30 de junho de 2012

Izmailov - O russo que admitiu recentemente deixar Alvalade neste defeso é hoje apontado ao Dínamo Moscovo. A imprensa russa noticia que o clube moscovita está disposto a oferecer 5 milhões de euros pelo médio do Sporting (o 10 dos leões também já foi associado ao Anzhi, Lazio e QPR).

UEFA - Aprovou a realização de uma Liga dos Campeões de Sub-19, a título experimental e pelo período de dois anos, a partir de 2013/14. A prova, paralela à principal competição de clubes da Europa, arrancará com as equipas juniores dos 32 clubes apurados para a fase de grupos da Liga dos Campeões a nível sénior (ou seja iremos ter pelo menos duas equipas nacionais presentes, que até poderão ser 3). Na competição destinada aos Sub-19 também haverá uma fase de grupos, alinhada pela composição dos que vierem a ser sorteados para o torneio principal, mas, a diferença será a partir dos oitavos-de-final, em que em vez de duas mãos, as eliminatórias serão decididas num só jogo. As meias-finais e a final serão jogadas em campo neutro. VM - Irá certamente beneficiar a nossa formação. Parece claro que a experiência adquirida nesta LC sub-19 pelos jovens de Porto, Braga, Benfica e Sporting (as 4 equipas com mais probabilidades em termos de futebol sénior de chegar à fase de grupos da LC), será certamente benéfica não só para a evolução dos jogadores, como para a selecção nacional de sub-18 e 19 (o facto dos nossos campeonatos de juniores serem pouco competitivos, à excepção da fase final, por norma acaba por pesar nas provas de selecções internacionais. Os nossos jovens apresentam-se nestas competições sem experiência, sem maturidade competitiva, e talvez por isso nos últimos anos em termos de sub-19 e sub-17 os nossos resultados tenham sido desastrosos, muitas vezes sem conseguirmos inclusive chegar à fase final...este ano com a NextGen isso mudou e veremos se não dará já frutos neste Europeu sub-19). Até que ponto esta LC de sub-19 pode beneficiar a nossa formação? Vai ter implicações (positivas) na evolução dos nossos jogadores (de preferência portugueses)? Ou poderá ser negativo pelo facto de poder funcionar como uma montra fácil para os principais tubarões europeus (facilita o trabalho de Scouting dos mesmos e assim aliciam mais facilmente as nossas promessas)?

Wimbledon - O torneio inglês não era o mesmo sem um "jogo maratona". Cilic precisou de cinco horas e 31 minutos para bater Querrey, pelos parciais de 7-6 (6), 6-4, 6-7 (2), 6-7 (3) e 17-15, naquele que foi o 2º encontro mais longo da história de Wimbledon. Mas o dia não foi histórico apenas pela "maratona" entre Cilic e Querrey, já que a cazaque Yaroslava Shvedova fez algo inédito em torneios do Grand Slam ao bater Sara Errani com um set de "ouro" (não perdeu nenhum ponto no 1º set). Nas outras partidas destaque para os triunfos de Murray (ainda perdeu o 2º set mas agora vai defrontar um desgastado Cilic), Tsonga, Del Potro, Kohlschreiber (bateu o "carrasco de Nadal, ficou com um quadro fácil e pode ir longe), Kvitova, Azarenka e Serena (precisou de três sets para bater a chinesa Zheng Jie por 6-7, 6-2 e 9-7).

Mercado - Málaga e Atlético querem Gio dos Santos; Juan Manuel Vargas está de saída da Fiorentina. O esquerdino é pretendido por Roma e Liverpool; Pato Rodriguez está próximo de assinar pelo Torino; Lille e Lazio disputam Afellay (o holandês está na lista de dispensas do Barça).

Atletismo - A seleção portuguesa de 4x100 apurou-se para a final dos Campeonatos da Europa de Atletismo, em Helsínquia. Nos 3.000 metros obstáculos Clarisse Cruz ficou em 9º, enquanto que Rui Pedro Silva foi 8º nos 10 mil metros (o português liderou parte da prova mas quebrou nas últimas voltas).

Tour - Fabian Cancellara (RadioShack) venceu em Liège, na Bélgica, o prólogo da 99.ª edição da Volta a França, assumindo-se como o primeiro camisola amarela. O suíço bateu Bradley Wiggins (Sky), um dos favoritos ao triunfo final, e Sylvain Chavanel (Ómega-Pharma), ambos ficaram a sete segundos. Quanto aos portugueses, Sérgio Paulinho (Saxo Bank) ficou no 51.º lugar, a 24 segundos de Cancellara, enquanto Rui Costa (Movistar) terminou no 62.º posto, a 25. Prognósticos para amanhã? Dia para Gilbert, Hagen ou, principalmente, Sagan?

Motociclismo - Miguel Oliveira (Suter Honda) terminou, no 10.º lugar o Grande Prémio da Holanda em Moto3; Já em MotoGP a vitória pertenceu a Casey Stoner. O australiano está empatado com Lorenzo (caiu na 1ª volta) no topo da classificação.

Os responsáveis encarnados sabem que este é um ano decisivo para o Benfica. Vai ser a 4ª época de Jesus, são poucas conquistas para a grandeza da Instituição (só 3 campeonatos em 20 anos representa o período mais negro da história do clube da Luz), e mais uma temporada sem conquistar a Liga será fatal não só para o técnico benfiquista como para Vieira. Como tal, a elaboração do plantel será a base do possível sucesso das águias. Nesse sentido, o Visão de Mercado apresenta (considerando o que já se passou neste defeso, as receitas das águias na última LC e respeitando o que mencionamos no passado, ou seja, os encarnados possuem o melhor plantel do futebol português...o problema é que Hulk faz a diferença e só a sua presença no Porto acaba por desequilibrar a balança a favor dos azuis e brancos) aquele que poderia ser o elenco do Benfica em 2012-13:

GR Artur será novamente o nº 1 (caso não se lesione poderá mesmo ser o titular nas 4 frentes: Liga, Taça de Portugal, LC e Taça da Liga). Mika é a alternativa ao brasileiro (3ª opção no sentido que poderá ganhar minutos na B, mas 2ª caso Artur esteja indisponível pois parece-nos que terá mais oportunidades que Paulo Lopes, principalmente na Taça da Liga).
DC - Luisão e Garay devem dar continuidade ao que fizeram em 2011-12 (principalmente na 1ª metade do ano) e formar a dupla de centrais (a mais forte no futebol português). A venda de Jardel (é cobiçado por várias equipas) e a aquisição de Luís Neto podia ser uma boa política de mercado. Miguel Vítor (caso não seja cedido a um clube grego) deve ser novamente a 4ª opção.
DD - Maxi é indiscutível e já demonstrou ter "gás" para fazer a época toda em excesso de velocidade (em 2012-13 nem vai estar condicionado pela Copa América como aconteceu na temporada passada). No entanto, o uruguaio precisa de uma alternativa. André Almeida não aproveitou a oportunidade, Wass foi vendido e é público que os encarnados querem um lateral direito (considerando a consistência e regularidade de Maxi um elemento jovem com margem de evolução deviam ser os critérios). Wallace do Fluminense, quanto a nós o sub-18 mais promissor a actuar na América do Sul podia ser um alvo interessante. Dá muita profundidade ao seu corredor, é "agressivo" e apresenta um estilo de jogo semelhante a Maxi.
DE - É a posição mais "delicada" no plantel encarnado. Na época passada Emerson e Capdevilla nunca foram soluções ao nível do resto do 11 e devem sair neste defeso. Luisinho já foi contratado mas ainda falta um "titular". São vários os nomes no mercado, como Rojo, José Angél ou Didac Vilá, mas Siqueira quanto a nós seria uma opção mais interessante. É igualmente alto (1m83), parece evidente que Jesus quer um lateral com mais de 1m80, mas ao contrário de Rojo e Vilá dá muito mais profundidade ao seu corredor. O brasileiro do Granada (que foi uma das revelações da La Liga) junta à competência defensiva uma técnica, potência e agressividade no seu corredor muito interessante (é igualmente um jogador forte nas bolas paradas).
MDF - Javi (que pode ser utilizado igualmente a central) será certamente o titular. Enquanto que Matic irá procurar fazer mais minutos que em 2011-12.
MC - O Benfica devia fazer um esforço para manter Witsel mais uma época, mas necessita de uma alternativa ao belga. Amorim foi emprestado ao Braga e deixou uma lacuna no elenco encarnado. É certo que, como aconteceu em 2009-10 Jesus pode optar pelo 4-1-3-2 e assim abdicar de um box-to-box, mas na LC  isso é fatal (a época passada foi notória a maneira como a presença de um elemento com estas características ajudou o Benfica). Como tal, a aquisição de Anderson (Man Utd) seria excelente (o brasileiro está no mercado e o seu salário podia ser perfeitamente pago com a saída de alguns elementos, principalmente Saviola). Não só porque o médio é forte quando joga a 8 (foi nessa posição que mais actuou em Inglaterra), como apresenta características únicas que podem fazer dele o sucessor de Aimar (o argentino faz em Novembro 33 anos e só tem mais um ano de contrato). Ou seja, era logo uma contratação 2 em 1.
EXT - Ola John já foi contratado e deverá (ou na direita ou na esquerda) acrescentar velocidade e potência a um dos corredores. Gaitán a 100% é um dos 5 melhores jogadores da Liga, e apesar de não ter estado bem em 2011-12 é claramente o jogador ofensivo mais forte do Benfica (desvalorizou na época passada, e caso os encarnados não tenham boas propostas pelo argentino, quanto a nós deveria continuar mais um ano).  Nolito irá disputar um lugar com John na esquerda (poderá aproveitar o facto de ser mais experiente para ganhar o lugar numa 1ª fase). Melgarejo (fez por merecer um lugar no plantel), Djaló (já demonstrou capacidade no passado e deve ter mais uma oportunidade. A isso acrescenta o facto de à semelhança de outros elementos como Miguel Vitor, Mika, Luisinho, etc auferir um salário relativamente baixo...é insustentável ter 26 jogadores a auferirem super-ordenados) e os próprios Hugo Vieira e Bruno César devem ser as alternativas.
MOF - Aimar (que junta à sua classe uma liderança única) muito possivelmente irá jogar ainda menos em 2011-12 (o ano passado já só foi o 12º elemento mais utilizado na Liga) e como tal, isso irá certamente influenciar o sistema táctico do Benfica (Cardozo caso continue irá ter a companhia mais vezes de Rodrigo, Nelson Oliveira ou outro elemento). Outra alternativa ao argentino é Bruno César (que marcou 10 golos e acabou o ano em grande), o Chuta-Chuta pode competir por um lugar não só no lado direito como pela posição 10.
AVA - Cardozo (melhor marcador estrangeiro da história do Benfica) é garantia de golos (Rodrigo, Nelson, Hugo Vieira são incógnitas nesse capítulo e seria arriscado apostar tudo neles) por outro lado, o mercado não apresenta alternativas que dêem mais garantias que o paraguaio (os avançados estão cada vez mais caros e poucos são os jogadores que de maneira sucessiva marcam mais de 25 golos por época), como tal, a menos que apareça uma proposta relevante na Luz, na nossa opinião Tacuara deveria continuar. Saviola (depois de duas épocas miseráveis) devia sair (era uma poupança significativa em termos salariais), e pelos motivos citados (em relação a Aimar) é crível que Rodrigo e Nélson Oliveira tenham muitas oportunidades em 2012-13 (será certamente uma luta interessante entre os 2 jovens. Na época passada Jesus apostou mais no espanhol). Hugo Vieira fecha o leque de opções (Michel poderá ser o 27º elemento do plantel caso Jesus opte por actuar regularmente com 2 avançados).


Em suma um plantel que apresenta a base das últimas épocas (já o ano passado para o VM o Benfica tinha o seu melhor elenco dos últimos 15 anos), com algumas contratações cirúrgicas (Neto tem o mesmo valor de mercado que Jardel como tal não representa um obstáculo, já as aquisições de Siqueira e Anderson podem ser concretizadas vendendo ou cedendo em definitivo os salários de jogadores como Kardec, Saviola, Jara, Sidnei e Carlos Martins...não esquecendo que o Benfica já realizou encaixes com a LC e com as vendas de Wass, Felipe Bastos e Éder Luís), mais português (8 elementos só na equipa A), a pensar no futuro (alguns jogadores que podem substituir os "veteranos" a curto prazo), com muitas soluções para as variantes tácticas de Jesus (opte o técnico encarnado pelo 4-3-3-; 4-1-3-2 ou 4-2-3-1) e que principalmente permite aos encarnados ter aspirações legítimas de conquistar tudo a nível interno em 2012-13.

Será desta que João Moutinho sai de Portugal e se junta a uma das ligas de Top do futebol europeu? O médio (que completa 26 anos em Setembro) está a ser fortemente associado aos principais clubes da Premier League. Depois do Tottenham, hoje a imprensa inglesa associa o nº8 do Porto ao Liverpool (referindo que clubes como o Chelsea, City e Man Utd seguem igualmente o internacional português). VM - Foi um dos destaques no Euro 2012 (fez duas assistências, uma num canto outra para Ronado frente à Rep. Checa até involuntária pois foi claro que a sua intenção era colocar a bola em Hugo Almeida, não teve 1/4 do impacto de Maniche o último grande "8" da nossa selecção, mas ganhou claramente mercado com a sua entrega e capacidade de jogar sem bola), já leva 8 épocas de Liga Zon-Sagres (é um dos veteranos e um caso até peculiar já que por norma os internacionais portugueses com qualidade depois de 2/3 anos a titular acabam logo por sair para os principais clubes europeus), e apesar da cláusula de rescisão que apresenta (40 milhões de euros) este pode ser o defeso onde finalmente sai de Portugal (principalmente se AVB assinar pelo Tottenham e Modric sair). Conseguirá Moutinho ser figura numa das equipas de Top do futebol europeu? Ou o médio, à semelhança do que aconteceu com João Vieira Pinto (se excluirmos aquela experiência no Atlético) vai acabar por fazer toda a sua carreira no nosso país?

Começa hoje a 99ª edição da Volta a França em bicicleta. Até 20 de Julho os 198 corredores vão ter de ultrapassar 1 prólogo e 20 etapas (4 de média montanha, 5 de alta de montanha só com duas a terminarem no topo, infelizmente sem os passarem pelos míticos Alpe D’Huez, Mont Ventoux e Galibier, e 2 contra-relógios individuais) num total de 3497km.

Sem a presença de 2 dos melhores ciclistas da actualidade (Contador está suspenso e Andy Schleck lesionado), podemos ter uma das corridas mais espectaculares dos últimos anos (todos encaram este Tour como uma oportunidade única de conseguir colocar o nome na história de uma das principais competições desportivas do Mundo). É certo que (na teoria) Cadel Evans (vencedor no ano passado) e Bradley Wiggins (conta com uma super-equipa e este ano está imbatível, venceu o Paris-Nice, Tour da Romandia, e o Criterium Dauphine) surgem como principais favoritos, mas são vários os nomes que se podem intrometer na luta pela camisola amarela. A saber: Vincenzo Nibali (vencedor da Vuelta em 2010 e que não participou no Giro de 2012),  Robert Gesink (venceu este ano a prestigiada Volta à Califórnia, é um dos melhores do Mundo nas montanhas, mas peca nos CR), Samuel Sanchez  (foi 3º em 2010, 5º em 2011 e esta pode ser a sua derradeira oportunidade); Jurgen van den Broeck (é um dos ciclistas mais explosivos da actualidade em termos de montanha, dos poucos que tenta mexer com a corrida e atacar, e sem a presença de Contador e Schleck pode ser o belga a desequilibrar a monotonia nas montanhas); Valverde (regressa ao Tour depois de um período de suspensão, já mostrou no passado que é um dos melhores do Mundo e conta com uma excelente equipa); Frank Schleck (um dos melhores nas montanhas e sem a presença do irmão não estará condicionado, tem neste Tour a derradeira ocasião para demonstrar o seu valor); Ryder Hesjedal (venceu o giro de 2012 veremos se vai apresentar a mesma condição física); Levi Leipheimer (saiu da RadioShack para ter uma última oportunidade de se destacar no Tour. É um dos mais experientes); Chris Froome (brilhou na Vuelta de 2011 e caso Wiggins falhe será certamente a aposta da Sky); Denis Menchov (foi 2º em 2010 e em 2011 5º na Vuelta e 7º no Giro, é um dos mais regulares); Juan José Cobo (vencedor da Vuelta em 2011 poderá estar condicionado pela ajuda a Valverde); Michele Scarponi (desiludiu no Giro este ano mas pode no Tour voltar a demonstrar a força que apresentou na Volta à Itália de 2011); Jani Brajkovič (uma das eternas promessas do ciclismo internacional, veremos se, sem a presença de Andy, é este ano que finalmente brilha no Tour); Tony Martin (o melhor nos CR da actualidade, pode aproveitar o perfil deste Tour para conseguir uma presença no Top10); Chris Anker-Sorensen (um dos melhores nas montanhas e na teoria o líder da Saxo-bank, pode ser uma das boas surpresas deste Tour); Andreas Klöden (já finalizou duas vezes no 2º lugar, este ano fez 2º no Paris-Nice e pode usar a sua experiência para conseguir pelo menos um top10); Jerome Coppel (talvez a maior esperança francesa, o ano passado foi 14º, veremos se este ano consegue subir pelo menos um degrau e chegar ao Top12); Peter Velits (já ficou em 2º na Vuelta em 2010 e pode aproveitar a veterania de Leipheimer para se destacar).

Noutro âmbito destaque para a presença dos portugueses Rui Costa e Sérgio Paulinho (vão pelo menos tentar vencer uma etapa, principalmente as de média montanha, onde são muito fortes em grupos reduzidos), e para as "outras lutas". Cavendish é o principal candidato à vitória da camisola verde, mas este é um dos melhores elencos em termos de sprinters de sempre, com a presença de ciclistas como Borut Bozič, Petr Sagan (que talento), Greipel, Farrar, Petacchi, Bole, Goss, Freire, Haedo, Kittel e do próprio Boasson Hagen (nas etapas onde os sprinters "puros" apresentam mais dificuldades o polivalente norueguês é sempre um dos principais favoritos). Na Montanha um dos 20 citados (para o Top10) será muito provavelmente o vencedor da camisola às bolinhas (Gesink, Schleck, Sanchez e van den Broeck talvez com mais vantagem...quem sabe se Rolland não se intromete nesta disputa), enquanto que na luta pela juventude. Steven Kruijswijk, Wout Poels, Tejay van Garderen, Rolland, Arthur Vichot, Rein Taaramäe, Tony Gallopin, Boasson Hagen, Sagan e Gorka Izagirre são os principais candidatos.

Prognósticos VM:
Top10 - 1º Wiggins, 2º F. Schleck, 3º Valverde, 4º Nibali, 5º Evans, 6º Sanchez, 7º Gesink, 8º van den Broeck, 9º Chris Anker-Sorensen, 10º Kloden.
Camisola Verde - Mark Cavendish
Camisola Branca - Wout Poels
Camisola da Montanha - Gesink
Equipas - RadioShack

Indique os seus prognósticos (no final da competição iremos comparar)!

De acordo com a imprensa brasileira o FC Porto garantiu a contratação de Guilherme Dellatorre, avançado de 20 anos e 1m80. O jogador foi emprestado pela Traffic ao Internacional mas estava relegado na equipa de sub-23 (raramente jogou na equipa principal). VM - Depois de Fabiano (ler aqui) e  Igor Stefanovic (ler aqui) o jovem brasileiro que brilhou em 2011 na prestigiada Copa São Paulo de juniores (prova que funciona como montra para as jovens promessas e onde foi o melhor marcador) é assim o 3º reforço dos azuis e brancos para 2012-13 (deverá ser apenas opção na equipa B). Bom reforço? Considerando o que poderá ser a equipa B, quantas aquisições necessitam realizar os azuis e brancos para a equipa satélite? E por último, como é que se explica esta influência da Traffic no futebol português?

29 de junho de 2012

Depois de (carregue nos nomes e conheça melhor os elementos) Derlis GonzalezDjaniny Hugo VieiraOla JohnLuisinhoMichelVillarraga  e Paulo Lopes, o Benfica garantiu mais duas contratações para 2012-13: João Faria (central de 21 anos e 1m85) e Duarte (extremo de 24 anos e 1m76), ambos ex-Varzim. Os 2 jovens assinam por 4 épocas (também o juvenil Gamboa assinou pelos encarnados) e chegam à Luz fruto de um protocolo que o Benfica estabeleceu na época passada com o Varzim e que levou à injecção de 250 mil euros no emblema poveiro (Salvador Agra, Terroso, Neto e André André foram os alvos identificados pelas águias mas por motivos diferentes acabaram por não rumar a Lisboa). VM - Dois jogadores que devem integrar a equipa B (Duarte com os seus 24 anos ocupa logo uma vaga importante já que os clubes, pelo menos era essa a ideia inicial, só podem inscrever 3 jogadores com mais de 23 anos no conjunto satélite), que dão continuidade a esta nova política do Benfica (pelo menos neste defeso, até ao momento): apostar no mercado nacional  (7 dos 10 reforços) e em jogadores portugueses (são já 5 em 10, o que actualmente é uma média assinalável); e que, caso demonstrem o que apresentaram no Varzim (as realidades são completamente diferentes não só em termos de clubes como inclusive de competição, já que actuavam na II divisão), podem ser opções razoáveis a longo prazo. João Faria é um central forte no jogo aéreo (boa presença também nas bolas paradas ofensivas) já com várias presenças nas nossas selecções jovens, enquanto que Duarte é um extremo rápido de boa técnica que procura sempre desequilibrar no 1 contra 1.

Mercado - Nuno Assis rescindiu com o Vit. Guimarães; Estoril contrata o central João Pedro (ex-Desportivo das Aves); Lúcio desvinculou-se do Inter de Milão e é um jogador livre; Spartak de Moscovo contrata Rómulo ao Vasco da Gama por 8 milhões de euros; Jornal Express, garante que Luuk De Jong (suposto alvo do Benfica) assinou um contrato válido para as próximas quatro temporadas com o Borussia Mönchengladbach (o avançado holandês terá custado 11 milhões de euros). O Mönchengladbach com as aquisições de Alvaro Dominguez (8 milhões) e a confirmar-se a de Luuk de Jong, a provar que não quer "passear" na Liga dos Campeões? Seria Lúcio (apesar dos seus 34 anos) uma boa solução para os "grandes"?

Académica - Carlos Saleiro (avançado formado no Sporting e que na época passada representou o Servette) e Henrique (defesa central ex-Braga que em 2011-12 esteve emprestado ao Feirense) são reforços para a próxima temporada. O avançado regressa a Coimbra (clube onde protagonizou as melhores exibições na sua carreira), já o central (assinou por 2 anos) deverá colmatar a saída de Abdoulaye. Que balanço faz das contratações da Briosa até ao momento (além de Saleiro e Henrique os estudantes já contrataram também Bruno China e Júnior Lopes)?

Wimbledon - Federer sofreu, perdeu os 2 primeiros sets, mas conseguiu derrotar o francês Julien Benneteau, com uma remontada, por 3 sets a 2 (4/6, 6/7 , 6/2, 7/6 e 6/1). Nos outros encontros, destaque para os triunfos de Djokovic (ainda perdeu o 1º set), Malisse (o veterano bateu Verdasco), Querrey (eliminou a promessa Raonic), Clijsters (procura a sua 1ª vitória no torneio inglês) e Sharapova (teve menos dificuldades que na 2ª ronda).

AtletismoPatrícia Mamona conquistou a medalha de prata na prova do triplo salto nos Europeus de Helsínquia. A atleta do Sporting juntou ao título de vice-campeã um novo recorde nacional e conseguiu a 2ª medalha para Portugal nos Europeus de Atletismo (depois do bronze de Sara Moreira nos 5000 metros). Por sua vez, Marco Fortes foi 5º na final do lançamento do peso. Já Marcos Chuva qualificou-se para a final do salto em comprimento.

FC Porto - Walter Gargano (Nápoles) é hoje associado aos azuis e brancos pela imprensa italiana. O médio defensivo uruguaio de 27 anos e 1m68 está igualmente na mira do Málaga. Curiosamente este rumor aparece numa altura em que Alvaro Pereira é fortemente apontado ao Nápoles. Estará o interesse em Gargano relacionado com a possível saída de Palito para o clube napolitano? Necessita o Porto de mais um médio defensivo (apesar de ser relativamente baixo, o internacional pelo Uruguai é um excelente recuperador de bolas, um trabalhador incansável e apresenta na recepção orientada uma das suas "armas")?

Olympiacos - De acordo com a imprensa grega, Carlos Martins (Benfica) e Luís Aguiar (Sporting) são jogadores que agradam a Leonardo Jardim. O técnico madeirense parece estar particularmente atento ao mercado português e os 2 médios juntam-se a Helder Barbosa e Miguel Vítor na lista de nomes que tem sido associados ao clube grego nas últimas semanas. Devem Martins e Aguiar integrar os plantéis das respectivas equipas em 2012-13, ou à semelhança do que aconteceu na época passada, uma nova cedência é a melhor opção?

NBA - Numa cerimónia marcada pelos apupos ao comissário David Stern e por algumas trades (algo habitual neste dia. Odom assinou pelos Clippers, Dalembert pelos Bucks, Mo Williams pelos Utah), sem surpresa os New Orleans Hornets escolheram na 1ª posição do Draft de 2012 o PF/C Anthony Davis. Michael Kidd-Gilchrist foi a escolha dos Bobcats, os Washington (3º lugar no Draft) escolheram o SG Brad Beal, os Cavs Dion Waiters e os Kings Thomas Robinson que promete formar uma dupla forte com Cousins. Restantes escolhas da 1ª ronda:  6. Portland Trail Blazers - Damian Lillard; 7. Golden State Warriors - Harrison Barnes; 8. Toronto Raptors - Terrence Ross; 9. Detroit Pistons - Andre Drummond; 10. New Orleans Hornets - Austin Rivers; 11. Portland Trail Blazers - Meyers Leonard; 12. Houston Rockets - Jeremy Lamb; 13. Phoenix Suns - Kendall Marshall; 14. Milwaukee Bucks - John Henson; 15. Philadelphia 76ers - Moe Harkless; 16. Houston Rockets - Royce White; 17. Dallas Mavericks - Tyler Zeller (vai para os Cavs); 18. Houston Rockets - Terrence Jones; 19. Orlando Magic - Andrew Nicholson; 20. Denver Nuggets - Evan Fournier; 21. Boston Celtics - Jared Sullinger; 22. Boston Celtics - Fab Melo; 23. Atlanta Hawks - John Jenkins; 24. Cleveland Cavaliers - Jared Cunningham (ruma aos Mavs); 25. Memphis Grizzlies - Tony Wroten; 26. Indiana Pacers - Miles Plumlee; 27. Miami Heat - Arnett Moultrie (vai para os 76ers); 28. Oklahoma City Thunder - Perry Jones III; 29. Chicago Bulls - Marquis Teague; 30. Golden State Warriors - Festus Ezeli. Balanço? Que equipas (considerando a ordem) escolheram melhor? Alguém poderá destronar Anthony Davis na corrida ao ROY? Que jogadores podem surpreender e destacarem-se logo no 1º ano? Houston irá apostar nos seus 3 rookies logo na 1ª época? Monroe e Drummond podem dominar o jogo interior?

Mercado - Deportivo quer Hugo Almeida; Fábio Nunes (jovem português que na época passada esteve no Parma) na mira do Blackburn; Pio, médio de brasileiro de 24 anos, apresentado no Gil Vicente;Parma empresta Danilo Pereira (médio defensivo que esteve no Mundial sub-20)  ao Roda e Mário Rui (defesa esquerdo que esteve no Mundial sub-20) ao Spezia; Antunes perto de regressar ao Paços de Ferreira.

Portugal disputa na Estónia entre 3 e 15 de Julho a fase final do Campeonato da Europa de sub-19. A selecção nacional está integrada no Grupo A, juntamente com o conjunto anfitrião, a Espanha e a Grécia, e terá de se classificar nos três primeiros lugares do agrupamento para garantir o acesso ao Mundial Sub-20 de 2013, na Turquia. Algo, que considerando os nossos adversários é um objectivo perfeitamente alcançável (o grupo B é mais competitivo).

Depois de uma história de provas de Sub-18 a competição foi reclassificada para jogadores de Sub-19 em 2001/02 (nesse ano venceu a Espanha de Fernando Torres). Uma alteração que curiosamente coincide com o declínio da nossa formação, depois dos anos de ouro nos finais de 80 e na década de 90. É que na última década esta é apenas a 5ª vez que estamos presentes na fase final do europeu e apenas por uma vez passamos a fase de grupos (em 2003 quando Paulo Sérgio era o craque da equipa perdemos frente à Itália de Aquilani e Pazzini na final...na altura Hugo Almeida já falhava golos de uma maneira incrível). 

No entanto, acreditamos que em 2012 tudo será diferente e que esta geração poderá finalmente colocar o nome de Portugal na história da competição. A de 2010 fez um mau torneio e depois em 2011 foi à final do Mundial sub-20, contudo, este elenco à disposição de Edgar Borges é na nossa opinião muito mais capaz em termos técnicos e no que diz respeito à margem de evolução dos jogadores. Uma equipa recheada de bons valores, onde (tal é variedade de opções) apenas Rafael Veloso, Tiago Ferreira, João Mário e Esgaio são indiscutíveis, que conta com 3 (seriam 4 mas Iê lesionou-se) jovens ainda de 1994 (para o ano podem voltar a disputar este Europeu): Cancelo, Varela e Bruma; que vai poder aproveitar a experiência (algo que nos tem faltado em fases finais) adquirida pelos jogadores do Sporting na NextGen até mesmo de Agostinho Cá (que já disputou este Euro em 2010), e que na perspectiva do VM (tal é a qualidade de alguns elementos) estamos mesmo perante aquela que pode ser a base (principalmente 5/6 jogadores) da selecção AA de Portugal a partir de 2016 (veremos se vão ter ao nível do futebol sénior espaço para evoluírem e demonstrar o seu valor...com o panorama actual isso parece um cenário complicado).

Lista de convocados:
Guarda-redes: Rafael Veloso (Sporting) - Apresenta uma característica que o distingue dos habituais guardiões portugueses, ou seja, a sua coragem nas saídas aos cruzamentos, nem sempre o faz da melhor maneira, mas se melhorar esse aspecto a juntar ao seu 1,92 e colocação entre os postes, poderá ter um papel interessante no futebol português. O seu jogo de pés e a capacidade de reacção são as suas maiores lacunas. Será o titular; Bruno Varela (Benfica) - É uma das grandes esperanças dos encarnados (já tem inclusive contrato até 2016 e uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros). Muito forte fisicamente (1m91), preenche bem a baliza e apenas peca por alguns lapsos em termos de concentração.
Defesas Centrais: Tiago Ferreira (FC Porto) - É o patrão da defesa de Portugal. Já com uma maturidade competitiva acima da média para a sua idade (esteve no Mundial sub-20), o "Puyol" português destaca-se pela liderança, qualidade em termos defensivos (tanto no desarme como no jogo aéreo) e boa técnica. Deverá formar dupla com Tiago Ilori (Sporting) - Apresenta todas as características que um central deve ter: altura (1m90), velocidade e uma saída de bola razoável. Terá de melhorar a sua capacidade de choque, e perder alguma timidez na abordagem aos lances; Já que Edgar Iê (Sporting) - Seria o titular, mas lesionou-se e foi baixa de última hora. O polivalente jogador que está de saída de Alvalade. Caracteriza-se pela boa impulsão, agressividade positiva, bom desarme e capacidade de antecipação, atributos técnicos e de presença (nesta fase) inclusive superiores aos de Ilori, mas que para central peca pelo seu 1m76 - foi substituído por André Teixeira (ex-Porto que assinou pelo Belenenses).
Laterais - Daniel Martins (Benfica) - Será o lateral esquerdo titular. Lateral muito alto (1m85), não dá grande profundidade ao corredor mas é competente em termos defensivos; João Cancelo (Benfica) - Deve ocupar a lateral direita. O jovem de apenas 1994 (que pode jogar nos 2 corredores) destaca-se pela boa técnica, polivalência, profundidade que dá ao corredor e por apresentar características físicas para a posição muito interessantes (1m80). Não surpreende que o clube da Luz tenha renovado o seu contrato até 2018. Pedro Almeida (U. Leiria) - Lateral direito que esta época fez vários jogos na Liga Zon-Sagres) e André Teixeira (Belenenses) - Outro lateral direito que substitui Iê e foi este mês contratado ao Porto pelo conjunto do Restelo, devem ser os suplentes.
Médios - João Mário (Sporting) - O capitão da selecção é um dos indiscutíveis. Outro elemento que apresenta já uma maturidade competitiva notável para a sua idade. Bom nas dobras, boa interpretação dos momentos do jogo, agressividade (positiva) e excelente capacidade na recuperação de bola. Joga a médio defensivo mas pode actuar a 8 a 10 ou nas alas (tanto defensivas como ofensivas). No futuro o rótulo poderá ser: Wilson Eduardo o irmão de João Mário. Agostinho Cá (Sporting) - Deve fazer dupla com João Mário no meio campo. Em 2010 com apenas 17 anos foi titular no Europeu de sub-19 ao lado de Nuno Reis, Roderick, Nelson Oliveira, etc, que depois foram à final do Mundial sub-20.  Já actuou a extremo, a lateral, mas na nossa opinião rende mais quando joga como 2º médio. Tem técnica, velocidade, capacidade de posse de bola e de ocupação no meio campo que faz lembrar Lassana Diarra, veremos se consegue "explodir" no futebol sénior. Ao que tudo indica não irá ficar em Alvalade; André Gomes (Benfica) ou Tózé (FC Porto) vão completar o trio de médios. O benfiquista (que recentemente renovou até 2018) destaca-se por ser um médio centro invulgar devido à sua compleição física (1m88), pela boa visão de jogo e maturidade que apresenta (não é tecnicamente um fora de série, mas é um jogador com futuro sem dúvida), já o portista (apesar de também actuar nas alas) é um jogador que se caracteriza pela "agressividade" positiva nas suas acções (um jogador "à Porto"), com bom transporte de bola, e muito competente ao nível dos passes de rotura; Ricardo Alves (Belenenses) será um dos suplentes - O médio transferiu-se no último mês do Porto para o Restelo e será um elemento útil na rotação com João Mário ou Agostinho. Pode jogar a 6 ou 8, tem um bom pé esquerdo, é forte fisicamente e empresta sempre tudo o que tem ao jogo. Esgaio (a 10), Cafu (a 8 ou 10) são igualmente opções para o meio campo.
Extremos - Ricardo Esgaio (Sporting) - Nos juniores do emblema leonino actua a lateral mas na selecção costuma ser utilizado em sectores mais ofensivos. Seja a lateral direito, médio interior ou extremo, revela sempre uma intensidade, garra, velocidade e capacidade técnica muito interessante; Bruma (Sporting) - Deverá ser a opção para extremo esquerdo. Apesar de ser apenas de 1994 já parece um veterano, tal é a quantidade de anos que actua pelos juniores (este foi o 3º e pode fazer um 4º ano neste escalão). Muito rápido, potente, de boa técnica parece reunir todas as condições para ser um caso sério no futebol português.  Ivan Cavaleiro (Benfica) - Extremo direito que procura sempre desequilibrar nas suas acções. É rápido, nos juniores dos encarnados chegou a ser utilizado a lateral (principalmente nas fases finais das partidas), tem um bom 1 contra 1 mas peca por nem sempre decidir da melhor maneira.
Avançados - Betinho (Sporting) - O goleador da equipa. Capacidade em termos de finalização notável, terá apenas de melhorar na pressão e no acto de segurar a bola à espera dos apoios. Apresenta uma fisionomia idêntica a Lisandro Lopez, até festeja como o argentino, veremos se no futebol sénior alguém arrisca em apostar num avançado centro com 1m75, como aconteceu com "Licha" ou se será um "novo João Paiva". Cafu (Benfica) - Joga a 8, a 10, a extremo, mas na selecção até tem sido mais alternativa a Betinho no 11 titular como avançado. Apresenta na força física, na polivalência e na maturidade com bola as suas grandes armas. Pode ser um caso sério no futuro.

Na teoria Veloso, Cancelo, Ilori, Tiago Ferreira, Daniel Martins, João Mário, Agostinho Cá, André Gomes, Esgaio, Bruma e Betinho devem formar o 11 titular, mas são muitos jogos em poucos dias, e como tal, certamente todos os jogadores vão ter uma oportunidade (Toze e Cafu principalmente...não será surpreendente que façam inclusive mais minutos que alguns dos citados). O factor de não haver uma "estrela" evidente como por norma acontece neste tipo de torneios apenas vai valorizar o colectivo. Como nota negativa apenas o timing deste Europeu. O facto de coincidir com as pré-épocas vai impossibilitar que estejam presentes logo no inicio dos trabalhos das respectivas equipas (no passado foram vários os júniores de 2º ano ou seniores de 1º que "agarraram" uma oportunidade nesta fase e depois conseguiram em definitivo um lugar na equipa principal).

De acordo com A Bola, está em marcha nova troca de jogadores entre o Dragão e Alvalade. Envolvidos neste negócio estão Miguel Lopes, lateral-direito do FC Porto, e Adrien, médio do Sporting. Este jornal garante que já existe entendimento entre os dois emblemas e o futebolista leonino, mas falta acertar as condições com o defesa azul e branco, que esteve presente no Europeu. VM - A menos que envolva contrapartidas financeiras (Miguel Lopes mais 2/3 milhões) é um negócio que claramente favorece o FC Porto. Adrien Silva, não só é 3 anos mais novo, como em termos de qualidade é bastante superior a Miguel Lopes (completa este ano 26 anos). Aliás, como frisamos anteriormente o médio que em 2011-12 representou a Académica com bola na nossa opinião é um jogador inclusive com mais capacidade que o próprio Moutinho, por outro lado o lateral direito que na época passada era a 3ª opção no Braga (só ganhou minutos devido às lesões de Baiano e do adaptado Salino) ainda pouco demonstrou ao mais alto nível (no Porto nunca foi opção). Percebemos a intenção do negócio: são 2 elementos que terminam contrato daqui a um ano, e os azuis e brancos precisam de um médio com as características de Adrien (que jogue a 8 e 10), enquanto que para os leões a inclusão de um lateral mais alto não seria de todo descabida (no entanto com Arias, Pereirinha e Cédric não deveria ser uma opção prioritária). Somos a favor das transferências entre os "grandes" (em Itália é algo frequente). Mas, ao contrário do que aconteceu no passado (onde os leões ficaram a ganhar ligeiramente com as trocas entre Porto e Sporting), nesta situação a balança fica bastante desigual (idade e qualidade dos jogadores envolvidos) a favor dos azuis e brancos.

Euro 2012 - Pedro Proença vai dirigir a final do torneio entre a Espanha e a Itália. Depois de ter arbitrado a final da Liga dos Campeões o árbitro português consegue assim mais um marco histórico na sua carreira, curiosamente no mesmo ano. Será Proença o melhor árbitro europeu da actualidade? Até que ponto a sua presença na final pode beneficiar a arbitragem portuguesa?

28 de junho de 2012

FC Porto - O jornal uruguaio Ovación garante que Álvaro Pereira vai rumar ao Nápoles por 15 milhões de euros. Recordamos que 'Palito' renovou em Setembro o contrato até 2016 depois de os azuis e brancos terem rejeitado uma proposta do Chelsea de 22 milhões de euros pelo lateral esquerdo.

LPFP - Os clubes dos campeonatos profissionais de futebol decidiram terminar com a cedência ou empréstimos de jogadores a equipas do mesmo escalão. A proposta, apresentada pelo Nacional, foi aprovada com 19 votos a favor - entre os quais o do Sporting -, 9 contra e uma abstenção. A medida entrará em vigor já nesta temporada (2012-13). VM - Concordamos com a medida (favorece a "verdade desportiva", acaba com certas suspeitas, acreditamos que irá favorecer a formação e trava a contratação exagerada de alguns clubes), mas o "timing" da mesma faz pouco sentido. Nesta fase, quando as equipas já estão em preparação para a próxima época (por exemplo o Rio Ave ia receber 4 jogadores por empréstimo), implementar esta regra pode condicionar desde já tudo que estava planeado (não só vão ter de abdicar desses elementos como terão de procurar alternativas quando já o podiam ter feito há 1/2 meses). Por outro lado, admitimos que possa haver outra análise (o Olhanense por exemplo foi um clube que recentemente potenciou  jovens jogadores portugueses que estavam cedidos), pois por norma os jogadores quando estão por empréstimo  dos grandes (principalmente devido a acordos de utilização) acabam por ter mais espaço para evoluírem, o problema é que a tendência recente aponta para que esses elementos sejam na sua maioria estrangeiros (o ano passado Cedric, Adrien, David Simão, Wilson e André Pinto foram as poucas excepções), como tal, e considerando o panorama actual nada aponta para que esta realidade mude e também parece claro (os quase zero portugueses nos 3 grandes são prova disso) que o antigo modelo não resultou em termos de projecção dos futebolistas nacionais. Concorda com esta medida? Será aprovada pela FPF (ou os interesses dos "grandes" vão prevalecer)? Caso esta regra avance, por onde passa o futuro de jogadores como Fabiano, Ruben Amorim, Oblak, Roderick, Henrique (ia ser emprestado pelo Braga à Académica), Soares, etc? Até que ponto isto vai evitar contratações em "massa" por parte dos "grandes" (não cabem todos nas equipas B, e sem a possibilidade de emprestarem a clubes da I Liga parece claro que as 15/20 transferências que por norma costumam protagonizar por ano vão acabar)?

Mercado - Académica contrata Júnior Lopes, defesa-central brasileiro de 24 anos ex-Bragantino; PSG e AC Milan querem Fábio Coentrão; Nuno Gomes na mira do Blackburn Rovers.

Wimbledon - Rafael Nadal, número dois mundial, foi eliminado na segunda ronda do torneio inglês, ao perder com Lukas Rosol. O checo, número 100 do Mundo, surpreendeu o espanhol, finalista vencido em 2011 e recente vencedor de Roland Garros, em cinco "sets", por 6-7 (9-11), 6-4, 6-4, 2-6 e 6-4. Foi o tenista com "pior ranking" a ter alguma vez batido Rafael Nadal desde que se tornou profissional, e há 7 anos que o espanhol não perdia numa 2ª ronda de um Grand Slam. Surpresa do Ano? Até que ponto isto irá afectar o Ranking do espanhol? Esperança para Federer? E no que diz respeito a Wimbledon irá Murray aproveitar o seu quadro para pelo menos chegar à final?

Alemanha 1-2 Itália (Ozil 90'+1 g.p. , Balotelli 20' e 36')

A surpreendente Itália chegou à final do Euro 2012, depois de bater a favorita Alemanha. Um Super-Mario (Balotelli e não Gomez) foi suficiente para bater a defensiva alemã, numa partida com inúmeras ocasiões de golo. Balotelli apareceu ao mais alto nível e igualou Ronaldo, Mandzukic, Dzagoev e Gomez no topo dos melhores marcadores da competição. A "squadra azzurra" volta a uma final depois do título Mundial em 2006, enquanto que a Alemanha voltou a "morrer na praia", depois das meias finais em 2006, final em 2008 e meias finais em 2010 (poderá pesar em termos psicológicos). 

A Mannschaft até entrou melhor na partida e criou situações de golo, contudo, mostrou grande ineficácia. Pirlo salvou sobre a linha de golo um desvio de Hummels, enquanto que Barzagli quase fez auto-golo poucos minutos depois. Tony Kroos tentou por duas vezes o remate de fora da área, e a Itália respondeu da mesma moeda, com Montolivo e Cassano a testarem Neuer. Aos 20 minutos, Balotelli marcou o 1º golo do jogo. Excelente jogada italiana, com Cassano a rodar sobre Hummels e a cruzar para o cabeceamento do avançado siciliano. A partida estava animada e a Alemanha voltou à carga, com os remates de Ozil e Khedira (defesa de Buffon). Montolivo podia ter feito melhor pouco tempo depois, quando se isolou na área (tentou fintar em vez de rematar), mas aos 36´ redimiu-se com uma assistência para o 2º golo de Balotelli. O avançado do City isolou-se e rematou um míssil colocado e sem hipóteses para Neuer. 

Para a segunda parte, Low colocou Klose e Reus em jogo, por troca com Gomez e Podolski. A Alemanha voltou a entrar em bom plano, com Reus e Lahm a desperdiçarem boas hipóteses de golo, mas foi a Itália quem teve as melhores oportunidades para matar o jogo. Balotelli ficou perto do hat-trick, contudo, o seu remate saiu perto do poste. Na resposta Reus ainda rematou para grande intervenção de Buffon (a bola ainda foi à trave), mas a partir daí só deu Itália. A Alemanha carregava sobre o meio campo italiano, enquanto que a “squadra” partia para perigosos contra-ataques. Marchisio por duas vezes, falhou de forma escandalosa, Diamanti podia ter passado a bola para Di Natale, quando estavam 2 contra 1 e o próprio Di Natale rematou ao lado quando seguia completamente isolado. Nos últimos minutos, Hummels voltou a ficar perto do golo da Alemanha, mas foi Ozil a marcar o tento de honra dos alemães, através de uma grande penalidade. 

Destaques:


Itália - Antes do início do torneio, o VM referiu que esta Itália era a pior dos últimos 22 anos, pois faltavam as grandes figuras que habituaram os adeptos nos anos 90 e início do século XXI. Para além disso, grande parte do plantel para o Europeu não tinha nem 10 internacionalizações. Contudo, liderados por Buffon e Pirlo, a "squadra" tem revelado uma maturidade táctica genial, uma defesa que não tem falhado e dois atacantes em evidência (Balotelli e Cassano). Mérito para Prandelli, que soube montar uma estratégia para cada jogo, alterar a disposição da equipa no relvado e saber o momento ideal para lançar os suplentes.

Alemanha - A equipa alemã entrou bem na partida, criou ocasiões de golo, mas falhou de forma clara na defesa. A facilidades concedidas à "squadra azzurra" foram fatais, numa selecção que não funcionou como equipa ao longo dos 90 minutos. Apesar de terem criado situações de golo, a eficácia que marcou o futebol alemão desde o início da sua história, não apareceu em Varsóvia e a final Espanha-Alemanha caiu por terra. Depois das meias finais no Mundial 2006 e 2010 e da final do Euro 2008, a selecção alemã ficou novamente perto de conquistar algo, mas tarda em consegui-lo (poder pesar psicologicamente).

Balotelli - Não foi o homem do jogo para a UEFA, mas foi o jogador que decidiu a passagem da Itália à final. Bem posicionado no lance do 1º golo (ganhou a Badstuber), ficou novamente em destaque quando fugiu à defesa alemã e disparou um míssil em direcção da baliza de Neuer. Quase completou um hat-trick na segunda parte. Mostrou que, com a cabeça no sítio, pode bem ser um dos melhores do mundo na sua posição e é o candidato número 1 a melhor marcador do Europeu.

Pirlo/De Rossi - São os dois elementos chave do meio campo italiano. Enquanto De Rossi tem maior preocupação em destruir jogo, Pirlo mostra toda a sua classe no transporte de bola, na gestão do ritmo de jogo e no passe. Para além de terem uma qualidade a nível de posicionamento notável, conseguem sair a jogar e a lançar a "squadra" para o ataque. Actuações de grande nível nesta meia final.

Buffon - O guarda-redes italiano apenas não conseguiu deter a grande penalidade de Ozil. Sempre seguro entre os postes, voltou a ser um elemento em destaque na Itália, ao realizar defesas de grande nível.

Ozil/Khedira - Os melhores elementos da Alemanha, ainda que a anos-luz do que podem e deveriam fazer. O médio ofensivo tentou levar a Mannschaft para a frente, criou alguns desequilíbrios, mas não foi bem acompanhado, enquanto que o médio mais defensivo, apareceu por diversas vezes em zona de finalização, mas não deu a melhor continuidade.

Hummels - O central do B. Dortmund espelhou o que foi a exibição de toda a defensiva alemã. Deixou passar Cassano de forma infantil no 1º golo, entre muitos outros lances em que a Mannschaft foi apanhada em contra-pé. 

Nota prévia: O VM não concordou com a renovação de Paulo Bento antes do início da competição, contudo, o treinador português fez por merecer continuar à frente da equipa das quinas na qualificação para o Mundial 2014. Também não concordamos com os moldes da convocatória para o Europeu, mas sempre frisamos que foi graças a Bento que Portugal marcou presença na Ucrânia-Polónia, já que com Queiroz (tinha deixado uma selecção praticamente fora da corrida e de rastos em termos anímicos) isso seria impossível.

Portugal não era candidato ao título, a maioria dos portugueses, analistas (casas de apostas incluído) nem acreditavam que a selecção nacional conseguisse ultrapassar a fase de grupos, mas Paulo Bento conseguiu criar um grupo coeso, incutiu confiança e fez com que os portugueses acreditassem que podíamos ser campeões europeus (além disso, desde de 2008 que se começou a perder aquela "onda" em torno da selecção que tinha sido alimentada em 2004, mas que nesta fase parece ter sido recuperada por PB). Esse mérito ninguém lhe tira e todos devíamos ficar gratos por isso. Se juntarmos a isso a matéria-prima que dispunha (um elenco, à excepção de Nani, Pepe e Ronaldo num patamar acima dos outros, Veloso, Bruno Alves, Moutinho, Patricio e Coentrão noutro, repleto de elementos na sua maioria medianos, e que com bola era de longe a pior selecção dos últimos 16 anos, sem nenhum Deco, Figo, Paulo Sousa, Rui Costa que acrescentasse algo mais na construção), a maneira como mentalmente trabalhou os jogadores (foi claro que o grupo estava unido e que soube lidar da melhor maneira com o estatuto de outsider), ultrapassou o grupo da "morte" e apenas perdeu contra a campeã do Mundo e da Europa nas grandes penalidades (a Espanha há vários anos que não sentia tantas dificuldades em impor o seu estilo de jogo) foi de facto notável. É certo que se pode discutir as escolhas para marcar as grandes penalidades, a leitura de jogo ao nível das substituições, até mesmo o pouco trabalho verificado nas situações de bola parada (marcamos um golo de canto, mas contra a Espanha ficou evidente, com 4 jogadores diferentes a marcarem pontapé de cantos e todos sem sentido, que isso foi mal trabalhado) mas quando 95% dos portugueses nada esperavam, PB conseguir tanto com tão pouco, isso não pode ser esquecido.

Evaldo - De acordo com o jornal Marca, também o Granada está interessado no brasileiro do Sporting. O esquerdino que foi apontado ao Deportivo parece que está no mercado e é pretendido por vários clubes espanhóis e franceses, num cenário de empréstimo.

João Moutinho - Depois de ter sido apontado ao PSG, o médio do Porto é hoje associado ao Tottenham. A imprensa inglesa, avança que Villas-Boas (ainda não é treinador dos Spurs, mas para os ingleses é como se fosse), pretende o internacional português para colmatar a provável saída de Luka Modric, o croata é fortemente pretendido pelo Real Madrid. VM - Recordamos (já que é um assunto que tem sido debatido nas nossas caixas de comentários) que quando Moutinho se transferiu para o Dragão a Sporting SAD ficou com o direito a receber 25% da mais valia que se venha a verificar numa futura cedência do jogador da FC Porto SAD para outro Clube, por um valor superior a 11.000.000 €. 

Barcelona - Jordi Alba é o 1º reforço dos catalães para 2012-13. O lateral esquerdo de 23 anos, titular na selecção espanhola no Euro 2012, chega do Valencia por 14 milhões. Curiosamente é um regresso a casa, já que o esquerdino passou por La Masia entre 1998 e 2005. Bom reforço? Depois do catalão, que outros jogadores necessita o Barcelona adquirir neste defeso? E numa espécie de frente-a-frente (aliás é algo que se está a ser bastante comentado em Espanha), quem é melhor: Coentrão (que há um ano custou 30 milhões ao Real) ou Alba (um ano mais novo que o português)?

Atletismo - Sara Moreira foi terceira classificada na prova dos 5000m nos Europeus que decorrem em Helsínquia, na Finlândia, repetindo assim o feito de 2010. A atleta portuguesa (a nossa maior esperança para alcançar uma medalha nestes europeus) liderou a prova durante quase todo o tempo, mas perdeu a hipótese de subir aos dois primeiros lugares do pódio nos derradeiros metros da corrida.

Custou em 1984 (mas aí Chalana tinha apenas 25 anos, aliás do 11 titular que foi eliminado no último minuto do prolongamento frente à França só Bento, Lima Pereira e Jordão tinham mais de 30 anos, o que dava boas perspectivas para o futuro...depois em 86 pelos motivos que se conhece não confirmaram isso) em 1996 (Poborsky acabou com o sonho mas era a geração de Ouro e os jogadores tinham na sua maioria 24/25 anos), em 2000 (foi o nosso melhor plantel numa fase final, a França novamente roubou-nos uma oportunidade única, mas era evidente que ainda podiam dar mais, aliás chegaram ao Mundial 2002 como uma das 3 principais favoritas), em 2004 (pelo contexto, mas apareceu Ronaldo nesse torneio e ficamos com a certeza que Portugal ia continuar a ser uma das melhores selecções do Mundo) e em 2006 (foi a última participação de Figo, voltamos a perder com a França, mas Ronaldo tinha apenas 21 anos, Deco, Carvalho, menos de 30 e começavam aparecer jogadores como Nani, Veloso, Moutinho e Manuel Fernandes) mas frente à Espanha em 2012 doeu mais. Não só por termos perdido uma oportunidade única (e histórica) de eliminar a campeã da Europa e do Mundo e marcar pela 2ª vez presença numa final de um Europeu, não só pela pouca sorte nas grandes penalidades, mas, principalmente, pela ideia (quase certeza) que o sonho de sermos campeões europeus ou mundiais está cada vez mais longe de alcançar. A partir de 2016, quando Ronaldo, Nani, Pepe, Moutinho, Veloso e Meireles, por exemplo, estiverem na casa dos 30 anos, as soluções serão muito poucas ou nenhumas, aliás, actualmente as alternativas a estes jogadores são quase nulas. Os clubes portugueses não apostam nos jogadores nacionais (o Braga é a boa excepção e demonstra que consegue ser na mesma competitivo), cada vez temos menos lusos em equipas de Top do futebol europeu (este cenário dificilmente vai mudar se os nossos elementos não forem potenciados em Portugal) e a jogar a um nível competitivo alto (liga dos campeões ou em clubes que lutem por títulos...algo que é determinante em fases finais de Europeus e Mundiais), e se com Ronaldo (sem ele a selecção já era mediana) não chegamos ao objectivo máximo, no futuro o cenário será certamente mais complicado. É certo que temos uma excelente geração nos sub-19, que elementos como André Martins, Pizzi, Nélson Oliveira, etc, demonstram qualidade (mas com a idade deles jogadores como Moutinho, Ronaldo, Nani, entre muitos outros já eram indiscutíveis nos seus clubes e certezas), no entanto, a tendência é que encontrem pouco espaço para evoluir e demonstrar o seu valor (os "grandes" querem resultados no imediato e cada vez possibilitam menos experiências).

Após a brilhante campanha no Mundial sub-20, pensava-se que estaria dado o mote para mudar a mentalidade dos dirigentes dos clubes portugueses, no que toca à contratação de jogadores e aposta no produto nacional, contudo, parece que aconteceu o contrário. Dos jogadores que fizeram parte da campanha portuguesa na Colômbia, poucos jogaram com regularidade nos principais campeonatos. A juntar a isso o FC Porto acabou novamente a temporada sem nenhum jogador português da sua formação no plantel (já tinha acontecido em 2011-12), e Moutinho, Varela e Rolando foram as únicas apostas nacionais. Já o Benfica, com a saída de Coentrão como seria expectável actuou 95% das partidas sem nenhum jogador português no 11 (Nélson Oliveira foi o único a contrariar este cenário, mas foi utilizado apenas alguns minutos). Por sua vez, o Sporting que era a excepção e de longe o melhor exemplo para o futebol nacional, não conseguiu resistir à tendência e contratou no defeso passado 19 jogadores (todos estrangeiros. Aliás na próxima temporada com a saída de João Pereira, Patrício poderá ser o único português regularmente no 11). Três clubes, três equipas que deviam ser exemplo para todas as outras a nível nacional, mas que com esta política estão a contribuir para uma falta de identidade do futebol português. No plano económico, está igualmente provado que o jogador português é dos que vende melhor no Mundo, como tal, esta aposta nula é uma má política de mercado (como querem vender jogadores como o Nani, Coentrão, Carvalho, se não apostarem neles?). Os outros clubes da Liga Zon-Sagres infelizmente dão continuidade a este flagelo e salvo algumas excepções o cenário é pouco animador. Como tal, parece-nos oportuno voltar referir o projecto que o Visão de Mercado elaborou para o futebol português e destacou em Setembro de 2010 (ler aqui), que repetiu em 2011 (ler aqui), e já mencionou igualmente este ano (ler aqui).

Soluções?

Visão de Mercado sugere algumas soluções a aplicar pela Liga de Clubes, como forma a reduzir esta invasão de jogadores extracomunitários. As medidas são na nossa perspectiva realistas e de acordo com os padrões do futebol português. A saber:
O número de inscrições na Liga ZON-Sagres fica fixado nos 27 jogadores, no entanto, desse número, pelo menos 5 jogadores terão que ter sido formados no clube (a mesma regra da UEFA: ter jogado pelo menos 3 anos no seu clube, entre os 15 e os 21 anos).
- Para equilibrar o número de jogadores portugueses no 11 inicial, sugerimos que obrigatoriamente em todos os jogos, as equipas coloquem 4 jogadores nacionais de inicio, como forma a que joguem pelo menos 64 portugueses no fim-de-semana desportivo. Esta medida (que como é óbvio seria gradual, ou seja no próximo ano 2, daqui a 2 anos ter de utilizar 3, até que em 2015 teria a obrigação dos 4 portugueses), obrigaria os clubes nacionais a terem um plantel com pelo menos 10-12 jogadores nacionais, como forma de prevenir qualquer lesão ou castigo. Recordamos que por exemplo no campeonato russo há uma obrigatoriedade de as equipas apresentarem 6 jogadores russos no 11.
Limitar as transferencias de jogadores do exterior para 8 ou 10 (desde que pelos menos 5 deles sejam internacionais por qualquer escalão de formação do seu país). Esta medida visa reforçar as trocas internas, fomentando a circulação interna do dinheiro e maior equilíbrio das contas dos clubes.
- Quanto à limitação de jogadores extracomunitários, consideramos essa medida um pouco xenófoba, preferindo a obrigatoriedade de utilizar jogadores nacionais, em vez de restringir a entrada de extracomunitários.

Em relação à II Liga, seria também razoável implementar a obrigatoriedade de inscrever mais jogadores portugueses (pelo menos 14 jogadores em 27, 5 jogadores da formação e 5 jogadores no onze inicial). Quanto aos escalões de formação, seria importante obrigar os clubes a utilizar pelo menos 8 jogadores nacionais no onze inicial, como forma de fomentar a formação de jogadores portugueses. É lamentável não conseguirmos estar de maneira assídua nas grandes competições juvenis (o último Mundial sub-20 foi a excepção), e pela forma como países como a Alemanha, Bélgica, França, Espanha e até a Inglaterra estão a trabalhar há muito perdemos o estatuto de potência ao nível da formação. Por último, no que diz respeito às equipas B devia haver um cariz obrigatório de só poder inscrever no máximo 5 estrangeiros.

PS - Caso os 4 principais clubes nacionais utilizassem regularmente pelo menos 4 jogadores nacionais de inicio, formariam uma boa base de apoio para a selecção nacional, pois seriam 16 jogadores em competição acesa na Liga Nacional, e quem sabe nas Competições Europeias. Quem ficava a ganhar era a selecção nacional!

Que medidas equaciona para uma melhoria do nosso futebol? O que acrescentaria ou retirava às ideias do Visão de Mercado para permitir evoluir a nossa Liga em termos de sustentabilidade dos clubes, indirectamente ajudar o futuro da nossa selecção, e para dar mais condições ao jogador português? Recordamos que em 2004 (parece que foi há um século, mas foi há meia dúzia de anos) o Porto de Mourinho venceu a Liga dos Campeões com 9/10 portugueses a jogar assíduamente, como tal, a ideia de os clubes só poderem ser mais competitivos com jogadores estrangeiros não faz sentido. E se os nossos melhores querem sair, ao menos que se criem condições para outros apareceram e mostrar o seu valor...e para isso só actuando com regularidade. Poderá Portugal estar a correr sérios riscos em termos de afirmação da nossa selecção no futuro?

Benfica - De acordo com a imprensa espanhola, os encarnados sondaram Alberto Botía, defesa central de 23 anos e 1m87 que milita no despromovido Gijón. O espanhol (que deverá marcar presença nos próximos JO) foi um dos destaques da La Liga é pretendido por Málaga, Atlético de Madrid (de quem se diz já ter um acordo) e alguns clubes da Premier League, e está avaliado em 4 milhões de euros (o Barcelona detém igualmente uma opção sobre o jogador).

Sapunaru - É o último nome do futebol português associado ao Olympiacos de Leonardo Jardim. Nesta fase, parece claro que o técnico madeirense quer "pescar" em Portugal, e o romeno do FC Porto, de acordo com a imprensa grega é um dos alvos.

Mercado - O Atlético Madrid vendeu Álvaro Domínguez ao Borussia Moenchengladbach  por oito milhões de euros (valor exagerado, já que o central ainda pouco demonstrou nos Colchoneros, aliás desde que saiu da equipa e começaram a jogar Miranda-Godin o conjunto de Simeone melhorou muito defensivamente, mas que demonstra o poder financeiro dos alemães); Mario Mandzukic (um dos destaques no Euro 2012) reforça o Bayern. O croata terá custado entre 12 a 15 milhões e é a sexta contratação do colosso alemão depois de Tom Starke (Hoffenheim), Dante (Borussia Monchengladbach), Xherdan Shaqiri (Basel-SUI), Mitchell Weiser (Colônia) e Claudio Pizarro (Werder Bremen). Boas apostas do Bayern? Parma contrata Dorlan Pabón (um dos bons elementos a jogar na América do Sul) por 4 milhões de euros.

Atletismo - Nos Campeonatos da Europa, em Helsínquia, Marco Fortes (peso) e Patrícia Mamona (triplo) conseguiram o apuramento para a final, já Vera Barbosa bateu o recorde nacional nos 400 metros barreiras.

Taça dos Libertadores - Com Maradona na bancada o Boca Juniors não foi além de um empate (1-1) frente ao Corinthians, no La Bombonera, na 1ª mão da final. Roncaglia fez o 1-0 para os argentinos já ao minuto 73, mas pouco depois, Romarinho (que tinha acabado de entrar) na 1ª vez que tocou na bola com classe fez o empate. Um resultado que favorece a postura defensiva do Timão (praticamente não atacou) e penaliza algumas más definições do Boca (Mouche não esteve particularmente bem na finalização). Conseguirá o Corinthians vencer a sua 1ª Libertadores? E na perspectiva de mercado além de Mouche e Paulinho, que outros jogadores das duas equipas podiam ser mais-valias para a Liga Zon-Sagres (excluindo os veteranos)?

Wimbledon - Caroline Wozniacki, ex-número 1 do mundo, perdeu na 1ª ronda frente a Tamira Paszek, já Samantha Stosur, outra das favoritas no quadro feminino, foi eliminada na 2ª ronda por Arantxa Rus.

27 de junho de 2012

Portugal 0-0 (2-4 nas g.p.) Espanha

Acabou o sonho de Portugal em chegar à final do Europeu, depois de cair perante a Espanha na marcação das grandes penalidades. Foram 120 minutos de sofrimento, com uma selecção nacional bastante personalizada na forma como conseguiu anular a forte selecção espanhola. Durante os 90 minutos não houve claras oportunidades de golo, a Espanha, depois, esteve melhor no prolongamento, mas foi a sorte a decidir o rumo dos espanhóis para final.

Portugal entrou melhor na partida e conquistou dois pontapés de canto logo no início de jogo, mas a selecção espanhol respondeu de pronto. Boa jogada de Iniesta e remate perigoso de Arbeloa. Passado este susto, a selecção portuguesa acertou nas marcações e com a pressão sobre o portador da bola, não deixou a Espanha criar jogadas de perigo para a baliza de Rui Patrício. Algumas recuperações de bola no meio campo espanhol, permitiram a Portugal criar lances de perigo (Ronaldo rematou perto do poste de Casillas), mas a partida chegou ao intervalo sem golos. Na segunda parte, mais do mesmo. Pressão alta de Portugal, Espanha em dificuldades para construir jogo e a selecção nacional a aproveitar as transições rápidas. Por três ocasiões, Hugo Almeida teve oportunidade para rematar, mas falhou sempre o alvo. A entrada de Fàbregas, aos 54 minutos, fez com que a Espanha começasse a criar mais perigo, ainda que a defesa portuguesa tenha conseguido impedir que "nuestros hermanos" chegassem ao golo. Do outro lado, Portugal ia ganhando faltas, contudo, Ronaldo não conseguiu direccionar bem o seu remate. No último minuto, surgiu a melhor ocasião de golo para Portugal. Raul Meireles conduziu o contra-ataque, passou para Ronaldo (o passe saiu um pouco mal direccionado), mas o avançado português não conseguiu rematar na direcção da baliza. No prolongamento, a Espanha esteve mais forte e criou duas ocasiões de golo. Iniesta rematou dentro da área, para grande defesa de Rui Patrício, o mesmo acontecendo com Navas (o guarda-redes português voltou a revelar segurança). Nas grandes penalidades, Portugal até começou melhor (Patrício defendeu o remate de Xabi Alonso), mas João Moutinho falhou logo de seguida (defesa de Casillas). A Espanha foi concretizando a suas, Bruno Alves rematou à trave e Fàbregas marcou o golo decisivo (remate colocado e com toda a sorte do mundo, a bater no poste e a entrar...). Ponto final na brilhante carreira de Portugal no Euro 2012. 

Destaques:

Portugal - Para 95% dos portugueses era impensável chegar às meias-finais. Mas o grupo de Paulo Bento calou os críticos, superou o chamado grupo da "morte" e apenas foi eliminado pela campeã europeia e Mundial nas grandes penalidades. Uma prestação espectacular que apenas deve deixar orgulhosos os portugueses. 

Paulo Bento - Jogou com a táctica habitual, mas incutiu maior capacidade de pressão na equipa nacional. A partida de Portugal foi perfeita do ponto de vista defensivo, faltando apenas maior qualidade no ataque. O treinador português optou pelas substituições habituais, mas parece que Portugal ficou a perder com isso (quanto ao VM, devia ter colocado Varela no lugar de Almeida e deslocar Ronaldo para o meio, lugar onde jogou no prolongamento). Nos últimos minutos do prolongamento, poderia ter optado perfeitamente por Hugo Viana ou Quaresma (em vez de Varela), jogadores que dão garantias na marcação das grandes penalidades.

Espanha - A selecção espanhola foi incapaz de fazer o tiki-taka, incapaz de criar grandes ocasiões de golo (apenas no prolongamento) e incapaz de chegar ao golo em 120 minutos de jogo. Do ponto de vista defensivo, La Roja esteve em bom nível (Ronaldo raramente assustou de bola corrida), com Sergio Ramos a mostrar grande qualidade (foi considerado o melhor em campo). Depois, a sorte protegeu "nuestros hermanos" nas grandes penalidades (a trave e o poste estiveram com La Roja). Destaque para o elevado número de passes falhados e para o lançamentos longos para o ataque (pouco habituais na selecção espanhola). 

João Moutinho - Foi o melhor jogador português em campo... sem bola. Pressionou, recuperou a bola, ocupou de maneira brilhante o espaço, mas com bola não esteve particularmente bem. Não construiu, não fez posse, assistiu mal Nani numa das melhores transições ofensivas de Portugal e ainda falhou a grande penalidade (o 1-0 podia ter mudado a nossa sorte). 

Pepe/Bruno Alves - O central do Real Madrid esteve novamente imperial, quer a nível do corte, quer nas dobras aos laterais. Bruno Alves esteve igualmente em bom nível, mas mostrou pouca confiança na hora de marcar a grande penalidade (terá sido fatal...). 

Fábio Coentrão/Miguel Veloso - O lateral esquerdo esteve num nível elevado, quer na defesa, quer no apoio ao ataque. Veloso mostrou grande capacidade de pressão (estava encarregado de anular Xavi e conseguiu) ao longo dos minutos em que esteve em campo. 

Rui Patrício - Tocou bastantes vezes na bola, tal foram a quantidade de passes dos seus colegas de defesa e guardou-se para o prolongamento (não foi testado nos 90 minutos). Fez duas grandes defesas, empurrou Portugal para a decisão das grandes penalidades e quase foi o herói português no desempate da "lotaria" (defendeu a 1ª e esteve perto de anular mais duas). 

Ronaldo/João Pereira - O avançado português deu muito jogo na frente, mas não esteve feliz ao nível do remate (tentou muitas vezes mas não acertou nenhuma vez na baliza de Casillas); já o lateral direito esteve seguro até à entrada de Pedro (depois sofreu muito com o extremo do Barça); 

Hugo Almeida/N. Oliveira - Portugal perdeu força com a saída de Hugo Almeida. Pode ter sido coincidência devido ao desgaste da equipa, mas a verdade é que o avançado batalhou, estorvou, condicionou a saída de bola da Espanha e com Nélson Oliveira isso deixou de acontecer.

Nani - Do ponto de vista defensivo esteve bem, contudo, faltou aparecer o melhor Nani da Premier League e da fase de qualificação. Definiu quase sempre mal na frente e raramente conseguiu desequilibrar.


Na teoria, o prémio de melhor jogador do Mundo em 2012 será disputado por Ronaldo e Messi, os golos que marcaram, as exibições e o nível que exibem eleva os 2 craques a um patamar superior no futebol actual. No entanto, se Ozil, Pirlo e Iniesta juntarem às boas exibições que têm realizado na Polónia/Ucrânia, o título de campeão europeu, à semelhança do que aconteceu com Cannavaro no Mundial 2006, poderão ter uma palavra a dizer "nesta corrida". Andrea Pirlo conquistou o título italiano, sem qualquer derrota, e tem espalhado classe pelo Europeu, Iniesta está a provar ser um dos melhores três jogadores do Mundo e Ozil é peça fundamental na organização atacante da Mannschaft (tendo igualmente contribuído para o titulo do Real na La Liga). Normalmente, os jogadores que se destacam nas grandes competições internacionais cabem no top-20 da Bola de Ouro da FIFA/FF (antigamente prémio FIFA), com Zagorakis (campeão europeu e melhor jogador do Euro 2004) a ser um excelente caso de estudo. O capitão grego levou o seu AEK ao 4º lugar na Liga Grega (2003-04), chegou ao Europeu e foi coroado como o melhor jogador e na votação para o prémio FIFA ficou no 17º lugar. Se for um dado adquirido que Ronaldo e Messi vão ficar nos dois primeiros lugares, quem irá fechar o pódio? Irão Ronaldo e Messi lutar pelas próximas Bolas de Ouro sozinhos ou poderão ter alguma concorrência?

Em Setembro de 2009, o Comité Executivo da UEFA aprovou por unanimidade o conceito de "Fair Play Financeiro" para o bem-estar do futebol europeu de clubes. O objectivo deste conceito passa, essencialmente, por um controlo financeiro do futebol europeu em que os clubes estão inseridos e competem, com um olhar especial sobre os crescentes gastos dos clubes em salários e transferências. Num passado recente, muitos clubes têm apresentado prejuízos avultados (em matéria financeira) e as condições económicas a nível global não ajudam ao desenvolvimento e ao crescimento das receitas, o que provoca dívidas, atrasos de pagamentos a outros clubes, jogadores, funcionários, etc. Nesse sentido, a medida aprovada pela UEFA é um sistema de controlo das finanças dos clubes, com vista ao cumprimento de requisitos para a participação nas provas europeias. De uma forma sucinta, o conceito de Fair Play Financeiro tem um objectivo claro: as despesas dos clubes não podem ser superiores às receitas no conjunto das últimas três temporadas.

Esta é uma medida que se pode e deve aplaudir, e apenas peca por tardia. São conhecidos diversos clubes que esbanjam milhões atrás de milhões, e que apresentam prejuízo no final de cada temporada. Chelsea e Manchester City, por razões óbvias, são dois dos casos mais sonantes. Este "travão" financeiro imposto pela UEFA terá que ser cumprido, caso contrário existirão medidas severas para os infractores. Desde logo, existe a possibilidade de um clube infractor ser expulso da competição, embora seja a medida mais extrema e que deve ser evitada. Essencialmente, as penas passarão pela retirada de pontos ou a proibição de inscrição de jogadores, obrigando os clubes a apresentarem saldo positivo no final de cada temporada.

Portugal não será excepção à regra. Os clubes portugueses são, essencialmente, vendedores, sendo que o campeonato nacional é visto como um "trampolim" para voos mais altos. Os chamados "grandes" serão os mais visados, tendo em conta os seus gastos. Os passivos de FC Porto, Benfica e Sporting atingiram níveis históricos, e o saldo de ambos é francamente negativo. Nesse caso, será de esperar um maior controlo por parte dos clubes nacionais na hora de comprar e na quantidade que será despendida. Pelo menos, as contratações até ao momento apontam nesse sentido. O FC Porto contratou Fabiano e Stefanovic e, apesar dos valores não terem sido divulgados, são contratações de baixo custo. O Benfica tem apostado no mercado interno. Djaniny, Hugo Vieira e Paulo Lopes chegaram a custo 0, enquanto Michel e Luisinho chegaram por 1M€ (valor não confirmado). O lateral-esquerdo, Villarraga chega por empréstimo, e Ola John é o único que foge a esta política, pois custou 9M€. No Sporting, a única contratação até ao momento foi Labyad, e chega a Alvalade depois de terminar contrato com o PSV.

Em suma, o mercado nacional parece já estar condicionado pelo Fair Play Financeiro. Os negócios que se verificaram até ao momento revelam uma maior contenção dos gastos por parte dos clubes portugueses, pois as medidas impostas pela UEFA assim o obrigam. Até final, resta saber se esta política se irá manter ou tudo será esquecido na hora de reforçar cada plantel.

Até que ponto o Fair Play Financeiro irá condicionar os clubes portugueses? Esta é uma medida útil para o futebol? O futebol português irá decrescer no que a qualidade diz respeito? Conseguirão os clubes nacionais que competem nas competições europeias ombrear com equipas que possuem um maior desafogo financeiro?

A. Mesquita

A segunda meia final do Euro 2012 colocará frente a frente a Mannschaft e a Squadra Azurra, dois históricos do Velho Continente (curiosamente os alemães nunca derrotaram os transalpinos em fases finais de Europeus e Mundiais). A Alemanha chega a esta fase da prova com naturalidade, uma vez que à partida era apontada como uma das favoritas à vitória, enquanto que a Itália surpreendeu e volta à elite europeia. No último confronto entre ambas, no Mundial 2006, os italianos apuraram-se para a final no prolongamento. Dois estilos de jogo muito diferentes, os alemães com o seu 4-2-3-1 sempre a imprimir uma dinâmica ofensiva muito forte (tanto ao nível do jogo organizado, como e principalmente nas transições) enquanto que os transalpinos (no clássico 4-3-1-2) adoptam uma postura mais táctica (Pirlo, De Rossi e Marchisio são fundamentais na estratégia italiana, pela maneira como não deixam que a equipa se desequilibre, ocupam os espaços e lêem o jogo).

O favoritismo terá que ser atribuído à Alemanha, não só pela sua prestação até aqui (4 vitórias e liderança no grupo da morte), como também pela sua maior experiência (apesar da juventude dos seus elementos, já actuam juntos há 4 anos, sendo que a base da equipa joga toda no Bayern) e frescura física (mais 2 dias de descanso e um jogo pacífico frente à Grécia). Uma equipa que se tem apresentado num nível muito bom, como se esperava, que até se deu ao luxo de efectuar a rotação completa na frente de ataque para defrontar a Grécia. Em termos individuais, Hummels tem sido o patrão da defesa (que não tem estado assim tão segura), Khedira brilha mais na selecção do que no Real e Özil tem estado num nível impressionante. Para este jogo, Löw deverá voltar a apostar em Gomez, Muller e Podolski (Reus devia continuar no 11). Do lado da Itália, Prandelli já fez o que lhe competia, com a renovação da selecção italiana, acompanhada de uma boa prestação neste campeonato. Depois de um jogo desgastante frente à Inglaterra, a Squadra Azurra terá missão complicada para ultrapassar a Alemanha, embora tenha os seus trunfos. A defesa tem estado muito segura, Pirlo está num nível fantástico e coloca toda a equipa a jogar, Cassano e Balotelli complementam-se bem e são jogadores perigosos. Para além disso, têm armas no banco de suplentes, como Diamanti (sempre que tem entrado mexe com a partida) ou Di Natale. Deverão adoptar uma postura mais expectante, pelo que fica a dúvida se Montolivo (que fez uma óptima exibição no embate anterior) se manterá no 11 (ou se regressa Thiago Motta). Prognósticos? Quem será a figura da 2ª meia-final?

26 de junho de 2012

De acordo com a imprensa francesa, o PSG está fortemente interessado em João Moutinho e já abordou o FC Porto no sentido de contratar o médio. Os azuis e brancos não parecem dispostos a libertar o internacional português e pedem 35 milhões de euros pela transferência; Por sua vez, Adrien Silva volta hoje a ser apontado ao Cluj. O jornal romeno ProSport adianta mesmo que o jogador do Sporting que na última época foi emprestado à Académica deverá dar uma resposta amanhã ao campeão da Roménia a fim de fechar o negócio. Recordamos que o jovem de 23 anos (é igualmente pretendido por Montpellier, St. Etienne e Lorient) já foi associado no principio do mês ao Cluj (ler aqui) por uma verba a rondar os 2,5 milhões de euros.

No Braga é noticia o interesse dos gverreiros em Simon Poulsen, lateral esquerdo (foi titular no Euro 2012 ao serviço da Dinamarca) de 28 anos e 1m84. O dinamarquês está livre depois do seu vinculo com o AZ ter terminado e a imprensa holandesa refere mesmo que os minhotos ofereceram um contrato de 3 anos ao jogador que já foi associado ao Benfica e é igualmente pretendido por Ajax e Valencia. VM - Seria um reforço de peso para o Braga. O dinamarquês (que pela 1ª vez fez uma época como indiscutível no AZ, onde juntou às boas exibições 4 golos e 3 assistências) é muito competente a defender (usa bem o seu 1m84) e dá igualmente uma boa profundidade ao seu corredor. Se juntarmos a isso a comparação com Elderson seria um upgrade significativo no elenco de José Peseiro.

Depois de Éder (ler aqui), André Pires (ler aqui), Leandro Albano (ler aqui), Ismaily (ler aqui) e Florent Hanin (ler aqui) o Braga assegurou mais 3 reforços para 2012/13: Maximiliam Haas (central alemão que na última época representou o Leiria), Manoel (avançado brasileiro ex-Penafiel) e Bérgson (avançado ex-Grémio). VM - Haas (26 anos e 1m90 assinou por 3 épocas) foi uma das boas surpresas da 2ª metade da época na Liga Zon-Sagres. Demonstrou força no jogo aéreo, bom sentido posicional (talvez pela experiência que adquiriu na equipa B do Bayern) e juntamente com Ogu era dos elementos mais interessantes do Leiria. A sua contratação deverá implicar a saída de Douglão, Ewerton ou Nuno A. Coelho (Vinicius perdeu mercado devido à lesão quando estava a ser o melhor defesa do Braga, Henrique poderá ser novamente emprestado e Aníbal deve rodar na B). No que diz respeito aos avançados Manoel (23 anos e 1m85, 2º melhor marcador da Orangina, que chega por empréstimo do Grémio Anápolis para os próximos dois anos, ficando os minhotos com direito de opção por mais quatro temporadas) e Bérgson (avançado de 21 anos e 1m81 que já passou pela selecção sub-20 do Brasil e que estava emprestado pelo Grémio ao Ypiranga) devem a curto prazo adquirir experiência na equipa B (o ex-Penafiel que era pretendido por Nacional, Gil Vicente e Rio Ave, demonstrou qualidade na II Liga, principalmente ao nível da finalização e movimentação, mas com Carlão, Lima, Ze Luis e Éder dificilmente terá espaço no imediato na equipa A). Bons reforços? A entrada de Haas implica a venda de que central? Depois de Haas, Manoel e Bérgson que outros jogadores podem "aterrar" em Braga neste defeso? Que posições necessitam ser reforçadas?

Portugal - Paulo Bento confirmou que Hugo Almeida será titular no encontro desta quarta-feira frente à Espanha, nas meias-finais do Euro 2012. Boa opção? Conseguirá o avançado repetir a boa exibição no Mundial 2010 diante da La Roja, ou até mesmo o golo que marcou nos 4-0 no Estádio da Luz?

Walter - Foi emprestado ao Goiás até final do ano. O avançado que custou ao Porto 6 milhões por 75% do passe (entretanto os azuis e brancos venderam 25% por 2,1 milhões a um fundo) estava cedido ao Cruzeiro mas não se impôs e vai agora disputar o resto da temporada na Série B brasileira. Um dos piores negócios do Porto? Como se explica (é inegável que tem qualidade) que os azuis e brancos tenham adquirido este jogador (os seus problemas de comportamento, empenho e atitude eram há muito conhecidos)?

LPFP - Aceitou todas as inscrições na Liga e na Liga de Honra, mas impediu nove clubes de registar contratos ou de utilizar jogadores já inscritos. Vitória de Setúbal, Vitória de Guimarães e Olhanense, no campeonato principal, e de Leixões, Belenenses, Naval 1.º de Maio, Trofense, Atlético e Desportivo das Aves, na Honra. A concorrência desleal (com clubes a gastarem mais do que o podem) vai continuar nos nossos campeonatos profissionais?

Miguel Veloso - O Dínamo Kiev parece ser o destino mais provável, para o médio português (era igualmente pretendido por CSKA e Zenit), o próprio Génova confirmou que o negócio está iminente. Melhor opção de carreira? Caso se confirme, vai ter a possibilidade de disputar a LC (o próprio campeonato ucraniano está a crescer e atrai cada vez melhores jogadores) mas não deixa de ser surpreendente esta decisão (pelo menos no plano desportivo).

Didier Drogba - Assinou esta semana pelo Shanghai Shenhua, mas hoje foi fortemente falado em Espanha. Ao que parece o avançado terá uma cláusula que lhe permitiria rescindir com os chineses, caso tivesse uma proposta do Barcelona, e vários jornais, inclusive a Marca garantiram que ia assinar pelos catalães (alguns chegaram menos a dar conta que já estava na Catalunha). No entanto, o líder do Barça, Sandro Rosell, desmentiu por completo esta noticia. 

Mercado - Batatinha (melhor marcador da II Divisão) confirmado no Beira-Mar; Giroud apresentado no Arsenal (o melhor marcador da última Ligue 1 custou 16 milhões de euros). Bom reforço?; Kjaer associado a Málaga e Real Madrid; Galatasary quer Lisandro Lopez (Lyon); Tottenham e Liverpool querem desviar Gylfi Sigurdsson do Swansea. 

Wimbledon - Rui Machado foi eliminado na primeira ronda do torneio inglês, ao perder com o norte-americano Brian Baker. O tenista português ficou hoje igualmente a saber que não irá estar presente nos JO. Nos outros encontros, destaque para a eliminação de Tommy Haas, Isner e Berdych.