18 foram de ouro). Não efectuou uns Jogos Olímpicos assombrosos como os de Pequim, em 2008, mas foram 4 de ouro, e 2 de prata, as medalhas por si conquistadas. Nesta mesma competição, vários outros nadadores merecem referência, tais como Yannick Agnel (que prova nos 200 metros livres!), ou Cameron van der Burgh, Daniel Gyurta e Sun Yang (estabeleceram novos máximos mundiais e olímpicos). Do lado feminino, menção honrosa para Missy Franklin, Rebecca Soni, Dana Vollmer e Shiwen Ye, que atingiram também novos máximos mundiais (a nadadora chinesa, de apenas 16 anos, foi também notícia pelo seu desempenho no trajecto de crawl na prova dos 400 metros estilos, onde efectou um último percurso de 50 metros, num tempo abaixo do vencedor da prova masculina, Ryan Lochte). Ruta Meilutyte impressionou também o mundo, já que com com apenas 15 anos, chegou a Londres como uma desconhecida, arrecadando o ouro na prova dos 100 metros bruços, com um novo recorde europeu, estabelecido nas meias finais. Na outra competição internacional do ano, embora com uma dimensão bem menor, os Campeonatos do Mundo de piscina curta, que decorreram em Istambul, o destaque vai para Ryan Lochte, que conquistou 6 medalhas de ouro e uma de prata, com dois novos máximos mundiais (100 e 200 metros estilos).

No que diz respeito às participações da nossa selecção, esta saiu de Londres com apenas um recorde nacional, obtido por Pedro Oliveira, nos 200 metros costas. Diogo Carvalho, alcançou a melhor classificação, com o 18º lugar da geral nos 200 metros estilos, a apenas 12 centésimos das meias finais. Não deixa no entanto de ser uma presença aquém das expectativas por intermédio dos nossos atletas. Nos Mundiais de piscina curta, Portugal esteve representado por três atletas (Sara Oliveira, Alexis Santos e Diogo Carvalho), sendo que o último atingiu duas finais, terminando em sétimo nos 200 metros estilos e na oitava posição na prova dos 400 metros estilos. A melhor participação dos lusos acabou por ser alcançada nos Europeus de piscina curta, onde foram superados nove recordes nacionais absolutos, bem como alcançadas seis meias finais e finais. Diogo Carvalho pela terceira vez na carreira ficou apenas a uma posição do pódio, nos 200 metros estilos. Má preparação dos nossos atletas, a apontarem o pico de forma para provas menores no panorama internacional, ou noção que é impossível competir ao mais alto nível?  

Nas competições internas, as equipas que mais se destacaram, foram novamente o Sporting Clube de Portugal, e o Futebol Clube do Porto. Nos Nacionais de clubes, os leões alcançaram o bicampeonato na competição masculina, competição onde a equipa feminina do FC Porto conquistou o quinto título consecutivo. Merece também referência o regresso de Adriano Niz (agora a competir no Famalicão, após passagens pelo Clube Fluvial Vilacondense e Sport Lisboa e Benfica) , que apresentava 99 títulos no seu palmarés, tendo esta temporada alcançado a impressionante marca de cem títulos de campeão nacional.

2013

A competição máxima do panorama internacional no próximo ano serão os Mundiais de piscina longa, que decorrerão em Barcelona, pelo que o pico de forma será apontado para estes campeonatos, onde Ryan Lochte poderá ser a principal figura. A nível interno, Sporting Clube de Portugal e Futebol Clube do Porto, partem novamente como favoritos para a revalidação dos títulos por si alcançados esta temporada. 

Quais as figuras de 2012? Com o abandono de Michael Phelps, será Ryan Lochte o melhor nadador da actualidade? Para quando um maior salto a nível qualitativo por parte da natação portuguesa? Ou com as condições proporcionadas, continuará a ser impossível lutar contra as maiores potências mundiais?

A. Carvalho

O Reading, actual penúltimo classificado da Premier League, sabe o Visão de Mercado, pretende contratar Daniel Carriço. De maneira a evitar a descida de divisão e contornar o actual cenário defensivo (equipa com mais golos sofridos no campeonato inglês), Anton Zingarevich, o milionário dono dos "The Royals" vai investir forte neste defeso de Inverno e o central/médio defensivo do Sporting é um dos alvos (agora com mais força, depois de Stopilla Sonzu, que estava quase garantido para Janeiro, ter sido chamado para a CAN). Arshavin, e Marouane Chamakh são outros nomes que podem reforçar o Reading. VM - Apesar de na nossa opinião não ter qualidade para ser titular num "grande", o que fez a nível de formação e a maneira como ganhou a titularidade no Sporting ainda numa fase precoce (o que lhe deu alguma valorização em termos de mercado) devia ter permitido que os leões tivessem realizado um bom encaixe com o defesa/médio. Mas, à semelhança do que aconteceu com outros (muitos) elementos do clube leonino, não saiu no momento certo, e acabou (como tem acontecido quase sempre em Alvalade) por se desvalorizar. Agora, está em final de contrato, na próxima semana já pode assinar livremente por outro emblema (apesar de só se poder transferir para o mesmo, e a custo zero, no final da época), e como tal, nesta fase, só um misto de sportinguismo por parte do jogador e uma invulgar capacidade de se mexer no mercado por parte do clube pode permitir ao Sporting realizar um encaixe com o defesa. Por onde passa o futuro de Carriço? Conseguirá o clube leonino realizar ainda um encaixe com o defesa neste defeso de Inverno, ou a saída do português a custo zero no final da época é inevitável? 

Florença. Um marco na história do movimento renascentista e uma das cidades mais belas de Itália. Mais do que arte e cultura, a cidade italiana é a casa da Fiorentina. Não é um grande de Itália. Aliás, está bem longe disso. Ainda assim, é uma das equipas mais emblemáticas do futebol italiano, com uma história de altos e baixos, tendo sido ponte de passagem de grandes jogadores. Toldo, Di Livio, Chiesa ou Rui Costa são alguns deles, mas haverá sempre um nome que surge acima de todos: Gabriel Batistuta. Mas a Fiorentina não é apenas uma equipa de passado, feita de memórias e recordações. Depois da autêntica tragédia que ditou o fim do clube e a sua travessia pelos escalões inferiores do futebol italiano, o conjunto de Florença conseguiu reerguer-se e regressar à ribalta dos grandes palcos. Aos poucos, voltou a construir uma equipa digna do seu carisma e, apesar de alguma irregularidade no seu percurso de regresso aos melhores tempos, os Viola estão, actualmente, em grande forma, sendo uma das sensações da Serie A. Segue num bom 4º lugar, estando apenas a 1 ponto da segunda posição. O Artemio Franchi é o seu estádio, a sua casa e onde os seus adeptos gritam, deliram e sofrem, voltou a ser palco de um conjunto capaz e com sede de vitória. O antigo internacional italiano Vincenzo Montella é o guia de um grupo que sofreu muitas alterações face a anos anteriores. Apesar disso, a figura máxima continua a se um montenegrino de muita classe: Stevan Jovetić. Tem apenas 23 anos mas é um verdadeiro líder, um lutador nato que, depois de uma grave lesão, tem um futuro prometedor à sua espera. Junto de si, tem agora uma série de jogadores que aumentaram significativamente a qualidade da equipa. A Fiorentina foi uma das equipas que mais e melhor se reforçou na Europa no passado Verão. Começou na defesa, onde fez chegar Savić, Roncaglia e Gonzalo Rodríguez. A dupla argentina tem sido primeira opção, enquanto o jovem sérvio surge como alternativa aos habituais titulares, mas também é um jogador de qualidade (prova disso é o facto dos Viola serem a 4ª defesa menos batida na Serie A). Atrás de si, Viviano, guardião italiano que conta com passagens por Inter e Palermo.Para o meio-campo, Aquilani foi aposta e, até ver, o médio formado na AS Roma está, finalmente, a demonstrar todo o potencial que lhe foi vaticinado no início da carreira, mas que este tem tardado em confirmar. É o maestro de uma orquestra que conta ainda com David Pizarro (experiente e com grande "bagagem" no Calcio, que foi a Inglaterra celebrar o título pelo Man. City), Borja Valero e o brasileiro Rômulo, e ainda há o nosso bem conhecido, Matías Fernández (que pouco ou nada tem jogado, o que demonstra a qualidade/quantidade às ordens de Montella). Na frente de ataque, a classe e a frieza balcânica está a dar os seus frutos. Para além do já referido Jovetić ainda há Adem Ljajic, um jovem sérvio de 21 anos que Alex Ferguson não quis. Depois, a mobilidade de El Hamdaoui, que brilhou na Eredivisie ao serviço de AZ Alkmaar e Ajax, contrasta com o ponta-de-lança cínico, Luca Toni. Aos 35 anos, regressou ao clube onde se sangrou capocannonieri da Serie A e de onde tinha saído na temporada 2006/07.

Estamos perante uma equipa que combina juventude e experiência, garra e ambição, técnica e espírito de luta. Com Montella ao leme, a fórmula adoptada tem tido os seus frutos e o jovem técnico conseguiu combinar todos os ingredientes ao seu dispor. Ele e a "sua" Fiorentina estão em grande forma e, mais do que dar luta aos candidatos ao título, estão de regresso a um lugar de destaque no futebol italiano. Conseguirá a equipa da região da Toscana permanecer nos lugares cimeiros da tabela? Até onde pode ir esta Fiorentina? Com o dinheiro encaixado depois da venda de Nastasić para o Manchester City, teremos a equipa da Florença a reforçar-se ainda mais e melhor em Janeiro, assumindo assim uma candidatura, pelo menos, aos lugares europeus? Tendo em conta que se fala no alegado interesse da equipa viola em Cardozo e Wolfswinkel, teremos a Fiorentina a recrutar em Portugal?

André Mesquita

O ano de 2012 fica naturalmente marcado pela primeira vitória de um ciclista britânico na Volta a França. Bradley Wiggins foi o mais forte de todos os participantes na prova de ciclismo mais importante do planeta (venceu com mais de 3 minutos de avanço) e, para isso, foi extremamente importante a ajuda da sua equipa (Sky). A armada britânica controlou a corrida de inicio ao fim e elementos como Richie Porte, Rogers, Boasson-Hagen e, sobretudo, Chris Froome (foi 2º na geral individual e deu a sensação de poder ter sido 1º por estar mais forte nas montanhas que o seu líder) acabaram por ser decisivos. Esta Volta a França de 2012 ficou ainda marcada pelo 3º lugar de Nibali, pelas 3 vitórias em etapa de Sagan, Greipel e Mark Cavendish, pela vitoria na juventude de Van Garderen (terminou na 4ª posição da geral, à frente do líder Evans), pela revelação Pinot e por uma forte Europcar (vitória na camisola da montanha com Thomas Voeckler e um lugar no top-10 com Rolland). Por último, destaque para o 18º lugar de Rui Costa e para o bom trabalho do Sérgio Paulinho, colega de equipa de Chris Sorensen, o mais combativo da prova.

Além do Tour, 2012 fica ainda marcado pela vitória inesperada do canadiano Ryder Hesjedal no Giro de Itália. O homem da Garmin não estava incluído no lote de favoritos, mas a verdade é que surpreendeu e conseguiu o prémio mais ambicionado por todos, batendo nomes como Joaquin Rodriguez (o catalão da Katusha perdeu a “maglia rosa” no último dia de competição, um crono que o deixou a apenas 16 segundos do 1º lugar), o surpreendente Thomas De Gendt (uma fantástica etapa nos últimos dias de prova valeu-lhe o 3º lugar) ou a dupla de colombianos da Sky Uran-Henao. Por último, destaque para a segunda vitória de Contador na Volta a Espanha, embora esta tenha tido um sabor especial por ter sido a primeira grande competição ganha pelo espanhol após o seu período de suspensão), naquela que foi a Volta mais emotiva do ano (imprevisível, recheada de ataques e com muita táctica à mistura). “El Pistolero” esteve muito forte e levou a melhor sobre outros dois ciclistas espanhóis soberbos, Valverde (2º) e Rodriguez (3º). Destaque ainda para o 21º lugar de André Cardoso e para a má prestação de Chris Froome, já que o britânico da Sky ficou a mais de 10 minutos da liderança.

Além das grandes provas de 3 semanas, é também justo destacarem-se nomes como Alexandre Vinokourov, vencedor da prova de estrada dos Jogos Olímpicos de Londres (Wiggins venceu a prova de contra-relógio), Tony Martin (vencedor dos mundiais de contra-relógio), Joaquin Rodriguez (vencedor da Fleche Wallone e do ranking da UCI, 2º no Giro e 3º na Vuelta), Peter Sagan (inúmeras vitórias ao longo da época), Gilbert (uma época fraca do belga, sobretudo comparada com a anterior, mas que valeu pelo título de campeão do mundo de estrada na Holanda), Tom Boonen (um início de 2012 assombroso, com vitórias no Tour de Flandres e no Paris-Roubaix) e o português Rui Costa (18º no Tour, vencedor da Volta a Suiça, 3º na Volta a Romandia e 10º no ranking da UCI).

Por outro lado, as desilusões de 2012. É inevitável falar-se da Radioshack-Nissan e dos irmãos Schleck, elementos que passaram completamente ao lado da temporada, sobretudo Andy. Além disso, foram públicos os conflitos internos da equipa de Johan Bruyneel e, por fim, mais um problema. Franck Schleck controlou positivo e aguarda agora a sentença. Além deles, Cadel Evans (tinha como objectivo renovar a vitória no Tour e falhou redondamente), Scarponi, Ivan Basso, Cancellara (falhou os principais objectivos da temporada e, sendo um dos melhores do mundo, deve sentir-se frustrado) e Juan Cobo são outras decepções.

Em Portugal, David Blanco venceu a Volta a Portugal (a sua 5ª no total, batendo o recorde de Marco Chagas) e coroou um domínio total da equipa Efapel (etapas, camisolas e 6 ciclistas nos primeiros 14). Destaque ainda para Hugo Sabido, uma vez que o português esteve bastante mais consistente (foi 2º a 22 segundos do 1º lugar), Van Rensbug (camisola dos pontos e 2 etapas conquistadas) e para a equipa norte-americana United Heathcare, já que venceu 3 etapas. Pela negativa destaco a Carmin-Prio, a principal derrotada da prova.

2013

O ano de 2013 promete ser extraordinário. Teremos a 100ª edição do Tour de France, onde poderemos observar o regresso de Alberto Contador e de Andy Schleck, homens que tentarão assaltar o 1º lugar deste ano a Bradley Wiggins. Como adversários terão a dupla forte da Sky (Wiggins/Froome), Evans (tentará reeditar a vitória de 2011), Nibali (já conquistou a Vuelta e um pódio no Tour e, por isso, quer o 1º lugar), Gesink (tarda em confirmar todo o seu potencial) ou Valverde (quererá melhorar o registo de 2012 e, após uma boa Vuelta, o Tour será o objectivo), numa luta que promete ser entusiasmante (esperemos que com Rodriguez e a sua Katusha).

Além disso, será importante ver como se adapta Mark Cavendish à Omega Pharma-Quick Step (a lutas pelos sprints com nomes como o do britânico a juntar a Greipel, Moser, Sagan, Kittel, Degenkolb, entre muitos outros, prometem animar o ano); observar como funciona a renovada Astana, uma vez que a equipa cazaque contratou nomes como Nibali e Fuglsang; ver a adaptação do Pozzovivo à AG2R e do português Ricardo Mestre à Euskaltel; e, por último, certificar se a nova Saxo Bank tem capacidade para levar Contador à vitoria na Volta a França (as contratações de Rogers, Sutherland, Kreuziger, Roche ou Breschel deverão ajudar). Será igualmente curioso observar a confirmação de alguns talentos como Rigoberto Uran e Henao da Sky; Nordhaugh e Jack Bobridge da Blanco Pro Cycling; Degenkolb, Patrick Gretsch e Kittel da Argus Shimano; e, por último, Tiago Machado, um talento português que tarda em afirmar-se e André Cardoso. 

Quem foi o principal ciclista de 2012? Quais as surpresas e as desilusões? Quais as possíveis revelações e confirmações em 2013? Como será a 100ª edição do Tour? A Sky conseguirá vencer com os regressos de Contador e Andy Schleck? O que esperar de Rui Costa: repetir 2012 ou melhorar? Rodriguez voltará a ser o melhor ciclista do Mundo em 2013, ou nomes como Sagan, Hagen e Cancellara podem destronar o espanhol? Quem vencerá a Volta a Portugal? Como se adaptará Ricardo Mestre a uma equipa de World Tour e conseguirão Tiago Machado e André Cardoso explodir?

Visão do Leitor: Rodrigo Ferreira

26 de Dezembro de 2012

Premier League - O Manchester United aumentou a vantagem na frente da PL para 7 pontos, depois do City ter perdido por 1-0 no terreno do Sunderland. A equipa de Mancini voltou a praticar um futebol miserável, com poucas oportunidades de golo e muitos passes para o lado. Adam Johnson marcou o único golo da partida (53´), num remate surpresa (Joe Hart foi muito mal batido). Em Old Trafford, houve uma partida de loucos, com o United a derrotar o Newcastle por 4-3. Os magpies estiveram sempre na frente (0-1, 1-2 e 2-3), mas a equipa de Alex Ferguson conseguiu dar a reviravolta (mais uma em 2012). James Perch abriu o activo aos 4 minutos, Evans empatou aos 25 minutos, mas o mesmo jogador fez o auto-golo aos 29 minutos (1-2 ao intervalo). No segundo tempo, Evra igualou de novo aos 58 minutos, Papiss Cisse colocou o Newcastle na frente aos 68 minutos e Van Persie fez o 3-3 aos 71 minutos. Mesmo em cima do apito final, Chicharito aproveitou nova assistência de Carrick para fazer o 4-3 final. Os red devils apresentam o melhor ataque da Liga, mas apenas as 7 últimas equipa da PL sofrem mais golos. Depois dos 8-0 ao Aston Villa, o Chelsea poupou nos golos e venceu por apenas 1-0 em Norwich. Juan Mata marcou o único golo da partida, à passagem dos 38 minutos. WBA e Everton seguem em boa forma, depois de ambos terem vencido as suas partidas por 2-1 (WBA no terreno do QPR e o Everton na recepção ao Wigan). Fulham e Southampton empataram 1-1 (Martin Jol com o lugar em risco nos cottagers), enquanto Reading e Swansea não saíram do 0-0. Principais destaques? Deveria Portugal adoptar uma "espécie" de Boxing Day? Ou então fazer como a II Liga e não parar no Natal?

NBA - Boston @Brooklyn (93-76) - Excelente vitória dos Celtics, com Rajon Rondo a marcar mais do que a assistir (19 pts, 6 reb, 5 ast e 3 stl) e Jared Sullinger (16 pts e 7 reb) e Jeff Green (15 pts) a contribuírem desde o banco de suplentes. O jogo teve alguns momentos quentes, mas a dupla de bases dos Nets continua em baixo de forma (10 pts e 6 ast para Deron e 12 pts para JJ). New York@LA Lakers (97-100) - Duelo entre Carmelo e Kobe no Staples Center, com o SG dos Lakers a levar a melhor (ambos marcaram 34 pts). MWP (20 pts), Nash (16 pts, 11 ast e 6 reb), Howard e Gasol deram bons contributos, enquanto do lado dos Knicks, JR Smith (25 pts) foi o único à altura de Carmelo. Oklahoma @Miami (97-103) - Repetição das finais de 2012, com os Heat a superiorizarem-se no final do encontro. A arbitragem também não foi famosa no "money time", enquanto LeBron (29 pts, 8 reb e 9 ast e Durant (33 pts e 7 reb) equivaleram-se. Wade (21 pts) e Chalmers (20 pts) deram preciosa ajuda a LeBron, já Westbrook, apesar dos seus 21 pts, falhou muito no ataque (5-19 em lançamentos e 5 TO, alguns deles na fase decisiva). Houston @Chicago (120-97) - Os Rockets estão claramente na Conferência errada (11-2 contra as equipas de Este). Mais uma vitória esmagadora, com quatro jogadores acima dos 20 pts (Harden 26, Parsons 23, Asik com 20 pts e 18 reb e Lin com 20 pts e 11 ast), perante uns Bulls desinspirados (Nate Robinson foi o melhor com 27 pts). Denver @LA Clippers (100-112) - 14ª vitória consecutiva para os Clippers (subiram ao 1º lugar no Oeste), novamente com um resultado esclarecedor (CP3 jogou 32 minutos e Blake Griffin jogou 29...). Jamal Crawford (22 pts) e Matt Barnes (20 pts) deram grandes contributos vindo do banco, enquanto Koufos (16 pts e 10 reb) e Jordan Hamilton (16 pts) foram os melhores dos Nuggets. Principais destaques? Lakers a recuperar com Nash e Gasol? LA Clippers com grande domínio e classe? Os Rockets poderão chegar aos playoffs (ganhar jogos no Este será sempre importante)?

Bébé, extremo/avançado do Man Utd, vai representar o Rio Ave por empréstimo dos Red Devils até final da época. VM - Um reforço de peso para os vilacondenses, aliás mais um, depois da entrada de elementos como Oblak, Ukra, Edimar, Esmael, Felipe Augusto, Rodríguez, Del Vale, entre outros, no principio da época. Veremos, se é desta, que o jovem português que custou perto de 10 milhões de euros ao Man Utd se afirma (pouco ou nada utilizado nos Reds, também não foi feliz na sua passagem pelo Besiktas). Quanto ao Rio Ave, Jorge Mendes prova mais uma vez que caso assim o entenda faz facilmente de um clube que luta para não descer um sério candidato às competições europeias. Será desta que Bébé justifica o rótulo de "sr. 10 milhões de euros"? 

25 de Dezembro de 2012

Sporting - De acordo com a imprensa inglesa, Manchester United e Liverpool, poderão pagar aos leões uma verba de 9.7 milhões de euros pela contratação de Carlos Mané. O jovem extremo do Sporting brilhou no Next Lions Cup, em Singapura, algo que não passou despercebido aos tubarões europeus. VM - Carlos Mané é um craque. Um extremo moderno, muito rápido e com boa técnica (também pode jogar como 2º avançado). Está nos leões desde os 7 anos (mesmo "made in Alcochete"), mas é sempre uma incógnita como vai fazer a transição para os seniores. Uma decisão complicada para a direcção leonina. Se houver mesmo uma proposta real de quase 10 milhões de euros por um jogador dos júniores, tendo em conta o momento financeiro dos leões, não será de rejeitar. Contudo, Carlos Mané poderá crescer ainda mais e tornar-se num produto ainda mais valioso. Do ponto de vista desportivo (do jogador), não concordamos com a saída precoce para Inglaterra (muitos jovens já seguiram o mesmo caminho, mas acabaram por falhar). Em relação à equipa de juniores do Sporting (venceu o forte conjunto do Liverpool que tem várias futuras estrelas como Samed Yesil, Jordon Ibe ou Adam Morgan) apesar de não ter tantas opções como gerações anteriores (explica-se em parte pelo facto de Chaby, Bruma, Tobias e Iuri terem subido para a equipa B), tem vários elementos com bastante potencial e é extremamente homogénea (muito física na defesa e técnica no ataque). Fabrice é um trinco poderosíssimo que enche o meio campo, Edilino Ié (irmão de Édgar) é polivalente e desempenha várias posições com qualidade, Stojanovic é um médio inteligente, e na frente de ataque Farley, Wallyson, Luis Cortez e Ponde têm grande capacidade de desequilíbrio e no apoio ao ponta de lança, que costuma ser Alexandre Guedes. 

Casillas - O guarda-redes espanhol não exteriorizou tudo o que lhe ia na cabeça depois de ter sido relegado para o banco (para não criar mais polémica), mas, segundo o "Sport", já tomou uma decisão quanto ao seu futuro. Caso Mourinho continue à frente do Real Madrid, o capitão da selecção espanhola pondera abandonar o clube merengue. Se se confirmar esta versão, então Florentino Pérez terá em suas mãos um decisão complicada. Despedir José Mourinho ou vender um dos jogadores mais carismáticos da história do clube. Por onde passa o futuro de Iker Casillas? Poderá abandonar o Real?

De Gea - Entretanto, parece que Jorge Mendes já está a tratar do futuro da baliza dos merengues. José Mourinho pretende um guarda-redes para pressionar Casillas (Adan não serve), sendo que De Gea e Marc-Andre Stegen interessam ao português. O empresário Jorge Mendes prometeu a De Gea que ia tratar da sua transferência para Madrid, contudo, depois de ter saído do Atletico por 29 milhões de euros, o United não estará disposto a libertá-lo por uma verba inferior. Será De Gea o futuro da baliza do Real Madrid?


Como sempre, dia de Natal, é dia de NBA. A melhor liga do mundo não pára, sendo que o dia de Natal é a jornada com mais audiências da temporada regular. Como sempre, quem faz o calendário, agenda para o dia 25 de Dezembro as melhores partidas. A não perder:
- Boston Celtics @Brooklyn Nets (17h)
- New York Knicks @LA Lakers (20h)
- Oklahoma CT @Miami Heat (22h30)
- Houston Rockets @Chicago Bulls (01h)
- Denver Nuggets @LA Clippers (03h30)

Tempo de Natal, também é altura para um primeiro balanço sobre a temporada 2012-13. Para começar, falar nos ausentes do quase 1º terço de campeonato. John Wall (WAS), Eric Gordon (NO), Dirk Nowitzki (DAL), Amare Stoudemire (NYK), Andrew Bynum (PHI), Derrick Rose (CHI), Danny Granger (IND), Chauncey Billups (LAC), Andrew Bogut (GSW), Brandon Roy (MIN), Grant Hill (LAC), Avery Bradley (BOS), Brandon Rush (GSW), Iman Shumpert (NYK), Channing Frye (PHO) e Ricky Rubio (MIN) não jogaram ou disputaram poucos minutos pelas suas equipas, sendo notória as suas ausências (casos de Chicago, Dallas, New Orleans e Washington).

Na Conferência de Este, Miami Heat e New York Knicks têm liderado a competição e, sem surpresas, deverão terminar nestes postos no final da temporada (resta saber quem fica em 1º). Knicks (2º) e Heat (3º) estão no top-3 das melhores equipas no ataque (não estão tão bem a nível defensivo), já venceram muitas partidas na casa das dezenas e são poderosas em casa (apenas 2 derrotas para cada no MSG e na AAA). Carmelo Anthony, finalmente, acertou o passo, tem liderado a equipa de NY e está na corrida ao MVP, tal como LeBron James, em mais uma época com números impressionantes (marcou sempre mais de 20 pts em todas as partidas). No 3º lugar surgem os surpreendentes Atlanta Hawks. No início da temporada não se esperava que fossem chegar aos playoffs, contudo, seguem com um score de 16 vitórias e apenas 9 derrotas. Josh Smith continua com a mesma qualidade, Al Horford evoluiu e Kyle Korver tem contribuído com bons números (os Hawks são das equipas que melhor defende na NBA). No 4º, 5º e 6º lugar seguem três equipas da Divisão Central (Bulls, Pacers e Bucks). Equipas bastantes semelhantes, que atacam muito mal (os Bulls são o 24º melhor ataque, enquanto Pacers e Bucks são os 27ºs), mas que fazem da defesa a melhor arma (Pacers em 1º, Bulls em 4º e Bucks em 9º). Sem Derrick Rose, a equipa de Chicago vale-se do seu colectivo, onde se destaca Joakim Noah (apresenta os seus melhores números de sempre na NBA). Paul George, David West e George Hill têm tido desempenhos interessantes nos Pacers, onde se destaca a presença defensiva de Roy Hibbert. Em Milwaukee, a dupla Jennings-Ellis continua a fazer estragos, enquanto Larry Sanders vai brilhando na defesa. As últimas duas equipas com score para os playoffs no Este são os Brooklyn Nets e os Boston Celtics. Espera-se muito mais de ambos os conjuntos, pois o 7º e 8º lugares não são condizentes com o valor dos plantéis (a dupla Joe Johnson e Deron Williams raramente aparece, enquanto os Celtics, à excepção do seu big-three, não produz muito). Os Sixers sofreram muito com a ausência de Jrue Holiday, mas ainda estão na luta pelos playoffs, tal como os Magic, que têm realizado uma temporada acima das expectativas (a crítica reservava o último lugar no Este para eles). Toronto Raptors, Detroit Pistons, Charlotte Bobcats, Cleveland Cavaliers e Washington Wizards ainda não chegaram às 10 vitórias, e dificilmente entrarão na luta pelos playoffs. As equipas do Canadá e de Detroit têm muito potencial, os Bobcats precisam de mais uns bons drafts para lutar pelos 8 melhores da Conferência, nos Cavs, só Irving e Varejao têm nível elevado, enquanto os Wizards sem John Wall perdem qualquer valor.

Na Conferência Oeste, Thunder, Clippers e Spurs seguem com 21 vitórias (5 derrotas para Oklahoma, 6 para a equipa de LA e 8 para os texanos) e, juntamente com os Grizzlies, são as únicas equipas acima dos 70% (no Oeste). Para já, a perda de James Harden não mudou nada em OKC, com Westbrook, e sobretudo Kevin Durant e Ibaka, a acrescentarem muito mais ao ataque dos Thunder (equipa mais eficiente na ofensiva). Os Clippers estão a carburar muito bem, mesmo com 4 derrotas seguidas em Novembro. A equipa de LA segue numa série de 13 vitórias consecutivas (recorde do franchise), sendo 9 delas por mais de 10 pontos de diferença (Chris Paul e Blake Griffin só têm actuado 32 minutos por jogo, um recorde negativo para ambos, e fora do top-50 da NBA). O banco de suplentes dos Clippers é bastante produtivo, enquanto o ataque é o 4º melhor da liga (3ª melhor defesa). Em San Antonio, nada de novo. A equipa de Popovich é das mais eficazes da NBA (5º melhor ataque, 6ª melhor defesa), das mais experientes (Manu, Duncan e Parker) e com excelentes recursos no banco (Popovich trabalha muito bem a rotação da equipa). Na peugada do trio, estão os Memphis Grizzlies, com um 5 inicial bastante poderoso (Rudy Gay, Tony Allen, Z-Bo, Marc Gasol e Mike Conley impõem respeito). A equipa do Tennessee está longe de ser das melhores no ataque, mas do ponto de vista defensivo dominam (2ª melhor). No 5º lugar, surge a grande surpresa do Oeste. Os Warriors estão a ter um excelente início de temporada, praticam um basquetebol interessante e, finalmente, quebraram com a forma de actuar no ataque (o tradicional run and gun). David Lee e Stephen Curry têm estado num nível all-star, enquanto Klay Thompson, Jarrett Jack e Carl Landry têm dado sólidos contributos. Nos últimos lugares de acesso ao playoff seguem os Rockets, Nuggets e Wolves. Os três conjuntos já mostraram o melhor e o pior do seu jogo, e quem for mais regular será premiado com um lugar entre os 8 melhores do Oeste. Potencial não falta a estes conjuntos. Os Rockets ganharam o seu franchise player (James Harden) e tornaram-se candidatos, os Nuggets têm um excelente plantel, mas falta regularidade exibicional (também tiveram o calendário mais complicado da Liga, até ao momento), enquanto os Wolves são uma ameaça no Oeste (a equipa está em crescimento e mostra capacidade para ganhar em qualquer pavilhão). Utah Jazz e Portland Trail Blazers têm aspirações a chegar aos playoffs, contudo, se em Utah falta qualidade defensiva, em Portland falta um banco em condições. LA Lakers e Dallas Mavericks são as grandes desilusões no Oeste. Sobre a equipa de LA, pensava-se que iam dominar a NBA, com muitos jogos decididos cedo e descanso para as estrelas, contudo, o nível exibicional roça o ridículo e são mais as derrotas que as vitórias (13-14). Os Mavs começaram bem, OJ Mayo fez super-exibições, mas só isso não chega. Dirk Nowitzki já fez o 1º jogo (limitado), mas o colectivo está a funcionar muito mal. Nas últimas três posições, seguem os Phoenix Suns, Sacramento Kings e New Orleans Hornets. A equipa do Arizona apresenta um plantel limitado (Dragic e Gortat bem tentam, mas não chega), a equipa da capital da Califórnia tem grande potencial, mas os seus jogadores não se aplicam na defesa, são indisciplinados e as duas maiores estrelas tardam em ter cabeça (Cousins foi suspenso pela equipa, enquanto Tyreke Evans não parece estar muito interessado em continuar em Sacramento), e os Hornets, sem Eric Gordon e com Anthony Davis limitado fisicamente, dificilmente sairão do último lugar no Oeste (Ryan Anderson, Vasquez e Lopez têm bons períodos, mas só isso não chega).

MVP - Kevin Durant, OKC (27.9 ppj, 8.4 rpj, 4.2 apj, 1.5 spj e 1.3 bpj) - Está a lançar menos que nas temporadas anteriores, mas pela 1ª vez na sua carreira lança acima dos 50% (melhorou nos lançamentos de 2 pts, lances livres e triplos), seguindo com impressionantes 52-42-90 (FG´s, 3-PT e FT), números só alcançados por 1 jogador em toda a história da NBA (no final da temporada, veremos se KD mantém). Após a perda de James Harden, muitos pensaram que os Thunder iam decrescer em termos exibicionais, mas a verdade, é que a equipa de Oklahoma segue com o melhor registo na NBA. Kevin Durant volta a mostrar toda a sua qualidade e versatilidade, melhorando em todas as estatísticas, menos nos pontos marcados. Menções honrosas para LeBron James, Carmelo Anthony e Chris Paul (o base dos Clippers não tem as stats dos melhores, mas das super-estrelas da Liga, é dos poucos que não chega aos 33 minutos de utilização por jogo).

Rookie do Ano - Damian Lillard, POR (18.6 ppj, 6.5 apj, 3.2 rpj e 1.1 spj) - Na Summer League e nos jogos de pré-temporada já tinha revelado grande qualidade e maturidade, faltando saber como entrava nos jogos a sério. Pois bem, o PG dos Blazers tem esmagado a concorrência, liderado o curto plantel da equipa de Portland e realizado números e partidas muito interessantes. Neste momento, é o grande candidato a vencer o ROY, pois Anthony Davis está a entrar "devagarinho" na NBA (muitas lesões). Menções honrosas para Drummond (com mais minutos, estava mais perto do troféu), Michael Kidd-Gilchrist, Dion Waiters e Anthony Davis.

Defensor do Ano - Joakim Noah, CHI (13.5 ppj, 10.6 rpj, 4.5 apj, 2.2 bpj e 1.4 spj) - O francês lidera uma das melhores defesas da Liga e apresenta números impressionantes neste capítulo. Além das estatísticas, o Center dos Bulls (sem Derrick Rose), "dá ao litro" em todas as noites de jogos, com muita energia, disponibilidade, envolvimento defensivo e a contestar lançamentos. Menções honrosas para Tim Duncan, Marc Gasol, Tony Allen, Serge Ibaka, Tyson Chandler, Roy Hibbert, Josh Smith e... Larry Sanders (com mais minutos e maturidade, vai tornar-se num dos melhores defensores da NBA).

Most Improved Player - Anderson Varejao, CLE (14.1 ppj, 14.4 rpj, 3.4 apj e 1.5 spj) - Neste momento, é o candidato número 1 ao troféu de MIP, com uma grande evolução nos seus números entre 2011-12 e 2012-13. O Center brasileiro tem mostrado grande disponibilidade e qualidade, quer no ataque, quer na defesa, apesar do fraco recorde dos Cavs. Tem marcado quase mais 4 pontos por jogo, ganho mais 3 ressaltos por jogo (2 defensivos e 1 ofensivo) e dobrou as assistências (1.7 para 3.4). Menções honrosas para Evan Turner, OJ Mayo, Kemba Walker, Omer Asik, Jrue Holiday, Larry Sanders, Serge Ibaka e JJ Redick.

Melhor 6º jogador - Kevin Martin, OKC (15.7 ppj, 2.4 rpj, 1.5 apj e 1.0 spj) - Para o VM, o jogador dos Thunder leva curta vantagem Jamal Crawford. Resgatado a Houston (na troca que levou Harden para o Texas), o SG tem realizado excelentes números, sobretudo para quem joga numa equipa com Westbrook e Durant (têm a bola mais tempo e fazem mais lançamentos, enquanto Crawford, por vezes, lidera a equipa no último período). Para além disso, tem mostrado grande eficácia na hora de lançar (basicamente, é este o jogo de K-Mart). Menções honrosas para Carl Landry, Jarrett Jack, Jamal Crawford e JR Smith.

Treinador do Ano - Mark Jackson (Golden State Warriors) - Muitos poderão criticar a nossa escolha (Woodson era a mais óbvia, mas NY apresenta um plantel de grande qualidade), mas a verdade é que o "coach" dos Warriors tem realizado um trabalho excepcional em Oakland. A equipa segue no 5º lugar da complicada Conferência Oeste, com um saldo de 18-10 (64.3%) e regista grande evolução em relação a temporadas anteriores. Andrew Bogut ainda não conseguiu dar o seu contributo à equipa, mesmo assim, as monstruosas exibições de Stephen Curry e David Lee, a consistência de Klay Thompson, o rookie Harrison Barnes, a que se junta o sempre importante contributo de Jarrett Jack e Carl Landry, vindos do banco, têm elevado a equipa do "Golden State" a sensação da temporada. Para além de manter a competência ofensiva (que sempre caracterizou o franchise), os Warriors de Mark Jackson têm registado grandes melhorias em termos defensivos (juntando o 1+1, é fácil observar que as vitórias chegaram com grande regularidade). Menções honrosas para Scott Brooks, Mike Woodson, Larry Drew, Jacque Vaughn e Rick Adelman.

Principais destaques do início de temporada da NBA? Surpresas e desilusões? Que é o MVP, MIP, Defensor, Treinador, 6º jogador e Rookie do ano até ao momento? Quem poderá recuperar ou perder terreno até ao All-Star Game?