18 de dezembro de 2014

A Argélia, talvez a principal favorita a vencer a CAN 2015, é a selecção africana melhor classificada, em 18.º lugar. Cabo Verde (40.ª) é a 7.ª melhor entre as equipas da CAF.

Portugal termina 2014 no sétimo lugar do “ranking” da FIFA, continuando a partilhar a posição com a França, numa lista que continua a ser liderada pela Alemanha, campeã mundial. Dois meses depois de ter reentrado no “top-10”, o que não acontecia desde julho, Portugal, orientado por Fernando Santos, mantém-se seguro entre a “elite” do grupo dos dez melhores, que não sofreu qualquer alteração na nova tabela. A Alemanha continua a liderar a hierarquia, seguida da Argentina, vice-campeã mundial, e da Colômbia, enquanto o Brasil permanece no sexto posto.

Liverpool, Atlético, Man Utd, Dortmund, Wolfsburgo ou Juventus? - Ponto final na ligação de Shaqiri ao Bayern de Munique, pelo menos de acordo com a imprensa suíça. O "Blick" garante que o líder da Bundesliga aceitou vender o extremo/médio ofensivo neste mercado de Inverno e até já fixou o preço de venda: 15 milhões de euros. Um valor considerado irrisório por esta publicação pública helvética que além de recordar que o jovem craque, que praticamente não é opção para Guardiola, no Verão tinha tido uma proposta de 24 ME do Liverpool pelo seu concurso, dá um exemplo de outras transferências, como a de Antoine Griezmann, que apesar de ser um elemento de qualidade semelhante obrigou ao dobro do investimento.

Herrera, Reyes ou Campaña no lugar de Casemiro? Surpreende que Ricardo (considerando que Danilo tem tido alguns problemas físicos) tenha ficado de fora para aquele que poderá ser um dos jogos mais acessíveis do Ano para os azuis e brancos, já a situação de Marcano, que passou de titular frente ao Benfica para não convocado, já é habitual em Lopetegui -  Lista de convocados do FC Porto para a receção, nesta sexta-feira, ao Vitória de Setúbal, em jogo da 14.ª jornada da Liga portuguesa:
Guarda-redes: Fabiano e Andrés Fernández;
Defesas: Martins: Indi, Maicon, Danilo, Reyes e Alex Sandro;
Médios: Herrera, Óliver Torres, Quaresma, Brahimi, Quintero, Tello, Campaña e Evandro;
Avançados: Jackson Martínez, Aboubakar e Adrián López.

Como para tudo, é essencial definir critérios. Esta rubrica destina-se a jogadores nascidos em 1995. Os parâmetros de selecção são os feitos dos jogadores até ao momento e, principalmente, o seu potencial e o nível (patamares em termos de projecção Mundial) que poderão atingir no futuro. Mesmo considerando que são seniores de 1º ano ou ainda júniores, já é possível mencionar elementos que nesta fase apresentam algumas destas características.

Alba, Bernat e agora Gayà. Três jogadores com um percurso muito idêntico: todos foram fabricados no Valência, todos começaram como extremos, recuaram no terreno e fixaram-se como laterais. Os dois primeiros já estão entre os melhores do mundo, e José Luis Gayá, o mais recente produto do clube espanhol, para lá caminha. Titular indiscutível com Nuno, o jovem de 19 anos esteve em grande plano neste início de temporada. Com um perfil semelhante ao dos seus antecessores (isto é, muita velocidade, qualidade técnica e facilidade em fazer todo o corredor), Gayá foi um elemento preponderante no capítulo ofensivo e surpreendeu pela rapidez com que se integrou na equipa. A nível defensivo continua a ter algumas dificuldades, naturais para um jogador que não é originário desta posição, mas tem muita margem para as corrigir. Tendo em conta as parecenças com Alba e Bernat, não é difícil adivinhar que o jogador do Valência tem tudo para ser um lateral de nível mundial, deixando a selecção espanhola com excelentes opções para os próximos anos. Veremos até quando o emblema Che o consegue manter, sendo certo que, se continuar a evoluir como tem evoluído até aqui, à semelhança de Alba e Bernat, não deve demorar a chegar a um clube com outra dimensão (o Real Madrid já o está a cobiçar para ser a alternativa a Marcelo). 

Hernâni (Vitória), Kuca (Estoril), Deyverson (Belenenses) e Tiba (Vit. Setúbal/Sp. Braga) também deixaram o "anonimato" em 2014, mas para o Visão de Mercado a escolha foi óbvia.

No início de 2013, havia um jogador, praticamente desconhecido, que parecia perdido no futebol Belga. No Verão desse ano, regressou ao seu clube de origem, o Sporting, com poucas hipóteses de ser opção regular na primeira equipa leonina, até pela presença do muito querido pelos adeptos Fito Rinaudo. Mas, numa época, tudo este homem mudou: tornou-se indiscutível no clube, chegou à seleção, jogou um mundial e foi cobiçado por colossos mundiais. Ele é William Carvalho, o jogador revelação de 2014 em Portugal.

Aposta de Leonardo Jardim desde a primeira hora, William entrou no ano a todo o gás, dominando os relvados do nosso futebol, até ao ponto de ter chegado a Maio com um país inteiro a pedir a sua titularidade no Mundial do Brasil. Após o Verão, e muitos rumores de saídas, o seu jogo sofreu uma quebra clara, a qual já deu sinais de melhoria mas, nesta fase final de ano, parece voltar a sentir-se.

Não há dúvidas de que o melhor William é um centrocampista de raras condições. Alto, forte, com boa envergadura, tem capacidade para dominar a zona média através da sua forte capacidade de desarme. A juntar a isto destaca-se um primeiro toque de excepção que lhe permite “desafogar” o jogo, afastando-o de zonas de pressão. Em 2014, William já mostrou como pode ser um Titã de Veludo. Um colosso que se ergue sobre o campo. Mas este monstro revelou também um preocupante lado negro. Algumas carências do jogador que já eram visíveis no primeiro semestre passaram a ser, nos últimos meses, notórias: deficiências para preencher convenientemente o espaço que lhe cabe; alguma tendência para fazer faltas desnecessárias; falta de velocidade; dificuldades para se assumir como um verdadeiro diretor de jogo, como elemento chave na saída de bola e na posse. Ora, estas carências tornam-se mais notórias nos jogos grandes, nos quais, ultimamente, William muito sofre, por ser mais pressionado, por ter menos espaço e tempo para jogar, por enfrentar jogadores mais rápidos que lhe causam o tipo de problemas com os quais o jogador leonino tem dificuldade em lidar.

Fica a dúvida de saber se William limará os pontos fracos do seu jogo e voltará a ser o Titã de Veludo que encantou tudo e todos. A certeza, essa, é que 2014 revelou a Portugal um monstro que poucos conheciam. Fica a dúvida se, no futuro, prevalecerá o lado colossal ou o lado negro.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Pedro Barata

17 de dezembro de 2014

Só lamentamos o facto de diariamente sermos obrigados a rejeitar mais de 300 comentários devido ao comportamento inapropriado de alguns visitantes. Uma falta de civismo, em alguns casos até mesmo ódio (como é que possível se odiar um site/blog? a menos que seja por inveja), que não se entende, já que durante os 5 anos deste projecto nunca faltámos ao respeito a nenhum leitor, jogador, treinador ou Instituição, nem nunca permitimos que isso acontecesse entre os visitantes na nossa caixa de comentários, talvez por termos uma maneira de estar diferente, entendermos que não é preciso insultos gratuitos e primários para passar a nossa mensagem e debatermos ideias.

O Visão de Mercado chegou a um novo marco históricoao atingir as 94 milhões de visitas (quase 4 milhões só no último mês). Um número estratosférico que diz bem a dimensão que este projecto atingiu. Somos igualmente o blog mais consultado em Portugal (ver aqui), algo que nos últimos 5 anos tem sido uma constante, e como tal, não queríamos deixar passar esta oportunidade sem agradecer a todos os nossos visitantes e leitores...o nosso sincero Obrigado! Temos a perfeita noção que só com a vossa contribuição em termos de visitas, comentários, feedback, divulgação, partilhas dos nossos posts no Facebook, tudo isto é possível.

Queremos igualmente aproveitar esta oportunidade para destacar alguns leitores (mesmo correndo o risco de injustamente ignorar milhares) que pelo seu feedback muito contribuem para o enriquecimento das caixas de comentários (como sabem, queremos que as mesmas funcionem como um complemento ao post, e por isso somos exigentes na moderação de comentários):
Rodrigo e Fábio Teixeira - "polivalência"
Kacal, Van Basten, Luís Borges, Tiago Martins e LuisRafaelSCP - "Fair-play"
João Lains - Futebol Internacional
Rabensandratana - Extra-"grandes"
Nuno R - NBA
Luís o.  - Ciclismo
Kafka - "Nem sempre isento mas conhecedor"
Matt Le Tissier e João Pedro Cordeiro - "conteúdos que valorizam a caixa de comentários"

PS - Certamente ao longo dos anos, os leitores depararam-se com textos melhor ou pior construídos, com opiniões mais ou menos fundamentadas, e com as quais concordem ou discordem. Em qualquer dos casos, um ponto é inegável: o objectivo é apresentar e discutir assuntos e pontos de vista alternativos à comunicação social tradicional de um modo construtivo e civilizado. Com a ajuda dos leitores, esse objectivo tem sido alcançado, e por isso mesmo podemos dizer que este é um espaço de excelência.

O mercado sul-americano está ao rubro, e se uns, como Lucas Barrios, vão juntar-se a campeonatos como o brasileiro ou argentino, outros, devem sair dessas Ligas para rumar à Europa. Alexandre Pato está na mira de Sevilha e Fiorentina, e no River há pelo menos 2 nomes que estão a suscitar o interesse de outros emblemas: Ramiro Funes Mori (que tem sido apontado à Roma) e... ‘El Tucumano’ Matias Kranevitter. No caso do médio defensivo de 21 anos, apelidado como o "herdeiro de Mascherano, o seu futuro até pode passar por Portugal. Em declarações à imprensa italiana, José Luis Luraschi, empresário do internacional sub-20, deu a entender que o jovem vai mudar de ares no mercado de Inverno. "Estamos em Itália para terminar o processo de obtenção de passaporte comunitário e também estamos disponíveis para ouvir propostas. Depois de as recebermos iremos avaliar. Há uma oferta de Itália e sei que há interesse de clubes de Espanha, Portugal e Inglaterra. Quem o quiser terá de ser uma equipa de topo, porque ele é um jogador de topo", disse Luraschi.

O Bayern já tem mais 11 pontos que o 2.º classificado - Perante 79784 pessoas o Dortmund não foi além de um empate em casa (2-2) frente ao Wolfsburgo, adversário do Sporting na Liga Europa e ainda 2.º classificado da Bundesliga. O conjunto de Klopp, num jogo com alguns erros individuais graves, por intermédio de Aubameyang (8') e Immobile (76') esteve duas vezes em vantagem, mas permitiu a igualdade (golos de Kevin de Bruyne e Naldo) e ainda não foi desta que saiu dos lugares de descida (16.º lugar com apenas 15 pontos em 16 jogos). Nos outros jogos, destaque para as vitórias do Monchengladbach (4-1 ao Werder Bremen), Leverkusen (1-0 em Hoffenheim) e Schalke (2-1 no terreno do Paderborn), que continuam assim na luta por um lugar na Champions.

Os semi-profissionais neozelandeses estiveram perto de voltar a surpreender - O San Lorenzo, campeão da Libertadores, apurou-se para a final do Mundial de Clubes de futebol, na qual vão defrontar o Real Madrid, mas teve de sofrer para superar o Auckland City por 2-1. Os argentinos precisaram do prolongamento para eliminarem o campeão da Oceânia.

Águias são a agora a única invicta na prova e passam a somar 31, mais 3 que os dragões e 6 que o Sporting - A equipa de Hóquei em Patins do Benfica venceu, no Dragão Caixa, o FC Porto por 3-7, em jogo da 11.ª jornada e isolou-se na liderança do Campeonato Nacional. Carlos Nicolia esteve em destaque ao fazer um “poker”.

Adeptos do Famalicão na Mata Real
Era pouco provável, já que as equipas da I Liga jogavam todas em casa, mas "houve Taça". O Famalicão surpreendeu o Paços de Ferreira na Mata Real (1-2) e carimbou a passagem para os quartos-de-final da Taça de Portugal. Também o Oriental, que já tinha eliminado o Vit. Setúbal, esteve perto de causar surpresa, mas foi eliminado, na Madeira, pelo Marítimo, nas grandes penalidades, depois do 1-1 nos 120 minutos (Bruno Aguiar teve a oportunidade de fazer o 5-3 nos penaltis mas desperdiçou). Nos outros jogos, Rio Ave (2-0 ao Chaves) e Nacional (2-1 ao Santa Maria) confirmaram o favoritismo. Enquanto que o Gil Vicente, com um golo de Evaldo nos descontos, eliminou o Penafiel (2-1).

Justo? - Ángel Di María foi eleito o melhor jogador argentino de 2014 a atuar fora do país. O extremo do Man Utd reuniu a preferência dos jornalistas desportivos do país das pampas. Já o avançado Lucas Pratto, do Vélez Sarsfield, ganhou o prémio de melhor futebolista do Campeonato argentino. VM - Se Di Maria foi o melhor jogador argentino em 2014, como é que Messi é que está nos finalistas para a Bola de Ouro? O 1+1 nem sempre são 2 no futebol. 

Juntam-se ao Chelsea e Sheffield United - Liverpool (3-1 no terreno do Bournemouth) e Tottenham (4-0 ao Newcastle) garantiram a passagem para aas meias-finais da Taça da Liga. Sterling com um bis (Markovic também marcou) esteve em destaque nos Reds; Já nos Spurs, Bentaleb, Chadli, Kane e Soldado foram os marcadores de serviço.

Vizela 2-3 Sporting (Talocha 36' e 45' +2; André Martins 34' g.p., Paulo Oliveira 39' e Mané 59')


O Sporting apesar de ter jogado novamente em terreno neutro, no reduto do Moreirense, e contra uma equipa do III escalão do futebol português, sofreu para garantir o apuramento para os quartos-de-final da Taça de Portugal. Mané carimbou a passagem na 2.ª parte, depois de um 2-2 ao intervalo que não traduzia minimamente o que tinha sido o jogo, já que o Vizela foi bastante superior nesse período (os leões apresentaram um futebol muito pobre, qual Era Vercauteren, aliás um pouco na linha do que tinham feito contra o Moreirense, praticamente não atacaram e marcaram através de um penalti muito duvidoso, como refere o próprio clube leonino no seu facebook oficial, e de uma situação de bola parada). A questão física acabou por ser determinante, com os anfitriões, depois de terem jogador cara-a-cara na 1.ª parte (incrível como os adversários não respeitam o Sporting), e com um claro domínio, no futebol e nas oportunidades (além dos 2 golos tiveram mais 3 bons lances), a acusarem o desgaste na 2.º tempo, o que permitiu a reacção dos verde e brancos. O engenheiro mecânico Talocha, com um bis, foi um dos principais destaques do Vizela, mas os alas Fininho e Rafinha (desequilibraram várias vezes), o médio Mauricio (muita cultura táctica) e o lateral esquerdo André Pereira também deixaram excelentes indicações, aliás todo o conjunto de Emanuel Simões, pela intensidade e qualidade de jogo que demonstrou sai desta partida muito valorizado. Do lado do Sporting. uma outra iniciativa de Carrillo, 2 bons remates de João Mário, mas no geral foi uma exibição a roçar o medíocre. Boeck teve culpas nos 2 golos, Sarr (incrível como é que um jogador com quase 2 metros tem tantas dificuldades no jogo aéreo) voltou a acumular erros, Montero esteve discreto e Mané continua sem conseguir acrescentar o suficiente (muito ausente do jogo, as iniciativas que tem quase sempre resultam num turnover, e longe de ter o estatuto de mais-valia).

Quanto à partida, pertenceu ao Vizela a 1.ª oportunidade, aliás o Sporting, que alinhou com muitos os habituais titulares, no 1.º tempo não teve nenhuma. Davide Bessa ganha nas altura a Sarr mas cabeceia ligeiramente ao lado. A equipa da casa dominava, tinha entrado muito melhor no jogo, mas sem o justificar, o clube leonino, na sequência de um penalti muito duvidoso, chegou ao 1-0 por intermédio de André Martins. O Vizela não se encolheu e praticamente no lance seguinte empatou, livre à entrada da área Boeck defende para a frente e Talocha na recarga fez o 1-1. Também o Sporting respondeu e num livre por Paulo Oliveira, de cabeça, fez o 2-1. Até final os anfitriões voltaram a aproveitar as fragilidades da defesa leonina e depois de Fininho e Rafinha terem testado Boeck, Talocha na sequência de um canto, antecipou-se ao guardião leonino (Sarr também ficou nas covas) e fez o empate. No inicio do 2.º tempo Boeck tirou um golo a Rafinha quando o extremo seguia isolado, mas depois só deu Sporting. Os leões, mais frescos, inverteram o rumo do jogo, começaram a jogar no meio campo do Vizela e depois de 2/3 bons remates, Mané num canto fez o 3-2. O Vizela ainda respondeu, atirou uma bola à barra na sequência de um livre, mas até foi Tanaka a desperdiçar o 4-2, já perto do fim.

Como sempre acontece, a percentagem de acerto nas contratações dos clubes nunca é muito elevada. Como tal, há jogadores que, pelas mais variadas razões, estão a precisar de mudar de ares no próximo mercado de transferências, para que possam encontrar um novo rumo para a carreira. Apesar de Janeiro não ser, por norma, um mês muito agitado no que toca a mexidas, são várias as equipas a precisar de retoques e não será de todo impossível que algumas destas mudanças aconteçam.

Dória, Marselha - Sporting - É um dos centrais mais promissores a nível mundial, mas pouco tem jogado em França. Alegadamente, a sua contratação não foi um pedido de Bielsa, que tem excluído o brasileiro das opções na maior parte dos encontros. A sua qualidade seria o upgrade de que a zona central do Sporting precisa, com a vantagem de ser esquerdino. 
Cerci, Atlético - Inter - Não está a ter muito tempo de jogo em Espanha, mas, como provou ao serviço do Torino, tem qualidade de sobra para fazer a diferença na Serie A. A equipa de Mancini ganharia um excelente reforço para o ataque, que não tem carburado da melhor maneira.
Townsend, Tottenham - Southampton - Fora das opções nos spurs, o extremo seria um excelente reforço para os saints. Já provou que consegue fazer a diferença e seria um encanto poder ver Towsend e Sadio Mané na mesma equipa. 
Cabaye, PSG - Arsenal - Um regresso à Premier League seria perfeito para o médio. Não tem tido o protagonismo que merecia em Paris e seria um reforço espectacular para os gunners, que continuam a precisar de mais qualidade no meio campo (Arteta já não oferece o necessário). 
Paulinho, Tottenham - Nápoles - Ao contrário do que se previa, o brasileiro não era assim tão talhado para o futebol inglês. Contudo, poderia encaixar num futebol como o italiano, mais concretamente no Nápoles, onde poderia formar um duplo pivot interessante com Inler.
Podolski, Arsenal - Dortmund - Há muito que o alemão não é uma figura central no emblema londrino. Tendo em conta as constantes lesões de Reus e a ausência de Aubameyang, que vai disputar a CAN, Podolski seria um reforço espectacular para Klopp (rápido, bom finalizador e já com bastante experiência). 
Dembelé, Tottenham - Liverpool - Há um ano e meio o belga era um dos melhores médios do mundo, mas com Pochettino está a ser pouco utilizado. A mudança para Anfield podia ser benéfica para jogador - está completamente estagnado em Londres - e para os reds, que ganhariam um elemento com outra dimensão física, sem esquecer que Gerrard já não tem a frescura de outros tempos. 
Raul Jiménez, Atlético - Milan - O mexicano não está a ter muito espaço no Atlético e, sabendo que Inzaghi tem poucas soluções para a posição 9 (Torres deve sair, Ménez é uma adaptação e Pazzini está longe da melhor forma), podia ser um reforço bastante interessante para o emblema rossoneri.
Chiriches, Tottenham - Arsenal - O romeno é suplente nos spurs e neste momento as portas da titularidade parecem fechadas (Fazio e Vertonghen têm sido as escolhas de Pochettino). Tendo em conta a sua qualidade, encaixaria na perfeição no Arsenal, que continua a ter muitos problemas no eixo defensivo (no último jogo Wenger até colocou Debuchy a central). 
Shaqiri, Bayern - Juve - Podia dar ainda maior dimensão aos campeões italianos. Tapado no Bayern, o suíço seria o jogador perfeito para actuar nas costas dos dois avançados, formando um ataque absolutamente temível.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar no VM aqui): Jorge Monteiro

Cafu, Roberto Carlos e Messi. Nomear o melhor Onze de sempre, da actualidade, etc, está na moda, mas independentemente do critério de quem escolhe e de ser quase impossível repetir uma equipa, há 3 elementos que tem figurado na maior das escolhas. 

Depois de Nasri e Fernando, desta vez foi David Silva a revelar ao canal do Manchester City o 11 com os jogadores que mais admira. O "mago" espanhol, tal como Hazard, nomeou Figo, fez questão de escolher o seu ídolo de infância, Michael Laudrup, e juntou aos 2 (que tem em comum o facto de terem deixado o Barça para assinarem pelo Real) Casillas, Cafu, Sérgio Ramos, Roberto Carlos, Makelele, Patrick Vieira, Messi e Ronaldo.

Mais um Kevin de Bruyne? - O diretor desportivo do Borussia de Moenchengladbach, Max Eberl, admitiu hoje publicamente que o clube alemão de futebol está em “conversações permanentes” com o Chelsea para contratar em definitivo o jovem belga Thorgan Hazard. O passe da jovem promessa belga, que este ano já participou em 22 jogos, tendo marcado 4 golos, está avaliado em 10 milhões de euros.

Rui Águias vai ter de tirar 7 elementos - O selecionador de Cabo Verde divulgou uma lista com 30 pré-convocados para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que se realiza entre 17 de janeiro e 8 de fevereiro, na Guiné Equatorial. Uma convocatória recheada com jogadores que actuam no campeonato português, como Kevin de Sousa, Pécks, Gegé, Babanco, Kuca, Heldon e Zé Luís, e que conta com figuras como Ryan Mendes e Djaniny. Pré-convocatória: Guarda-redes: Vozinha (Progresso de Sambizanga, Angola), Kevin Sousa (Nacional da Madeira, Portugal), Thierry Graça (Benfica B) e Ivan Cruz (Gil Vicente); Defesas: Pécks (Gil Vicente), Kay (Univ. Craiova, Roménia), Carlitos (AEL Limassol, Chipre), Fernando Varela (Steaua Bucareste, Roménia), Stopira (Videoton, Hungria), Gegé (Marítimo), Nivaldo (Teplice, República Checa), Josimar (FC Dordrecht, Holanda) e Jeffrey Fortes (FC Dordretch, Holanda). Médios: Babanco (Estoril), Semedo (Olhanense), Sténio (Cherno More, Bulgária), Sita (Recreativo Libolo, Angola), Platiny (CSKA Sófia, Bulgária), Nuno Rocha (Univ. Craiova, Roménia), Toni Varela (Excelsior, Holanda) e Calú (Progresso de Sambizanga, Angola). Avançados: Djaniny (Santos Laguna, México), Júlio Tavares (Dijon, França), Ryan Mendes (Lille, França), Heldon (Sporting), Garry Rodrigues (Elche, Espanha), Kuca (Estoril), Odair Fortes (Stade Reims, França), Ricardo Gomes (Vitória de Guimarães) e Zé Luís (SC Braga).

Dificilmente vai acontecer, era um passo atrás. Mas até se entende esta postura. Um clube que no espaço de um ano contrata 30 jogadores, mais de 80% desses reforços sem nível para serem uma mais-valia, tem de lhes arranjar colocação, e a equipa secundária pode ser a única alternativa, por outro lado em 2 anos o único elemento que foi promovido directamente da equipa B leonina foi Carlos Mané, o que a juntar à maneira como a formação tem perdido qualidade, é alarmante para o futuro dos leões, já que dá um sinal que a equipa B e Academia servem para pouco com a direcção de Bruno de Carvalho.

De acordo com o jornal Record, o Sporting terá enviado uma missiva à FPF e à Liga de Clubes, através da qual comunica que pondera abandonar a II Liga, não inscrevendo a equipa B para a próxima época, uma vez que o ciclo de três temporadas que todos os clubes com formações B estavam obrigados a cumprir termina esta época. Na base desta equação estão três pontos com os quais os leões estão em desacordo.

I - O Sporting pretende que a filosofia das equipas B seja alterada na sua essência: aposta num grupo composto por jogadores sub-21, “sem prejuízo da inscrição na ficha de jogo de até mais 5 elementos com idade superior” (atualmente o formato das equipas B assenta em jogadores sub-23, ao quais se podem acrescentar 3 elementos mais “velhos”); 

II - Que “as condições atuais dos estádios sediados nos centros de formação (academias/campus) sejam suficientes” para acolher os jogos das equipas B; 

III - E que a existência de equipas secundárias não impeça “a celebração de acordos de patrocínio com clubes-satélites” e que estes acordos não estejam “circunscritos a clubes filiados na mesma associação”.

Basicamente, os leões pretendem poder utilizar mais jogadores do plantel principal na equipa secundária, independentemente do seu escalão etário, possibilitando maior intercâmbio entre as duas formações. Permitiria por exemplo que a equipa B fosse plataforma para alguns excedentários do plantel, para ali ganharem ritmo competitivo, após lesão ou em fase de adaptação a realidade competitiva mais exigente. Obras - A outra questão levantada pelos leões prende-se com a necessidade de realizar obras profundas na Academia de Alcochete, com o objetivo de esta passar a cumprir as exigências de segurança previstas para as competições profissionais. O regime de exceção – que inclui também Benfica e FC Porto – termina no final deste mês e só a boa vontade da FPF e apreciação positiva dos adversários que visitam a Academia de Alcochete permitirão ao Sporting continuar a utilizar aquele recinto até ao final da temporada.

16 de dezembro de 2014

Janeiro vai ter de ser o mês de Tanaka, e esta exclusão além de poder ter um impacto numa hipotética abordagem ao mercado é uma boa noticia para Marco Silva, já que ficar limitado a Montero durante mês e meio podia ser complicado. Mas mesmo assim fica a ideia que este Sporting para alcançar os objectivos a que se propôs precisa de mais uma alternativa para a frente. Um avançado potente, diferente dos que tem, com mais técnica que Slimani e uma presença diferente da de Montero.

O Sporting não vai poder contar com Slimani, que disputará a Taça das Nações Africanas pela Argélia, durante o mês de Janeiro/Fevereiro, mas, terá Tanaka. Já que o avançado japonês ficou de fora da convocatória da sua selecção para a Taça Asiática. Javier Aguirre, que deixou também nomes como Hiroki Sakai, Osako e Mike Havennar fora da lista, chamou os "clássicos" Honda, Okazaki, Endo, Hasebe, Kiyotake, Kagawa, Yoshida, Nagatomo e Uchida. Noutro âmbito, Adrien, Capel, Maurício e Miguel Lopes ficaram de fora da convocatória de Marco Silva para a partida com o Vizela referente à Taça de Portugal, que, em sentido inverso, regista as entradas de Heldon, Rabia, Ricardo Esgaio e Slavchev.

A equipa de Nuno esteve a perder por 1-3 e 2-4 - O Valencia teve de sofrer para garantir a presença nos oitavos-de-final da Taça do Rei. O clube Che, que na 1.ª mão até tinha vencido fora por 2-1, esteve a perder por várias vezes mas conseguiu empatar a 4 na receção ao Rayo Vallecano e consumar assim a passagem. Cancelo, Vezo e André Gomes foram titulares na equipa da casa, enquanto Licá integrou o "onze" visitante. Rodrigo, que apontou o decisivo 4-4, foi expulso por agressão. Já o Barcelona não teve problemas em despachar o Huesca com uns expressivos 8-1. Os catalães que já tinham vencido fora na 1.ª mão por 4-0, apesar das poupanças, com golos de Pedro (fez um hattrick), Sergi Roberto, Iniesta, Sandro Ramírez, Adama e Adriano cilindraram o líder da II divisão B.

Qual o substituto ideal para Mignolet? O belga parece ter perdido em definitivo o lugar (no último jogo já foi suplente de Jones) e deve forçar uma investida no mercado por parte dos Reds.

São tantos os problemas para Rodgers que o mês de Janeiro não deve ser suficiente para corrigir as lacunas no plantel. Um dos sectores que precisa de ser melhorado é a posição de guarda-redes. Hoje a imprensa inglesa divide-se. Alguns jornais garantem que o Liverpool que já tem um acordo com o Málaga para garantir Ochoa (suplente de Kameni) por 3,3 milhões de euros, já o Mirror adianta que o verdadeiro objectivo dos Reds é contratar Petr Cech, também pretendido pela Roma, ao Chelsea.

O recorde são 7 golos sofridos na I volta e a equipa de Guardiola (apenas com mais 1 jogo por disputar) ainda só sofreu 3 - Mais uma vitória para o Bayern na Bundesliga, os bávaros com golos de Robben (foi o 100.º do holandês ao serviço do campeão alemão) e Muller derrotaram o Friburgo, por 2-0. Hannover (2-0 ao Augsburgo) e Estugarda (1-0 em Hamburgo) também venceram no arranque da 16.ª jornada. Já Colónia e Mainz empataram a 0.

A equipa sensação da Premier League somou a 5.ª derrota consecutiva, curiosamente esta série negativa coincidiu com a ambição demonstrada por Koeman em chegar à Champions - Escândalo na Taça da Liga inglesa! O Southampton, com Fonte, Forster, Mane, Clyne ou Schnerderlin no Onze, foi eliminado pelo Sheffield United (0-1), formação que milita no terceiro escalão do futebol inglês. Já o Chelsea não permitiu surpresas e, com golos de Hazard, Filipe Luís e Schurrle, foi ao terreno do Derby County vencer por 3-1.

Deyverson foi expulso nos minutos finais - O Belenenses garantiu a passagem aos quartos-de-final da Taça de Portugal ao receber e bater o Freamunde, da II Liga, por 2-0. Apesar da boa exibição dos visitantes, Abel Camará e Pelé colocaram o conjunto de Lito Vidigal na próxima fase.

Ao contrário dos últimos jogos, hoje CR7, apesar de não ter marcado (desperdiçou uma boa oportunidade logo no principio do jogo), teve uma prestação muito mais positiva. Fez duas assistências, por pouco não marcou 2 golaços (um deles de letra), e esteve sempre muito em jogo (várias acções de bom nível e a contribuir para o espectáculo).

Na competição que é uma espécie de "Taça da Liga versão internacional", tal é a maneira como beneficia o campeão europeu e o sul americano, o Real Madrid cumpriu e com relativa facilidade goleou o Cruz Azul, por 4-0. Os merengues, que ampliaram para 21 a série de triunfos consecutivos e garantiram um lugar na final do Mundial de clubes, que se disputa no sábado, chegaram à vantagem por intermédio de Sérgio Ramos, na sequência de uma bola parada, tendo Benzema ampliado o marcador aos 36'. Antes do intervalo o campeão da Concacaf ainda beneficiou de um penalti mas Casillas (à semelhança do que fez em Almeria) defendeu o remate de Torrado. Na 2.ª parte, Bale e Isco (um golaço), com Ronaldo a assistir nos 2 lances, fizeram o resultado final.

O colombiano vai ter dificuldades em justificar este investimento de quase 10 milhões de euros. Não está em causa a qualidade do jogador, mas nesta fase já devia ter assumido outro protagonismo, e até se arrisca a ser suplente pelo 2.º ano consecutivo (Lopetegui parece preferir um trio Herrera-Casemiro-Olivér). Aliás, esta operação só se explica por algum acordo na transferência (que sentido faz uma aposta de 9,5 ME num suplente?), pois a curto-prazo dificilmente o esquerdino vai dar algum retorno financeiro, e mesmo no futuro agora a fasquia ficou algo elevada.  

Quintero já é na totalidade do FC Porto. Os azuis e brancos comunicaram à CMVM que desembolsaram 4,5 milhões de euros pela restante metade do passe do colombiano, que estava na posse dos italianos do Pescara. O jogador de 21 anos que tem contrato até 2017 passa, então, a custar 9,5 milhões de euros aos cofres dos dragões. No Verão de 2012, o FC Porto tinha pago cinco milhões de euros para garantir 50% dos direitos económicos do jovem prodígio sul-americano.

Chegou a Portugal em 2011, mais concretamente ao Sporting CP, e cedo se percebeu que poderia vir a assumir um papel importante, ou mesmo central, na equipa portuguesa. Numa altura em que ser espanhol era ser melhor jogador, a aterragem em Portugal causou alguma apreensão e curiosidade em relação ao negócio, ou não estaríamos nós mediante a aquisição de um internacional espanhol de apenas 23 anos.

Porém, numa panela onde se cozinhou um dos maiores investimentos da história do Sporting CP, o protagonismo não foi exclusivamente direcionado para Diego Capel até porque a caldeirada, naquele ano, foi especialmente rica em diversidade com ingredientes gourmet de origens várias e para todos os gostos. Senão vejamos: Brasil, EUA, Perú, Colômbia, França, Holanda, Rússia, Espanha, Chile, Argentina, Uruguai, Bulgária e ... Portugal foram as nações representadas na equipa de 2011/2012. Se se tentasse dar uma oportunidade no onze a todas as nacionalidades, não se conseguia - as posições não chegavam. A não ser que os árbitros não se importassem de ceder os seus lugares.

Não se adivinhava, portanto, tarefa fácil, a de se assumir como protagonista do plantel, para o extremo andaluz. No entanto, começou bem e gradualmente provou que as esperanças depositadas nele faziam algum sentido. Muita velocidade, de processos simples, tenaz, de drible curto e com uma apetência invulgar para fazer de qualquer bola um cruzamento perigoso, rapidamente se tornou alvo de discursos encomiásticos e comparações sucessivas com Paulo Futre. Era o jogador que levava adeptos ao estádio.

Ora, se é verdade que a novidade suscita curiosidade, não é menos verdade que a repetição dá lugar a desinteresse e previsibilidade. As cavalgadas desenfreadas pelo flanco esquerdo a la Futre, que invariavelmente culminavam em cruzamentos para o coração da área, rapidamente se tornaram previsíveis e facilmente anuláveis pelos adversários. Por alguma razão não referi a versatilidade como uma virtude de Capel e, para mim, de forma algo incompreensível, o espanhol "adaptou-se" à nova realidade desenvolvendo uma afinidade singular e avulsa para processos que complicam e dificultam o seu próprio estilo de jogo. A verticalidade vertiginosa deu lugar ao "movimento carrossel" que o atleta parece nos últimos tempos privilegiar, fixando um ponto do relvado e tentando percorrer o maior número de metros possível, mas sempre mantendo a mesma distância para esse ponto, esperando que, solidariamente, o adversário lhe toque para ele poder cair e ganhar a falta. Diego Capel faz assim, hoje mais do que nunca, jus ao seu epíteto de torero.

O ex-Sevilha não fica, porém, por aqui, na sua "evolução adaptativa" à nova realidade. Para além de menos cabelo (facilita o movimento circular), acabou por acentuar a cifose de que já era alvo nos tempos do Sevilha e, com isso, optou por começar a apreciar com mais atenção as maravilhas do relvado dos campos de futebol. Hoje em dia, Diego Capel não se preocupa com o que se passa à sua volta e, num comportamento próximo do autista, quando tem a bola, acaba por fixar os olhos no chão e desatar a correr em círculos; quando não tem a bola, opta por se manter no seu cantinho, bem junto à linha lateral, escondido. Os últimos jogos têm sido corolário deste comportamento, particularmente, o último encontro com o Chelsea, em Stamford Bridge.

É verdade que os momentos de uma equipa se sobrepõem, em geral, aos momentos de um jogador e, obviamente, o estilo de jogo e a qualidade dos colegas que o acompanham, definem muito do que um jogador pode oferecer a uma equipa. Ora, Capel até nisso é único e mostra-se claramente transversal e independente destes fatores. Acrescenta pouco, ou nada, e oferece sempre o mesmo à equipa, independentemente das suas necessidades circunstanciais.

Como darwinista que sou, custa-me ver alguém a contrariar tão frontalmente os ensinamentos evolucionistas e constatar que é possível, pelo menos numa equipa como o Sporting, um ser-vivo prosperar em detrimento de outros que por ali passaram e já lá não habitam (Jeffrén, Izmailov, Yannick Djaló, Labyad, Viola, Bruma...), mesmo que as suas metamorfoses psico-técnico-tático-fisionómicas lhe tenham conferido menor capacidade de adaptação à nova realidade.

E se achavam impossível um jogador de futebol juntar, num mesmo texto, Darwin, touradas, autismo e caldeiradas, aqui está a prova em contrário. A teoria da regressão pode ainda vir a tornar-se um conceito importante no desenvolvimento dos jogadores de futebol!

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Luis Aguiar

Nas diversas e aprofundadas discussões sobre o desporto rei existe uma linha extremamente ténue entre a opinião racional e a opinião emocional. Este comentário pretende, exatamente, enveredar pela análise racional de toda a conjuntura em torno da polémica contratação de Adrián.

“Toda a gente é um génio. No entanto, se julgares um peixe pela sua habilidade de trepar uma árvore, ele vai viver toda a sua vida a acreditar que é estúpido.” Esta citação, da autoria de Albert Einstein, espelha, a meu ver, com precisão a situação que o internacional espanhol vem a atravessar desde o seu ingresso no FC Porto.

Sendo, por natura, o povo português impaciente, opinante e, mais que tudo, polémico, não é uma surpresa que, por todos os meios de comunicação, praças, cafés, tascas e tasquinhas do território luso, o internacional espanhol tenha sido apelidado de “flop”. Contra factos não há argumentos, e se é verdade que o espanhol não tem realizado exibições do calibre que era expectável, nem sequer foi capaz de se afirmar, até ao momento, como um elemento regular no onze dos dragões, também é verdade qual tal acontece por algum motivo, pois creio que, inconscientemente, a opinião pública terá cometido um erro de semântica. Será, na realidade, o atleta um “flop”? Ou será que o verdadeiro “flop” de toda esta novela terá sido o negócio levado a cabo pelo clube e, concomitantemente, o desejo do treinador em contar com o jogador no seu plantel?

Até à data, Adrián López realizou 9 jogos de dragão ao peito, 5 na liga portuguesa e 4 na liga milionária. No entanto, somente por 4 ocasiões figurou no onze inicial dos azuis e brancos. Nos restantes 5 jogos, Adrián não teve sequer direito a jogar 15 minutos em cada, saltando, quase sempre, do banco de suplentes quando o relógio já marcava os 80 minutos de jogo. Certamente, não podemos exigir ao espanhol que tenha impacto no jogo ou que mostre os seus melhores atributos quando, geralmente, dispõe de 5 a 10 minutos para deixar a sua marca.

No entanto, o mais grave de todo este panorama não diz respeito às falsas oportunidades de 10 minutos que Lopetegui concede ao jogador, mas sim ao papel que lhe é atribuído no terreno de jogo e na formação da equipa da cidade invicta. Das 9 partidas que efetuou, apenas por uma vez o espanhol atuou na sua posição de raiz, ou seja, nas costas do ponta-de-lança, como avançado de apoio – contra o Estoril, tendo feito a assistência para o primeiro golo dos dragões, antes de ser substituído aos 63 minutos –, tendo desempenhado a função de extremo nos restantes jogos. A meu ver, este é o elemento catalisador do mau momento de forma de jogador. Ao contrário de Tello, Quaresma e Brahimi, o espanhol não se apresenta como um jogador explosivo e veloz, nem nunca se destacou pela sua veia goleadora como muitos adeptos presumiam. As características que o destacam dos demais são, exatamente, a inteligência que demonstra nas decisões que toma dentro de campo e os movimentos posicionais oportunistas que efetua ao longo dos diversos momentos de jogo com o intuito de criar espaços para os seus colegas na última zona do terreno, características estas que são, de certo modo, antagónicas com a posição de extremo.

Tamanha incoerência leva-me, então, a questionar o porquê de Lopetegui ter solicitado à direção o concurso do jogador quando este não tem espaço no modelo de jogo concebido pelo treinador Basco!? Mais surpreendente ainda, é o facto da SAD do F.C. Porto ter dado aval à contratação do jogador por valores avultados, no contexto do futebol nacional, quando qualquer bom entendedor de futebol previa a eclosão deste dilema.

A acrescentar a esta adversidade temos ainda de considerar que Adrián começa, agora, a dar os primeiros passos numa competição bem diferente daquela a que estava habituado a disputar e está, por enquanto, a integrar-se na equipa e a inteirar-se da cultura futebolística portuguesa. Em Portugal, a experiência já devia ter munido os adeptos do desporto de uma maior capacidade de compreensão e, acima de tudo, tolerância face a novas caras. A paciência é uma virtude e já se mostrou fértil em diversos casos, cuja primeira época de certos jogadores não foi tão abonatória quanto seria esperado, e uma ou duas temporadas depois se assumem como figuras do campeonato [Enzo Pérez, Danilo, Lisandro López (FCP), Matic, David Luiz, etc.].

Parece-me que, mais uma vez, nos precipitamos a formar um juízo de valor, acabando por deturpar e questionar a qualidade de um jogador, que, no meio de tudo isto, é o maior sacrificado de todo o imbróglio em que está envolvido. Quem acompanhou a carreira de Adrián sabe perfeitamente o seu potencial e as mais-valias que pode oferecer a uma equipa. Todavia, esse expoente das suas capacidades só emerge quando este atua na sua zona de conforto, isto é, nas costas de um ponta-de-lança. Se pensarmos bem, não era por acaso que o espanhol era um importante suplente da equipa Colchonera que, sob a batuta de Simeone, venceu La Liga e se sagrou vice-campeã da Champions League.

Em suma, Adrián Lopéz foi aliciado a ingressar no F.C. Porto sob o pretexto de dispor de mais oportunidades e minutos do que aqueles que gozava no Vicente Caldéron. No entanto, a oportunidade de se assumir como titular na equipa saiu gorada pela inadequação do sistema tático da equipa à posição e às características do jogador, acabando os adeptos de futebol por serem as grandes vítimas do desfecho desta situação, que se vêm privados de se regalar com a verdadeira qualidade do internacional espanhol.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Pedro Pateira

A julgar pelos jornais portugueses a dúvida era perceber quando é que ia ser apresentado na Luz; E atenção a esta Samp...

O Estudiantes comunicou oficialmente que vendeu Joaquín Correa, jovem extremo/médio ofensivo, à Sampdoria, por 7,9 milhões de euros, sendo que 50% deste valor é pago no imediato (a equipa argentina fica ainda com uma percentagem numa futura transferência). O craque de 20 anos também era pretendido por outros emblemas, chegou a ser dado como certo no Benfica, mas vai jogar no 3.º classificado da Série A. A ligação de Veron, lider do Estudiantes, ao emblema transalpino, terá ajudado no negócio. VM - Se esta aquisição não implicar a saída de Manolo Gabbiadini (apesar de jogarem em posições diferentes pode ser uma antecipação para o que vai acontecer em Janeiro), que é pretendido pelos principais clubes italianos, Mihajlović ganha ainda mais condições para manter o estatuto de equipa surpresa e quem sabe entrar de vez na luta por um lugar no Top5. Considerando os deslizes do Nápoles e das equipas de Milão, os clubes de Génova podem aproveitar para surpreender. Quanto ao craque, é um misto, com as devidas diferenças, de Gaitán com Pastore, jogador que alia à envergadura (1m88) uma técnica e qualidade de passe acima da média.  

Foi a terceira vez que a seleção portuguesa disputou a final do Torneio Mundial.

O Brasil sagrou-se pentacampeão do Torneio Mundial de futsal feminino, ao vencer Portugal por 4-3, numa final disputada no pavilhão Hatillo de San José, na Costa Rica. A selecção nacional, depois de ter começado a perder, chegou a ter uma vantagem de 3-1 mas nos últimos 3 minutos as brasileiras conseguiram a reviravolta no marcador.

Quarto chinês a representar um clube alemão, depois de Hao Junmin (Schalke), Shao Jiayi (1860 Munich) e Yang Chen (Eintracht Frankfurt) -  O Wolfsburgo, próximo adversário do Sporting na Liga Europa, anunciou oficialmente a contratação, por dois anos, do médio ofensivo chinês Zhang Xizhe, que alinhava no Beijing Goan, da liga chinesa de futebol.

Pela qualidade e situação contratual tem tudo para assumirem o protagonismo no próximo Defeso - Marco Reus continua a ser alvo do Bayern, mas por não querer trair o Dortmund na Alemanha há a convicção que irá rumar ao campeonato espanhol na próxima época. O craque do Borussia tem uma cláusula de apenas 25 milhões de euros e é cobiçado por Real e Barcelona, alguma imprensa até garante que já está a aprender espanhol. Perante esta situação, de acordo com o Bild, Pep Guardiola já terá pedido ao seu irmão, Pere Guardiola, que é um agente FIFA, para sondar Sterling (Liverpool). O craque inglês tem rejeitado as propostas para renovar pelos Reds e dada a sua valia é dos jogadores mais "apetecíveis" no mercado. 

Concorda com as escolhas? Sem ser Casillas, o resto do 11 é pertinente. Mesmo contando que há laterais em melhor momento que os mencionados. Surpreendeu foi a ausência de referências a Kroos. Destacar igualmente a presença de Benzema, que apesar de pouco valorizado neste momento era titular em qualquer equipa do Mundo.

Zinedine Zidade revelou em entrevista ao Canal Plus, aquele que considera ser o melhor 11 na actualidade. O treinador do Castilla escolheu 7 jogadores do Real Madrid, 2 do Barcelona, um do City e outro do PSG. Sobre Casillas referiu que "está outra vez no top", já Pepe é um defesa excelente e "acalmou". Também Benzema mereceu uma referência : "É essencial e único, Marca a diferença", salientou a lenda. Equipa ideal de Zidane: Iker Casillas (Real Madrid); Daniel Alves (Barcelona), Sergio Ramos (Real Madrid), Pepe (Real Madrid) e Marcelo (Real Madrid); Yaya Touré (Man. City), Luka Modric (Real Madrid), Lionel Messi (Barcelona) e Cristiano Ronaldo (Real Madrid); Karim Benzema (Real Madrid) e Zlatan Ibrahimovic (Paris Saint-Germain). No banco de suplentes, o antigo internacional francês ‘senta’: Neuer (Bayern de Munique), Philip Lahm (Bayern de Munique), Raphael Varane (Real Madrid), Iniesta (Barcelona), Paul Pogba (Juventus), Ribéry (Bayern Munique) e Sergio Aguero (Manchester City).

Há jogadores que marcam gerações, o melhor marcador de sempre do Arsenal foi um deles - Thierry Henry vai abandonar a carreira de jogador. Em comunicado divulgado através da sua página no Facebook, o avançado de 37 anos, que passou pelo Mónaco, Juventus, Arsenal, Barcelona, New York Red Bulls, anunciou que chegou "o momento de parar". Mas a o francês, que venceu o Mundial 98, o Euro 2000 e é muito provavelmente o melhor avançado de sempre na história da Premier League, vai continuar ligado ao futebol. Uma vez que vai integrar o canal televisivo Sky Sports como comentador, onde vai auferir cerca de 30 milhões de euros.

Victor Fernández, antigo treinador do FC Porto, pode "respirar" - Com um golaço de Luis Fariña o Deportivo da Corunha recebeu e venceu o Elche por 1-0, em duelo referente à 15.ª jornada da Liga Espanhola, e deixou a zona de despromoção. Era um jogo decisivo para os galegos, que tiveram Ivan e Luisinho no Onze (Postiga não saiu do banco), e principalmente para Victor Fernández, mas este resultado, frente a um adversário directo, pode dar alguma tranquilidade.