26 de fevereiro de 2015

Surpresa só a eliminação do Liverpool, que dá sequência à má época europeia e perde também a hipótese de conseguir a Champions por esta via. Spurs e Fiorentina era jogo de 50-50, De Vítor Pereira também se esperava mais, mas o Dnipro individualmente é melhor; e o principal destaque é mesmo a forte presença das equipas italianas nesta fase, com 5 representantes, e Roma, Fiorentina, Inter e Nápoles juntamente com Wolfsburgo, Zenit, Sevilha e Villarreal são favoritos, apesar desta ser uma prova muito imprevísivel. 

Já são conhecidos os 16 clubes que vão discutir os oitavos de final da Liga Europa. Nos jogos das 17h, o Zenit recebeu, dominou e venceu o PSV (que teve um golo anulado e um penálti desperdiçado) por 3-0, com bis de Rondón e um golaço do melhor em campo Hulk (Danny também fez uma assistência) e reforçou a candidatura ao título. À mesma hora jogou o Dínamo Moscovo contra o Anderlecht, que apesar de ainda ter estado em desvantagem, golo de Mitrovic, venceu por 3-1 (o 2-1 surgiu na recarga a um penalti falhado de Kokorin, por intermédio de Yusupov). Uma hora depois, o Ajax foi à Polónia vencer o Legia por 3-0 (Milik, o novo Lewandowski, bisou); o Dínamo Kiev virou a eliminatória contra o Guingamp e venceu por 3-1 (Gusev marcou e assistiu); o Borussia Monchengladbach, apesar do massacre, foi derrotado pelo Sevilha por 3-2 (Vitolo marcou 2 golos); o Inter contra 10 desde os 36 minutos deu continuidade ao bom momento e venceu o Celtic com um tiraço de Guarín (em grande forma) aos 88’; o Villarreal voltou a vencer o “despido” Salzburgo, desta feita, por 3-1 com o craque Vietto novamente em destaque (2 golos e uma assistência); a Fiorentina bateu o Tottenham por 2-0 (Mário Gómez e Salah) e o Liverpool foi afastado da prova nas grandes penalidades (Lovren falhou o derradeiro), depois de o Besiktas, justamente, ter feito o 1-0 no tempo regulamentar (Opare esteve em destaque a defesa esquerdo). Por fim, às 20h05, Nápoles (1-0 ao Trabzonspor) e Everton (3-1 ao Young Boys; Lukaku (2) e Mirallas marcaram) confirmaram o favoritismo, assim como o Club Brugge, que venceu por 3 bolas a 0 o Aalborg (Refaelov fez duas assistências). O Dnipro não desperdiçou a grande vantagem da 1.ª mão e empatou a 2 frente à equipa de VP (Domínguez aos 89’ ainda marcou de grande penalidade o 2-1 para os gregos, mas Kalinic empatou logo a seguir), ao contrário do Atlético Bilbao que depois de ter empatado em Itália, foi derrotado por 3-2 no Novo San Mamés, frente ao Torino e disse adeus à prova. No último jogo do dia, que acabou mesmo mais tarde devido a arremesso de objectos por parte dos adeptos do Feyenoord (já tinham atirado bananas para insultar Gervinho), a Roma foi a Roterdão vencer por 2-1, com golos de Ljajic e Gervinho (Elvis Manu ainda empatou pelo meio), e conseguiu o último bilhete para a fase seguinte da antiga Taça UEFA.

Era um jogador livre - O internacional italiano Marco Motta é oficialmente reforço do Watford, emblema que compete no Championship. O lateral direito de 28 anos rescindiu recentemente com a Juventus, onde foi muito pouco utilizado nos últimos anos.

Sporting 0-0 Wolfsburgo 

Era possível! O Sporting, correu, lutou, teve várias oportunidades para marcar mas não passou do nulo e ficou fora da Liga Europa. Um empate a zero frente ao Wolfsburgo que valoriza a super-exibição de Benaglio mas que principalmente castiga a falta de eficácia dos leões, que tiveram uma dezena de oportunidades de golo, algumas delas muito flagrantes, para vergarem o vice-líder da Bundesliga mas, que por falta de sorte, na maior parte delas competência, não conseguiram marcar. Tanaka (que voltou a dar-se muito ao jogo) desperdiçou 4 golos cantados; Carrillo e Nani também podiam ter feito melhor em algumas ocasiões, num jogo em que Tobias, Oliveira e William estiveram a um nível muito alto.

Os primeiros minutos trouxeram um Sporting pressionante e disposto a mandar na partida. Os leões conseguiam impor o seu jogo, em virtude da intensidade que colocavam em cada lance e Nani, aos 17', deu o primeiro aviso. Os alemães optavam por juntar as suas linhas e procuravam, fundamentalmente, explorar o erro dos verde e brancos. À passagem do minuto 37', Benaglio foi o grande protagonista. William obrigou o guardião suíço a uma intervenção difícil (grande remate do trinco), e no seguimento Tobias esteve muito perto de marcar de cabeça. No minuto seguinte, Tanaka falhou perante Benaglio, Adrien não foi feliz na recarga e João Mário atirou para as nuvens. Antes do intervalo, mais uma ocasião clamorosa. João Mário cruza para a área e Tanaka, ao primeiro poste, acerta no poste, com a bola a ir ter aos braços do guarda-redes do Wolfsburgo. Na 2.ª metade do encontro, o Sporting voltou a entrar por cima da partida, Nani, tal como havia feito no início do jogo, foi o primeiro a ameaçar, no entanto, o Wolfsburgo pregou um susto a Patrício, com o remate fortíssimo de De Bruyne a esbarrar no poste. Pouco depois, excelente trabalho de Nani na área dos lobos, mas o remate do internacional português voltou a ser negado por Benaglio. As oportunidades foram sucedendo e até ao final houve mais um punhado de ocasiões claras. Carrillo desperdiçou de forma escandalosa, depois de ter driblado com mérito e Tanaka ainda foi a tempo de juntar mais dois falhanços à sua colecção.

Destaques:

Sporting - Exibição que teve tanto de competente em termos de qualidade de jogo como de incompetente em termos de eficácia. Os leões apresentaram uma dinâmica ofensiva muito acima da média, com movimentações contínuas e entrosamento entre todos os sectores, dominaram o encontro do princípio ao fim, mas invariavelmente pecaram na finalização. E neste ponto esteve a diferença na eliminatória, pois enquanto os alemães concretizaram boa parte das ocasiões de que dispuseram na primeira mão, os portugueses ficaram em branco. O Sporting mostrou muita segurança de jogo, nem se pode dizer que os jogadores tenham estado particularmente nervosos, e adaptaram-se a um adversário com maior poderio físico (e que não teve problemas em usá-lo) e habituado a um superior patamar de exigência semanal. Mas quer fosse pela grande exibição de Benaglio, por falta de sorte ou pontaria, os leões não desfizeram o nulo, num jogo em que mostraram, se não superioridade, pelo menos capacidade de disputar a eliminatória frente ao segundo classificado da Bundesliga. Resta agora saber quais as consequências físicas e morais deste resultado, pois domingo joga-se cartada decisiva no que ao segundo posto da Liga diz respeito, e Quarta-feira o Sporting desloca-se à Choupana para começar a discutir o acesso ao Jamor, aqueles que são agora os 2 grandes objectivos do conjunto de Marco Silva. Individualmente, o destaque vai para William Carvalho, que não só encheu o campo como ainda carregou a equipa para a frente, ora em cavalgadas, ora com passes longo bem medidos, e ainda teve tempo para obrigar Benaglio à defesa da noite. Paulo Oliveira e Tobias Figueiredo estiveram imperiais, dando uma segurança que ajudou a equipa a embalar em bloco para a frente. Tanaka podia ter sido herói, mas ficou-se pela intenção; o japonês mostrou mais uma vez sagacidade nas desmarcações, mas foi uma nulidade na hora da verdade, não conseguindo uma única vez desviar a bola do gigante suíço. Carrillo partiu os alemães com as suas arrancadas, mas nunca lhes deu a melhor continuidade e ainda desperdiçou uma oportunidade flagrante. Cédric, defensivamente seguro, correu muito no seu flanco (se fosse uma prova de atletismo ganhava destacado), mas também falhou sempre no último passe (incrível como raramente define bem), já Jonathan começou nervoso (uma 1.ª parte à Grimi), com fífias sucessivas, mas corrigiu e participou do jogo ofensivo, embora não mostrando a qualidade de Jefferson. Nani não teve medo de assumir o jogo, teve pormenores excelentes na posse e no passe, mas faltou o golpe de génio que mostrou no domingo. Adrien foi dos mais esclarecidos na primeira parte, mas acabou preterido em detrimento de João Mário, que continua a pautar o jogo leonino com enorme confiança. Destaque final para o regresso de Slimani, que obrigou o Wolfsburgo a recuar ainda mais apesar de pouco se ter feito notar.

Wolfsburgo - Os alemães vieram a Portugal segurar o resultado, apostando numa postura expectante, e sem arriscar muito no contra-ataque. Os dois médios defensivos não deixaram dúvidas quanto à filosofia de jogo do Wolfsburgo, que diga-se, não ficava em branco desde Novembro. Se na primeira meia hora ainda conseguiram controlar o jogo sem bola, a partir do minuto 37 foram completamente atropelados, e demonstraram por mais que uma vez algum nervosismo perante o assédio sofrido no seu último reduto. Ainda assim, o facto é que não sofreram golos, e na prática, do ponto de vista alemão, a eliminatória nunca esteve em perigo. A grande figura foi o conhecido Diego Benaglio (dá que pensar como passou meio "despercebido" em Portugal), um verdadeiro muro que defendeu o possível e o impossível. O suíço usou a sua estampa física para diversas manchas perante adversários isolados, e seja por sorte, por ineficácia contrária, ou por sentido de posicionamento, esteve invariavelmente no caminho da bola. Destaque para a capacidade de Luiz Gustavo, um dos poucos a conseguir ter bola, e para De Bruyne, que jogou quase "a solo" no ataque, e inventou a melhor oportunidade do Wolfsburgo, num remate ao poste após jogada individual. Bas Dost pouco apareceu (apenas no fim, num lance com final polémico), tal como Schürrle, sempre tapado pelos defesas leoninos. A dupla de centrais mostrou muita dificuldade em parar os movimentos de Tanaka, mas contou com a desinspiração do nipónico, e com o auxílio de um muro suíço.

Mais uma "chinesice".

A Câmara de Lisboa aprovou a 11 de fevereiro uma proposta para submeter à Assembleia Municipal “a isenção do pagamento da Taxa TRIU [taxa pela realização, manutenção e reforço de infraestruturas urbanísticas] e da compensação urbanística”, de cerca de 1,8 milhões de euros, por intervenções a realizar junto ao Estádio da Luz. Algo que tem provocado muita discussão nos últimos dias, sendo que alguns defendem que esta isenção é ilegal. Ontem, António Costa, no entanto, afirmou não ter “a menor dúvida jurídica” sobre a proposta de isenção de taxas urbanísticas ao Sport Lisboa e Benfica ou sobre a decisão que será tomada pela Assembleia Municipal. Para agravar a tudo isto, afinal o perdão à dívida do clube da Luz que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) remeteu para a Assembleia Municipal aprovar não é de 1,8 milhões mas estará antes a rondar os 4,6 milhões de euros. A verba foi calculada por Helena Roseta, presidente da assembleia que elaborou um relatório e já terá notificado o Benfica destes valores. Roseta refere que estão em causa estão cerca de 4,633 milhões euros de isenção de taxas, das quais 2,674 milhões dizem respeito ao “montante da TRIU a liquidar pelo requerente”, e o restante — cerca de dois milhões de euros – é o valor “total das compensações urbanísticas devidas”. Inicialmente, falou-se em 1,8 milhões de euros, montante que a dirigente, aliás, também defende estar errado: seriam antes 1,958 milhões.

Os Red Devils continuam sem conseguir renovar com De Gea mas dá para perceber que dinheiro não é problema - Tyler Blackett, defesa do Manchester United que terminava contrato no final desta época, viu a sua folha salarial registar um aumento de mil por cento. O central/lateral, que esta época foi titular em 6 jogos para a Premier League, renovou até 2017 passando o seu ordenado de 11 mil para os 121 mil euros mês.

É o 4.º reforço interno das águias no último mês, depois de Flávio Silva (Torreense), David Moura (Vilafranquense) e Vitali Lystsov (União de Leiria).

O Benfica garantiu a aquisição de Wittiness Quembo do Nacional da Madeira. De acordo com a MFS e a SoccerPromaster, empresas que gerem a carreira do extremo de apenas 18 anos e 1m78, este foi um acordo tripartido entre a Liga Desportiva de Maputo e os dois clubes portugueses. Witi, apesar de ainda ser júnior, esta época foi titular pelo Nacional frente ao Boavista, na 16.ª jornada do campeonato, e também foi aposta de Manuel Machado em 2 jogos da Taça da Liga.

Português faz história pela negativa - Por incrível que pareça, Tiago foi o primeiro jogador do Atlético de Madrid a ser expulso numa partida da Liga dos Campeões. O médio português viu o vermelho frente ao Leverkusen na partida da 1.ª mão dos oitavos-de-final da liga milionária e impediu assim os colchoneros de ficarem com a folha limpa. Ao todo o Atlético esteve 42 jogos sem ver o vermelho, melhor só o Celtic, que conseguiu estar 50 jogos na Champions sem ficar reduzido a 10 elementos.

A prova de que é quase impossível escolher a melhor equipa de sempre, já que os critérios podem ir dos títulos ao gosto pessoal.

Gael Clichy foi o último elemento do City a nomear aquela que considera ser a melhor equipa de sempre. O defesa francês, que não escondeu ser adepto do PSG, escolheu: Bernard Lama, Cafu, Thuram, Maldini, Ashley Cole, Makelele, Patrick Vieira, Zidane, Valdo, Cristiano Ronaldo e Henry. Nota para a inclusão de Valdo, médio que passou pelo Benfica e que era uma espécie de Aimar mas a 100%, e que deu muito mais às águias (apesar de ter sido nomeado pela sua passagem pelo PSG). De resto é notória a preferência pelos jogadores franceses, com 6 representantes, sendo que a presença de Lama é a mais discutível, já que era um guarda-redes vistoso mas pouco seguro e na selecção gaulesa perdeu o lugar para Barthez. Destaque ainda para o facto de apenas Cole e Ronaldo estarem no activo.  

Vai auferir 10 milhões de euros por ano - O FC Barcelona anunciou hoje ter chegado a acordo com Sergio Busquets tendo em vista a renovação do contrato do médio, cujo atual vínculo com o clube vigora até 2019. O internacional espanhol, que tem sido cobiçado pelo PSG e equipas da Premier League, fica com uma cláusula de 175 milhões de euros.

Ficou insatisfeito com a saída de Sammir para o futebol chinês (o croata foi vendido esta semana por 5 milhões de euros) -  O regresso de Quique Flores ao Getafe nem durou 2 meses. O ex-treinador do Benfica anunciou hoje a demissão, justificando a saída por motivo “pessoal e produto de uma reflexão”. “Tomei a decisão de sair do lugar de treinador. É uma decisão pessoal, produto de uma reflexão profunda. Creio que é a melhor decisão, a melhor forma de dignificar a minha profissão e respeitar-me”, disse Quique Flores, que tinha assumido o comando técnico do 14.º classificado da La Liga em 5 de Janeiro.

Muitos destes jogadores terminam contrato no próximo ano. Um deles é Carrillo, cuja metade do passe ainda pertence à Leiston Holdings.

No seguimento do que tinha anunciado em Novembro o Sporting anunciou hoje que procedeu à aquisição de 100% das Unidades de Participação (UP’s) do Sporting Portugal Fund, passando a deter a totalidade das UP’s do mesmo, tendo para o efeito realizado um investimento global de Euros 12,65 milhões. Os 13 futebolistas em causa são os seguintes: André Carrillo (20%), André Martins (40%), Chaby (2,5%), Cédric (25%), Capel (20%), Diego Rubio (15%), Diogo Salomão (25%), João Mário (15%), Zézinho (25%), Nuno Reis (15%), Seejou King (40%), William Carvalho (40%) e Wilson Eduardo (40%).

Mesmo assim vai ser um ano caótico - A CAN de 2023 deverá disputar-se em junho, e não no tradicional mês de janeiro, para se adaptar ao calendário excecional do Mundial de futebol de 2022, revelou o secretário geral da FIFA, Jerome Valcke. "África concordou de imediato em não organizar a Taça das Nações Africanas (CAN) em janeiro de 2023", disse Valcke no Qatar, onde está para reuniões relativas ao Mundial que deverá ser organizado pelo país asiático no inverno de 2022. Caso a CAN fosse disputada em Janeiro/Fevereiro os clubes arriscavam-se a ficar sem jogadores durante 4 meses.

25 de fevereiro de 2015

Qual deve ser o 11 de Marco Silva?

O regresso de Slimani é a principal novidade nos convocados do Sporting, para o encontro com o Wolfsburgo, dos 16 avos de final da Liga Europa. Jefferson, que não mereceu comentários de Marco Silva durante a antevisão ao jogo, ficou de fora. Lista de convocados: Guarda-redes - Rui Patrício e Marcelo Boeck; Defesas - Cédric, Miguel Lopes, Paulo Oliveira, Tobias, Naby Sarr e Jonathan Silva; Médios - André Martins, William Carvalho, João Mário, Adrien, Rosell e Ryan Gauld; Avançados - Slimani, Montero, Capel, Carrillo, Tanaka, Carlos Mané e Nani.

É o actual melhor marcado da 1.ª Divisão da Nova Zelândia, com 10 golos em 10 jogos - O Vit. Guimarães anunciou o primeiro reforço para a temporada 2015/2016. Trata-se do avançado Tyler Boyd, natural da Nova Zelândia, que assinou um contrato válido por quatro anos. Internacional duas vezes pela Selecção A do seu país, após ter alinhado pela Selecção sub-20 nas eliminatória de qualificação para o Mundial da categoria em 2013, Tyler Boyd representa actualmente o Wellington Phoenix, depois de passar pelo Melville United e Waibop United. No comunicado em que anuncia a contratação de Tyler Boyd, os vimaranenses descrevem o avançado como um jogador “rápido e com boa finalização” e “um dos maiores talentos do campeonato neozelandês”.

Talvez o melhor jogador de sempre - O internacional francês Nikola Karabatic, jogador do FC Barcelona, foi eleito o melhor jogador do mundo em 2014, anunciou hoje a Federação Internacional de Andebol (IHF). Campeão europeu em 2014 e mundial em 2015 com a França, Karabatic já tinha recebido esta distinção em 2007 e tornou-se o terceiro jogador a obter este prémio duas vezes, depois do croata Ivano Balic (2003 e 2006) e do espanhol Talant Dujshebaev (1994 e 1996). O central do Barça, que sucede ao croata Domagoj Duvnjak, obteve 33,7% do conjunto dos votos dos adeptos e de um painel de especialistas designado pela IHF. O dinamarquês Mikkel Hansen ficou em segundo, com 21%, e o guarda-redes francês Thierry Omeyer, eleito melhor jogador do Mundial2014, terminou em terceiro, 19,5%.

B.Leverkusen 1-0 Atlético (Çalhanoglu 63')

A vida não está fácil para o vice-campeão europeu. A derrota por 1-0 em Leverkusen obriga a marcar pelo menos dois golos (isto se não permitirem que o Bayer marque) para dar a volta à eliminatória. Hoje, a equipa de Simeone até pode dar-se por feliz por ter saído da Alemanha com apenas um golo de desvantagem. A intensidade e dinâmica ofensiva do conjunto de Schmidt colocou problemas ao Atleti (Bellarabi continua em grande forma) e o golo, justo, surgiu na segunda parte, com o alemão a tocar de calcanhar para Çalhanoglu, que fuzilou Moyà. Os alemães enfrentaram uma equipa que joga nos limites e não quiseram ficar atrás, fazendo uma exibição bastante aguerrida. Em vantagem na eliminatória, poderão jogar como gostam - em transições rápidas - no Calderón, mas a defesa, que não é propriamente segura, será posta à prova. Já a equipa de Simeone, que hoje não lidou da melhor forma com o estilo de jogo do Leverkusen (e não teve sorte, com duas lesões antes do intervalo), será obrigado a assumir a iniciativa e terá de tentar a remontada sem Tiago, que hoje foi expulso, e Godín (acumulação de amarelos).

Já se percebeu que vai haver luta até à última jornada - Troca na liderança da II Liga, com o Freamunde a recuperar o primeiro posto. Os Capões venceram em Matosinhos por 1-0 e aproveitaram o deslize do Chaves em Alcochete, perante o Sporting B (1-1 foi o resultado, com um golaço de Rubio e Ewerton a fazer os primeiros minutos de leão ao peito). O Tondela voltou a empatar (0-0 em Santa Maria da Feira) e está agora a 2 pontos da frente. Em Lisboa, sortes diferentes para Oriental e Atlético: o emblema de Marvila venceu o Porto B, que somou a quinta derrota consecutiva fora de portas, por 3-0, num jogo em que os dragões acabaram com 8; e o clube da Tapadinha perdeu na recepção ao Benfica B por 3-2, num jogo em que Nuno Santos marcou o seu quarto golo nos últimos quatro jogos. 

Arsenal 1-3 Mónaco (Chamberlain 91'; Kondogbia 38', Berbatov 53' e Ferreira-Carrasco 94')

Muito mérito para Leonardo Jardim. A estratégia do treinador português funcionou na perfeição, anulando completamente o Arsenal e a vitória por 3-1, no Emirates, coloca o Mónaco muito próximo da qualificação para os quartos-de-final da LC. Postura conservadora dos franceses (com Fabinho a fechar no meio-campo), com grande organização defensiva e solidariedade entre sectores e, sobretudo, muito critério e simplicidade no momento da transição ofensiva (Moutinho, Martial e Carrasco ainda estiveram perto de ampliar). Os londrinos, por sua vez e apesar da posse-de-bola, tiveram muitas dificuldades para romper a robustez dos monegascos e raramente tiveram uma oportunidade clara para marcar (apenas um remate perigoso de Welbeck). Em termos de destaques individuais, Moutinho fez um grande jogo, sobretudo na 2.ª parte (foi importante na pressão alta e na circulação da bola), enquanto que Kondogbia encheu o campo (fez uma 1.ª parte de grande nível). Bernardo Silva, que entrou aos 84', ainda foi a tempo de fazer uma assistência. A classe de Berbatov e a velocidade de Martial também estiveram em evidência. Nos londrinos, Özil esteve péssimo (muito lento e pouco activo), Cazorla foi um dos melhores (jogar perto de Coquelin), sendo que Alexis só apareceu a espaços. Chamberlain entrou bem na partida e Bellerín sofreu com Martial.

Os primeiros minutos foram traduzidos pelo domínio dos gunners, com muita posse-de-bola e algum caudal ofensivo, embora a estratégia de Jardim conseguisse anular por completo as zonas que costumam ser críticas, sobretudo nas deslocações para o interior por parte de Alexis e Özil (Fabinho ia fechando o espaço com mérito). Os elementos do emblema monegasco, mesmo com uma postura mais conservadora, iam tendo algumas chances de sair para a transição e esse momento era sempre conduzido com critério e simplicidade (Berbatov, apesar de muito sozinho, conseguia combinar bem com os apoios). Os londrinos não tiveram nenhumas oportunidades claras de golo, sendo que um remate por cima de Alexis foi o melhor que se aproveitou. Aos 38', num dos lances em que o Mónaco saiu bem para o ataque, Kondogbia teve espaço e atirou forte de longe para o 1-0, com o remate a embater ainda em Mertesacker. Na 2.ª metade do encontro, foi mais do mesmo. Os londrinos não conseguiram criar perigo junto de Subasic (apenas com Welbeck perto do golo) e os monegascos iam conseguindo ligar bem as saídas para o ataque. Num desses lances, Martial isola Berbatov e o búlgaro, com a classe reconhecida, amplia para 2-0. Depois de Moutinho e Martial terem desperdiçado, o Arsenal chegou a reduzir por intermédio de Chamberlain, mas no final da partida, Carrasco - assistido por Bernardo Silva - fez o 3-1 final.

Ronaldo e Messi venceram a Bota de Ouro em 3 ocasiões o que torna esta luta ainda mais interessante. E, com este arranque da "Pulga" em 2015, como tem acontecido nos últimos anos (Suárez em 2014 foi uma excepção), a discussão já se resume só aos 2 Et's. Resta saber quem fica em no 3.º lugar.

Há 2 meses parecia garantido que Ronaldo ia conquistar a sua 4.ª Bota de Ouro, o que permitia desempatar com Messi, mas esse cenário agora mudou. Já que o avançado do Barcelona num ápice diminuiu a diferença. Outra luta que promete é a do 3.º lugar, que ainda é ocupado por Yevgeni Kabayev, que milita nos estónios do Kalev, que marcou 30 golos esta época. Jackson Martínez com o seu tento frente ao Boavista igualou Aguero, Diego Costa e Neymar na 4.ª posição, com 34 pontos, e parece estar com tudo para garantir um lugar no Top 5 (apesar da desvantagem de ter menos jogos).

PS: Portugal à semelhança de Inglaterra, Itália, Espanha e Alemanha beneficia de um coeficiente de 2 pontos (está entre os 5 melhores campeonatos da Europa); Por exemplo ligas como a francesa (Lacazette tem menos hipóteses), ucraniana, russa e holandesa são cotadas apenas com 1.5, outras mais secundárias (da Lituânia, Finlândia ou Letónia) só tem 1 ponto.

Mais favoritismo para os Cavs no Este? Ponto final na esperança de voltarmos a ter um Rose pelo menos a 80%? São demasiadas lesões, e esta deve acabar de vez (até pelo momento, acontece numa fase em que se falava menos do seu estado clínico) com o estatuto do PG, pelo menos com a ideia que pode conduzir os Bulls ao título.

Derrick Rose vai ser operado ao joelho direito, o mesmo onde sofrera intervenção cirúrgica o ano passado, e que o impediu de jogar entre Novembro e Agosto. Não se sabe ao certo quando a lesão foi detectada, nem está prevista qualquer data para o seu regresso. A esta altura é visível que o MVP de 2011 nunca mais será o mesmo, e que a sua carreira será marcada por lesões, pelo que tanto ele como os próprios Bulls, que têm aspirações ao título, têm rapidamente de decidir o que fazer acerca do seu relacionamento. Quanto a esta temporada, é de prever que Rose não regresse, pelo que Chicago se deve bater com os surpreendentes Hawks e emergentes Cavaliers com as armas que ainda dispõe (ainda suficientes para chegar pelo menos à final da Conferência).

Vecchia Signora quer 2 laterais, um médio, um avançado, um extremo, além do jogador sensação da liga portuguesa - A saída de Pogba da Juventus no final da época parece cada vez mais uma certeza. Numa entrevista ao site "Il Sussidiario", o agente FIFA Gianfranco Ciccheti disse que é muito provável que o francês se mude para o PSG, numa transferência que deve rondar os 90 milhões de euros. Cenário que a concretizar-se irá permitir ao campeão italiano colmatar algumas lacunas. Quanto ao sucessor de Pogba, o empresário não tem dúvidas que joga em Portugal: "A Juventus tem controlado Danilo, de 18 anos, que joga no Braga e é um médio muito forte fisicamente. Tem muito potencial e é internacional sub-20 pelo Brasil", revelou. No que diz respeito às outras posições, Ciccheti dá conta que a Juve vai tentar incluir Lucas ou Verratti no negócio Pogba. Que para as laterais tem Vrsaljko e Zappacosta referenciados para a direita e Masuaku e Willems para a esquerda. Na frente há uma lista de cinco jogadores, Cavani é a prioridade, e Falcao, Dzeko, Jackson Martínez e Lacazzette as alternativas.

Num clube em que uma pessoa está acima da Instituição é natural que este tipo de polémicas, internas ou externas, se repitam com esta frequência. Mau para Marco Silva que na fase mais importante da época, os jogos com o Wolfsburgo e FC Porto vão decidir o futuro do leão, é confrontado com mais uma novela. Veremos que resposta vai dar Jonathan (ou Geraldes) que depois de um bom arranque demonstrou algumas fragilidades. Quanto ao ex-Estoril, que nos últimos jogos já vinha a evidenciar algum incómodo, parecia estar contrariado, é natural que fique chateado por lhe terem bloqueado uma saída que permitia que fosse auferir 4 vezes mais, mas os contratos quando se assinam são para cumprir.

Mais uma polémica em Alvalade. Jefferson discutiu com Bruno de Carvalho e foi afastado do plantel principal. Ficando assim Marco Silva sem um dos elementos mais influentes, até na manobra ofensiva (dos jogadores com mais assistências). Jefferson terá perguntado ao presidente dos "leões" o porquê de este não ter aceite uma alegada proposta do Dínamo Kiev no valor de 6 milhões de euros, que lhe permitia auferir 4 vezes mais. Bruno de Carvalho terá respondido que não tinha recebido qualquer proposta, ao que Jefferson contra-atacou, acusando o presidente do Sporting de mentir. Os dois terão entrado numa troca de insultos. E o ex-Estoril acabou por ser afastado. Para já o jogador foi despromovido para a equipa B e só deverá voltar ao plantel principal se pedir desculpas. Certo é que não irá livrar-se de um processo disciplinar.

24 de fevereiro de 2015

Só os desvaloriza, o que acaba por prejudicar o Benfica e o FC Porto, que desejam realizar um encaixe no final da época. E os clubes cada vez mais dão importância a este aspecto social na hora de contratar. 

O Córdoba abriu um inquérito disciplinar ao português Bebé, emprestado pelo Benfica, e ao argelino Ghilas, cedido por FC Porto, devido a uma saída nocturna depois da derrota caseira perante o Valência (2-1), anunciou hoje o clube espanhol. Os dois jogadores, juntamente com o italiano Fausto Rossi e esloveno Rene Krhin, estão sob a alçada disciplinar por terem desrespeitado o regime interno do clube, tendo já pedido desculpa pelo sucedido. “Já pediram perdão e ficamos por aqui. Agora cabe ao clube tomar as medidas que acha que devem ser tomadas. São jogadores jovens que têm de ter consciência do clube e dos adeptos que representam”, afirmou à imprensa local o capitão do Córdoba, Abel Gómez. No último sábado, em jogo da 24.ª jornada do campeonato espanhol, o Córdoba foi derrotado em casa pelo Valência e manteve o último lugar da prova. Bebé e Ghilas foram depois ‘apanhados’ numa saída nocturna, quando na manhã seguinte estava agendado um treino de recuperação.

Mais uma experiência falhada - Quincy, extremo internacional ganês, já não é jogador do Boavista. Segundo o comunicado divulgado pelos axadrezados na sua página do Facebook, "o Conselho de Administração da Boavista SAD e Quincy rescindiram por mútuo acordo o contrato que haviam celebrado". O ex-jogador do Arsenal, que brilhou pelas camadas jovens da Holanda mas que representou o Gana no Mundial 2010, volta assim ao desemprego depois de nos últimos anos ter desiludido por praticamente todos os clubes onde passou.

Juventus 2-1 Dortmund (Tévez 13' e Morata 43'; Reus 18')

O equilíbrio que se esperava. A eliminatória entre Juventus e Dortmund vai ser decidida na Alemanha, depois da magra vitória dos italianos por 2-1. O domínio de jogo foi repartido pelas duas equipas e foi a maior eficácia da Vecchia Signora que acabou por fazer a diferença. 

Klopp promoveu algumas alterações em relação ao 11 que tem sido bem sucedido no campeonato, lançando Mkhitaryan (sentou Kagawa) e Immobile, que actuou como referência ofensiva, relegando Aubameyang para o flanco direito. Apesar das mexidas, a equipa apresentou-se em bom nível no primeiro tempo, com boa dinâmica ofensiva. Ainda assim, a maior eficácia da Juve levou os alemães a perder para o intervalo. Morata, após uma boa iniciativa do lado esquerdo, rematou para uma defesa incompleta de Weidenfeller (podia ter feito melhor e esta época está a mostrar que o Dortmund está a precisar de um guarda-redes) que Tévez aproveitou para fazer o 1-0; e à beira do intervalo, já depois do empate de Reus, que aproveitou uma escorregadela de Chiellini, seria o espanhol, que hoje fez uma grande exibição, a fazer o 2-1 depois de um cruzamento de Pogba. Na perspectiva dos alemães, foram dois golos consentidos do lado direito, que mostram a passividade do sector defensivo (Tévez e Morata apareceram completamente sozinhos na área). Da primeira parte há ainda a salientar a lesão de Pirlo, que teve de ser substituído e está em risco de falhar os próximos jogos. Na segunda parte, já sem o "Arquitecto" e com Vidal bastante apagado, a Juve baixou o bloco e entregou a iniciativa ao Dortmund, mas os alemães sentiram algumas dificuldades para penetrar na defensiva da turma de Allegri. A jogar em transições rápidas, Tévez, o melhor da equipa da casa neste período, teve várias oportunidades para avolumar o marcador, sempre com muitas facilidades concedidas pela defensiva alemã. Em suma, um jogo bastante interessante, com dois estilos distintos em confronto e um duelo que promete na segunda mão. 



Manchester City 1- Barcelona 2 (Luis Suárez 16' e 30'; Aguero 69')

O Barcelona deu um passo de gigante rumo aos Quartos-de-Final da Liga dos Campeões, ao vencer em Inglaterra o Manchester City por 2-1, com dois golos de Luis Suárez (no regresso a Terras de Sua Majestade teve a sua melhor atuação pelos Culés) a responderem ao tento de Kun Aguero. Com este resultado, o conjunto de Pellegrini fica obrigado a vencer (e a marcar, pelo menos, duas vezes) em Camp Nou. A eliminatória poderia até já ter ficado sentenciada, não só pelo verdadeiro "banho de bola" que a equipa de Luis Enrique deu na primeira parte, mas também pela Grande Penalidade desperdiçada por Messi no último lance da partida. Por outro lado, os Citizens também ficam a lamentar a expulsão de Clichy numa fase, logo após o golo de Aguero, em que estavam por cima no jogo.

 Ao contrário do que sucedera há uma ano, Pellegrini não condicionou o seu onze ao adversário, colocando de início Silva, Nasri, Dzeko e Aguero. No entanto, esta opção correu da pior forma: o meio-campo estava, constantemente, em inferioridade numérica, não conseguia recuperar a bola nem pressionar (só Fernando tinha essas características) e a sua linha defensiva estava sempre exposta perante os avançados do Barça. As primeiras oportunidades de golo chegaram, assim, com naturalidade, com Messi a permitir um grande corte a Demichelis e Suárez a não aproveitar um erro dos locais. No entanto, o Uruguaio, aos 16 minutos, não desperdiça, rematando forte e colocado com o pé esquerdo, aproveitando um ressalto em Kompany após cruzamento de Messi. O campeão da Premier League mostrava-se incapaz de contrariar o vendaval de futebol Culé e Luis Suárez, já depois de ter sido isolado por Neymar e ter permitido a mancha de Hart, apontou o segundo golo, respondendo a um passe de Alba depois de um trabalho monumental de Messi. Até ao fim da primeira parte, os Catalães continuaram a ser dominantes, com Dani Alves a atirar à barra e Nasri a efectuar o único remate à baliza do Alemão Ter Stegen, eleito para defender as redes nos jogos da Liga Milionária. Na segunda parte, o Manchester City entrou muito forte, pressionado mais acima e de forma mais harmónica e, já depois de Aguero (remate de fora da área a rasar o poste), Dzeko (por duas vezes de cabeça) e Nasri (com corte de Mascherano) terem desperdiçado, o Kun reduziu mesmo a diferença no marcador para um golo, após genial assistência de David Silva (no início da jogada Messi perde a bola para Clichy). Quando se podia prever um final de jogo de grande pressão da equipa da casa, o lateral-esquerdo francês, já amarelado, tem uma entrada imprudente sobre Daniel Alves e é expulso 5 minutos depois do golo do Argentino, comprometendo as aspirações do seu conjunto. Até final, o Barcelona limitou-se a gerir a posse de bola, com destaque para um golo anulado a Messi e para o já referido penalty defendido por Joe Hart (na recarda Messi não acerta na baliza de cabeça).

Destaques

Manchester City: Um ano depois, Manuel Pellegrini volta a falhar na abordagem a um encontro frente ao Barcelona. Se em 2014 o técnico Chileno havia descaraterizado a sua equipa com medo do rival, hoje optou pelo caminho radicalmente inverso, apresentando uma formação inicial desajustada ao encontro, sem capacidade de pressão, recuperação e com um meio-campo sempre em inferioridade numérica (Fernando e Milner viram-se invariavelmente contra três ou quatro oponentes). A juntar a isto, a melhoria que a equipa sofreu com as entradas de Fernandinho e Bony dá ainda mais a sensação que o treinador do campeão Inglês equivocou-se nas suas opções. Veremos como irão os Citizens encarar a segunda mão, sendo certo que a tarefa afigura-se muito difícil. Individualmente, Hart não só não teve culpas nos golos como manteve o seu conjunto com vida na eliminatória ao fazer uma mancha perfeita a Luis Suárez na primeira parte e detendo o Penalty de Messi na segunda. O mesmo acerto não tiveram os outros elementos da defesa, já que Zabaleta foi várias vezes batido, os centrais sofreram com a velocidade e um contra um do ataque adversário (são ambos duros de rins) e Clichy foi um dos réus da noite, deixando-se expulsar por uma abordagem infantil a um lance a meio-campo quando o jogo vivia a melhor fase dos locais. No centro do campo, Fernando teve uma partida ingrata, já que muito teve de correr para tapar todos os buracos existentes, ao passo que Nasri não só esteve desaparecido do jogo como falhou uma clara oportunidade no início da segunda metade. Silva apareceu para dar um rebuçado a Aguero, sendo que o argentino foi dos poucos a ter nota positiva, não só pelo golo que apontou (em espaços curtos é letal), mas também pela forma como tentou assumir o jogo, apesar de nem sempre feliz. Já Dzeko não soube aproveitar a sua vantagem física face aos catalães, tendo tido uma perdida escandalosa, cabeceando para as mãos de Ter Stegen a escassos metros do Alemão.

Barcelona: Importante golpe de autoridade da equipa de Luis Enrique após a comprometedora derrota em casa contra o Málaga. Os Culés voltaram a impor-se face ao vigente campeão Inglês e na primeira parte jogaram, provavelmente, o seu melhor futebol da temporada, com uma qualidade na posse e no preenchimento das zonas interiores no ataque absolutamente invulgares. A eliminatória poderia ter já ficado resolvida (apesar dos sustos da segunda parte, que se deveram não só a uma melhoria do oponente mas a um certo relaxe de que a perda de bola de Messi no golo sofrido é exemplo), mas a verdade é que o Barça está quase na fase seguinte da principal competição europeia de clubes. Na baliza, o habitual suplente Ter Stegen não tremeu, enquanto que Piqué, tal como no recente jogo em Camp Nou contra o Atlético de Madrid, fez um jogo fantástico, intratável no um contra um e crucial a dobrar Mascherano, que teve algumas dificuldades perante Aguero. Iniesta e Rakitic foram essenciais para a constante superioridade na zona central na primeira parte e deram fluidez à circulação de bola e Neymar não desiquilibrou tanto como noutras ocasiões. Luis Suárez, de regresso a Inglaterra, teve a sua primeira grande noite como Culé, ao apontar dois golos plenos de oportunidade, mas Messi, apesar da Grande Penalidade falhada (aspecto em que não tem sido feliz), realizou uma exibição verdadeiramente estrastosférica: o astro argentino recuperou bolas, pressionou, deu-se ao jogo, participou na circulação de bola, emprestou qualidade de passe, abriu caminho ao segundo golo, enfim, fez tudo e tudo a um nível que só ele sabe.

Marco Silva vai ficar sem companhia no banco frente ao FC Porto (Liga), Nacional (Taça de Portugal), Penafiel (Liga) e Marítimo (Liga).

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, foi hoje condenado a um mês de suspensão por lesão da honra e da reputação a agentes desportivos pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). O castigo, de um mês suspensão e 765 euros de multa, imposto ao presidente ‘leonino’, passível de recurso ao pleno do CD, mas sem efeitos suspensivos, ficou a dever-se ao comportamento de Bruno de Carvalho durante a receção ao Gil Vicente, no domingo, da 22.ª jornada da I Liga de futebol, que o Sporting venceu por 2-0. De acordo com a lista de castigos do CD da FPF hoje anunciada, Bruno de Carvalho infringiu o artigo 136.º do Regulamento Disciplinar (RD) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), que pune as ações de “lesão da honra e da reputação”, tendo sido punido com a suspensão mínima, um mês, numa moldura penal que poderia ir até um ano. Este ponto do RD especifica o castigo a aplicar à infração do número um do artigo 112.º do mesmo documento, nomeadamente a “clubes que desrespeitarem ou usarem de expressões, desenhos, escritos ou gestos injuriosos, difamatórios ou grosseiros para com membros dos órgãos da LPFP e da FPF, respectivos membros, árbitros, dirigentes e demais agentes desportivos, em virtude do exercício das suas funções, ou para com os mesmos órgãos enquanto tais”. Fonte: Agência Lusa

Mesmo pena para Miguel Leal, técnico do Moreirense - O treinador do Benfica, Jorge Jesus, foi repreendido e multado em 39 euros, pela expulsão na visita dos ‘encarnados’ ao Moreirense, no sábado, da 22.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol profissional. O técnico ‘encarnado’ foi sancionado ao abrigo do número um do artigo 168.º do Regulamento Disciplinar (RD) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), que pune várias infracções, como interferência no jogo ou protestos contra a equipa de arbitragem.

Foi o capitão dos sub-20 no Mundial de 2007 mas as lesões impediram que se afirmasse ao nível sénior - Mais um português na MLS. Paulo Renato, central de 27 anos, formado no Sporting, que nos últimos anos andou pelos escalões secundários, assinou pelo San Jose Earthquakes, emblema onde em 2014 alinhou o benfiquista Yannick Djaló.

Encarnados vão agora receber o Shakhtar, que dominou o grupo do FC Porto; Guga Rodrigues é o caso mais intrigante desta incompleta geração encarnada (alguns juniores já estão na equipa B). Médio com muita técnica, qualidade de passe e uma visão de jogo pouco habitual, mas algo frágil fisicamente, o que pode ser um obstáculo nos seniores; No entanto, o espanhol Canós foi o elemento com mais capacidade, no presente e no futuro, que esteve no Seixal. O extremo dos Reds, muito na linha de Deulofeu (mas um pouco mais forte fisicamente), fartou-se de desequilibrar e pareceu estar a um nível acima da concorrência.

Os juniores do Benfica garantiram a qualificação para os quartos-de-final da Youth League, onde já estava o FC Porto, ao baterem, no Seixal, o Liverpool, por 2-1. Hildeberto, que nos primeiros 15 minutos teve 3 oportunidades claras de golo, abriu o activo logo aos 5 minutos, no entanto Canós pouco depois (aos 9) empatou, na sequência de uma grande jogada individual. No 1.º tempo o jogo foi disputado, com oportunidades paras as duas equipas mas o resultado não se alterou. Praticamente a abrir a 2.ª parte Hildeberto ofereceu o golo a Gilson Costa, mas o médio permitiu a defesa a Fulton. Pouco depois foi André Pereira a tirar um golo cantado ao Liverpool. Apesar dessa sequência inicial, a 2.ª parte teve menos lances de golo, no entanto o domínio das águias foi sempre evidente. Numa fase em que o ascendente das águias era claro, Diogo Gonçalves numa jogada individual, combina com Guga, e faz o 2-1. Pedro Rodrigues teve ainda a oportunidade de "matar" o jogo, mas rematou fraco depois de ter conseguido criar um desequilíbrio na defesa dos Reds. E o Benfica permitiu uma pressão final do Liverpool, que no entanto esbarrou sempre no central João Lima e no guarda-redes André Ferreira, que segurou a vitória já nos descontos.

Benfica - Equipa com muita qualidade técnica, que fruto dessa virtude foi superior durante grande parte do encontro. Com o trio Guga Rodrigues, João Carvalho e Diogo Gonçalves, claramente os elementos mais evoluídos, em destaque, os encarnados demonstraram ser melhores que o Liverpool e o apuramento não merece discussão. Na frente Hildeberto com a sua força e potência causou muitos estragos, ultrapassou diversas vezes, e com relativa facilidade, a defesa contrária, mas pecou quase sempre na finalização. Guga encheu o campo com a sua visão de jogo, Diogo Gonçalves (inventou o 2-1) e João Carvalho, que tem tido minutos na equipa B, também desequilibraram diversas vezes. Nota menos para Gilson Costa, demasiado displicente e o elemento menos influente. Na defesa João Lima foi do 8 ao 80, com algumas falhas defensivas e ao nível técnico, mas acabou por ser decisivo nos minutos finais com vários cortes importantes. Enquanto que o guarda-redes André Ferreira teve em destaque com duas excelentes defesas, mas falhou quase sempre quando foi solicitado para jogar com os pés.

Imagem: Daily Mail
Bundesliga e Premier League não querem um Mundial em Novembro/Dezembro.

Parece mais ao menos definido que o Mundial 2022 vai ter inicio no dia 26 de Novembro e terminar a 23 de Dezembro, pelo menos é essa a intenção da FIFA, sendo que a UEFA também já concordou. No entanto a Associação das Ligas Europeias de Futebol vai tentar contrariar esta decisão. Tendo como base o apoio da Bundesliga e Premier League, que não pretendem ver uma alteração tão radical nos calendários internos e até das próprias provas europeias, devido à interrupção para o Mundial, a EFPL mantém que o certame se devia realizar em Maio. "As Ligas e os clubes reiteraram, uma vez mais, uma solução conjunta para que o Mundial se realizasse em maio. Esta proposta foi estruturada e assente num estudo que teve em conta condições meteorológicas aceitáveis para jogadores e adeptos", pode ler-se no comunicado da Associação das Ligas Europeias de Futebol. 

Paulo Regula também assinou pelo 3.º classificado da liga búlgara - Bjørn Johnsen deixou o Atlético para reforçar o Litex Lovech, clube orientado por Balakov, antigo craque do Sporting. O avançado americano, actual 3.º melhor marcador da II Liga, chegou a ser dado como certo no Benfica, também foi apontado ao Sporting, mas vai continuar a carreira no futebol búlgaro, desfalcando assim o emblema de Alcântara numa fase decisiva da época.

Um dos melhores jogadores europeus de sempre - Ponto final na carreira de Kirilenko na NBA. O internacional russo desvinculou-se dos Philadelphia 76ers e assinou até final da época pelo CSKA. Uma terceira experiência no emblema de Moscovo depois de em 2012 ter perdido a Euroliga de maneira inacreditável frente ao Olympiacos. 

O Benfica quer acabar com o movimento de fundo sobre o alegado favorecimento dos encarnados pelas arbitragens em jogos da liga portuguesa. José Eduardo Moniz, vice-presidente do clube da Luz e administrador da SAD, entende que está em marcha de uma forma "mais ou menos descarada, uma tentativa de condicionamento da arbitragem para esta fase final do campeonato".

Os rivais dos encarnados, FC Porto e Sporting, têm sido muito críticos com as actuações dos árbitros no jogos do Benfica, mas o dirigente encarnado apela à memória de Julen Lopetegui, que uma vez mais ontem, após a vitória no Bessa, apontou o dedo ao clube da Luz. "O treinador do FC Porto limitou-se a dizer aquilo que o instruíram a afirmar. Mas como só chegou este ano ao futebol português, o melhor conselho que lhe posso dar é pedir à sua entidade patronal para ter acesso aos arquivos dos últimos 25 anos e aí ele talvez ficasse a perceber bem o que é favorecimento no âmbito do futebol português". José Eduardo Moniz entende que "a campanha" se deve ao facto do FC Porto ter "o melhor plantel dos últimos 30 anos, mas mesmo assim continua atrás do Benfica, não consegue substituir o Benfica no 1º lugar" e o Sporting porque "tem um conjunto de divergências internas complicadas e esta é uma forma de disfarçar essas divergências".

O dirigente lembra aos adversários do Benfica que também nos outros jogos há erros mas dos quais "ninguém fala". Moniz lembra que ontem no Bessa "Jackson Martínez poderia ter sido expulso por uma entrada violenta". O administrador da SAD encarnada sublinha que a ausência de comentários sobre esse lance "dá jeito" já que assim o colombiano "vai jogar contra o Sporting".

Outro dos alvos do vice presidente benfiquista é André Simões. O médio do Moreirense foi expulso no jogo frente ao Benfica e ironiza com o facto de ter "sido simpático para o árbitro". Moniz vai mais longe destacando o uso de André Simões na rede social Instagram de uma foto tirada no Bessa, no meio da claque portista. "Não nos ajoelhamos. Moreirense e FC Porto no coração" é a frase destacada pelo dirigente e que o leva a por em causa "sobre o comportamento do jogador nos jogos com o FC Porto" .

O Benfica lidera a liga portuguesa e a interrogação de Moniz é a seguinte: "Quem é que sendo adversário do Benfica gosta de o ver ganhar duas vezes seguidas?" "Nós temos um Benfica de garra, um Benfica que veste o fato de macaco, que vai à luta, que não vira as costas e que não desiste até ao último minuto. É isso que faz com que o Benfica esteja à frente de campeonato contra ventos e marés, contra críticas e más vontades", conclui José Eduardo Moniz. Fonte: RR