24 de Outubro de 2014

Só beneficia a Dinamarca e Portugal.

A UEFA anunciou, que na sequência dos incidentes ocorridos no encontro entre Sérvia e Albânia, no passado dia 14 de Outubro, referente ao Grupo I de qualificação para o Euro-2016 (o mesmo onde está inserido Portugal). Os albaneses por terem abandonado o encontro foram punidos com a derrota, no referido jogo por 0-3, sendo ainda multados em 100 mil euros. Já a Sérvia além de ter ficado sem os 3 pontos, foi multada igualmente em 100 mil euros e a realização à porta fechada dos dois próximos jogos em casa na presente fase de qualificação, ante Dinamarca e Arménia.

Prometia, juntamente com Sterling, ser o alvo prioritário dos "tubarões" no próximo Defeso, mas esta decisão dá margem ao campeão italiano - Pogba ampliou o vínculo que o liga à Juventus até 2019. O médio francês tem sido um dos nomes mais falados no mercado nos últimos 2 anos, frequentemente apontado a Chelsea, PSG, Man Utd e Real, mas optou por prolongar o seu contrato por mais 3 anos. Uma decisão que também tem impacto no seu salário, vai passar a auferir 4,5 milhões por ano (mais 3 milhões do que ganhava actualmente).

No Natal de 2012, os adeptos do Galatasaray receberam um inesperado presente: a contratação das estrelas Wesley Sneijder e Didier Drogba. A chegada destes dois ex-campeões europeus, a juntar a elementos como Muslera, Felipe Melo, Altintop ou Burak Ylmaz, treinados pelo mais prestigiado dos treinadores turcos (Fatih Terim), fazia acreditar que em Istambul passasse a existir uma força sem paralelo no futebol do país euro-asiático, capaz de chegar longe no panorama europeu. No entanto, menos de dois anos depois, é possível dizer que o projeto falhou: este recheado elenco apenas venceu uma liga, em 2012-2013, tendo visto o seu eterno rival Fenerbahçe vencer o campeonato na época transata (o Gala só venceu dois dos últimos seis). A nível europeu, a chegada aos quarto-de-final da Champions, caindo frente ao Real Madrid, ainda prometeu ser uma espécie de aviso, mas não teve continuidade. Entretanto, Drogba e Terim saíram e Mancini mal aqueceu o lugar.

Ultimamente, o cenário tornou-se ainda mais negro: o descontrolo financeiro dos últimos anos levou os turcos a uma situação insustentável, debatendo-se agora com salários em atraso; a proibição da federação turca em ter mais do que cinco estrangeiros no onze e dois no banco condiciona a formação de um conjunto competitivo (ainda que possa ser benéfico para o futebol local); o novo treinador, o italiano Cesare Prandelli, tem sido muito contestado pelo fraco desempenho europeu da equipa, tendo somado apenas um ponto em três jogos (na última jornada foi humilhado em casa pelo Dortmund).

Ora, este furacão tem feito como vítima um dos maiores talentos do futebol português: Bruma. Jogador eletrizante, rápido, com técnica, fortíssimo no um para um, com excelente capacidade goleadora e que desde jovem demonstrou uma “fome” competitiva invulgar. O extremo, que saiu do Sporting no verão de 2013 em litígio com a direção, até conseguiu, inicialmente, ter algum espaço (alinhou em 15 dos 16 primeiros jogos), mas uma inoportuna e grave lesão sofrida em Janeiro de 2014 condicionou, e muito, a sua evolução. Perdeu toda a segunda metade da época passada, e consequentemente, o Mundial.

Esta época, em que certamente queria “começar de novo” na Turquia, tem sido muito condicionado pela instabilidade do seu clube, algo que para um elemento que hoje completa apenas 20 anos pode ser altamente prejudicial, travando a sua progressão. O jogador perdeu espaço no elenco de Prandelli e, face ao momento do clube, tem sido dado como estando no mercado. Parecendo óbvio que nesta fase uma saída seria benéfico para o extremo, e, como consequência disso, para a selecção nacional, desejosa de ter mais uma referência.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Pedro Barata

23 de Outubro de 2014

Golaço de Lamela frente ao Asteras
As equipas portuguesas tiveram mais uma semana muito fraca para o ranking da UEFA - a terceira consecutiva -, somando apenas uma vitória (FC Porto ) e um empate (Benfica) nos cinco jogos europeus. 

Apesar da boa resposta, o Estoril foi derrotado em casa pelo Dínamo de Moscovo, por 2-1, golos de Kokorin e Zhirkov com Yohan a reduzir no último minuto, e desceu ao 3.º lugar do grupo E da Liga Europa (mesmo assim o empate entre o PSV e o Panathinaikos deixa em tudo em aberto na luta pela 2.ª vaga, já que a 1ª não deve fugir à equipa moscovita). Os estorilistas realizaram talvez a melhor exibição nesta época, mesmo perante um adversário que nos últimos anos fez um investimento estratosférico em jogadores como Valbuena, Kokorin ou Denisov, foram melhores durante grande parte do tempo -apesar de não ter sido um encontro com flagrantes oportunidades de golo -, mas além de sofrerem o 1-0 fruto de um remate do meio da rua (Kokorin fez a bola bater nos 2 postes), ainda viram Kléber desperdiçar um penalti numa fase em que estavam por cima e já justificavam o empate. Pouco depois desse lance, Zhirkov, de cabeça, fez o 2-0 e as esperanças dos anfitriões de conseguir os 3 pontos esfumaram-se, mesmo assim Yohan Tavares com um belo remate ainda reduziu nos descontos.

Depois do Sérvia-Albânia - Desta vez foi o jogo para a Liga Europa entre os vizinhos, Slovan Bratislava-Sparta Praga a estar interrompido durante 45 minutos devido a incidentes nas bancadas no Estádio Pasienky, na capital da Eslováquia. No entanto, a partida, ao contrário do jogo de qualificação para o Euro'2016, foi retomada, com o Sparta a conseguir uma vitória por 3-0.

Lamela bisou (o 1.º foi uma "Rabona" incrível), como Traoré (Mönchengladbach), mas as grandes figuras da noite foram Kane (juntou ao hattrick um "frango", quando teve de substituir o expulso Lloris), Alan (furou a baliza do D. Zagreb por 3 vezes) e principalmente a sensação croata Kramaric, que com os seus 3 golos derrotou o Feyenoord. Resultados da 3.ª jornada da Liga Europa:

Este encontro, à semelhança do que tinha acontecido na Dinamarca, demonstrou que este grupo estava perfeitamente ao alcance dos vilacondenses.

Missão praticamente impossível para o Rio Ave. O conjunto de Pedro Martins, que continua sem pontuar, perdeu em Bucareste frente ao Steaua, por 2-1 (bis de Rusescu, com Del Valle a reduzir com um tiraço fora da área) e está neste momento no último lugar do grupo J já a 6 pontos dos 3 líderes (a vitória do Aalborg ao D. Kiev, por 3-0, também não ajudou os vilacondenses). Resultado que não traduz o que se passou no encontro, já que o Rio Ave além de ter dividido o jogo criou oportunidades mais do que suficientes para empatar, e até conseguir os 3 pontos. Mas se de um lado a fraca tomada de decisão condicionou (Esmael, Del Valle, Ukra e Diego Lopes podiam ter feito melhor em alguns lances) do outro houve uma tremenda eficácia, os romenos, com Rusescu (fez os 2 golos), ex-Braga, em evidência concretizaram tudo o que criaram na 1.ª parte. A nível individual destaque para as boas exibições dos laterais Tiago Pinto (o melhor na 1.ª parte, sempre a aparecer bem no momento ofensivo) e Nuno Lopes (competente na defesa), o médio Wakaso também fez um jogo esforçado, mas o problema foi o ataque, os vilacondenses criaram perigo com relativa facilidade, mas depois, ou no último passe, ou no remate, ou no momento de finalizar, falharam sempre (Ukra mesmo assim foi o mais competente, apesar de também ter sido o 1.º a acusar o desgaste físico). 

Muitos jogadores com ligação ao futebol português, mas está longe de ser o principal favorito a vencer os JO'2016.

Ederson, guarda-redes do Rio Ave, Danilo, médio do SC Braga, Anderson Talisca, do Benfica, e Kelvin, do FC Porto, foram convocavos pela selecção olímpica do Brasil para participar num torneio na China que se vai realizar entre 8 e 18 de Novembro. Wallace, emprestado pelo SC Braga ao Monaco, Fabinho, cedido pelo Rio Ave também aos monegascos e Filipe Augusto, emprestado pelos vila-condenses ao Valencia, também estão na convocatória de Alexandre Gallo. Lista de convocados:
Guarda-redes: Ederson (Rio Ave), Jacsson (Internacional);
Defesas: Wallace (Monaco), Dória (Marseille), Eli Rodrigo (Avelino), Dudu (Kashiwa Reysol), Fabinho (Monaco), Maicon (Livorno), Wendell (Leverkusen), Vinicius (Perugia);
Médios: Danilo (SC Braga), Alef (Marseille), Filipe Augusto (Valencia), Lucas Evangelista (Udinese), Rafael Alcântara (Barcelona), Talisca (Benfica);
Avançados: Kelvin (FC Porto), Felipe Anderson (Lazio), Wellington Silva (Almería), Rayder Matos (Córdoba), Felipe Gedoz (Club Brugge) e Vinicius Araújo (Standard Liège).

Roberto (Olympiakos); Giulio Donati (Bayer Leverkusen), David Luiz (Paris Saint-Germain), Marek Suchy (Basileia) e Marcelo (Real Madrid); Eden Hazard (Chelsea), Koke (Atlético Madrid), Marco Reus (Borussia Dortmund) e Arjen Robben (Bayern); Luiz Adriano (Shakhtar Donetsk) e Karim Benzema (Real Madrid) integram a melhor equipa da semana da Champions. Na 1.ª jornada sem representantes das equipas nacionais, destaque para Roberto, ex-Benfica, que realizou uma exibição monumental frente à Juventus, Suchy do Basileia, que faz dupla com David Luiz, outro ex-Benfica, neste 11, apesar da sua equipa ter perdido, mereceu a nomeação da UEFA pelo seu esforço e competência (os suíços jogaram mais de uma hora com 10 e só sofreram o golo nos descontos).

Imagem: Sport.es
Vai entrar directamente no 11 de Luís Enrique?

A imprensa de Madrid ainda tentou potenciar uma possível ilegalidade na presença de Luís Suárez frente ao Real Madrid, devido à data concreta do final do castigo de quatro meses aplicado pela FIFA ao uruguaio, mas o Barcelona já recebeu a confirmação, por parte da própria FIFA e do Tribunal Arbitral de Desporto (TAS), de que a suspensão termina nesta sexta-feira, estando assim autorizado a utilizar o avançado ex-Liverpool no "El Clásico".

Foi dado como certo no Liverpool mas continua com o futuro indefinido - O Man Utd comunicou no seu site oficial que Victor Valdés, ex-guarda-redes do Barcelona, que se encontra livre, vai treinar com a equipa de Van Gaal nos próximos tempos. O guardião, que tinha tudo para ser o titular da baliza da Espanha no último Mundial, lesionou-se com gravidade em Março e continua a fazer recuperação. 

Será Luiz Adriano, que esta semana fez história ao marcar 5 golos num jogo da Champions, o avançado centro que falta à Canarinha (Tardelli até contrariou esta ideia, que há uma lacuna no ataque dos brasileiros, frente à Argentina, mas no Mundial 2018 já vai ter 33 anos)? Quanto a Casemiro, não foi pelas suas exibições que chamou à atenção de Dunga, já que até ao momento ainda não conseguiu ser uma mais-valia no onze portista. Outras curiosidades desta convocatória são as presenças de Fernandinho (suplente de Fernando no City), Douglas Costa (uma estreia), Firmino (chamado pela 1.ª vez) e Lucas (o extremo do PSG está de regresso); e a ausência de Hulk, que mesmo numa lista só com jogadores fora do Brasil voltou a ser preterido por Dunga. 

Os laterais Alex Sandro, Danilo e o médio Casemiro, todos do FC Porto, foram convocados por Dunga para os particulares do Brasil frente à Turquia e Áustria, agendados para 12 e 18 de novembro. Lista de Convocados
Guarda-redes: Rafael Cabral, Neto e Diego Alves.
Defesas: David Luiz, Marquinhos, Thiago Silva, Miranda, Mario Fernandes, Alex Sandro, Filipe Luís e Danilo.
Médios: Luiz Gustavo, Rômulo, Fernandinho, Roberto Firmino, Casemiro, Oscar, Douglas Costa, Lucas e Philippe Coutinho;
Avançados: Willian, Neymar e Luiz Adriano.

Os verde e brancos perderam pontos, dinheiro e até algum ânimo depois de um ciclo extremamente positivo (veremos que impacto terá esta revolta, já que para os jogadores este cenário de frustração é complicado). Mas será possível tirar dividendos desta situação (ou o máximo que o clube leonino pode conseguir é marcar uma posição)? A UEFA não vai repetir um jogo, mas a questão do dinheiro poderá promover um debate (até que ponto o bondoso Platini vai pensar numa maneira de compensar quem é comprovadamente prejudicado pelas arbitragens). 

O Schalke 04 comunicou no seu site oficial, que o Sporting solicitou à UEFA a repetição do encontro, ou em alternativa o pagamento do prémio referente ao empate, 500 mil euros. O clube alemão diz que os leões, que não se conformam com o 4-3, na 3.ª jornada da Liga dos Campeões, estão a fazer todos os esforços para protestarem o resultado do jogo. A própria UEFA terá pedido ao Schalke que tomasse uma posição sobre o caso, algo os mineiros irão fazer de modo a proteger os seus interesses, pode ler-se no comunicado.

O 2.º melhor marcador do campeonato espanhol na época passada também já tinha ficado de fora dos nomeados para melhor avançado.

O brasileiro Neymar, do Barcelona, o argentino Ángel di María, que na época passada esteve no Real Madrid, e o colombiano Carlos Bacca, do Sevilha, são os nomeados para melhor jogador sul-americano da edição 2013/14 da Liga espanhola. Messi, à semelhança do que aconteceu nas posições, voltou a ser ignorado pela LFP. Quem merece vencer? 

A resposta depois da derrota por 8-0 - Anthony Réveillère, lateral direito de 34 anos, assinou pelo Sunderland, da Premier League, até final da época. Gus Poyet tem tido alguns problemas no sector defensivo, no último jogo só tinha 4 elementos disponíveis, e optou por contratar o internacional francês que era um jogador livre, depois de na época passada ter representado o Nápoles.

Os azuis e brancos com esta politica de mercado estão a colocar em causa o futuro do clube, não só na perspectiva financeira como até pela maneira como a mística se vai perdendo, já que a formação (e os azuis e brancos até tinham uma geração de 1995 muito interessante) está a ficar sem espaço, devido à presença deste tipo de contratações (também agora se percebe a adaptação de Kayembe a lateral esquerdo, já que o FC Porto tem de dar minutos a tantos reforços caros, e alguns estranhos que chegam por uma via pouco clara, como é o caso do belga, que já nem há lugar para todos).

A SAD do FC Porto apresentou um prejuízo de 40,7 milhões de euros durante o exercício referente à temporada 2013-14, o maior desde que a entidade foi criada em 1997. Uma das novidades no relatório completo da atividade nesse período é a informação sobre o valor dispensado em alguns reforços. Já era público que Adrián, custou 11 milhões por 60% do passe; Brahimi, que entretanto foi vendido, 6,5 milhões, e Aboubakar 3 milhões por 30% do passe. O que não se sabia é que os azuis e brancos investiram 2,615 milhões de euros por 85% do passe do belga Kayembe, que supostamente tinha chegado ao Dragão a custo zero, à Danubio Finanzierungsleistungen und Marketing GMBH, uma empresa austríaca, e 1,837 milhões de euros, por Igor Lichnovsky defesa contratado ao Universidad de Chile.

Do campeonato nacional de Seniores para a liderança isolada na II Liga - O Freamunde reforçou o 1º lugar, ao vencer o Oriental por 3-0, no encerramento da 11.ª jornada. A equipa recém-promovida à II Liga soma 25 pontos, à frente de Benfica B (22), Oliveirense (21) e Desportivo das Chaves (20), enquanto o Oriental ocupa o último lugar, com oito pontos, a dois de Feirense e Trofense, que também estão em zona de descida.

22 de Outubro de 2014

Concorda com o treinador do Benfica (ou é apenas mais uma teoria)?

Jorge Jesus diz não ter dúvidas de que as equipas portuguesas estão a ser prejudicadas propositadamente. Para o treinador das águias, que não poupou críticas à atuação da equipa de arbitragem do jogo com o Mónaco, o polémico encontro entre o Sporting e o Schalke, demonstrou que tudo isto é política, acusando os árbitros de estarem a cometer este erros devido ao Ranking da UEFA. "Acho que o árbitro condicionou muito a equipa do Benfica, penalizou-nos com três amarelos nos primeiros minutos. É muito confuso Portugal estar à frente de alguns países no ranking, ainda ontem aconteceu na Alemanha com o Sporting, isto é político. Tentámos contrariar com futebol. As oportunidades de golo são do Benfica, com a expulsão do Lisandro o Mónaco jogou mais em cima da nossa defesa mas sem criar grande perigo. Claro que é mais complicado jogar com dez, ainda assim a equipa está bem. Não gostei da arbitragem, já não tinha gostado na Alemanha. Nota-se que penalizam as equipas portuguesas nos primeiros minutos para depois poder jogar com a situação", defendeu JJ na "flash interview", no final do empate no Estádio Louis II.

O Real Madrid foi a Anfield Road fazer história ao ganhar lá pela primeira vez, com dois tentos de Benzema e um de Ronaldo, que com o seu belo golo ficou a um apenas de igualar Raúl como melhor marcador na história da LC. Pior fado teve Villas-Boas, que sofreu a primeira derrota, desde o playoff, frente a um Leverkusen que continua a mostrar o seu poderio. Depois do Atlético, a última vítima do Olympiakos foi a Juventus, com os gregos a darem uma demonstração de garra e força em casa e a colocarem-se em primeiro do grupo. O Arsenal decidiu frustrar jornalistas por toda a Europa e virou um jogo perdido em dois minutos, já o Atlético facilitou-lhes o trabalho e pregou em casa chapa-cinco ao Malmö. O Ludogorets conseguiu a primeira vitória à custa do Basileia de Paulo Sousa, fazendo com que todas as equipas do Grupo B menos o Real estejam igualadas com três pontos cada, por fim o Dortmund continua bipolar: para contrariar o percurso terrível no campeonato, goleou fora o Galatasaray.

Grupo A: Atl. Madrid-Malmö, 5-0 (Koke 48', Mandzukic 61', Griezmann 63', Godín 87', Cerci 93'); Olympiakos-Juventus, 1-0 (Kasami 35');

O Atlético de Madrid aplicou uma 'manita' ao Malmö, no Vicente Calderón. O campeão espanhol dominou o jogo do princípio ao fim e não fosse o desacerto na hora da finalização, ainda podia ter conseguido um resultado mais dilatado. Sem Tiago, nos convocados para o jogo,  a contas com uma lesão, destaque para Koke com 1 golo e 3 assistências, para Griezmann que também acertou nos postes e para Juanfran (emprestou profundidade ao corredor) e Godín (fez tudo bem e ainda marcou), os elementos mais da defesa. Na liderança em igualdade pontual com os Colchoneros segue o Olypiakos. O conjunto de Michel venceu a Juventus em casa com um golo solitário de Kasami aos 35 minutos, pese embora a diferença de nível entre as duas equipas. Aliás, o conjunto transalpino dominou a grande maioria do jogo e não fosse um super Roberto e um grande Masuaku a anular quase todas as investidas de Lichtsteiner, podiam ter saído da Grécia com outro resultado.

Grupo B: Ludogorets-Basileia, 1-0 (Minev 92'); Liverpool-Real Madrid, 0-3 (Cristiano Ronaldo 23', Benzema 30', 41');

Na Bulgária, o Ludogorets venceu o Basileia de Paulo Sousa por 1-0, com o golo da vitória a ser apontado já nos descontos. Num jogo em que a equipa da casa foi superior e desperdiçou muito, o português Fábio Espinho esteve em evidência, tendo sido provavelmente o melhor jogador em campo. Na outra partida do grupo, talvez o duelo mais aguardado do dia, o Liverpool mostrou-se apático e inofensivo e foi goleado em casa pelo Real Madrid por 3 bolas de diferença. Ronaldo voltou a marcar, assim como Benzema que bisou, num jogo onde sem Bale, Isco rubricou uma excelente exibição (do outro lado foi Coutinho o mais inconformado).

Grupo C: Bayer Leverkusen-Zenit, 2-0 (Donati 58', Papadopoulos 63');

No outro jogo do grupo do Benfica, o Leverkusen venceu o Zenit em casa por duas bolas a zero e subiu ao primeiro lugar da classificação. Os alemães anularam o conjunto de AVB, com destaque para o duelo Wendell-Hulk, quase sempre pendente para o lateral que foi tirando influência ao craque do Zenit, até ter sido expulso por duplo amarelo aos 79' (a partir daí, o ex-FC Porto ainda tentou dar um ar da sua graça). E quando os melhores da equipa são dois defesas (Lombaerts e Criscito) está explicado o que foi o jogo... A equipa de Schmidt foi a melhor em campo desde o primeiro minuto e com dois golos a passe de Calhanoglu e uma exibição irrepreensível de Lars Bender no meio campo, venceu naturalmente Danny - que esteve apagado - e companhia.

Grupo D: Anderlecht-Arsenal, 1-2 (Najar 71'; Gibbs 89', Podolski 91'); Galatasaray-Dortmund, 0-4 (Aubameyang 6', 18', Reus 41', Adrián Ramos 83').

Na Bélgica tomou lugar o jogo com o desfecho mais inesperado, já que poucos imaginariam que a cerca de 1-2 minutos do fim, o Arsenal fosse virar o resultado. No entanto, depois de um encontro de certo modo equilibrado, foi isso que aconteceu... Kieran Gibbs foi o grande responsável pela reviravolta, tendo sido fundamental na defesa não dando hipóteses aos oponentes e ao fazer o golo do empate quando parecia que a equipa de Wenger estava sentenciada a abandonar o 2.º lugar. Tal como o Arsenal, também o Dortmund foi vencer fora, desta vez à Turquia, mas ao contrário daquilo que se previa de maneira mais tranquila. O conjunto alemão preparou-se para o encontro com o Galatasaray com o plano de jogo bem definido e nem se importou em ter menos a bola em sua posse, já que quando a tinha saía de maneira mortífera em transições rápidas colocando imensas dificuldades à equipa adversária. Aubameyang, a jogar como referência ofensiva, bisou em apenas 3 remates (acertou no poste direito no outro), enquanto que Reus (1 golo e uma assistência) e Adrián Ramos (depois de ter sido brilhantemente assistido por Gündogan) também fizeram o gosto ao pé. Destaque ainda para as boas exibições de Mkhitaryan, Subotic e de Felipe Melo, o homem mais empenhado do Gala.

Mónaco 0-0 Benfica 

O Benfica está cada vez mais longe dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, ao não sair do nulo em casa do Mónaco, continuando no último lugar do grupo. Contas complicadas para as águias e, embora ainda não estejam arredados dos oitavos, até a Liga Europa está em perigo. O Benfica está a 3 pontos do Zenit, a 4 do Mónaco e a 5 do Leverkusen, sendo o a recepção aos franceses um jogo determinante para as aspirações portuguesas. Jogo pouco espectacular no Mónaco, com duas equipas que não queriam perder, mas fica a sensação de que a falta de eficácia dos encarnados (foram superiores na 2.ª parte) e a expulsão de Lisandro condicionou a vitória. Em termos individuais, Nico Gaitán foi um dos melhores (com pormenores fantásticos e a levar a equipa para a frente), enquanto que André Almeida - que sentou o reforço mais caro da temporada - cumpriu a 6. Talisca não conseguiu aparecer, Luisão foi muito fiável a defender, sendo que Eliseu não esteve bem, sobretudo na 1.ª parte. Nos monegascos, Carvalho fez uma partida imperial, Moutinho correu muito, mas faltou proximidade e criatividade para ter mais influência. Bernardo Silva ainda entrou para defrontar a equipa onde foi formado.

No que diz respeito ao encontro, a primeira parte não foi de bom nível. Os encarnados entraram pouco agressivos, algo passivos e a deixar muito espaço ao elementos monegascos. Era muita a facilidade com que o lado esquerdo da defesa encarnada (Lisandro e Eliseu) permitia bolas em profundidade. Num dos erros defensivos, Lucas Ocampos teve nos pés o golo, mas o argentino falhou de forma escandalosa. Difícil arranque do Benfica, com pouco controlo da partida e muitos problemas para criar jogo.. Depois de Berbatov ter saído lesionado, as águias equilibraram e Lima, aos 39', esteve perto de marcar numa das poucas jogadas de perigo junto de Subasic. Os primeiros 45 minutos foram pobres de parte a parte, com a equipa de Jorge Jesus a equilibrar a partida após um mau início. Após o intervalo, os encarnados entraram melhor, com mais bola, mais controlo sobre a partida e as chances de golo começaram a aparecer. Aos 59', Gaitán teve um excelente trabalho na esquerda, mas o seu remate foi travado pelo guardião croata. Pouco depois - e numa fase em que as águias estavam por cima do jogo - Salvio desperdiçou com Maxi a falhar na recarga. A 15 minutos do final (e já com Bebé no jogo), Lisandro tem uma entrada imprudente sobre Moutinho e vê vermelho directo. Até ao final, registo para algumas perdidas do Mónaco com Ferreira-Carrasco e Raggi a perdoarem.

Destaques:

Mónaco - Os monegascos têm sido isto, não é por acaso que nos últimos 8 jogos só sofreram 1 golo, uma equipa forte a defender, que raramente se desequilibra, mas que também cria muito pouco para vencer os seus jogos. Mesmo assim surpreendeu que a jogar em casa o conjunto de Jardim não tivesse tido um pouco mais de iniciativa, já que o triunfo colocava os franceses muito perto da próxima fase. A nível individual destaque para mais uma exibição sem falhas de Ricardo Carvalho, Raggi, o companheiro da defesa, também esteve a bom nível. Já Fabinho foi sempre o elo mais fraco da defesa. No meio campo, Moutinho correu muito, fez o jogo de pressão habitual e ainda arrancou o vermelho a Lisandro mas no momento ofensivo não conseguiu acrescentar o que se exige ao 3.º médio. Esteve melhor Toulalan, que continua impecável na leitura de jogo. Na frente, os irregulares Dirar e Ocampos acumularam más decisões, mesmo tendo tido uma outra iniciativa, o argentino falhou mesmo a melhor oportunidade do jogo.

Benfica - A equipa de Jorge Jesus criou oportunidades suficientes para vencer a partida (vendo bem as coisas só precisa de uma), mas esteve longe de construir um caudal ofensivo que justificasse o triunfo. Houve alguma falta de eficácia, especialmente numa altura em que a equipa estava com claro ascendente, em virtude das boas jogadas de Nico Gaitán, mas a expulsão de Lisandro retirou as possibilidades de vitória portuguesa. Individualmente, Salvio não fez uma boa partida (muito individualista, raramente conseguiu dar seguimento a uma jogada, perdendo-se em dribles), enquanto que Enzo Pérez foi importante até chegar o desgaste. Talisca não apareceu, Lima trabalhou bem na frente, mas perdoou uma boa chance, sendo que Gaitán fez uma bela partida (desequilibrou e tentou pegar no jogo). Luisão esteve muito seguro (raramente tem uma má abordagem num lance) e Lisandro - embora não tenha estado mal - esteve excessivamente agressivo. Bebé entrou para explorar o espaço na esquerda, mas nada produziu, enquanto que Samaris entrou bem e segurou o meio-campo.

Os vice-campeões europeus (que vão disputar 2 dos últimos 3 jogos em casa) estão com um pé na próxima fase - Com um golo de Hildeberto, a equipa de juniores do Benfica foi ao Mónaco, talvez o principal adversário do grupo, vencer por 1-0 e deu um passo importante rumo ao apuramento para a fase decisiva. Os encarnados, agora líderes com 7 pontos, que alinharam com André Ferreira; Hugo Santos, Rúben Dias, João Lima, Yuri Ribeiro; Romário Baldé, Pedro Rodrigues, Renato Sanches; João Carvalho, Hildeberto Pereira e Gilson Costa, ficaram reduzidos a 10 devido à expulsão de Rúben Dias, aos 77 minutos, mas conseguiram segurar a vantagem.

Uma das ligas em que o jogador africano está pior representado (curiosamente as camadas jovens do Barça estão recheadas de jogadores de origem africana... veremos que impacto é que isso terá no futuro) - Brahimi, Youssef El-Arabi, ex-companheiro de equipa no Granada, e Stéphane M'Bia, do Sevilla, são os 3 nomeados para o prémio de melhor jogador africano a alinhar no campeonato espanhol na época passada. O actual médio/extremo do FC Porto marcou 3 golos na época passada, mas M'Bia é o principal favorito.

Mais uma polémica no futebol português - A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) disse esta quarta-feira que a Liga de Clubes falhou o pagamento de verbas em falta aos árbitros e admite agora, em último recurso, uma paragem dos campeonatos como forma de luta. O presidente da APAF, José Fontelas Gomes, disse à agência Lusa que os árbitros esperavam receber, até à passada segunda-feira, 25 por cento dos salários e prémios relativos aos meses de julho e agosto, tal como tinha ficado acordado com o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Mário Figueiredo.

É difícil encontrar um adepto de futebol (ou qualquer outro desporto) que mantenha as mesmas ideias desde o início ao fim da sua vida. Especialmente se for português. Então se for um adepto ferrenho de Porto, Benfica ou Sporting… Que desespero.

Há um mês atrás, aquando do empate com o Maribor, Marco Silva era o pior treinador do Mundo. Tinha de sair. Tinha de sair porque a equipa não jogava nada, a defesa era uma tragédia, o meio-campo não se impunha (como era possível o super-Adrien não estar a fazer nenhum?! E o William Carvalho, de longe o melhor e mais fabuloso e se calhar até mais bonito jogador do campeonato?!) e o ataque… Bem, o ataque era uma pura e simples gargalhada curta e seca. E os jogadores? Que dizer dos jogadores? Todos maus. Terríveis. Uma autêntica catástrofe. Um mês mais tarde, após uma série de grandes resultados (se empatar com o Porto em Alvalade nem é um feito de que os sportinguistas se deveriam orgulhar, bater os dragões na Invicta já é), já todos são os maiores. Marco Silva é um génio da táctica, uma mescla de Mourinho com Guardiola com Ferguson e o que mais se queira meter no caldeirão. A equipa é genial, os jogadores melhores que tudo o resto, hegemonia em Portugal, até já há equipa para daqui a dois ou três anos ganhar a Champions!

No início da época, o Benfica era o maior candidato à descida. Jorge Jesus devia ter-se ido embora enquanto as pessoas ainda achavam que ele era bom. Maxi velho, Luisão coxo, Jardel desastroso… Debandada geral, tinham equipa era para lutar pela Liga Europa, não havia salvação! Nesta fase do campeonato, primeiro lugar com quatro pontos de avanço, ainda em todas as taças e, apesar do desempenho muito pouco positivo, com margem de manobra na Champions. São os maiores. Gaitán-Salvio-Enzo são trifecta, a Luz é território sagrado, Luís Filipe Vieira um grandíssimo presidente que nunca mente e vão ganhar o campeonato com cento e cem pontos de avanço. A Champions? Fruto do azar…

Com sensações distintas começou o FC Porto. Dios mío, ¡qué equipo! Treinador jovem de boas ideias, tiki-taka para o Dragão, plantel de peso, iam limpar tudo esta época. De longe o melhor onze do campeonato, a ombrear com os grandes da Europa. O melhor jogo, um dos melhores treinadores, o miúdo maravilha que vai sair por duzentos milhões, o melhor de tudo e mais alguma coisa. Após uma série de resultados negativos, é uma razia. O Lorpategui devia era voltar para Espanha, que de lá nem bom vento nem bom casamento. Tiki-taka? Mais trocó-taco… Quem é esse Casemiro? Ui, o Óliver é bom de pés mas de resto… Este Neves é muito novo, devia era voltar para a B. Fabiano, vai p’ra casa! O Pinto da Costa deve estar mesmo senil, como é que foi contratar este treinador e estourar o dinheiro do clube com estes jogadores?! Vão ficar em terceiro, atrás do Sporting e tudo…

Basta! Não há juízos formados minimamente sólidos neste Mundo? Os leões estão bem e o treinador tem muita qualidade, mas achar que daqui para a frente vai ser um rolo compressor é absurdo. O Benfica continua a ter um plantel abaixo do ano passado, mas quem tem Salvio, Enzo e Gaitán tem combustível suficiente para consumo interno (o problema é quando tem de se jogar com equipas do mesmo nível…). O Porto tem um plantel muito superior ao da época transacta, mas a equipa tem de crescer e o treinador de perder o medo para atingirem o seu potencial. Nem o Sporting vai tão cedo a caminho da hegemonia nem o Porto e o Benfica estão em decadência. Todos temos o direito à nossa opinião, no entanto, é ridículo como o adepto de futebol vai no espaço de um mês do 8 ao 80. Há que ter calma. Há muita época pela frente e ainda todos hão de tombar e triunfar mais uma dose de vezes. Nem muito ao mar nem muito à terra, como se costuma dizer, porém hoje em dia parece que o cérebro não pensa por si mesmo e as opiniões são formadas ao sabor das marés. Fica a ideia de que sobre os ombros temos cata-ventos em vez de cabeças…

Visão da Leitora (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui!): Inês Sampaio

Se termina em 25 de Outubro, isso qualifica-o para jogar nesse dia ou significa que está proibido de jogar até essa data? 

Quando tudo apontava para a estreia de Luis Suárez com a camisola do Barça frente ao Real, a imprensa de Madrid diz hoje que se o uruguaio for utilizado, os catalães correm o risco de serem punidos. Já que o castigo de Suárez, por ter mordido Chiellini no Mundial, termina a 25 de outubro, ou seja, no dia do "El Clásico", pelo que o uruguaio só poderia jogar essa partida se ela fosse no dia 26 de outubro. Mais um caso, a juntar à polémica dos aplausos a Messi, que poderá não passar de um devaneio, até porque o Barça pode alegar que os 4 meses com que o goleador foi castigado, deviam ter terminado no dia 24, já que o Uruguai defrontou a Itália no dia 24 de Junho, mas que poderá condicionar as opções de Luís Enrique.

Huntelaar está em final de contrato e a direcção do clube alemão prometeu ao novo treinador, Di Matteo, que vai reforçar a equipa em janeiro, principalmente se os mineiros conseguirem a qualificação para os oitavos-de-final da Champions - De acordo com o Bild, o Schalke 04, adversário do Sporting no Grupo G da Liga dos Campeões, quer aproveitar o mercado de Inverno para contratar Fernando Torres, avançado do Chelsea, que está emprestado ao Milan. Di Matteo conhece bem o espanhol dos tempos em que estiveram juntos no Chelsea e terá sugerido a sua contratação. Também Shaqiri, que continua tapado no Bayern, está na lista do conjunto de Gelsenkirchen.


21 de Outubro de 2014

Numa conferência fortíssima, qual o papel destas equipas? São conjuntos jovens, em percurso ascendente, mas na teoria as oito posições finais parecem fechadas, com Portland, OKC, Spurs, Clippers, Houston, Memphis, GSW e Dallas.

Phoenix Suns

Supresa maior do ano passado, Phoenix parte este ano com responsabilidade acrescida. Os Suns por pouco que não conseguiam ficar com a vaga de Dallas, por isso é natural que agora sejam encarados como potencial candidato a uma vaga nos oito primeiros. A equipa pouco mudou, continua a ter no colectivo a maior força, e na inexperiência a maior fraqueza. Phoenix é um conjunto muito jovem, não tem experiência de playoff, e faltam veteranos habituados a outas batalhas, o que pode ser fatal em momentos decisivos. Bledsoe aceitou renovar, e fará novamente com Dragic um monstro de duas cabeças na posição de base. A estes dois junta-se o explosivo Isaiah Thomas, vindo de Sacramento. Apesar da saída de Frye, Phoenix continua a ser muito forte no tiro exterior, por outro lado, as posições interiores não estão tão bem preenchidas (Alex Len terá de ter um papel maior este ano). O banco, com Thomas, Marcus Morris e Gerald Green à cabeça, dá alguma confiança. É certo que existe probabilidade da História se repetir, mas o facto é que o efeito surpresa já se diluiu, e pode dar-se o caso da campanha do ano passado ser o máximo que este grupo tem para dar.

The dudes - Bledsoe e Dragic são os homens do momento, marcadores de pontos com um arsenal ofensivo extenso.
The duds - Alex Len desiludiu, sendo apontado como um dos barretes do draft.
O que esperar - em teoria, o mesmo que o ano passado. A questão está em saber se existe evolução, ou se o 9º posto foi o melhor que se pôde arranjar.
Objectivo - playoff... muito diferente do tanking com que encararam 2013.

New Orleans Pelicans

Equipa certa, costa errada. Noutro enquadramento, os Pelicans poderiam aspirar a outros vôos, mas hoje parecem fadados a andar em redor do 10º posto. Mas o futuro parece ser risonho, pois após um ano de estreia menos conseguido, Anthony Davis tem provado ter o calibre de estrela que todos lhe vaticinavam. O "sobrancelha" é claramente daqueles jogadores em torno do qual se pode construir uma equipa vencedora, e ainda está no início. Para lá de ser uma força defensiva, é forte nas acções atacantes e demolidor nas tabelas. Numa competição em que os "grandes" de categoria rareiam cada vez mais, Davis pode ser uma força imaprável, a curto prazo. Falta-lhe ainda 2/3 de um big-three, pois embora tenha qualidade a seu lado, está longe de possuir a ajuda que outras estrelas têm. Jrue Holiday e Eric Gordon são muito fortes ofensivamente, mas as lesões nunca lhes permitiram atingir o seu potencial. O mesmo se aplica a Tyreke Evans, que deve ser desviado para SF, a posição mais frágil da equipa. Omer Asik é limitado tecnicamente, mas formará com Davis uma muralha em frente do seu cesto. Já Ryan Anderson traz do banco outro tipo de argumentos, nomeadamente o lançamento longo. Os Hornets são muito fortes no capítulo do lançamento longo, o que só pode ser potenciado com a capacidade de passe de Davis, mas têm fraquezas q.b., entre as quais um banco pouco preenchido, e muitos jogadores com histórico de lesões. Estes dois factores em conjunto costumam dar mau resultado. Ainda por cima, os jogadores são inexperientes, e poucos deles têm traquejo ao mais alto nível (faltam alguns veteranos). Em suma, o talento existe, mas não é ainda o suficiente para almejar a grandes conquistas.

The dudes - Anthony Davis tem um potencial incrível. Deixe o físico, e vai ser dos mais dominantes da temporada.
The duds - o Tyreke dos números fenomenais já lá vai, ficou o Evans que roda de posição em posição sem pegar de estaca.
O que esperar - num ano com menos KD, e LeBron com (teoricamente) trabalhos mínimos, Davis pode aspirar ao prémio de MVP. Isto se o atribuírem a um jogador que fique fora do playoff.
Objectivo - caso um dos emblemas mais fortes fraqueje, New Orleans pode aproveitar. Mas um recorde perto dos 50% parece mais realista.

Denver Nuggets

Denver é o protótipo da equipa sem estrelas, colectivamente forte, muito consistente e com bastantes opções. Tem um cinco inicial forte, um banco a condizer, mas falta o tal jogador que faça a diferença. Os pontos costumam ser bem distribuídos, mas quando as mãos tremem convém ter alguém que esteja habituado a meter a bola no cesto em momentos de pressão. O factor casa é determinante (a altitude faz mossa nos adversários) e a equipa é muito rápida e atlética; Lawson é um velocista e não chamam Faried de Manimal por acaso. Afflalo e o regressado Gallinari trazem outro tipo de ameaça para lá da linha dos três pontos, e Nate Robinson é outro jogador inesgotável a partir do banco. Nas tabelas são do mais possante que existe, pese o facto da posição de poste nem estar preenchida com qualidade de excelência. Aliás, o rendimento de McGee é uma das interrogações da temporada que se avizinha. Defensivamente, Denver deixa algo a desejar, e o elevado ritmo imposto algumas vezes acaba por se virar contra si. Os interiores, embora fortes nas tabelas (os Nuggets são melhores na tabela ofensiva), não possuem muita qualidade técnica. No ano passado, as múltiplas lesões prejudicaram o rendimento da equipa, pelo que este ano é natural de que Denver apresente melhores resultados. O modelo pós-Carmelo tem funcionado, mas numa conferência fortíssima, e com bastantes oponentes recheados de talento do mais elevado nível, a fórmula parece estar esgotada.

The dudes - Lawson é desvalorizado, e Faried um animal das tabelas.
The duds - McGee é aquele típico jogador com características físicas invulgares, mas sem cérebro a condizer. Convinha que aprendesse a jogar basquetebol.
O que esperar - equipa muito forte em casa, longe de Denver deve ser menos ameaçadora. Uma marca à volta das 40 vitórias é possível.
Objectivo - é complicado determinar o objectivo de alguém forte demais para o tanking mas sem argumentos, em teoria, para se bater com os mais fortes.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Nuno Ranito

Marcaram-se 40 golos em 8 partidas num só dia pela primeira vez na história (o maior número de golos, 44, foi em 12 jogos). Para isso muito contribuíram o Chelsea, que ao esmagar o Maribor garantiu a maior vitória da sua história na Europa desde 1997 (quando ganhou por 7-1 ao Tromso); o Bayern, que com a goleada à AS Roma foi o primeiro visitante em toda a história das competições europeias a marcar sete golos em solo italiano; e o Shakhtar, que ao estraçalhar o BATE Borisov conseguiu recordes atrás de recordes: igualou a maior vitória a domicílio de sempre na Champions (Taça e Liga dos Campeões), Luiz Adriano igualou Paul van Himst (1966) como único jogador a marcar cinco golos fora da Taça dos Campeões Europeus e Messi como único jogador com cinco golos num jogo na história da Liga dos Campeões, além de ter marcado os cinco golos mais rápidos de sempre da competição. Já o City desiludiu e deixou-se empatar de forma inacreditável após estar a ganhar por dois golos e continua a perder terreno. O APOEL apenas caiu por um golo frente ao poderoso PSG e o Barcelona despachou o Ajax sem ter de se esforçar demasiado.

Grupo E: CSKA Moscovo-Manchester City, 2-2 (Agüero 29', Milner 38'; Doumbia 64', Natkho 86' g.p.); AS Roma-Bayern Munique, 1-7 (Gervinho 66'; Robben 8', 30', Götze 23', Lewandowski 25', Müller 36' g.p., Ribéry 78', Shaqiri 80');

No primeiro jogo do dia, CSKA e Man. City empataram a duas bolas em Moscovo. Começou melhor o City com Agüero e Milner (ainda atirou aos ferros) a adiantaram o conjunto inglês antes do intervalo, no entanto o conjunto da casa, apesar de ter tido várias vezes pela frente o muro Kompany, equilibrou as contas e empatou na segunda parte, com golos do suplente de luxo Doumbia e de Natkho, este na marca de grande penalidade. Cenário completamente diferente viveu-se no outro jogo do grupo. O Bayern foi a Itália e, num jogo que se previa de certo modo disputado, vulgarizou a AS Roma por incríveis 7-1. Robben, a jogar a ala direito num sistema de 3 centrais, foi o homem do jogo, com 2 golos e uma assistência. A ele juntaram-se Lewandowski, Müller, Götze e Bernat pelas mais valias que representaram no momento ofensivo, enquanto que Benatia (foi o maior aliado de Neuer) e Xabi Alonso (novamente o jogador com mais bola no pé) também se destacaram.

Grupo F: APOEL-Paris SG, 0-1 (Cavani 87'); Barcelona-Ajax, 3-1 (Neymar 7', Messi 24', Sandro Ramírez 90'; El Ghazi 88');

No Chipre, o PSG dominou as operações, mas não foi exuberante (longe disso) no panorama ofensivo. O único golo acabou por surgir já perto do final por intermédio de Cavani, num encontro sem grandes destaques individuais, mas com Pastore abaixo do que é pretendido. Na outra partida, o Barcelona não teve problemas em vencer o Ajax por 3-1 e continua a 1 ponto do PSG. Neymar logo a abrir fez o 1-0 a passe de Messi, o próprio Astro argentino aumentou a vantagem pouco tempo depois, com El Ghazi e Sandro a marcarem para as suas equipas já perto do fim. Pedrito voltou a ser o escolhido para acompanhar o duo maravilha Culé, mas exceção feita a uma bola aos ferros, não esteve particularmente bem. Nota ainda para a exibição de Iniesta que emprestou bastante critério ao ataque, enquanto que Mascherano se voltou a destacar no meio campo, pela combatividade e segurança que mostrou no cômputo defensivo.

Grupo G: Chelsea-Maribor, 6-0 (Remy 13', Drogba 23' g.p., Terry 31', Viler 54' p.b., Hazard 77' g.p., 90');

Em Stamford Bridge, o Chelsea recebeu e goleou o Maribor por 6-0. Sem Diego Costa, que continua lesionado, Remy abriu o marcador pouco antes do quarto de hora inicial, mas viria a lesionar-se, sendo substituído por Drogba 3 minutos depois. E se sem o primeiro avançado na hierarquia, o segundo fez o gosto ao pé, sem o segundo, foi o terceiro a também inscrever o seu nome na lista de marcadores, depois de aos 23', ter feito o 2-0 de grande penalidade. O encontro estava a correr de feição aos Blues e Terry à passagem da meia hora aumentou a vantagem para 3. Na segunda parte, a matriz do jogo voltou a ser a mesma e Viler aos 54', fez o quarto, depois de ter marcado na própria baliza. O jogo foi-se encaminhando para o fim, no entanto ainda houve tempo, para em menos de 15 minutos, e pouco depois de Willian ter acertado na trave, Hazard, a figura do jogo, ter bisado, estabelecendo o resultado final em bolas a zero. Individualmente, destaque, claro está, para a estrela da companhia Eden Hazard (talvez o maior desequilibrador do futebol atual nos dias de hoje), e para Matic e Filpe Luís que sobressaíram nos dois lados do campo.

Grupo H: BATE Borisov-Shakthar Donetsk, 0-7 (Alex Teixeira 11', Luiz Adriano 28', 37', 40', 44', 82', Douglas Costa 35').

No outro jogo do grupo do FC Porto, registou-se o jogo até ao momento com maior diferença de golos no resultado. Depois de já ter sofrido 6 do FC Porto, o BATE Borisov foi humilhado em casa pelo Shakhtar que assim subiu à 2.ª posição. No entanto, e apesar do avolumar do resultado, os bielorrussos pecaram imenso na finalização e nem se pode dizer que tenham sido muito inferiores ao conjunto de Donetsk, que em 20 remates, acertaram 14 na baliza. Quando isto acontece, não há muito que dizer, e hoje os ucranianos estavam mesmo em dia sim, especialmente Luiz Adriano que marcou 5 golos em 6 remates (o outro foi ao poste). Destaque ainda para Shevchuk e Taison, com duas assistências cada um.

Schalke 4-3 Sporting (Obasi 34', Huntelaar 51', Höwedes 60' e Choupo-Moting 90+1; Nani 16' e Adrien 63' g.p e 78')


O Sporting bem tentou mas o grande jogo que fez (há muito tempo que não se via os leões com tanta categoria) não foi suficiente para pontuar na Alemanha. Foram muitas as adversidades que a equipa de Marco Silva encontrou ao longo da partida, mas houve duas que tiveram particular importância no desfecho final: a expulsão de Maurício ainda na primeira parte, numa fase em que os leões venciam e dominavam o jogo; e, mesmo no final, um lance muito polémico em que o árbitro de baliza assinalou penalty por bola na cabeça de Jonathan. Pelo meio, os verde e brancos conseguiram uma recuperação fenomenal de 3-1 para 3-3, mas em termos práticos saem de Gelsenkirchen sem pontos e no último lugar do grupo. Apesar de tudo, ainda é possível lutar pelo apuramento.

Quanto ao jogo, teve domínio total do Sporting nos primeiros 30 minutos. Os leões entraram com muita qualidade e chegaram ao golo numa bola parada estudada, com João Mário a assistir Nani. Pouco depois, primeira contrariedade para os leões, com Slimani a ser substituído por Montero. À passagem da meia hora, Maurício foi expulso pelo árbitro e, no livre, Obasi faz o empate (Patrício podia ter feito melhor). Na segunda parte, Huntelaar colocou o Schalke na frente e Howëdes fez o 3-1, que parecia ter acabado com as aspirações dos leões. No entanto, a garra da equipa de Marco Silva resultou em dois golos: primeiro por Adrien, num penalty ganho por Carrillo, e depois pelo médio português, a aparecer a finalizar de cabeça. O Sporting recuou e tentou manter o empate, mas, já nos descontos, o árbitro inventa um penalty para o Schalke e Choupo-Moting não falhou. 

Sporting - É uma vitória moral, é certo, mas os leões fizeram mais uma exibição que demonstra que esta equipa está muito forte. Há vários anos que o clube de Alvalade não apresentava esta personalidade e qualidade na forma como aborda os jogos. Depois de ter ganho no Dragão, hoje o conjunto de Marco Silva voltou a entrar com uma atitude dominadora e muita qualidade nos processos, vestindo a pele de "sofredor" na segunda parte e conseguindo recuperar uma desvantagem de 3-1. Contudo, com tantas adversidades foi impossível pontuar no jogo de hoje. Maurício, depois de ter permitido o empate em Maribor, voltou a provar que não tem nível para actuar na Champions, e Patrício teve algumas culpas no primeiro golo. A troca de Slimani por Montero não prejudicou a equipa, até porque a inteligência do colombiano fez a diferença na segunda parte. Carrillo e Nani também demonstraram a sua valia durante todo o encontro e especialmente quando os verde e brancos estiveram reduzidos a 10 (sobretudo o peruano, cada vez mais maduro). Mas os grandes destaques do dia de hoje foram Paulo Oliveira, com uma exibição imperial no centro da defesa, e Adrien Silva, com um papel essencial no meio campo e com dois golos que podiam ter sido decisivos.

Schalke - Vitória caída do céu, tendo em conta a fraca qualidade que os alemães apresentaram. Uma equipa com um orçamento gigante, mas que, ano após ano, não consegue superar esta irregularidade e até banalidade. Di Matteo não foi muito audaz na abordagem ao jogo e apenas com a expulsão de Maurício o conjunto da casa conseguiu incomodar os leões. O sector defensivo tem uma qualidade bastante pobre e é claro que os melhores jogadores da equipa estão no ataque: Obasi desequilibrou, Draxler foi determinante nos lances de perigo criados e Huntelaar, como é hábito, fez o gosto ao pé.