31 de outubro de 2012

Decorre entre dia 1 e 18 de Novembro o VII Mundial de Futsal, disputado na Tailândia. Portugal parte com naturais ambições de chegar o mais longe possível, sendo que a Campeã Europeia (Espanha) e o Campeão Sul Americano (Brasil) são os naturais favoritos ao título. Aliás, até ao mometo são os únicos países que conquistaram esta prova (Brasil por 4 ocasiões e Espanha por duas vezes), contudo, os espanhóis não vão poder contar com o guarda-redes Luis Amado, um dos melhores da história da modalidade. Ricardinho e companhia não tiveram um sorteio feliz, calhando no grupo C (apelidado do grupo da morte) com o Campeão do Mundo em título e grande favorito, Brasil, o Campeão Africano, Líbia e ainda os Campeões Asiáticos, o Japão. O Brasil com alguma naturalidade deverá vencer o grupo, sendo Portugal o país que talvez parta com mais vantagem para garantir a segunda vaga de qualificação directa. No entanto, neste grupo não há equipas “fracas” e tanto Portugal, como Brasil terão de se aplicar para passarem à próxima fase deste campeonato e confirmarem assim o seu favoritismo.

Grupo A - Tailândia, Costa Rica, Ucrânia e Paraguai
Grupo B - Marrocos, Espanha, Irão e Panamá
Grupo C - Brasil, Japão, Líbia e Portugal
Grupo D - Argentina, México, Itália e Austrália
Grupo E - Egipto, Sérvia, Rep. Checa e Kuwait
Grupo F - Rússia, Guatemala, Ilhas Salomão e Colômbia

No grupo A, os tailandeses tentarão aproveitar o factor casa e ainda o bom momento (são os vice-campeões Asiáticos) que atravessaram no campeonato asiático. Por outro lado, o Paraguai parte com algum favoritismo para vencer o grupo, mas para tal terão de vencer a humilde selecção ucraniana e a campeã norte-americana, a Costa Rica. No grupo B, “nuestros hermanos” são os claros favoritos do grupo, mas a perigosa equipa do Irão (10 vezes Campeões Asiáticos em 12 edições) poderá dar luta aos campeões europeus. Noutro contexto, Panamá (3º lugar no campeonato norte-americano) e os estreantes marroquinos tentarão a qualificação, em clara desvantagem perante Irão e Espanha. No grupo D, a selecção italiana, o “carrasco” de Portugal, deve ser encarada como a favorita a vencer o grupo. Porém, num patamar muito próximo, a Argentina certamente chegará ao segundo lugar. Austrália e México que conquistaram os 4ºs lugares em respectivos campeonatos continentais irão tentar intrometer-se entre as favoritas do grupo, sendo uma missão complicada. No grupo E, a luta será equilibrada. Sem nenhum “papão”, Egipto (primeira equipa africana a vencer num campeonato do mundo), Kuwait (segunda participação num mundial), Sérvia (em estreia, excluindo participações da Jugoslávia) e República Checa (3º lugar em 2010, no campeonato europeu) farão tudo para reservar uma vaga para os oitavos-de-final, não sendo nenhuma selecção apontada como favorita. No grupo F, a vice-campeã europeia, Rússia, parte como grande favorita, onde Guatemala e Colômbia partem num nível inferior, mas com boas chances de qualificação. As desconhecidas Ilhas Salomão tentarão evitar goleadas e quem sabe amealhar pontos para uma qualificação (directa ou não.).

Neste Campeonato do Mundo participam 24 selecções, distribuídas por 6 grupos, onde passam à fase seguinte (oitavos-de-final) as duas primeiras de cada grupo e ainda os 4 melhores terceiros lugares. Portugal conta nas suas fileiras bons jogadores a nível mundial e terá como objectivo mínimo passar à próxima fase, no entanto cabe a Ricardinho e companhia tentar algo mais ambição. Convocados de Portugal: João Benedito, Bebé e André Sousa (GR), Gonçalo Alves, João Matos, Nandinho, Arnaldo, Djo, Ricardinho, Marinho, Paulinho, Leitão, Pedro Cary e Cardinal.

Calendário de Portugal
Grupo C
1.ª Jornada (1 Novembro)
Líbia-PORTUGAL, RTP 2 12h*
Brasil-Japão, 14h*

2.ª Jornada (4 Novembro)
PORTUGAL-Japão, RTP 2 12h*
Brasil-Líbia, 14h*

3.ª Jornada (7 Novembro)
Japão-Líbia, 10h*
PORTUGAL-Brasil, RTP 2 10h*

Conseguirá Portugal ultrapassar a fase de grupos? Brasil e Espanha assumirão o seu papel como favoritos, ou poderá haver surpresas? Pode Portugal ambicionar o 1º lugar? Quem vão ser as grandes figuras da competição? Até que ponto as ausências de Joel Queirós e Luis Amado poderão afectar as prestações de Portugal e Espanha?

Visão do Leitor: Leonardo Santos

Depois de desafiarmos os leitores a criar a melhor selecção europeia da actualidade (ver aqui), rumamos agora ao continente americano. Devido ao baixo número de países da CONMEBOL (10), decidimos juntar também as equipas da CONCACAF (América Central, Norte e Caraíbas). Nesse sentido, desafiamos os leitores a criar a melhor selecção americana da actualidade (considere apenas o momento que os jogadores apresentam nesta fase), com os 11 titulares e os 12 suplentes distribuídos pelas normais posições de campo:

Guarda Redes -
Lateral Direito -
Lateral Esquerdo -
Defesa Central -
Defesa Central -
Médio Defensivo -
Médio Interior -
Médio Ofensivo -
Extremo Direito -
Extremo Esquerdo -
Avançado -

Restantes 12:
GR -
GR -
DEF -
DEF -
DEF -
MED -
MED -
MED -
EXT -
EXT -
AVA -
AVA -

PS - Para assegurar representatividade, cada país só poderá ter um máximo de 2 jogadores nos 23.

Felicidade e depressão! Termos antagónicos mas que caracterizam o actual momento de Nabil Ghilas e do Sporting Clube de Portugal. O primeiro vive momentos de grande fulgor na frente de ataque do modesto Moreirense, somando cinco golos na sua conta pessoal no campeonato (sem penaltis e em sete jornadas), estando somente a um golo de Eder avançado do super-ofensivo S.C. Braga e do colombiano do F.C. Porto Jackson Martinez. O Sporting, pelo contrário, vive os momentos mais negros dos seus 106 anos de história. Para tal facto, muito contribui uma época mal planeada quanto à frente de ataque diz respeito (apenas 5 golos na Liga e 2º pior ataque no campeonato), pois partiu para a época 2012/2013 contando somente com um ponta de lança (Wolfswinkel), jogador esse que apresenta dificuldades em enquadrar-se no esquema táctico da equipa por não possuir um bom jogo de cabeça, uma boa recepção de bola e uma técnica individual de frente para a baliza acima da média, nem capacidade de choque para se impor sozinho no meio dos centrais adversários.

Ghilas de 22 anos e 1,82 m, que os leões conhecem bem desde o jogo em Alvalade a contar para a Taça da Liga na época passada, tem como características quase tudo o que falta a Wolfswinkel: tremenda capacidade física que lhe permite bater variadíssimas vezes de cabeça centrais bem mais altos, grande mobilidade e bom poder de fogo a meia distancia. Aliado a tudo isso, possui também boa técnica individual. Como ponto fraco necessita de melhorar a frieza na hora da finalização, interpretar melhor o jogo e conseguir ser mais regular, algo comum a pontas de lança da sua idade. Passando o Sporting por uma grave restrição financeira, está aqui uma óptima oportunidade de negócio para dotar o plantel de um avançado complementar a Wolfswinkel, com ainda enorme margem de progressão e a “custos controlados” em tempos de austeridade! O argelino com contrato até 2014, é o típico jogador que podemos imaginar num futuro próximo a envergar a camisola de um S. C. Braga seguindo as pisadas de João Tomás, Linz, Lima, Eder que através de um óptimo scouting interno os contratou a baixo custo e que pelos sucessos desportivos ou vendas avultadas se tornaram numa grande vantagem competitiva mesmo em relação ao próprio Sporting. Já se especula que Vitória de Guimarães e principalmente o Everton de Inglaterra piscaram o olho ao jovem avançado do Moreirense. Veremos se o Sporting deixa escapar esta oportunidade em Dezembro e se irá, como é hábito, preferir ir ao mercado em busca de um avançado por empréstimo ou a custo zero ao estrangeiro como reza a história com os resultados que se conhecem (Koke, Mota, Spehar, Nalitzis, Tiui ou mais recentemente Seba Ribas).

A receita do passado, contratações no mercado estrangeiro, muitas vezes é certo de jogadores internacionais, não resultou, como tal, este poderá ser o momento ideal para o Sporting, agora com um Godinho Lopes que quer imitar o regime presidencialista de Pinto da Costa, aproveitar para copiar algo que potenciou o actual sucesso do FC Porto: as boas contratações internas (isso mudou desde a conquista da Liga dos Campeões, mas muito do dinheiro que os portistas arrecadaram e títulos que conquistaram foram o fruto desta política, como o provaram as aquisições de Derlei, Deco, Maniche, Paulo Ferreira, Nuno Valente, Helton, Rolando, Meireles, Capucho, Zahovic, Drulovic, Artur, etc).

Visão do Leitor: Orlando Alcobia

Foi algo que desapareceu na última década, mas no século XX era uma ocasião importante. Travassos provou isso quando foi convocado para o jogo da selecção da Europa ao lado de Kopa e Puskas em 1955, na altura Portugal celebrou esse momento quase como se fosse uma final da Liga dos Campeões. Ora, e porque não a FIFA voltar a promover este tipo de duelos, mas com um carácter mais oficial e menos amigável, criando um campeonato intercontinental com os 4 continentes com expressão futebolística. Seria, interessante assistir a um duelo entre a dupla Messi-Falcao frente a Ronaldo e Iniesta. Nesse sentido, desafiamos os leitores a criar a melhor selecção europeia da actualidade (considere apenas o momento que os jogadores apresentam nesta fase), com os 11 titulares e os 12 suplentes distribuídos pelas normais posições de campo:

Guarda Redes -
Lateral Direito -
Lateral Esquerdo -
Defesa Central -
Defesa Central -
Médio Defensivo -
Médio Interior -
Médio Ofensivo -
Extremo Direito -
Extremo Esquerdo -
Avançado -

Restantes 12:
GR -
GR -
DEF -
DEF -
DEF -
MED -
MED -
MED -
EXT -
EXT -
AVA -
AVA -

PS - Para assegurar representatividade, cada país só poderá ter um máximo de 2 jogadores nos 23.

Sporting - Gélson Fernandes pode estar de saída de Alvalade. Segundo o jornal "Le Matin", o jogador deverá regressar ao Sion. "Está tudo acertado com o jogador. E com o Sporting as coisas avançam, mesmo com a chegada do novo treinador", afirmou ao jornal o presidente do Sion, Christian Constantin. VM - Com alguma naturalidade, alguns elementos do plantel principal do Sporting vão abandonar Alvalade em Janeiro (ler aqui). Gelson, Schaars, Elias, Capel, Jeffren, Xandão, estão claramente na linha da frente (certamente não vão sair todos, mas deviam, no entanto um ao outro deverá seguir viagem). No caso de uma eventual saída do internacional suíço, será uma excelente oportunidade para a promoção de Zezinho, jovem que na equipa B tem ocupado a mesma posição, mas que além da capacidade física acrescenta uma técnica muito superior. Deverá o Sporting dispensar Gelson?

FC Porto - De acordo com o site Tuttomercato, os dragões estão interessados em John Pajoy, colombiano de 23 anos. O extremo esquerdo que joga no Atlético Nacional, do campeonato da Colômbia, está igualmente na mira do Génova e Valencia. VM - Falta um extremo ao elenco portista. Varela e James são os titulares, Atsu é a alternativa, mas em Janeiro deverá estar na CAN e como tal, deixará uma lacuna nas opções de Vítor Pereira (poderia ser uma boa oportunidade para Kelvin e Iturbe terem minutos e conseguirem o seu espaço, mas a verdade é que os 2 jovens quando foram chamados esta época desiludiram, e nesta fase parecem necessitar mais de serem emprestados e evoluírem do que continuarem numa condição de suplentes/bancada).

Ricardo - O guarda-redes da Académica, integra a lista de pré-convocados de Paulo Bento para o encontro frente ao Gabão, marcado para 14 de novembro. VM - Não surpreende, já que o guardião tem rubricado excelentes exibições no último mês e meio. Aliás, considerando que é um amigável, os 3 guarda-redes convocados deviam ser Ricardo (Académica), Ricardo Ribeiro (Moreirense) e Mário Felgueiras (Cluj). Este encontro devia servir para testar novos esquemas tácticos e principalmente, dar oportunidades a novos jogadores.

Argentina - Garay, Enzo Pérez, Salvio (Benfica), Rojo e Rinaudo (Sporting) foram convocados para o amigável frente à Arábia Saudita.

Reading 5-7 Arsenal - Os Gunners perdiam por 4-0 aos 40m, alguns adeptos do Arsenal chegaram a abandonar o estádio ainda antes do intervalo, mas os londrinos chegaram ao empate ainda nos 90m e depois bateram o Reading no prolongamento. Incrível, que grande espectáculo na Taça da Liga de Inglaterra. Golos: Jason Roberts 12´, Koscielny 18´a.g., Leigertwood 20´, Hunt 37´e Pogrebnyak 116´; Walcott 45´e 90´e 120´, Giroud 64´, Koscielny 89´e Chamakh 103´ e 120´.

NBA - Excelente começo de temporada, com um encontro de grande nível entre Miami Heat e Boston Celtics. Os campeões em título venceram por 120-107, numa partida com altas percentagens de lançamento. Ray Allen castigou a sua antiga equipa, com 19 pontos vindos do banco, enquanto Bosh ressurgiu em bom nível no 4º período (LeBron esteve de fora nos últimos 12 minutos, por lesão). Do lado dos Celtics, Leandro Barbosa apareceu em grande nível na fase decisiva (16 pts todos no último quarto), recolocou a equipa de Boston no jogo, mas Paul Pierce e Garnett falharam. Dwyane Wade acabou a partida com 29 pts e Rondo fez 20 pts, 7 ressaltos e 13 assistências; Os Cleveland Cavaliers derrotaram os Wizards por 94-84: Anderson Varejão e Kyrie Irving começaram a temporada da melhor maneira. O brasileiro marcou 9 pts, 23 reb (12 ofensivos) e 9 ast (recorde pessoal de ressaltos e assistências), enquanto o base liderou os Cavs com 29 pts (11-20 em lançamentos); Por último os Lakers perdem em LA frente aos Dallas por 91-99. Dwight Howard (19 pontos e 10 ressaltos), Pau Gasol (23 pontos, 13 ressaltos e 6 assistências), Steve Nash (péssima exibição) e Kobe Bryant (22 pontos) não conseguiram travar os Mavericks, que mesmo sem a dupla alemã: Dirk-Kaman, contou com excelentes exibições de Elton Brand (8 pontos e 11 ressaltos), Brandan Wright (14 pontos e 5 ressaltos), Shawn Marion (11 pontos e 9 ressaltos) e Darren Collison (17 pontos, 4 assistências e 3 roubos de bola). Principais destaques?

30 de outubro de 2012

Hoje, e antes de irmos para a semana da NFL, vamos falar das trocas de jogadores. A data de fecho do mercado foi alterada por causa do furacão Sandy, sendo agora na Quinta-Feira. Posto isto, os clubes têm até lá para mexer nos seus plantéis. Há que ter noção que este mercado é diferente do da NBA. As organizações das ligas são parecidas, apenas as características dos campeonatos é que são distintas.

O draft tem uma importância maior na NFL do que tem na NBA. O esquema de trades tem menor importância. Isto porque o nível dos jogadores que todos os anos se apresentam vindo das universidades para entrar na liga é altíssimo, mais alto ainda que o da NBA. Certas universidades têm basicamente equipas profissionais de futebol, utilizando milhões e milhões de dólares que ganham com contractos publicitários e de televisão e dinheiro de bilheteira para criar instalações e programas de desenvolvimento de atletas do melhor que há no mundo. Não é complicado encontrar treinadores de universidades a ganhar 5 milhões de dólares por ano. Ora, mesmo com a intensidade, ritmo e rigor táctico menores que os da NFL, a liga da NCAA é fortíssima. Por isso é que referimos frequentemente o problema de futuro dos Saints. O franchise perdeu as escolhas do draft para este ano e para o próximo. O facto de ser das melhores equipas não é demasiado importante. Os Giants, vencedores do Superbowl no ano passado, tiveram este ano 7 escolhas de draft.

O draft da NFL é enorme e tem um nível altíssimo, e o sucesso de muitas equipas pode depender da qualidade de trabalho que fazem na prospecção. Se Peyton Manning foi a 1ª escolha do draft no seu ano, Tom Brady foi a escolha 199 do seu. Assim as equipas trabalham no draft e na pré-época para finalizarem os seus plantéis de modo a não terem de executar mais ajustes. E como o nível é tão bom, não há necessidade de se porem a salivar pelos jogadores dos outros. Apenas há que fazer um bom trabalho na enorme pré-temporada de modo a que a época, que é curta, corra sem sobressaltos.

Ainda assim, nesta semana de fecho de mercado têm surgido rumores de alguns jogadores que querem sair dos seus clubes, ou clubes que se querem ver livres de determinados jogadores. Vamos pontá-los e definir os melhores destinos para eles.
- Steven Jackson, Rams: O RB quer sair de um clube onde ainda não teve sucesso. Aliás, apesar da sua enorem produtividade, Jackson ainda não tem qualquer feito relevante na liga. Em Green Bay encaixaria que nem uma luva. Daria a Rodgers uma rede de segurança e uma nova dimensão ao ataque que tornaria a equipa dos Packers ainda mais perigosa.
- Deangelo Williams, Panthers: Outro RB que estará de saída do seu clube. Tal como Jackson, Williams tem sido um jogador de grande produção na liga. Tal como Jackson, já não vai para novo. Visto a diminuição significativa da sua produção os Panthers querem despachá-lo. Denver poderia ter aqui uma oportunidade boa de acrescentar ainda mais valor a uma equipa que está a chegar a um nível de elite.
- Dwayne Bowe, Chiefs: Um dos melhores receivers da liga no ano passado já não quer mais estar no pior clube da NFL esta época. Miami, que tem feito uma época inesperadamente boa, ficava com uma unidade ofensiva mais completa com este talentoso jogador.
Passamos agora para a semana 8 da NFL.

Melhores equipas:
- Atlanta Falcons: A única equipa que se mantém imbatível. Na época regular é até agora sem dúvida a melhor equipa. Têm mostrado uma consistência impressionante. Todas as fases do jogo dos Falcons merecem reconhecimento, mas é o ataque que vamos hoje focar. Dirk Koetter, novo coordenador ofensivo, para ter tornado uma unidade ofensiva talentosa numa arma de destruição maciça. Esta semana defrontaram 2 CB de topo na defesa do Eagles. Previa-se a possibilidade de White e Jones, os 2 principais receivers, tivessem cobertos e limitassem em demasia as opções de Matt Ryan. Jones fez um grande jogo, mas o destaque vai para o número de jogadores para quem Ryan completou passes. 7. Para além de talento e qualidade, os Falcons são versáteis.
- Denver Broncos: Torna-se redundante dizer que Peyton Manning está a aproximar-se do nível que conhecemos dele. Já lá está. É só uma questão de conhecer bem a sua unidade ofensiva. O que devemos pensar agora é: com o melhor Manning, até onde podem ir os Broncos? Superbowl. Houston tem muita qualidade, mas não acreditamos que chegue para dar o salto. Esta equipa já perdeu com Patriots e Texans, é certo, mas com a parte mais difícil de um calendário complicado ultrapassada, Denver não terá dificuldade em ganhar a divisão. Podem inclusivamente concentrar-se em tentar garantir a vantagem de terem os jogos do playoff a serem disputados em altitude.
- New England Patriots: Se Belichik conseguir que os Pats apareçam todas as semanas com esta postura, ele será treinador no Superbowl. É simples. Brady desfez a boa defesa dos Rams e demonstrou para
quem quis ver que continua para as curvas.

Melhores exibições:
- Defesa dos Bears (outra vez): Depois de uma fraca exibição de Cutler, coube à defesa gerir a situação de modo a que a equipa fosse tendo hipóteses de ganhar. A verdade é que na última jogada bastava um
pontapé para Chicago ganhar. Cutler subiu o nível, mas deve agradecer a uma das melhores unidades defensivas da liga por ter essa chance.
- Alex Smith: Os 49ers dominaram por completo uns desgraçados Cardinals. Apesar de receber pouco crédito, Smith tem feito uma época sólida, e não sendo um QB de elite, comete muito poucos erros. É o ideal para uma equipa com um grande jogo pelo chão e a melhor defesa da liga. Smith bateu o record de passes feitos com apenas um falhado. A sua estatística esta semana foi de 18 passes completos em 19 tentados, 232 jardas, 3 TD e zero Turnovers. Perfeito para uma equipa como os 49ers.
- Doug Martin: Com 135 jardas corridas e 79 recebidas, o RB dos Bucaneers representa o lado bom da equipa. O rookie rebentou a defesa de Minnesota. Os Vikings já deixaram de surpreender e já todos os levam a sério. Christian Ponder não é assim tão bom. Mas Doug Martin? O potencial é infinito, a consistência não. Se conseguirem manter um bom nível, a equipa de Tampa ainda pode fazer uma boa temporada.

Maiores desgraças:
- Atitude dos Giants: É a única equipa da liga que consegue desligar durante um jogo e ligar outra vez. É provavelmente a equipa que mais armas tem nas diferentes fases do jogo. Talvez seja a melhor equipa da liga. Mas os Giants não podem ganhar uma vantagem de 23 pontos e deixá-la ir embora em pouco mais de um período. Vou começar a atribuir 2 lambadas nestas desgraças. Os Giants levam as 2 esta semana.
- Ataque dos Chargers: 6 pontos aos Cleveland Browns. Sim, os Browns não são assim tão maus. Sim tem miúdos com talento e uma defesa rija. Sim, o ataque dos Chargers é péssimo.
- New York Jets: Uma semana depois de nós os elogiarmos aqui, os Jets contam uma anedota em forma de jogo. Sempre dissemos que não tinham talento mas que por vezes tinham boa atitude. Quando nem atitude têm, os Jets são a pior equipa da liga.

Luís Figueiredo

Inicia-se hoje de madrugada a temporada 2012/13 da NBA, uma das competições mais emocionantes e apaixonantes do desporto planetário, capaz de atrair fãs de basquetebol, mas não só. Miami parte com vontade de renovar o título, comandado por LeBron James, o mais completo jogador da actualidade. Terá feroz competição dos renovados Lakers, e dos jovens Thunder, finalistas vencidos na última edição. É o ano do regresso do desporto a Brooklin, das esperanças de Knicks e Clippers (no papel, dos poucos franchises com arsenal para fazer frente aos favoritos), da experiência Jennings-Ellis, da redenção dos Bobcats. Todos a postos para mais uma época fantástica!!

Histórias a seguir na temporada

Super-equipas: estão mais na moda do que nunca. Desde super-estrelas que se juntam, até veteranos que aceitam papéis secundários, o que está a dar é acumular jogadores de excelência. Miami possui 3 jogadores que por si só seriam figuras centrais (James, Wade e Bosh), ao que juntaram um dos Boston Big-3 (Allen); os Lakers adicionaram à dupla Kobe-Gasol um dos melhores bases da última década (Nash) e o melhor poste da liga (Howard), tendo ainda o All-Star Jaminson como 6º jogador. Depois há ainda as constelações menores, como os Knicks (Carmelo + Amare), Clippers (Paul + Griffin) e Nets (Johnson + D-Will). Já os Celtics trocaram o seu Big 3 + 1 por Rondo + 2, enquanto que os Thunder viram um dos seus três mosqueteiros ir fazer dueto com Jeremy Lin no texas.

Flopping: este ano a Liga promete luta aos floppers, e sanções para quem simular faltas e ou agressões. Multas para os prevaricadores e suspensões para os mais reincidentes são as sanções a aplicar a quem tentar (e conseguir) desvirtuar o jogo através de simulações. Dado o elevado número de seguidores de Vlad Divac na NBA, a coisa promete ser animada...

David Stern: o Comissário anunciou a sua retirada do cargo para 2014. É e será uma figura incontornável da História da NBA, respeitado e odiado, tanto por jogadores (como na questão das novas bolas ou do código de vestuário, para não falar nas negociações de contratos colectivos) como por adeptos, falamos de um senhor que é acusado de manipular drafts e resultados em favor dos mais fortes, mas que por outro lado é elogiado por ter transformado a NBA num produto vendido à escala mundial. No seu reinado a Liga de Basquetebol adicionou a componente espectáculo à competição em si, sendo que uma das suas bandeiras foi o combate à violência (a pancadaria Indiana-Detroit foi fortemente punida), que se traduziram em regras como proibição de sair do banco durante altercações, suspensão por acumulação de faltas técnicas, bem como diversas outras recomendações aos árbitros de modo a que o jogo fosse menos duro.

Free Agents: parece incrível, mas ainda nem a época começou e já há quem faça contas ao defeso de 2013. Parte da temporada vai ser passada a falar dos possíveis Free Agents de 2013, e do que fazem durante o ano, quer em termos desportivos quer em termos de negociação de cnotratos. Não faltam nomes sonantes como Dwight Howard, Chris Paul, Josh Smith, James Harden, ou Al Jefferson. Estes jogadores e respectivas equipas (mais os potenciais interessados) vão ser devidamente acompanhados, com muita especulação à mistura.

Jogos da noite

Boston @Miami: Noite de festa em Miami, com a celebração do título conquistado o ano passado. O Rei e os seus escudeiros vão receber o ansiado anel, e a bandeira dos campeões Heat será hasteada até ao topo do pavilhão. Os "cabeçudos" são os Boston Celtics, um dos maiores rivais e opositores dos Heat no Este. Será a estreia de Ray Allen pelos Heat, depois de sair de Boston. Embora seja o primeiro de 82 jogos, ambas as esquadras querem marcar uma posição de força.
Dallas @LA Lakers: Os amarelos de Hollywood perderam todos os jogos da pré-temporada. Os Mavericks perderam Dirk Nowitzki e Chris Kaman (e também Delonte West, corrido após demasiados problemas disciplinares). Bem vistas as coisas, a pré-temporada foi mais positiva para os homens da casa, não? Howard e Nash fazem a sua estreia pelo Laker-show, enquanto que Kobe está em dúvida. É a prova de fogo para os reforços daquele que é considerado o melhor cinco inicial da NBA. Mesmo sem Mamba a 100%, favoritismo total para os Lakers, perante os desfalcados Mavs.
Washington @Cleveland: Nem só de grandes jogos se faz a NBA, por isso... Kyrie Irving lidera uns Cavs na máxima força perante uns Wizards sem John Wall, e com Nene em dúvida. Destaque para a estreia de Bradley Beal e Dion Waiters. Cleveland tem aqui uma chance de terminar a noite a figurar na tabela com recorde positivo, algo que deve ser raro este ano.

Trades
O defeso da NBA costuma ser pródigo em trocas de jogadores. Tudo entra num frenesim digno de um mercado marroquino, desde equipas que se querem reforçar a qualquer custo, até às que pretendem despachar indesejados. Depois há as que ficam mais fracas desportivamente, a troco de poupar dinheiro, ou as que aceitam contratos de último ano, na expectativa de libertarem a sua folha para que possam contratar os jogadores que realmente pretendem. Seguem-se algumas das mais relevantes trocas do defeso:

1) Kyle Lowry (Toronto-Houston): Houston transformou-se numa feira da ladra, e os Raptors aproveitaram para ir às compras. Adquiriram um base de elevado nível, sem que tivessem que dar muito em troca.
2) Marvin Williams e Devin Harris (Utah-Atlanta): Utah recebe o jogador que antecedeu a sua escolha de draft, Deron Williams, na expectativa de resolver os seus problemas de perímetro, no ataque e na defesa. Atlanta recebe um bom suplente, com um contrato a expirar. Todos ficam felizes, pelo menos por enquanto.
3) Ryan Anderson e Gustavo Ayon (New Orleans-Orlando): o most improved vai emparelhar com o futuro rookie do ano, numa sign and trade que enviou o mexicano Ayon para Orlando. Anderson pretende mostrar o que evoluiu, e a sua (pouca) defesa deve ser mascarada pelo potente jogo defensivo que se espera de Anthiny Davis. Já Ayon, vai novamente sentir o que é fazer parte de uma equipa perdedora...
4) Ariza, Okafor e Rashard Lewis (Washington-New Orleans): uma das trocas menos mediáticas, mas que deu aos Wizards a qualidade e experiência que simplesmente não possuíam  Em troca, o "inútil" Lewis, que entretanto já aterrou em Miami, onde vai bater palmas a LeBron, e marcar uns pontitos de quando em vez.
5) Mo Williams (Utah-Clippers): troca no dia de draft, em que os Jazz recebem um bom base (ainda que longe de ser elite) em troca de nada...
6) Lamar Odom (LA Clippers-Dallas): os Clippers recebem o regressado Odom, vindo da sua pior temporada de sempre. Tomando em consideração que não deram nada em troca, e que o sr. kardashian se dá bem com os ares de Los Angeles, acaba por ser um excelente negócio.
7) Joe Johnson (Atlanta-Brooklyn): os Nets recebem um marcador de pontos que consideram um bom complemento a Deron, enquanto que os Hawks se libertam de um contrato devastador.
8) James Harden e Kevin Martin (Houston-Oklahoma): a última troca foi das mais inesperadas e importante do defeso. Os Thunder vêem quebrado o seu big-3, enquanto que Harden verá cumprido o seu desejo de um contrato máximo e de uma posição hierárquica superior. Resta saber se ele, com a companhia de Lin, Asik e pouco mais, consegue levar os Rockets ás vitórias.
9) Steve Nash (LA Lakers-Phoenix): LA recebe um base de elite, Nash recebe a possibilidade de alcançar o merecido anel, Phoenix recebe escolhas de draft que provavelmente darão em nada (ou serão usadas em futuros negócios). Considerando que Nash podia ter saído a troco de nada, nem correu mal para as partes envolvidas.
10) Dwight Howard, Iguodala, Bynum e Cia (LA Lakers, Denver, Orlando e Philadelfia): no negócio do ano, no papel todos ficaram mais fortes (à excepção dos Magic, mas também essa não era a ideia). A peça central, o prémio do defeso, Dwight Howard fez cumprir a sua vontade, e vai emparelhar com Kobe, Gasol e Nash. Howard espera tornar-se um jogador de estatuto especial, na linha de Kareem e Shaq, e a sua relação com as restantes estrelas da companhia vai ser uma das histórias a seguir.

Quem vai sagrar-se campeão da NBA? Quem vai chegar à final? Poderão Lakers e Thunder impedir os Heat de repetirem o título? Terão os Heat adversário à altura na Conferência Este? Que papel terão Spurs e Celtics nesta temporada? O que poderão fazer Clippers e Knicks? Que equipa poderá surpreender os principais favoritos? Quem equipas irão melhor em relação à temporada anterior? Quem se reforçou melhor? Quem vai ganhar os prémios individuais (MVP, MIP, rookie, defensor do ano, 6º jogador e treinador)?

Nuno Ranito

Como capitão da selecção Argentina, e como não pode dar pontos a si próprio, Messi confessou à revista francesa France Football que irá votar em Xavi, Iniesta e Kun Aguero para a Bola de Ouro 2012. Concorda com as nomeações do Bota de Ouro (recebeu ontem o troféu referente à época 2011-12)? Até que ponto este prémio de melhor jogador do Mundo acaba por perder prestígio com este tipo de votações (já as de Casillas correspondem pouco ao que se passou no último ano, por exemplo Xavi fez a sua pior época dos últimos 6/7 anos e inclusive no Euro, à excepção do jogo da final, foi o elemento mais fraco da Espanha, fez por exemplo uma competição muito inferior a Sérgio Ramos, Busquets, Xabi Alonso e Fabregas).

Os principais campeonatos já estão em andamento há bastantes jornadas e ainda resta uma equipa 100% vitoriosa. Bayern Munique (1-2 frente ao Bayer Leverkusen) e Olympiakos (2-2 contra o Aris) foram travados, restando o Shakhtar Donetsk. A equipa ucraniana segue imparável em todas as frentes e apenas não ganhou na deslocação a Turim (1-1 frente à Juventus).            

O tri-campeão ucraniano segue com 13 jogos, 13 vitórias e 12 pontos de vantagem para o Dnipro na Premier-Liha (14 para o Dínamo de Kiev e 15 para o Metalist). Mircea Lucescu construiu um conjunto bastante forte, com uma mistura de ucranianos (na defesa) e brasileiros (do meio campo para a frente). Para além desta mescla, Darijo Srna, Hubschman, Eduardo, Rat e Mkhitaryan acrescentam muita qualidade ao jogo do Shakhtar. Depois de um ano de afirmação, o médio ofensivo arménio explodiu neste início de temporada e já leva 14 golos em 13 jogos para o campeonato. No apoio a Mkhitaryan estão os brasileiros Fernandinho, Alex Teixeira, Willian, Ilsinho, Luiz Adriano e Douglas Costa (não jogam os 6 ao mesmo tempo, claro). Através dos jogos da Liga dos Campeões e Liga Europa (quando o Shakhtar a conquistou em 2008-09), pudemos observar a classe e qualidade dos elementos sul-americanos (muita qualidade técnica, virtuosismo e capacidade de desequilíbrio, algo que falta aos jogadores ucranianos). Entre os ucranianos, Pyatov assegura segurança na baliza, Rakitskiy é o líder da defesa (Chygrynskiy, Kryvtsov e Kucher têm alterado entre si no centro da defesa), Shevchuk tem feito rotatividade na esquerda com Rat e Stepanenko tem sido o médio mais recuado.

Mais do que qualidade do plantel, o que impressiona no Shakhtar têm sido os resultados alcançados no campeonato. Em apenas 13 jogos, a equipa de Donetsk marcou 39 golos e sofreu apenas 6 (diferença de 33), derrotando as 3 equipas mais fortes da Ucrânia. O Dinamo de Kiev já perdeu duas vezes em Donetsk (3-1 para o campeonato e 4-1 para a Taça), o Dnipro também não resistiu na Donbass Arena (2-1) e o Metalist foi derrotado pelo Shakhtar no próprio terreno (0-2). Faltam apenas duas partidas para terminar a 1ª volta (contra o último classificado e o derby de Donetsk) e já se sonha com nova conquista da Liga (seria o tetra-campeonato) e sem derrotas, à semelhança da temporada 2001-02 (o Dínamo de Kiev já conseguiu esse feito por duas ocasiões, em 1999-2000 e 2006-07).

Quem poderá travar a campanha do Shakhtar? Poderão os ucranianos chegar longe na Liga dos Campeões (já bateram o pé ao Chelsea e quase ganhavam em Turim)? Quem são os grandes destaques individuais do conjunto de Lucescu? Poderá algum grande europeu "pescar" em Donetsk ou o Shakhtar oferece garantias de sucesso desportivo e financeiro ao nível dos principais campeonatos?

Notável a integração e afirmação de Éder no Braga. Tarefa complicada a de substituir Lima (talvez o melhor avançado da história dos gverreiros), ainda para mais, considerando a diferença de ambições (saltar da Académica para um clube que participa na Liga dos Campeões). No entanto, até ao momento, o internacional português não só fez esquecer o actual avançado do Benfica como está a ter um impacto incrível no conjunto minhoto. É o melhor marcador da Liga com 6 golos e uma média impressionante de 1 golo marcado a cada 73m (a média de Jackson é de 1 golo a cada 103m), na Liga dos Campeões, apesar de ainda não ter facturado já conta com 3 assistências (juntamente com Luiz Adriano lidera a tabela à frente de Messi, Rooney e Benzema), e tem revelado uma enorme capacidade física e de explosão (a maneira como evolui no último ano e meio é impressionante: em termos técnicos, jogo de área e capacidade de segurar a bola e esperar pelos apoio). A verdade, é que tanto no apoio aos restantes companheiros através da sua capacidade de luta, como nos lances aéreos, como nas oportunidades que cria para si e para a equipa, o português tem surpreendido todos aqueles que duvidavam que faria esquecer Lima, e tem acumulado exibições de um nível surpreendente (sozinho calou Old Trafford em alguns lances e tem sido uma peça fundamental na campanha que o Braga tem realizado esta época). Em suma, mais um excelente exemplo da boa politica de mercado do Braga: comprar barato ou de borla, de preferência na Liga portuguesa, potenciar, valorizar e realizar um bom encaixe financeiro. Noutro âmbito, será interessante perceber que impacto poderá ter na selecção nacional (há muito que os adeptos ambicionam por um avançado que seja não só goleador mas que consiga impor a sua capacidade física e presença na área adversária). É que, desde que Pauleta se retirou, que a selecção tem sido criticada pela falta de qualidade na sua frente mais avançada (Postiga tem vindo a cumprir, mas é e será sempre um mal amado). Muitos depositam as suas esperanças no jovem Nelson Oliveira e se tiver treinadores que apostem nele (nos clubes e na selecção, com certeza irá corresponder com boas exibições e golos. Mas pelo potencial que demonstrou ao serviço da Briosa e pela qualidade e atitude competitiva que tem evidenciado, parece tudo lançado para que este atleta de 24 anos e 1m88 tenha uma carreira de mais visibilidade (completa 25 anos ainda este ano) e de maiores sucessos não só no Braga como ao serviço de Portugal. Conseguirá Éder vingar na selecção? Tem qualidade para jogar num clube de maiores ambições? Poderemos ver Portugal actuar num 4x4x2, com Eder e Nelson Oliveira na frente? Mão de José Peseiro neste sucesso? Forte candidato ao prémio de melhor marcador da Liga? Como se explica esta capacidade do Braga em contratar (bem e barato) na I Liga (Éder chegou a custo zero, e já Lima tinha sido adquirido por um valor insignificante)?

Visão do leitor : Ricardo Fonseca

A um dia do início da nova temporada as equipas dão os últimos retoques nos planteis, em trocas, mas principalmente em dispensas (as waivers). Mas se uns saem, outros entram, e este é o caso dos jovens que fazem a sua estreia na NBA: os rookies. Os jogadores de 1º ano, escolhidos no draft (pelo menos a maioria), entram nas suas equipas com aspirações e responsabilidades diferentes; de uns espera-se rendimento elevado e de imediato, a outros dá-se o tempo necessário para se habituarem à dureza da NBA, uns serão figuras centrais, outros terão como objectivo chegar a jogadores de segunda linha (os ditos role players). Uns viverão à medida das expectativas, outros irão passar parte do ano a penar na D-League, e depois há sempre aqueles que surpreendem pela sua rápida adaptação. Seguem-se alguns rookies a seguir durante o ano:

1) Anthony Davis (NOH): É o candidato nº1 (e 2, e 3...) a rookie do ano. Diz-se que é um interior na linha dos grandes dominadores, tremendo defensor e ressaltador, com uma incrível capacidade de desarmar lançamentos. Ofensivamente não será tão poderoso como na defesa, mas a sua capacidade técnica e coordenação motora (que muitas vezes não acompanha os homens grandes) dá-lhe um arsenal a ter em conta. Será figura de proa dos Hornets já este ano, e dele não se espera menos que um poste top-5 daqui a 2/3, competindo de igual para igual com Dwight Howard e Bynum.
2) Damien Lillard (POR): se há jogador capaz de pôr em causa o troféu de Anthony Davis, é Lillard. Lillard é e será no futuro o base titular dos Blazers, e tomando em conta o cheirinho dado na pré-temporada, tem tudo para ombrear com os melhores na sua posição, que será mesmo aquela em que existe mais talento na Liga. Lillard irá marcar muitos pontos e distribuir a bola ao seu poste, Aldridge. Embora Lillard por si só não pareça ter a capacidade de colocar os Blazers nos oito primeiros, é certo que fará uma época de qualidade, e os seus números, acompanhados de um total de votórias acima do esperado, podem colocá-lo perto de Davis para e escolha do melhor do ano.
3) Michael Kidd-Gilchrist (CHA): a escolha nº2 entra na Liga como um jogador de enorme potencial, mas com o óbice de jogar naquela que foi, e provavelmente será, a pior equipa da NBA. Muitos jogadores se perderam na mediocridade geral que os rodeia, aspirados pelas derrotas sucessivas e pela consequente desmotivação. Gilchrist terá a "honra" de ser o melhor jogador da equipa, e será o maior "iman" de talento no futuro da franchise. Ele entra como bom defensor (uma espécie de Geral Wallace), com capacidade de também fazer pontos no ataque. É possível que faça na números na casa dos 15/5, mas isso não será suficiente nem para ganhar prémio de rookie do ano, nem para tirar os Bobcats do buraco.
4) Jared Sullinger (BOS): o reforço dos Celtics preferiu ficar mais um ano a estudar do que ser uma escolha de topo no draft de 2011. Caiu imenso (21ª escolha), mas parece ter tudo para singrar na NBA, sendo que Boston parece ter conseguido um dos "roubos" do draft. Os Celtics estão um pouco rasos no jogo interior (Bass é algo limitado, e o veterano Garnett terá que fazer as vezes de poste), e Sullinger traz à mesa capacidade de luta e marcação de pontos nas zonas interiores, para lá de um certo poder de intimidação que faz sempre falta. Sullinger não entrará nas contas dos melhores rookies, nem dele se espera uma carreira ao nível da de Davis, mas ele parece capaz de contribuir muito, e já.
5) Jae Crowder (DAL): Crowder parece fadado para o prémio "Parsons 2012", um jogador escolhido no fundo do draft, mas que aparece como titular e acaba por fazer uma boa época. Crowder é um bom defensor (como Marion), não comete turnovers, ganha ressaltos, e até marca pontos (fez 10-19 no último jogo frente aos Thunder). Possuindo um bom lançamento e uma figura possante, Crowder parece ter tudo para entrar na rotação (até a inicial?) dos Mavericks, como opção secundária no ataque atrás de Dirk e Mayo.

Qual será o rookie ano? Anthony Davis vai confirmar as expectativas, ou Damien Lillard vai surpreender e roubar o troféu? Que rookie terá mais impacto já este ano? Qual o roubo do ano, e o flop do ano? Que outros rookies merecem ser seguidos com atenção?

Nuno Ranito

29 de outubro de 2012

Sporting 0-0 Académica

Oceano despediu-se do comando técnico do Sporting com um empate em casa frente à Académica (depois de 3 derrotas consecutivas). Os leões voltaram a apresentar um futebol miserável (mesmo a jogar em Alvalade só tiveram uma oportunidade de golo e já ao minuto 75) e agravaram ainda mais a crise que atravessam: já estão a 10 pontos dos líderes, a 7 do Braga, só somam duas vitórias em 13 jogos, e apenas apontaram 5 golos na Liga (2º pior ataque). Já a Briosa (que não soube aproveitar algumas transições e o mau momento leonino, principalmente na 2ª parte quando foi superior ao Sporting), cumpriu defensivamente (o principal objectivo dos estudantes) e voltou a "roubar" pontos a um "grande" neste campeonato (à semelhança do que tinha acontecido em 2011-12 a Académica esta época já tirou pontos a Benfica e Sporting). Nota para as exibições de Viola (raramente decidiu bem, mas foi dos mais interventivos), Cleyton  (emprestou muita entrega e técnica ao jogo da Académica), Schaars (um dos piores em campo, só atitude não chega), Marinho (proporcionou a Patrício a defesa da noite), e para a generalidade da equipa leonina (Vercauteren terá de fazer milagres, pois com jogadores tão banais ao nível da recepção, passe, poder de decisão, capacidade de desequilíbrio e leitura de jogo será complicado contrariar esta maré). Destaques?

No dia 29 de Novembro de 2012, a FIFA e a “France Football” vão anunciar os três finalistas, sendo os vencedores anunciados a 7 de Janeiro de 2013. Lista final de dez treinadores candidatos a melhor do ano: Vicente del Bosque (Espanha), Roberto Di Matteo (Itália/Chelsea), Alex Ferguson (Escócia/Manchester United), Pep Guardiola (Espanha/ex-Barcelona), Jupp Heynckes (Alemanha/Bayern), Jürgen Klopp (Alemanha/Borussia Dortmund), Joachim Löw (Alemanha), Roberto Mancini (Itália/Manchester City), José Mourinho (Portugal/Real Madrid) e Cesare Prandelli (Itália). VM -  Surpreende a ausência de Simeone (vencedor da Liga Europa e Supertaça europeia) e Conte (venceu a Série A sem derrotas), pois ambos (no caso do argentino quanto a nós até merecia um lugar no pódio final) fizeram uma época melhor que por exemplo Ferguson (humilhado nas competições europeias) ou Löw (desiludiu no Euro 2012, aliás não fez sequer melhor que Paulo Bento). Quem foi o melhor treinador do Mundo em 2012: o vencedor do Euro, da Liga dos Campeões, da La Liga, da Premier League, da Taça do Rei ou da Bundesliga (a verdade é que é complicado encontrar alguma unanimidade neste prémio, pois não houve um destaque evidente)?

Lista dos 23 candidatos à Bola de Ouro 2012:

Real Madrid: Benzema, Ronaldo, Sérgio Ramos, Ozil, Xabi Alonso e Casillas;
Barcelona: Busquets, Iniesta, Xavi, Piqué e Messi
Manchester City: Sergio Agüero, Mario Balotelli e Yaya Touré
Juventus: Buffon e Pirlo;
Didier Drogba (Costa do Marfim/Chelsea e Shanghai Shenhua)
Radamel Falcao (Colômbia/Atlético Madrid)
Zlatan Ibrahimovic (Suécia/Milan e PSG)
Manuel Neuer (Alemanha/Bayern)
Neymar (Brasil/Santos)
Wayne Rooney (Inglaterra/Manchester United)
Robin van Persie (Holanda/Arsenal e Manchester United)

VM - É a lista para a Bola de Ouro cuja Liga dos Campeões tem menos peso: das equipas finalistas (Bayern e Chelsea) apenas estão presentes Neuer e Drogba. Destaque para a presença de 6 jogadores do Real Madrid (Casillas, Ramos, Alonso, Özil, Cristiano e Benzema) e (apenas, considerando as listas das últimas edições) cinco do Barcelona (Piqué, Busquets, Iniesta, Xavi, Messi). Em termos de selecções, a Espanha conta com 7 futebolistas,  Itália com 3, Alemanha, Argentina e Costa do Marfim com 2 (o que também é demonstrativo da menor força actual de países como a França e o Brasil). Por último, apesar de ser uma lista razoável (no passado ocorreram mais erros de casting), Piqué (apesar de a 100% ser na nossa opinião o melhor central do Mundo) pouco jogou em 2012, Balotelli (tem um potencial incrível mas) não foi sequer indiscutível no City, e Benzema (marcou menos que Higuain no Real e ) desiludiu no Euro 2012, não justificaram a presença entre os melhores do Ano.

No que diz respeito ao pódio final, não restam dúvidas que Iniesta, Ronaldo e Messi estarão presentes, já a ordem irá depender de critérios nem sempre claros (o sistema de votos, como Casillas provou, nem sempre obedecem à escolha do melhor em 2012 mas sim de interesses pouco evidentes). Em 2010 Sneijder venceu a Liga dos Campeões e foi à final do Mundial mas nem ficou no pódio, em 2011 Ronaldo foi Bota de Ouro mas a LC que o Barça venceu deu o título a Messi, este ano, pelos vistos a Liga dos Campeões já pouco conta, como tal, o critério (e sim devia ser a junção entre qualidade, época individual e títulos colectivos importantes) será sempre uma incógnita. Quem foi o melhor jogador do Mundo em 2012? Qual o Top5? E no que diz respeito à lista final quais os principais destaques (presenças e ausências)?

Sorteio da 4ª Eliminatória da Taça de Portugal (encontros agendados para 18 de Novembro  No entanto, o Benfica pediu antecipação para jogar a 15 ou 16, o Sp. Braga a 16 ou 17, o FC Porto a 17, assim como o Marítimo):

Moreirense-Benfica; Nacional-FC Porto; V. Setúbal-V. Guimarães; Paços Ferreira-Olhanense; Académica-Penalva Castelo; Pampilhosa-Sp. Braga; Arouca-Rio Ave; Farense-Beira Mar; Mirandela-Gil Vicente; Aguiar da Beira-Marítimo; UD Oliveirense-U. Leiria; Oliveira Hospital-Fabril Barreiro; Lourinhanense-Feirense; Aves-Coimbrões/Operário/Caldas; Tourizense-Santa Clara; Belenenses-Pedras Rubras. VM - Sorteio simpático para Académica (detentor do título) e Sp. Braga, a Briosa defronta uma equipa da III divisão, os minhotos um conjunto da II. Já FC Porto e Benfica vão disputar esta 4ª eliminatória diante de adversários "perigosos" (o Moreirense eliminou o Sporting na ronda anterior, enquanto que o Nacional apresenta um elenco para fechar a Liga no Top6). Destaque igualmente para os duelos entre Paços e Olhanense, e os 2 Vitória's. Prognósticos? 


Christian Atsu (FC Porto), Ola John (Benfica) e Lalkovic (V. Guimarães, emprestado pelo Chelsea) são os jogadores do campeonato português escolhidos para o prémio "Golden Boy 2012", troféu atribuído pelo jornal Tuttosport ao melhor jogador com menos de 21 anos a atuar na Europa. Na época passada, o jogador alemão do Borussia Dortmund, Mario Göetze, venceu o galardão à frente de Thiago Alcântara (Barcelona) e Eden Hazard (Lille), que se quedaram pelo 2.º e 3.º lugares.

Lista dos candidatos: Alaba (Bayern), Ananidze (Spartak Moscovo), Atsu (FC Porto), Bahebeck (Troyes), Campbell (Bétis), Castaignos (Twente), Koke e Courtois (Atlético Madrid), Coutinho (Inter), Deulofeu (Barcelona), Draxler (Schalke), Dudu (Dínamo Kiev), El Shaarawy (Milan), Eriksen (Ajax), Gotze (Dortmund), Guidetti (Manchester City), Isco (Málaga), Jesé (Real Madrid), Ola John (Benfica), Kadlec (Sparta Praga), Kovacic (Dínamo Zagreb) Lalkovic (V. Guimarães), Lamela (Roma), Locadia (PSV Eindhoven), Longo (Espanhol), Markovic (Partizan), Martins Indi (Feyenoord), Muniain (Athletic Bilbao), Musa (CSKA Moscovo), Obiang (Sampdoria), Oxlade Chamberlain (Arsenal), Ozdoev (Lokomotiv Moscovo), Pogba (Juventus), Salah (Basilea), Shelvey e Sterling (Liverpool), Varane (Real Madrid), Verratti (PSG), Xhaka (Monchegladbach)

VM - Se o critério principal para atribuir este prémio for o que o jogador rendeu em 2012 (ignorando a futurologia e o potencial), na nossa opinião, Isco foi o melhor jogador sub-21 no presente ano. O jovem do Málaga foi o elemento revelação na La Liga 2011-12 e está a dar nesta segunda metade do ano (inclusive na Liga dos Campeões) continuidade a esse bom momento. Courtois, importante na conquista da Liga Europa e Supertaça pelo Atlético, e Eriksen (decisivo em mais um título do Ajax), completam o nosso pódio. Alaba (apesar de ter feito uma excelente LC 2011-12, na 2ª metade do ano pouco jogou), Gotze (não esteve ao nível de 2011), e Muniain (nesta 2ª metade do ano está a ser menos influente) os outros nomes fortes desta lista, na nossa opinião não justificam o galardão. Destaque para as presenças de 3 elementos da nossa Liga (Atsu, Ola John e Lalkovic) nesta lista e para algumas imprecisões, a começar logo pelo elemento do Guimarães que pouco ou nada jogou em 2012 (mesmo elementos como Jesé, Deulofeu, apesar do enorme potencial que apresentam, ainda não actuam regularmente na 1ª divisão, e como tal, deveriam ter sido excluídos). Considerando apenas jogadores que nasceram em ou depois de 1992, qual foi o melhor jogador a actuar na Europa em 2012? Qual o seu Top5? E dentro destes critérios, qual o melhor português? 

Moto GP - Miguel Oliveira realizou a sua melhor prova da temporada em Moto 3, terminando o GP da Austrália na 2ª posição. O português esteve em grande destaque na prova, tendo passado pela liderança, mas o alemão Sandro Cortese (campeão) levou a melhor. Com este resultado, Miguel Oliveira subiu ao 7º lugar da classificação geral (7ª prova consecutiva a pontuar). Na prova principal, o dia foi de festa para Jorge Lorenzo. O espanhol classificou-se novamente no 2º lugar (atrás de Casey Stoner), pela 4ª prova consecutiva, o suficiente para se sagrar campeão pela 2ª vez na sua carreira. O espanhol beneficiou de uma queda de Dani Pedrosa. Marc Márquez sagrou-se campeão em Moto 2.

Ténis - Serena Williams venceu o Masters de final de época (pela 3ª vez), não cedendo qualquer set em Istambul. A norte-americana fechou com chave de ouro uma temporada de grande nível (Wimbledon em singulares e pares, US Open e JO em singulares e pares), numa final frente a Sharapova (6-3 e 6-4).

Liga ZON-Sagres - O Rio Ave derrotou o Nacional por 2-1 e subiu ao 4º lugar da tabela classificativa. Os vilacondenses estiveram a perder (Diego Barcellos aos 37´), mas João Tomás (60´g.p.) e Tarantini (89´) ofereceram a vitória à equipa de Nuno Espírito Santo.

II Liga - O Sporting B reforçou a liderança do campeonato, depois de bater o Braga B por 3-2. Os jovens leões beneficiaram do empate do Belenenses e da Oliveirense. João Mário (2´), Ricardo Esgaio (7´) e Rubio (45´) deram confortável vantagem ao Sporting B, com os jovens bracarenses a responderem no segundo tempo (Yazalde 55´e Manoel 88´). A Oliveirense empatou 2-2 frente à Naval (Banjai 59´e Hélder Silva 85´; Tozé Marreco 39´g.p. e João Martins 73´g.p.), enquanto o Belenenses também não fez melhor no terreno do Leixões (1-1: Tiago Borges 88´g.p.; Fernando Ferreira 21´g.p.). Marítimo B, Arouca e Penafiel subiram um lugar na geral, em troca com o Benfica B. Os jovens encarnados perderam em Penafiel por 2-1 (Diogo Viana 44´e Ferreira 90´+2; Miguel Rosa 62´), enquanto os madeirenses derrotaram o Freamunde por 1-0 (Kukula 11´). O Arouca goleou o Trofense por 4-0 (Joeano 52´, 88´g.p. e 90´+4 e Clemente 80´). Restantes resultados: Sp. Covilhã 1-0 Santa Clara (Ricardo Rocha 35´); Vit. Guimarães B 2-0 Feirense (Tiago Rodrigues 15´e 76´), Portimonense 0-0 U. Madeira; Atlético 2-1 Porto B (Ailton 62´e Hernâni 67; Sérgio Oliveira 73´); Desp. Aves 0-2 Tondela (Dyego Sousa 3´e Luís Aurélio 48´).

La Liga - O Real Madrid não quis ficar atrás do Barcelona e também saiu desta jornada com uma "manita". Os merengues não deram grandes hipóteses, com a dupla Higuain-CR7 a funcionar em pleno. O argentino bisou aos 8 e 70 minutos e o português bisou aos 22 e 73 minutos (Callejon fixou o resultado final aos 90´+1). Cristiano Ronaldo marcou pelo 8º jogo consecutivo pelo Real, batendo o seu recorde no clube. Quem está em grande forma é o Atl. Madrid, que somou a 8ª vitória consecutiva na Liga e não deixou fugir o Barcelona. Os colchoneros derrotaram o Osasuna por 3-1 (Miranda, Raul Garcia e Falcao; Lamah), com Falcao a marcar pelo 11º jogo consecutivo (Atlético e Colômbia). Hélder Postiga também está em forma, tal como o Saragoça, que derrotou o Sevilha por 2-1 (o português abriu o activo e Sapunaru marcou o 2º). Levante (3-1 ao Granada) e Getafe (vitória por 2-1 em Bilbao) continuam a realizar boas campanhas.

Bundesliga - O Bayern Munique foi finalmente travado na Liga Alemã. Os bávaros seguiam numa série de 8 vitórias consecutivas, mas foram surpreendidos em casa pelo Bayer Leverkusen. Os "farmacêuticos" conquistaram uma vitória no terreno do Bayern pela 1ª vez desde a queda do Muro de Berlim (1989). Kiessling adiantou os forasteiros aos 42 minutos, Mandzukic igualou aos 78 minutos, mas um auto-golo de Boateng aos 87 minutos ofereceu a vitória ao Bayer. Nos outros jogos do dia, Estugarda (2-1 ao Ein. Frankfurt) e Bor. Moechengladbach (3-2 em Hannover, depois de uma reviravolta entre os 70 e os 79 minutos) conquistaram vitórias importantes e que permitiram fugir aos lugares perigosos da classificação geral.

Ligue 1 - O Ol. Marselha-Ol. Lyon foi adiado devido ao forte vento na cidade do sul de França, enquanto nas outras duas partidas do dia houve espectáculo. O Lorient foi para o intervalo a perder por 4-1 frente ao Ajaccio, mas chegou à igualdade em cima dos 90 minutos. Em Bastia, a equipa da casa bateu o Bordéus por 3-1, na primeira derrota dos forasteiros na liga.

Serie A - A Juventus continua na liderança da Liga Italiana, depois de derrotar o Catania por 1-0. O único golo da partida foi marcado por Arturo Vidal aos 57 minutos. Na perseguição seguem o Nápoles (1-0 ao Chievo) e o Inter (3-1 em Bolonha). A AS Roma esteve a vencer a Udinese por 2-0 (bis de Lamela), mas deixou-se surpreender e permitiu a reviravolta (Domizzi e bis de Di Natale). A Fiorentina derrotou a Lazio por 2-0 e subiu ao 5º lugar. Pescara e Atalanta empataram 0-0, enquanto o Torino perdeu em casa frente ao Parma (1-3) e a Sampdoria cedeu perante o Cagliari (0-1).

Fórmula 1 - Sebastian Vettel venceu o GP da Índia e aumentou a vantagem na frente para Fernando Alonso (2º classificado). O piloto alemão conquistou a 4ª prova consecutiva, enquanto o seu colega de equipa, Mark Webber fechou o pódio. Alonso está agora a 13 pontos de Vettel, quando faltam 3 provas para terminar a temporada.

28 de outubro de 2012

Estoril 1-2 FC Porto (Steven Vitória 10´; Varela 57´e Jackson Martínez 60´)


O FC Porto igualou o Benfica no topo da Liga ZON-Sagres, depois de conquistar uma vitória complicada na deslocação ao Estoril. A equipa da casa ganhou vantagem, mas Jackson Martínez foi peça chave na reviravolta portista no segundo tempo. O colombiano tem feito um excelente arranque de temporada e já leva 9 golos nos primeiros 11 jogos pelo FC Porto.

O primeiro sinal de perigo foi para os dragões, num cruzamento de Varela, que embateu na trave da baliza de Vagner. Na resposta, o Estoril chegou ao 1-0. Pontapé de canto, cabeceamento de Licá ao poste e recarga certeira de Steven Vitória. Os dragões tentaram reagir, mas o meio campo do Estoril não estava a deixar o FC Porto jogar. Varela teve oportunidade de chegar ao empate, num cabeceamento, contudo, Vagner respondeu com uma boa intervenção. Pouco tempo depois, foi Otamendi a desperdiçar de forma incrível o empate. Jackson Martínez assistiu o argentino, que a um metro da linha de golo, rematou contra o poste. Até ao intervalo, foi o Estoril a ficar próximo do golo. Licá, em excelente posição, cabeceou para fora. No início do segundo tempo, Jefferson rematou forte para defesa fácil de Helton e James Rodriguez fez o mesmo, para defesa de Vagner. O FC Porto estava a conseguir empurrar o Estoril para trás e chegou mesmo ao golo. Jogada de Jackson e cabeceamento certeiro de Varela. Pouco tempo depois, foi o colombiano a marcar. Livre de João Moutinho e desvio certeiro de Jackson, para o fundo da baliza de Vagner. O Estoril tentou reagir, mas foi incapaz de criar perigo, enquanto os dragões ficaram mais próximo do 1-3 (Jackson falhou uma excelente oportunidade, entre outros lances). 

Destaques:

Estoril - Boa primeira parte da equipa de Marco Silva, com excelente atitude no meio campo (agressividade e pressão sobre o portador da bola, nomeadamente Diogo Amado e Gonçalo) e segurança na defesa. Falharam mesmo as saídas para o ataque, pois Helton foi um espectador (a equipa da linha de Cascais marcou um golo e só criou perigo noutro lance).

FC Porto - Grande passividade no lance do golo do Estoril (2 golos sofridos de pontapé de canto em dois jogos consecutivos) e alguma lentidão de processos. Mas quem tem Jackson Martínez parece ter tudo. O colombiano liderou a reviravolta azul e branca e não deixou escapar o Benfica na liderança isolada.

Jackson Martínez - O homem do jogo, com mais uma excelente exibição pelo FC Porto. O colombiano fez a assistência para o empate e marcou o golo da vitória dos dragões. Para além disso, esteve bastante activo no ataque (fez outra assistência para Otamendi), com boas movimentações e jogadas de perigo.

Varela - Entrou bem na partida, criando desequilíbrios pelo lado esquerdo do ataque, e acabou por ser decisivo no segundo tempo, com um excelente cabeceamento.

João Moutinho/Lucho - O médio português cumpriu no meio azul e branco, especialmente no segundo tempo (fez inclusive a assistência para Jackson), enquanto o argentino esteve muito apagado.

James Rodríguez - Longe de mostrar todo o seu potencial, ainda assim, o colombiano esteve muito em jogo para construir lances de ataque e criar desequilíbrios na defesa adversária.

Danilo/Mangala - O lateral brasileiro ainda procurar a melhor forma. Tentou dar profundidade ao seu corredor, mas raramente criou desequilíbrios; o francês até acabou por subir mais pelo flanco esquerdo que o brasileiro, mas decidiu quase sempre mal.

Marítimo 0-2 Sp. Braga (Éder 54´e 87´) - Partida complicada para os "gverreiros", que superaram o desafio com nota máxima, apesar da exibição não ter sido a melhor. O Marítimo mostrou-se bastante perigoso na frente de ataque, mas Beto foi evitando o golo madeirense. No segundo tempo, o Sp. Braga mostrou mais argumentos e chegou à vitória. Num erro de Rafael Miranda (não conseguiu aliviar a bola, na sequência de um pontapé de canto), Éder chegou ao 0-1 e quase em cima do apito final, o mesmo Éder finalizou com sucesso um cruzamento de Alan (Salin levou dois cartões amarelos no mesmo lance, por protestar com o árbitro, pois alegou que a bola não tinha entrado). Principais destaques?



Foram apenas 4 jogos na tarde de domingo da Premier League, mas não faltou espectáculo, emoção... e erros de arbitragem. Papiss Cissé ofereceu a vitória ao Newcastle no último minuto e colocou os magpies na 1ª metade da tabela, o Tottenham passou por dificuldades em Southampton, depois de chegar aos dois golos de vantagem, Everton e Liverpool empataram num excelente derby e o United ganhou no terreno do Chelsea 10 anos depois (com muita polémica). 

Everton 2-2 Liverpool (Osman 22´e Naismith 35´; Baines 14´a.g. e Suárez 20´) -  O Liverpool procurava recuperar a confiança no campeonato no derby de Merseyside, e entrou muito forte no encontro. Um auto-golo de Baines (remate de Suárez) e um golo de Luis Suaréz deram uma excelente margem aos reds, mas a resposta do Everton foi esclarecedora. Osman e Naismith empataram ainda antes do intervalo, nuns 45 minutos de excelente futebol. O jogo não caiu de nível no segundo tempo (muitas oportunidades de golo) e ficou claramente marcado pelo golo anulado a Luis Suárez. O uruguaio estava em posição regular, quando desviou para a baliza uma assistência de um companheiro seu (foi aos 90´+4). Southampton 1-2 Tottenham (Jay Rodriguez 66´; Gareth Bale 15´e Clint Dempsey 39´) - A equipa de Villas-Boas subiu ao 4º lugar, depois de bater os saints por 2-1. Uma partida que chegou a estar controlada, depois dos golos de Bale e Dempsey, mas que terminou por acabar em sofrimento, após o golo de Rodriguez. Newcastle 2-1 WBA (Demba Ba 35´e Papiss Cissé 90´+3; Lukaku 55´) - Os magpies regressaram à 1ª metade da tabela da Liga Inglesa, depois de uma vitória suada sobre o West Bromwich Albion. A dupla senegalesa voltou a estar em destaque. Primeiro foi Demba Ba a inaugurar o marcador e depois foi Papiss Cissé a oferecer o triunfo no período de compensação (pelo meio, Lukaku tinha igualado a partida). 

Chelsea 2-3 Manchester United (Mata 44´e Ramires 53´; David Luiz 4´a.g., Van Persie 12´e Chicharito 75´) - Não faltou emoção em Stamford Bridge, num duelo entre duas das melhores equipas inglesas. O United entrou bem melhor no jogo e à passagem dos 12 minutos já vencia por 2-0. Primeiro, numa infelicidade de David Luiz (Van Persie rematou ao poste e a bola ressaltou nas costas do brasileiro), e depois num remate certeiro de Van Persie. Nos primeiros 30 minutos, o Chelsea não conseguiu ultrapassar a defensiva e meio campo dos red devils (Rooney juntava-se a Cleverley e Carrick no meio campo), enquanto o United aproveitava a passividade na defesa dos blues. Contudo, a equipa da casa foi crescendo de rendimento e criando oportunidades de golo. De Gea brilhou na baliza do United, ao deter vários lances de golo iminente. O espanhol foi apenas impotente para travar o livre directo de Mata, que reduziu para 1-2 mesmo em cima do intervalo. No regresso para a segunda parte, novamente o Chelsea por cima do United. Ramires igualou a partida logo aos 53 minutos (excelente impulsão e cabeceamento) e os blues davam ideia de querer dar a volta ao marcador. Contudo, aos 63 minutos, Ivanovic derrubou um jogador do United, quando seguia isolado e recebeu ordem de expulsão. Passados 5 minutos, Fernando Torres vê o segundo cartão amarelo, por alegada simulação (Johnny Evans derrubou no espanhol) e deixou o Chelsea reduzido a 9 elementos. O United tinha o controlo da partida e encostou o Chelsea à sua defensiva. Num lance onde, mais uma vez, Van Persie foi decisivo, Chicharito marcou o 2-3 final. O mexicano aproveitou um remate/cruzamento de Rafael e desvio para o resultado final... mas estava em posição irregular. Com este resultado, o Chelsea vê o United e City aproximarem-se na tabela (1 ponto de diferença), com o Tottenham a 5 pontos. Principais destaques?

Surf - Tarde histórica para Tiago Pires, que conquistou o Isla Canarias Santa Pro, um evento 6 estrelas do WQS e a prova mais importante abaixo do circuito Mundial (10) e dos eventos Prime (8). O "Tigre" português começou a competição com alguma dificuldade, mas no dia de ontem arrasou por completo. Nos quartos-de-final, derrotou o francês Marc Lacomare e nas meias finais derrotou um dos principais favoritos, o brasileiro Willian Cardoso, com uma pontuação de 19.73 (em 20.00 possíveis). Na final, Tiago Pires derrotou o norte-americano Gabe Kling, com duas ondas de 8.50 e 8.03 (16.53), contra 14.47 do seu adversário. O português conquistou o 1º evento 6 estrelas em 7 anos (o outro tinha sido no WQS da Ericeira, em 2005) e subiu ao 22º lugar do ranking mundial. Com os 3500 pts alcançados, Tiago Pires ficou muito perto de garantir um lugar entre a Elite no próximo ano.

La Liga - O Barcelona afundou por completo o Rayo Vallecano, numa partida realizada nos arredores de Madrid. A equipa da casa mostrou impotente para travar o ataque catalão, onde Messi, Fàbregas e Villa estiveram em grande nível. David Villa abriu o activo aos 20 minutos e Messi aumentou o marcador aos 48 minutos. Nos últimos dez minutos, mais três golos (Xavi aos 79´, Fàbregas aos 80´e Messi aos 89´). Com este resultado, Tito Vilanova igualou o melhor arranque da história do clube, e Messi chegou aos 301 golos como profissional (270 pelo Barcelona e 31 pela Argentina). O avançado argentino chegou também aos 73 golos no ano civil de 2012 (44 para a La Liga). Nas outras partidas do dia, destaque para a vitória do Bétis sobre o Valencia (1-0) e para os empates no Espanyol-Málaga (0-0) e do derby galego (Celta 1-1 Deportivo). 

Premier League - O Manchester City passou por grandes dificuldades para bater o Swansea. Carlitos Tévez marcou o único golo da partida, à passagem dos 61 minutos, e o City vai observar a partida entre Chelsea e United com maior tranquilidade. O Arsenal também passou por dificuldades para bater o lanterna vermelha, QPR, valendo um golo de Arteta aos 84 minutos. O Wigan derrotou o West Ham por 2-1, enquanto Aston Villa e Norwich City empataram 1-1. Stoke City e Sunderland mostraram porque são as equipas com mais empates em Inglaterra (0-0) e o Reading-Fulham (3-3) teve 3 golos nos últimos 5 minutos (os cottagers já perderam 5 pontos nos últimos 3 minutos de jogo). 

Bundesliga - Schalke 04 e Borussia Dortmund não perderam terreno, na perseguição ao Bayern Munique. O actual campeão, foi ao terreno do Friburgo vencer por 2-0, com golo de Subotic e Gotze, enquanto o Schalke derrotou o Nuremberga por 1-0 (Farfán). O Wolfsburgo largou o último lugar, depois de golear o Fortuna Dusseldorf por 4-1, enquanto Hamburgo (vitória por 2-0 em Augsburgo) e Mainz (3-0 ao Hoffenheim) aproximaram-se dos lugares europeus. Greuther Furth e Werder Bremen empataram 1-1. 

Ligue 1 - Ibrahimovic e mais 10! É assim que funciona o PSG. O clube milionário sofreu para derrotar o lanterna vermelha Nancy, mas sorriu a 15 minutos do final. Zlatan Ibrahimovic fabricou o golo e já leva 10 em 10 jogos no campeonato francês. O PSG fica agora à espera do jogo entre Ol. Marselha e Ol. Lyon. O Toulouse também se apresenta em grande forma. A equipa de Yannick Djaló derrotou o Brest por 3-1 e subiu provisoriamente ao 2º lugar, a apenas 3 pontos dos parisienses. Lille (2-1 ao Valenciennes) e Montpellier (3-1 ao Nice) afastaram o cenário de crise. O St-Etienne derrotou o Rennes por 2-0, enquanto o Stade Reims empatou 1-1 frente ao Troyes.

Serie A - O AC Milan voltou a sorrir, depois de El Shaarawy (quem mais poderia ser) oferecer a vitória sobre o Génova. O jovem jogador marcou o 7º golo nos últimos 8 jogos (o AC Milan marcou 10 golos) e ofereceu o triundo à passagem dos 77 minutos. Na outra partida do dia, o Siena empatou 0-0 frente ao Palermo. 

Liga ZON-Sagres - O Vitória de Guimarães igualou provisoriamente o Sp. Braga, depois de bater o Vitória de Setúbal por 2-1 (Toscano 49´ e João Ribeiro 80´g.p.; Meyong 64´g.p.). O Paços de Ferreira também segue em bom ritmo, depois de bater o Beira-Mar por 2-0. Vítor, aos 82 minutos (golo 500 do Paços na Liga), e Artur Álvarez aos 87 minutos, ofereceram o triunfo aos castores, na deslocação a Aveiro. Em Olhão, Olhanense e Moreirense empataram 2-2 e não conseguiram fugir dos lugares perigosos da classificação geral (Rui Duarte 38´g.p. e 86´g.p.; Pablo Olivera 34´e Ghilas 56´).

NBA -  Trade entre os Thunder e Rockets. James Harden, Cole Aldrich, Daequan Cook e Lazar Hayward rumam a Houston, Kevin Martin, Jeremy Lamb, 2 first-round picks e uma second-round pick a OKC. Harden não aceitou a proposta de renovação dos Thunder e deverá ter um max-contract em Houston. Boa trade? Os OKC continuam a ser candidatos? Harden faz dos Houston um franchise candidato aos playoffs e pode finalmenter afirmar-se como o melhor SG da Liga?

27 de outubro de 2012

Gil Vicente 0-3 Benfica (Lima 2´, Luisinho 27´ e André Gomes 45´+2)


O Benfica foi a Barcelos dominar por completo um Gil Vicente pouco agressivo e sem receita para contrariar o maior favoritismo encarnado. Jorge Jesus lançou Luisinho, Ola John e André Gomes, que não acusaram a estreia no campeonato ao serviço do Benfica e rubricaram boas exibições. O jovem da equipa B marcou novamente um golo (depois do jogo da Taça de Portugal), o lateral-esquerdo também fez o gosto ao pé (1º golo português do Benfica no campeonato em mais de 1 ano e 7 meses - o último datava de 21 de Março de 2011) e o holandês criou bastantes desequilíbrios na defensiva gilista. 

A partida começou praticamente com o golo de Lima. Jogada pelo lado direito do ataque, cruzamento de Maxi Pereira e cabeceamento certeiro do avançado brasileiro. Os encarnados entraram bem no jogo, enquanto o Gil Vicente não conseguia chegar à área de Artur. Ola John esteve bastante envolvido em jogadas de ataque, mas faltou melhor capacidade de decisão. Cardozo ainda ameaçou de livre directo, antes de Luisinho fazer o 0-2. Lima foi à linha, cruzou atrasado, onde surgiu o lateral-esquerdo, na área do ponta-de-lança, a finalizar. O Gil Vicente, finalmente, conseguiu visar a baliza de Artur, mas os remates de Brito e Pio saíram muito desviados. Mesmo em cima do intervalo, Enzo Pérez cruzou para área, onde após uma série de ressaltos, André Gomes desvia para o fundo da baliza de Adriano. No início da 2ª parte, Luis Manuel fez o primeiro remate enquadrado do Gil, que Artur não teve problemas em defender, enquanto Ola John ficou perto do 0-4 (Cardozo serviu o holandês, mas este perdeu tempo na hora do remate e ganhou apenas pontapé de canto). Aos 60 minutos, foi Lima a desperdiçar a melhor ocasião em toda a partida. O avançado brasileiro surgiu isolado, mas rematou para excelente intervenção de Adriano. Dez minutos depois, Enzo Pérez recebeu ordem de expulsão (duplo amarelo) e o Gil aproximou-se mais da baliza de Artur. Pio ameaçou de fora da área, para depois Yero (a meias com Cardozo), obrigar Artur a defender a bola para a trave (melhor oportunidade do Gil). O jogo terminou passado pouco tempo, sem mais nenhum lance de registo.

Destaques:

Gil Vicente - Não está fácil a tarefa de Paulo Alves à frente dos gilistas. Na temporada passada, a equipa de  Barcelos praticou um excelente futebol, mas as saídas de jogadores nucleares parecem estar a pesar. O Gil Vicente foi pouco agressivo, falhou muito na defesa e no meio campo, enquanto o ataque não existiu.

Benfica - Jorge Jesus trocou 4 elementos em relação à última partida com o Spartak e apostou nas estreias de Ola John, Luisinho e André Gomes no campeonato. Uma excelente entrada na partida, com um golo, e uma primeira parte bastante tranquila, que evitou grandes sobressaltos no segundo tempo. O treinador português tem matéria-prima para fazer a rotação do plantel e hoje isso ficou provado, mesmo tendo em conta, a menor valia do adversário.

Lima - Excelente exibição do avançado brasileiro, que começou logo aos 2 minutos, com um cabeceamento com qualidade (marcou o 6º golo em 7 jogos pelos encarnados). Não se ficou por aí e ainda assistiu Luisinho para o 0-2 e quase fazia o 0-4 na 2ª parte. Lutou muito, correu e jogou em equipa, fazendo com Jorge Jesus não tenha outra hipótese, se não mantê-lo como titular.

André Gomes - Entrou bem contra o Freamunde e esteve em bom nível nos 90 minutos contra o Gil Vicente. Apesar de uma ou outra desconcentração ou perda de bola, a verdade é que o jovem jogador mereceu a aposta de Jorge Jesus. Mostrou bom toque de bola e capacidade de recuperação, para além do golo que marcou (teve sorte nos ressaltos, mas lutou até ao fim pela posse de bola).

Luisinho/Maxi Pereira - O português marcou um golo na estreia pelo Benfica no campeonato (apareceu muito bem na zona do ponta-de-lança), deu profundidade ao flanco e não teve problemas na defensiva; o uruguaio rubricou a melhor exibição pelos encarnados nesta temporada (apoiou muito bem o ataque e não passou por dificuldades na defesa), tendo saído do seu pé direito o cruzamento para o golo de Lima.

Jardel/Garay - O Gil Vicente pouco incomodou o eixo central da defensiva do Benfica, que não teve grandes dificuldades em "limpar" a sua área de acção.

Ola John/Enzo Pérez - O holandês mostrou aquilo que sabe fazer melhor, ou seja, criar desequilíbrios pelos flancos. Foi bastantes vezes à linha para cruzar, flectiu para o meio e ainda tentou a sua sorte no remate, mas não foi feliz na hora da decisão (aspecto a rever); o argentino fez uma excelente primeira parte, onde dominou por completo o meio campo e foi decisivo nos últimos dois golos, mas duas faltas imprudentes valeram-lhe a saída para o balneário mais cedo.



A história do Fulham é curta. Apesar de ter quase 140 anos, os títulos do clube londrino contam-se pelos dedos das mãos, e teve como momento mais alto a chegada à final da Liga Europa em 2010 frente ao Atl. Madrid. Chegou à Premier League na temporada 2001/02, e desde então estabilizou-se entre os grandes do futebol inglês. Lutando para não descer ou algures no meio da tabela, o conjunto que tem Craven Cottage como base, apresenta-se para esta temporada com um plantel extremamente interessante e promete causar sensação em terras de Sua Majestade.

Martin Jol é o treinador. O holandês, que já havia orientado o Tottenham, é um técnico experiente e com capacidade para fazer deste Fulham uma agradável surpresa. Mas a qualidade dos Cottagers não se baseia apenas no seu treinador. Estamos perante um clube que tem crescido de forma sustentada e hoje em dia apresenta equilíbrio e qualidade, saltando à vista a sua "artilharia" ofensiva. Apesar de Dempsey e Dembélé terem abandonado o clube rumo aos Spurs, o dinheiro proveniente das suas vendas foi bem canalizado. Berbatov é o nome mais sonante do emblema inglês, depois de ter rejeitado ofertas de clubes com maior projecção (ex: Juventus). Para além de golos, espera-se que o goleador búlgaro ofereça toda a sua experiência aos restantes companheiros, sobretudo a Mladen Petrić (também ele com 31 anos) e Rodallega. Dois jogadores bem diferentes, mas ambos são sinónimos de golos. Nas faixas, a matreirice de Damien Duff e a imprevisibilidade de Bryan Ruiz são mais-valias (atenção aos jovens Kacaniklic, Kasami e Kerim Frei), assim como a disponibilidade física de Steve Sidwell no meio campo, a força de Hangeland na defesa e a veterania de Schwarzer na baliza (aos 40 anos ainda vale pontos). A juntar a estes, ainda há os experientes Riise ou M. Diarra, assim como o "português" Karagounis. Em suma, qualidade é um termo que se enquadra na perfeição para caracterizar o Fulham. A equipa londrina não é um dos grandes do futebol, nem surge numa segunda linha como Tottenham, Newcastle ou Everton. Todavia, a corrente temporada parece inverter essa tendência, não só pelos atributos do plantel, mas também pelo bom início de campeonato (8jogos; 4V; 1E; 3D) onde ocupa o 8º posto. A qualidade existe e, ao que parece, estão criadas as bases para que o clube seja uma agradável surpresa na Premier League, bem como consolide uma posição num patamar superior àquele a que está habituado.

Será o Fulham uma das surpresas da Premier League 2012/13? Até onde pode ir o conjunto londrino? Berbatov, Rodallega, Petrić, etc. São poucas as equipas que se podem gabar de uma ofensiva tão forte como os Cottagers. Será isso suficiente para ocupar um lugar europeu e de destaque no campeonato inglês?

André Mesquita

26 de outubro de 2012

A Lista A, encabeçada por Luis Filipe Vieira saiu vitoriosa das eleições no Benfica. O actual presidente vai cumprir um 4º mandato, sendo este de 4 anos. Luis Filipe Vieira derrotou o seu adversário, Rui Rangel, com 83% dos votos, nas eleições mais concorridas de sempre no Benfica (22.676 votantes). Quando terminar este ciclo, Luis Filipe Vieira será o presidente com maior tempo de permanência na liderança dos encarnados (13 anos).A Lista B, encabeçada por Rui Rangel teve cerca de 13% dos votos, enquanto houve 3% de votos em branco.

VM - A maioria dos sócios benfiquistas decidiram na continuidade de LFV à frente do Benfica, num resultado que não deixa dúvidas, nem surpresas, pois a oposição pouco acrescentou e chegou bastante tarde a este processo eleitoral. Resta saber se a Lista A vai cumprir com as principais promessas da campanha: fim da ligação com a Olivedesportos (jogos na Benfica TV); 3 campeonatos conquistados nos próximos 4 anos; uma final europeia; 50 títulos nas modalidades amadoras, descida no preço dos bilhetes e quotas e a base da selecção nacional, entre outros. Este resultado, também prova que a nação benfiquista está satisfeita com o actual momento do clube: foi no mandato de LFV que o FC Porto se tornou o clube com mais títulos de futebol em Portugal, enquanto o Benfica conquistou apenas 2 campeonato em quase 10 anos, apresenta o maior passivo da sua história e está longe de servir de base para a selecção principal de futebol.
O Benfica saiu mais fortalecido destas eleições? LFV conquistou uma grande percentagem de votos devido ao seu trabalho aos longo destes 9 anos ou devido à falta de oposição? Terá condições para cumprir as suas promessas?

Numa análise à média de golos dos melhores jogadores da actualidade nas suas selecções, podemos verificar que Didier Drogba (Costa do Marfim) e "Chicharito" Hernandez (México) são os goleadores mais eficazes. O costa-marfinense e o mexicano marcam cerca de 0.65 golos por jogo, sendo que Drogba já marcou por 58 vezes ao serviço da sua selecção (mais jogos) e "Chicharito" marcou 16 golos em amigáveis. David Villa segue logo atrás da dupla, com uns impressionantes 52 golos em 84 jogos pela selecção espanhola (15 golos entre Euros, Mundiais e Taça das Confederações, e 21 em jogos de qualificação). Higuain, Klose e Luis Suarez fecham o top-6 desta lista, sendo que o argentino ainda tem poucos jogos pela sua selecção e Klose tem uma marca impressionante (pela regularidade). Lionel Messi e Cristiano Ronaldo apresentam uma média que foge às suas marcas a nível de clubes (principalmente à média das últimas 4/5 temporadas de cada jogador). Lionel Messi marcou 226 golos em 232 jogos pelo Barcelona (últimas 4 temporadas, mais a actual), o que perfaz uma média de 0.97 golos por jogo. Pela Argentina, Messi marcou 31 golos em 75 jogos, sendo que 17 foram em jogos amigáveis. Já Cristiano Ronaldo, nas últimas 3 temporadas (mais a actual), marcou 162 (163) golos em 157 jogos, o que perfaz uma média de 1.03 golos por jogo. Em Portugal, o craque madeirense marcou 37 golos em 100 jogos (apenas 6 golos e amigáveis), estando muito longe da sua média no Real Madrid. Estes números podem ser explicados pelo resto do conjunto (Portugal apresenta actualmente jogadores médios), ou por falta de rotinas. Já a hipótese de defrontar equipas mais fortes pela selecção não nos parece justa, pois o Luxemburgo, Irlanda do Norte são mais fracos que os piores clubes da La Liga. Mesmo entre os goleadores de Portugal, Ronaldo apresenta a mesma média de Nuno Gomes (79 jogos e 29 golos) e um número ligeiramente inferior a Hélder Postiga (57 jogos e 23 golos), mas estes dois últimos jogaram cerca de 60% e 40% dos jogos como suplentes, enquanto CR7 foi sempre titular. Quem apresenta bons e maus números? Qual o jogador com maior impacto na sua selecção (sem ter em conta apenas os golos)? Que jogadores dão mais às selecções que aos seus clubes?

PS - Na lista, falta o nome de Samuel Eto´o. O camaronês marcou 53 golos em 110 jogos e seria o 7º colocado (0.48).