2 de setembro de 2015

As ressacas raramente estão associadas a felicidade ou prazer. São incómodas e, por vezes, tortuosas. Pois bem, para os grandes do nosso futebol esta foi uma jornada de ressaca: o Sporting vinha de um empate caseiro para a Liga e, sobretudo, de uma dolorosa eliminação Europeia; o FC Porto apresentava-se em campo após novo revés na "Ilha Maldita" de Lopetegui; e o Benfica havia perdido frente ao Arouca na segunda jornada. Ora, apesar de todos terem saído da ressaca com o mais importante (os 3 pontos), nenhum teve um "dia seguinte" cem por cento satisfatório. 

Com efeito, o Sporting venceu a pobre Académica (Viterbo está cada vez com menor margem de manobra), numa partida que ficou marcada pela continuação da polémica relação dos Leões com as arbitragens (algo que já tinha sucedido na Rússia - lá está a parte má da ressaca) e pela expulsão de Jorge Jesus. Veremos como se irá desenvolver esta "guerra" do emblema de Alvalade com as arbitragens, e como se irão integrar os dois rivais na mesma. O FC Porto venceu mas não convenceu, tanto que os Dragões ouviram mesmo alguns sinais de insatisfação das bancadas. Para resolver o problema da falta de rupturas pela zona central e de jogo interior com acutilância, Lopetegui colocou Brahimi na zona central, e foi partindo daí que o Argelino serviu Aboubakar (que com 3 golos em 3 jogos vai respondendo à saída de Jackson e à concorrência de Osvaldo), mas o técnico optou por interromper essa aposta ainda na  primeira parte, não sendo uma experiência conclusiva. O Benfica, de forma muito conturbada, conseguiu manter a diferença de 1 ponto para os rivais directos. Uma derrota começaria a complicar imenso a vida a Rui Vitória, que conseguiu vencer o Moreirense (uma das equipas que mais beneficiou com os últimos dias do mercado) com base na acumulação de jogadores em zonas de finalização, primorosamente servidos por Gaitán. Muitas dúvidas e sombras pairam sobre a Luz, o Dragão e Alvalade. 

Já o Sporting de Braga (também na ressaca de uma derrota) bateu por contundentes 4-0 o Boavista, com destaque para Vuckevic, autor dos dois primeiros golos, bem como para nova confirmação de que Juan Román pode mesmo ser uma das figuras do Campeonato, tendo mesmo relegado Rafa (chamado ao Mundial 2014) para o banco. De parabéns está o Tondela, já que os Beirões estrearam-se a vencer no máximo escalão do futebol nacional, com Kaká a dar a Paneira a primeira alegria na Liga. Vitória de Setúbal e Rio Ave empataram num desafio com 4 golos na parte final, pleno de incertezas e emoção (os Sadinos são a equipa que mais golos apontou, com André Claro e Suk em plano de evidência), tendo também havido uma igualdade num duelo entre o Paços e o Arouca, o qual coloca os homens de Lito Vidigal a dividirem a Liderança com Sporting e FC Porto. Finalmente, o Belenenses de Sá Pinto continua invicto numa época que já leva 7 encontros, tendo empatado com o Marítimo que ainda não sabe o que é vencer, à semelhança do Vitória de Guimarães (Evangelista começa a ter vida difícil no Minho) que não foi além do nulo frente ao União da Madeira. Segue-se uma paragem para compromissos de Selecções. Dentro de 2 semanas a emoção do nosso campeonato está de volta.

Equipa da semana: Tondela - Jornada histórica para o clube. Á terceira foi mesmo de vez e a equipa do Distrito de Viseu estreou-se a  vencer uma partida na Primeira Liga. Após terem deixado uma boa imagem frente ao Sporting (quando apenas perderam com uma grande penalidade nos descontos) e de terem perdido pela margem mínima no Bessa, os comandados de Paneira derrotaram o Nacional e ganharam um novo alento na luta pela manutenção, mesmo antes da primeira paragem na competição.

Equipa desilusão: Vitória de Guimarães - Apenas 2 pontos em 3 jornadas (mais a humilhação Europeia) é muito pouco. Os Vimaranenses continuam sem vencer sob orientação de Armando Evangelista, o que já está a causar forte contestação por parte da exigente massa adepta. Na Madeira, a equipa foi superior, criou oportunidades, mas ainda não conseguiu o desejado triunfo.

Melhor onze: André Moreira (União da Madeira); Maxi Pereira (FC Porto), Kaká (Tondela), Boly (Sporting Braga), Marcelo Goiano (Sporting Braga); Vukcevic (Sporting Braga), Nuno Valente (Arouca), João Mário (Sporting), Gaitán (Benfica), Brahimi (FC Porto), Crislan (Sporting Braga)

Jogador da Semana: Nikola Vukcevic (Sporting Braga) - O Montenegrino chegou ao Minho em 2013 mas, nas duas primeiras épocas em Braga, pouco jogou pela equipa principal, alinhando quase sempre pelo conjunto secundário. No entanto, esta época, o cenário parece ser diferente, já que o médio tem sido aposta de Paulo Fonseca e começa a responder à mesma, assinando dois golos frente ao Boavista que, certamente, serão um belo tónico para continuar a ter protagonismo neste renovado Sporting de Braga.

Jogador a seguir: André Moreira (União da Madeira) - Não é normal um guarda-redes sub-20 (ainda menos sendo português) ser titular na nossa I liga. Ora, o jogador emprestado pelo Atlético de Madrid ao Moreirense tem estado à altura das exigências, sendo mesmo o principal responsável pelo ponto conquistado pela sua equipa diante do Vitória de Guimarães, com um conjunto de belas defesas.

Jogador desilusão: Pizzi (Benfica) - De figura de destaque no último campeonato a primeiro elemento a sair quando é necessário dar a volta. O Português não tem estado a bom plano na equipa de Rui Vitória, sendo preterido pelo técnico quando as coisas começam a correr mal. O facto de, com ele em campo, a equipa não ter feito um único golo e, sem ele, ter apontado 7 tentos danificam a sua imagem. Para acentuar o mau início de época, mesmo sem nomes como William, Moutinho, André Gomes ou Tiago para o meio-campo, Fernando Santos não o chamou para a seleção.

Pedro Barata

Nesta altura parece evidente que o Benfica não conseguiu colocação para o sérvio e acabou por mantê-lo no plantel, mesmo que Rui Vitória pareça não querer contar com ele. Uma situação nada benéfica para o jogador, já que o esquema utilizado pelo novo timoneiro das águias continua a não contemplar a presença de um médio ofensivo e mais um ano a jogar pouco, apesar dos seus 23 anos, não é saudável para a sua carreira (veremos se o plano não passará por um empréstimo em janeiro).

O Benfica entregou a Lista A, que contém os jogadores inscritos para a Liga dos Campeões, à UEFA, entidade que rege o futebol a nível europeu. O reforço Bilal Ould-Chikh é a maior novidade, enquanto que o sérvio Djuricic ficou de fora dos eleitos. Lista completa dos 24 jogadores: Guarda-redes: Júlio César, Ederson e Paulo Lopes; Defesas: Nélson Semedo, André Almeida, Luisão, Lisandro, Jardel, Lindelöf, Eliseu e Sílvio; Médios: Samaris, Fejsa, Pizzi, Cristante, Talisca, Taarabt, Víctor Andrade, Carcela Bilal Ould-Chikh e Gaitán; Avançados: Jonas, Mitroglou e Raúl Jiménez.

O Vitória é neste momento antepenúltimo com apenas 2 pontos conquistados - Dezenas de adeptos do Vit. Guimarães marcaram, hoje, presença no treino da equipa pedindo a demissão de Armando Evangelista, técnico que substituiu Rui Vitória no comando da equipa do Berço.

Estádios lotados, emoções fortes, golos, e bons espetáculos de futebol. Ingredientes são o que não falta neste que é o caldeirão do principal escalão britânico. A todos eles junta-se o aroma das surpresas, tendo esta sido uma ronda recheada das mesmas. No derby londrino, o Crystal Palace, letal no contra-ataque, agravou a crise do Chelsea. A falta de ideias na construção e sub-rendimento de elementos outrora preponderantes conseguem ser menos preocupantes que a ausência de processos defensivos nos Blues que enfrentaram um conjunto personalizado e cada vez mais virado para o ataque. Mais a norte, começa a soar o alarme em Anfield. O Liverpool foi devorado pelo grande “case study” deste início de época. O West Ham, que só ganhou fora aos grandes, não encontrou problemas em ocupar todo o terreno e aproveitar uma tarde infeliz de Lovren. Já os Reds voltaram a mostrar problemas em ligar setores e imprimir maior intensidade. Quem também não saíu a rir foram os pupilos de Van Gaal, que não obstante a boa entrada e os bons momentos de circulação de bola, não deixaram de lado a inconsistência nas diferentes fases do jogo e foram superados por um Swansea muito bem organizado e a aproveitar qualquer espaço oferecido. Todavia, há ainda quem esteja em estado de graça e no Etihad mora uma equipa que conta por triunfos as partidas realizadas, tendo já alcançado a dezena de golos e mantendo inviolável a sua baliza. O vice-campeão City, reforça assim a candidatura ao título, mesmo que este tenha sido o encontro menos exuberante de todos. Contudo, o Watford nunca demonstrou argumentos para contrariar os Citizens e Sterling finalmente começa a perder a timidez, tendo sido essencial para quebrar a barreira montada por Quique Flores.

No restante da jornada, destaque para o triunfo de um Arsenal cada vez menos entusiasmante e cada vez mais pragmático em Newcastle. Reforçada ficou a necessidade de adquirir uma referência, tendo sido a expulsão prematura de Mitrovic um importante contributo. Mais emocionante foi o embate entre Stoke e West Brom, com os orientados de Tony Pulis a conquistarem os seus primeiros três pontos contra os Potters reduzidos a 9 desde bem cedo. Quem também se estreou a vencer foi o Southampton, contando com a inspiração dos seus avançados e a falta dela no lado do Norwich. O clássico entre Spurs e Toffees acabou empatado devido a um fantástico Howard. Igualados também ficaram os embates entre Villa e Sunderland, em mais uma partida movimentada e que levanta vários pontos de interrogação no que toca à manutenção, e entre Bournemouth e Leicester. O estilo mais expectante e de aposta no contragolpe em momentos-chave do jogo continuam a dar frutos aos Foxes, ao passo que os Cherries não deixam de estar a operar uma estreia muito positiva na Premeirship.

Onze Ideal: Howard (Everton), Cresswell (West Ham), Mbemba (Newcastle), Delaney (Crystal Palace), Tomkins (West Ham), Fernandinho (Manchester City), Ramsey (Arsenal), Sinclair (Aston Villa), Ayew (Swansea), Sako (Crystal Palace) e Gomis (Swansea)
MVP: Sako (Crystal Palace) - Perdido no Championship, o médio ofensivo francês foi uma das apostas fortes de Pardew para este novo ano. Se as primeiras jornadas já tinham sido promissoras, foi na casa do campeão que o jogador culminou um início de época em grande. Uma autêntica besta, que fazendo proveito das fragilidades defensivas do Chelsea, espalhou magia com a sua potência e velocidade, capitalizando uma exibição memorável com um golo e uma assistência, interferindo assim diretamente no marcador.
Jogador a Seguir: Mbemba (Newcastle) - Vários foram os nomes sonantes que aterraram em St. James Park neste defeso mas nenhum outro tem confirmado tanto as expectativas como o ex-Anderlecht. Esta semana, foi um muro na defesa e não se limitou a esse papel, tentando igualmente incorporar-se num ataque inerte durante quase toda a parte do encontro. Dos poucos destaques dos Magpies, que apesar de continuarem terríveis no ataque, viram McClaren melhorar muito daquilo que são os processos defensivos do histórico de Tine and Wear. Se mantiver o nível e demonstrar regularmente esta concentração, será certamente um caso sério no futuro.
Treinador da Jornada: Slaven Bilić (West Ham)
Melhor Jogo: Swansea vs Manchester United (2-1)
Outros Destaques: Wilson e Silva. O primeiro continua a ser sinónimo de pontos e junta-se a Mahrez e Gomis na lista de melhores marcadores (4), enquanto o segundo é o Rei das Assistências, registando a mesma marca e tendo também cimentado a posição nesta jornada; West Brom e Southampton. Somaram os seus primeiros três pontos, com a coesão defensiva dos Baggies e o trio ofensivo dos Saints em destaque; Pardew e Monk. Continuam a dar cartas, foram dos treinadores com melhor visão de mercado e neste início de campeonato, juntam aos resultados positivos o bom futebol, ocupando inclusivamente um lugar de Liga dos Campeões.
As Desilusões: O futebol dos quatro candidatos. À exceção do corrente líder, os grandes estão a deixar muito a desejar e algumas defesas insistem em meter água, com o Arsenal acabando como único sobrevivente; Newcastle e Stoke. Mesmo investindo elevadas quantias, são igualmente deceções até ao momento não somando qualquer triunfo, com Mitrovic e Afellay, dois dos nomes mais sonantes a chegarem, a serem expulsos de forma infantil e a desfalcarem os seus conjuntos para o resto das respetivas partidas nesta jornada; Wijnaldum, Firmino e Holebas. São outros dos reforços que estiveram igualmente apagados e dos quais já se esperava mais neste começo de temporada.
Menção Honrosa: Yannick Bolaise. Apenas alguns dias depois de perder o pai e de ter ido ao seu país para estar com a família, este fez questão de avisar a Pardew que estava pronto a regressar aos relvados e partilhou a vontade de estar envolvido naquilo que mais dava gosto ao seu progenitor. Este último, tinha por norma seguir todas as partidas do Palace no estádio. A verdade é que o irreverente congolês, na condição de suplente utilizado, foi um dos elementos mais importantes na ofensiva dos Eagles (carimbou uma assistência) que acabaram por somar os 3 pontos. O futebol ainda é um espaço importante na superação de momentos mais difíceis da vida. Nota ainda para os vários elogios dirigidos a Mourinho, que depois de ficar a saber o porquê do adversário ter jogado com faixas negras, procurou o avançado por Stamford Bridge e dirigiu-lhe as condolências.

Visão dos Leitores (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Awesome_Mark e Rúben Gomes

Em teoria, factores políticos ou religiosos deveriam estar afastados do futebol, mas em certos casos tal separação não é possível. Veremos como lidará Brahimi com esta situação, bem como o FC Porto que certamente quererá contar com um dos seus melhores jogadores na deslocação a Israel, uma partida situada a meio da fase de grupos e que poderá ter um peso determinante no apuramento para a fase seguinte da prova.


O jogo do FC Porto em Telavive está a causar alguma polémica na Argélia, uma vez que Brahimi é apoiante da causa palestiniana e como tal a imprensa exige que o jogador do FC Porto não alinhe na partida da Liga dos Campeões que irá opor os Dragões ao Maccabi, no próximo dia 4 de novembro. O jogador já reagiu nas redes sociais e afirmou o seguinte: "A decisão final cabe a mim e ao FC Porto. Estou atualmente com a minha seleção, para jogar uma partida importante de qualificação para a CAN 2017 e de momento estou focado nos meus objetivos".

Tem estado em destaque no Belenenses e, apesar da concorrência, surpreendeu não ter sido incluído na primeira convocatória - Fábio Sturgeon, do Belenenses, foi chamado por Rui Jorge para o lugar do lesionado Gonçalo Paciência, juntando-se assim à restante comitiva que está a preparar o primeiro jogo da fase de qualificação para o Europeu da categoria em 2017, marcado para o próximo dia 8, na Albânia.

Casillas deverá continuar a ser o dono da baliza, sendo que, caso De Gea não volte a jogar pelo Man Utd, será muito difícil estar no Europeu - Vicente Del Bosque, seleccionador espanhol, afirmou que, se De Gea não jogar, dificilmente será convocado. "Se houver necessidade falarei com ele, mas sei que encarará este episódio [transferência gorada para o Real Madrid] como qualquer outro. Quero que jogue e seja feliz, e que jogue bem para vir à seleção, mas se não jogar será muito difícil ser convocado", declarou o timoneiro da Roja.

Landa dá algum colorido à sua presença na Vuelta, Aru é o novo líder com 27 segundos de vantagem para Rodríguez, Dumoulin resiste, Froome fora da luta, Valverde e Quintana cedem - Na etapa rainha da Vuelta, Mikel Landa, da Astana (equipa que colocou 3 ciclistas no top-10) e que esteve numa fuga foi o grande vencedor da etapa. Na geral, Aru foi o mais forte e chegou à liderança, Moreno e Rodríguez perderam cerca de 40 segundos, Majka e Nieve 50 segundos e Dumoulin (mais uma etapa surpreendente do holandês, apesar de perder a camisola vermelha), Chaves e Valverde cerca de 1 minuto para o italiano. Por outro lado, Quintana perdeu ainda mais 20 segundos que o seu companheiro, num dia mau para a Movistar, Pozzovivo perdeu mais de 4 minutos para Aru e Froome teve um dia péssimo (caiu e perdeu 8'41'' para o vencedor da etapa) e está fora da discussão da prova. Por fim, destaque positivo para Nélson Oliveira que esteve na fuga do dia e terminou no 11º lugar, enquanto que Sérgio Paulinho abandonou devido a novo acidente com uma moto (Oleg Tinkov já ameaçou retirar a sua equipa da competição).

Começou a temporada, começaram as queixas sobre a arbitragem. Foras de jogo que passam em claro, grandes penalidades por marcar, golos com a mão, falta de critério disciplinar ou conivência com anti-jogo, são alguns dos ingredientes desta discussão recorrente ano após ano. O Sporting cedo emergiu como cliente número um do muro das lamentações, ainda mais porque as suas queixas assumem proporções não bíblicas, mas pelo menos internacionais. As arbitragens do duplo confronto com os russos do CSKA deixou marcas, não só morais (dado o passado dos dois emblemas), mas principalmente materiais. E não obstante a legitimidade das queixas, o facto é que aconteceram jogadas estranhas, sendo que numa um defesa russo cortou uma bola com a mão em pleno vôo, nas barbas do árbitro de baliza (parece claro que anatomia deve passar a ser disciplina obrigatória da sua formação), e noutra um golo foi anulado devido a uma bola que terá saído de campo, sem que fosse possível aferir da justeza da decisão. Ora, e até como se está a falar de uma competição onde estão envolvidas verbas significativas, o treinador do Sporting queixou-se, o presidente estrebuchou, insultou e acusou, montou-se o circo do costume. Conclusão? Nenhuma. Mas nem tudo foi mau, pois no meio do turbilhão regressou à baila a questão das tecnologias como meio auxiliar dos árbitros. E aqui entra um parêntesis: não deixa de ser interessante que a comunicação social, que acusa os dirigentes de contribuir para o mau ambiente no futebol com as suas constantes diatribes, dê mais ênfase aos refilanços facebookianos do que propriamente a estes aspectos mais construtivos. Mas adiante, no meio de todos os lamentos, o Sporting reforça a necessidade de implementar mecanismos tecnológicos que ajudem o árbitro, e a transparência das suas decisões. Claro que o dito videoárbitro foi de imediato desvalorizado pelo país do futebol, e a postura do Presidente do Sporting (quiçá, se a ideia fosse lançado por outro que não o Trauliteiro de Carvalho, até era coisa para fazer grandes parangonas e desencadear discursos elogiosos) até chegou a ser enxovalhada por alguns dos mensageiros de serviço. Ao não discutir méritos ou defeitos, preferindo antes denegrir e ridicularizar, só se pode concluir que um certo grupo de pessoas está satisfeito com o status quo, não vendo razão para mudar. E aqui é pertinente referir que esta aversão à mudança não é exclusivo nacional. Porém, e para além de Bruno de Carvalho, não apareceu ainda qualquer dirigente de peso a discutir seriamente esta questão, qualquer que seja a sua posição, sendo que a táctica adoptada é a do silêncio até que o assunto morra por si, ou seja engolido pela gritaria que envolve a arbitragem. O que não faz sentido é o porquê dos dirigentes, nacionais ou internacionais, se sentirem confortáveis com o facto da arbitragem de um jogo continuar totalmente dependente da falibilidade do ser humano, quando existe tecnologia que reduz essa falibilidade. A tecnologia, que está presente diariamente na nossa vida, é criada em primeira instância para facilitar a vida do ser humano, e para reduzir a probabilidade do erro, o tal chamado "erro humano". Essa máxima não se aplica ao futebol, no entanto, ao contrário de outros desportos, em que a sua presença se encaixa como algo de natural. Por exemplo, faria sentido um Mundial de atletismo sem cronometragem electrónica, photo-finish ou partidas controladas electronicamente? Na NBA, o recurso ao vídeo em determinadas jogadas (lançamentos em cima do apito, por exemplo) foi a resposta a uma série de erros arbitrais que colocavam em causa a confiança dos adeptos na legitimidade da competição, e ninguém se chateou com isso, nem os jogos passaram a ser menos emotivos. O futebol, não obstante gerar e gerir milhões de euros, e de adeptos, passa ao lado do progresso. Não parece que dinheiro seja motivo para não investir nesta área, nem parece que os adeptos se sintam felizes com os pitorescos erros de arbitragem que, muitos defendem, trazem indispensável sal ao jogo. Era bom que todos os agentes esclarecessem as suas posições perante o assunto, justificando o porquê de serem contra ou a favor. Para que finalmente possamos responder claramente à pergunta de um milhão. Ou de quatorze. Quem não quer tecnologia na arbitragem, e porquê.

Visão do Leitor (perceba melhor como pode colaborar com o VM aqui!): Nuno R.

O futebol não se faz de orçamentos, mas o dinheiro que cada clube tem para investir é cada vez mais decisivo nos resultados que consegue obter. Se a lógica imperasse, teríamos uma luta pelo título da Premier League entre Man City e Man United. Mas ninguém espera que o Newcastle termine no pódio ou que o Watford fique no top-5. Só a bola a rolar no relvado dá sucessos ou desilusões.

Com esta balança tão desequilibrada o City está "obrigado" a ser campeão, tendo em conta que o principal rival, o Chelsea, investiu menos de metade. O United foi o único que se aproximou dos gastos dos citizens, ultrapassando os 100 milhões de euros, mas também recebeu muito dinheiro em vendas, especialmente a de Di María. O Arsenal é o candidato ao título que praticamente não investiu (Wenger voltou a deixar a equipa com lacunas, sobretudo no ataque), ao passo que o Liverpool gastou praticamente a totalidade dos 88 milhões de libras em Firmino e Benteke. Destaque também para o Newcastle, que se reforçou com Mitrovic, Wijnaldum, Thauvin ou Mbemba e tem condições para fazer uma época tranquila, e para o West Ham, que deu muita matéria prima a Bilic. Na luta pela manutenção, os recém-promovidos Watford e Bournemouth estiveram bastante activos, sendo que, por norma, revolucionar o plantel não é a melhor maneira de garantir a permanência. Nota também para o Swansea que, investindo pouco, tem tudo para ser uma das sensações da temporada, e para o Southampton, que, como tem sido habitual, ficou com uma balança praticamente positiva entre gastos e receitas. Porém, a equipa de Koeman não tem entusiasmado e dificilmente repetirá os êxitos de anos anteriores. 

Longe vão os tempos de sucesso sob a batuta de José Mourinho, marcados pela hegemonia interna e pela conquista de uma Liga dos Campeões. O Inter mergulhou numa crise de resultados, entregou a equipa a vários treinadores, contratou inúmeros jogadores, mas, após 4 anos fora do top-4, os adeptos interistas parecem de novo entusiasmados com a sua equipa. O antigo tricampeão italiano Roberto Mancini terá a tarefa de voltar a trazer o Scudetto para Milão, embora o seu regresso à cidade onde foi feliz não esteja até ao momento a correr da melhor maneira: no ano passado, apesar de já ter entrado com a época a decorrer, não foi além de um mísero 8.º lugar. Para conseguir dar outra imagem o antigo futebolista pediu à direcção dos nerazzurri várias contratações e essas solicitações foram satisfeitas, sendo que a formação italiana esteve particularmente activa no fecho de mercado. E na teoria as soluções no elenco parecem ser suficientes para chegar ao título. A defesa ganhou um dos melhores centrais na Europa nos últimos 3 anos (Miranda), as laterais a velocidade de Montoya e Telles, o meio campo a força de Kondogbia, e o ataque a técnica de Perisic, Ljajic e principalmente Jovetic. A tudo isto junta-se a presença de um guardião de Top como Handanovic e um dos potenciais melhores «9» do Mundo, o argentino Mauro Icardi. No fundo, o Inter é mesmo, juntamente com a Roma, a equipa mais capacitada para quebrar a hegemonia da Juventus, a dúvida parece estar na capacidade de Mancini em aproveitar todos estes recursos.

GR: Samir Handanovic, Carrizo, Berni – Apesar de alguma irregularidade que o impede de ser um dos melhores guarda-redes da Europa, Handanovic é, sem dúvida, uma opção bastante válida para a baliza e manterá o seu lugar no 11. Carrizo manter-se-á como eventual alternativa e o veterano Berni será apenas uma opção de último recurso. Diga-se ainda que o promissor Bardi foi cedido ao Espanyol.
DD: Santon, D’Ambrosio, Montoya (Barcelona) - O antigo lateral do Torino era demasiado curto para o 11, pelo que, numa bela operação de charme, o Inter garantiu o empréstimo de Montoya. Tapado no Barcelona por um super Daniel Alves, o espanhol tentará, aos 24 anos, relançar a carreira em Milão. D’Ambrosio será uma das alternativas, oferecendo ainda o plus de poder actuar também do lado esquerdo da defesa, tal como Santon que, caso não tenha lesões, até deve ser a primeira opção para o 11.
DC: Miranda (Atlético Madrid), Ranocchia, Murillo (Granada), Juan Jesus, Vidic – No eixo defensivo, Thohir investiu forte e ofereceu dois sul-americanos neste defeso a Mancini. Ambos titulares na última Copa América, Murillo (jogador revelação da referida competição) e Miranda partirão em vantagem na luta pela titularidade, sendo que, caso Mancini opte por um sistema que contemple três centrais, Juan Jesus também poderá ocupar um desses lugares. Por outro lado, é necessário contar ainda com a dupla de centrais titular na época passada. Vidic, apesar de alguma veterania, continua a acrescentar a sua qualidade, enquanto que Ranocchia continuará a ser uma opção muito válida, até por ser um dos líderes do plantel e o capitão de equipa.
DE: Alex Telles (Galatasaray), Dodô, Nagatomo – Na lateral esquerda, Alex Telles foi garantido no fecho do mercado e deve ter lugar cativo, numa posição onde o adaptado Juan Jesus vinha sendo o titular. Por outro lado, Santon, que desempenha com idêntica qualidade ambas as laterais deve ser a alternativa, enquanto que D'Ambrosio, tal como Juan, também pode desempenhar esta missão. Por fim, Nagatomo esteve para sair e tal como Dodô deve ter poucas oportunidades.
MDF: Gary Medel, Felipe Melo (Galatasaray) – Na posição 6, o "Pitbull" deve ser a primeira opção, reaparecendo na nova época revigorado após a conquista da Copa América e podendo oferecer a habitual agressividade, capacidade de marcação e rigor táctico. Como alternativa surge Felipe Melo, outro jogador pescado no Galatasaray e que regressa agora a Itália para concorrer por um lugar no meio-campo, acrescentando a sua experiência e tendo um perfil semelhante a Medel,apesar de ser um elemento com mais dimensão ofensiva.
MC: Kondogbia (Mónaco), Guarín, Brozovic, Gnoukouri – Apesar da saída de Kovacic, que até era utilizado por vezes a pivot defensivo, o sector intermediário está muito bem composto. Kondogbia, reforço mais caro dos interistas, acrescentará a sua capacidade física e qualidade no transporte de bola, podendo inclusive ser útil na posição de médio mais defensivo se for necessário. Já Brozovic (médio muito completo) pegou de estaca no meio-campo desde que aterrou no Giuseppe Meazza,  mas em face da concorrência até pode perder o lugar. Por outro lado, Guarín, um dos preferidos de Mancini, deve fazer parte do quarteto de meio-campo, sendo um dos melhores médios do futebol europeu. O colombiano garante, força, transporte de bola e remate, algo que até lhe pode permitir actuar no vértice mais ofensivo do losango. Por fim, o jovem Gnoukouri tentará afirmar-se esta temporada e certamente que terá direito a muitos minutos.
MO: Perisic (Wolfsburgo), Ljajic (Roma) - Na zona mais adiantada do meio-campo, duas novas coqueluches para Mancini explorar. Hernanes saiu para a rival Juventus, mas os nerazzurri colmataram muito bem essa saída, que se soma à de Kovacic, outro jogador que podia fazer o lugar. Perisic, jogador enamorado pela formação italiana durante todo o defeso, foi garantido na recta final e, apesar de não ter um grande papel no Wolfsburgo, tudo indica que no Inter seja a primeira opção do treinador para ligar o meio-campo com o ataque. O croata, com a sua técnica, velocidade, capacidade no um contra um e poder de finalização irá ser uma mais valia clara para a equipa, tendo ainda a facilidade de poder actuar nas alas e permitir uma variação de sistema. Características idênticas possui Ljajic, um médio ofensivo de grande qualidade técnica, criativo e muito forte nas bolas paradas, que acabou por ser cedido pela Roma, numa política habitual em solo italiano. O sérvio tem contra si a sua irregularidade, mas tem grande qualidade e é necessário ainda realçar que também já está perfeitamente identificado com a liga italiana. Por fim, Guarín pode igualmente desempenhar esta função com distinção.
AV: Mauro Icardi, Rodrigo Palacio, Jovetic (Man City), Biabiany (Parma) – No ataque mora o melhor marcador da última Serie A. Icardi é um dos avançados sub-23 com maior qualidade no futebol europeu, podendo mesmo chegar ao patamar dos melhores a curto prazo. Por outro lado, Palacio poderá formar novamente dupla com o seu compatriota, embora a chegada de um elemento como Jovetic vá acrescentar outra homogeneidade e qualidade ao sector, sendo provável que roube a titularidade a Palacio. O montenegrino, que já começou a decidir, estava tapado no Ettihad e como tal poderá aproveitar este regresso ao campeonato que o lançou na alta roda do futebol europeu, tornando-se no complemento perfeito do ponta de lança nascido em Rosário. Por fim, Biabiany deverá ser uma opção de recurso e que até pode permitir a Mancini dar outra largura ao ataque, tendo o francês a vantagem de estar habituado ao campeonato e podendo acrescentar a sua grande velocidade.

Saídas: Bardi, Andreolli, Mbaye, Felipe, Campagnaro, Jonathan, Khrin, Joel Obi, Kovacic, Kuzmanovic, Schelotto, Taider, Hernanes, Shaqiri, Daniel Bessa, Laxalt, Botta, Samuele Longo.
Entradas: Montoya, Miranda, Murillo, Alex Telles, Felipe Melo, Kondogbia, Ljajic, Perisic, Biabiany, Jovetic.

Visão do Leitor: Rodrigo Ferreira

Menos um potencial "novo Jonas" e este PAOK, depois de um mau arranque na Liga, estava a necessitar de um novo "estímulo".

O avançado búlgaro Dimitar Berbatov, um dos nomes mais cotados entre os jogadores livres, vinculou-se hoje ao PAOK, da Grécia, o principal opositor do Olympiacos de Marco Silva na luta pelo título. Berbatov, de 34 anos, nas últimas época e meia representou o Mónaco, onde marcou 18 golos em 53 jogos.

O extremo tinha rescindido contrato nos últimos dias de mercado, passando, assim, a ser um jogador livre - O Arouca anunciou a contratação do extremo Zequinha, que alinhava no Vitória de Setúbal, um dia após o fecho do mercado de transferências. O internacional sub-20 português marcou 4 golos na última época.

Concorrência para Edgar Ié - Daniele Bonera, que estava sem clube, depois de ter terminado o seu contrato com o AC Milan, assinou pelo Villarreal, da La Liga. O central, de 34 anos, estava nos rossoneri deste 2006 mas nunca foi um indiscutível.

Wenger e Mourinho não foram particularmente felizes nos últimos dias do Defeso - De acordo com a imprensa italiana, além de Cavani e Kokorin o Arsenal tentou a contratação de Simone Zaza, mas a Juventus não aceitou vender o avançado por menos de 30 milhões de euros.

1 de setembro de 2015

Transparência. Um bom o exemplo para os outros clubes (o Sporting também adoptou esta política nos últimos anos). Nota para o brutal negócio que foi a venda de Aderlan (incrível como vale quase 10 ME) e os negócios a custo zero de Niguez e Wilson.

O SC Braga anunciou os valores de todas as transferências que protagonizou neste Defeso, ao todo entre compras e vendas os minhotos lucraram 16,3 milhões de euros. No total as saídas de Zé Luiz (6,5 M), Micael (2,6), Eder (6,7), Aderlan (9,5), Pardo (2,5), Sasso (135 mil euros) e Danilo (250 mil) resultaram num bolo de 28,1 ME, sendo que desta quantia, devido às percentagens dos passes, o conjunto de Fonseca recebeu 20,1 M. No que diz respeito às contratações, o clube minhoto afirma ter gasto quase 3,8 milhões (3,797 milhões), com destaque para os 750 mil euros pagos por 50 por cento do passe do jovem médio brasileiro Alef, 700 mil euros por 50 por cento do passe do avançado Hassan e 600 mil euros também por metade do passe do avançado brasileiro Crislan. Wilson Eduardo chegou a custo zero do Sporting, mas os ‘leões’ ficaram com 45 por cento do passe do jogador, enquanto Rui Fonte foi emprestado pelo Benfica, mas o Sporting de Braga ficou com 20 por cento de uma futura venda do avançado.

Watford deu 15 reforços a Quique Flores; Mourinho, que falhou Stones e levou duas negas por Marquinhos, contratou mais um central, mas só o vai orientar em 2016-17; Spurs libertam 2 velocistas; Bilic investe mais 10 ME.

A Premier League só fechou as inscrições um dia depois dos principais campeonatos europeus mas, ao contrário do que se previa, não criou um tumulto. O Arsenal supostamente ainda tentou Cavani e Kokorin mas terminou o Defeso sem contratar um «9», também não chegou um central de Top ao Chelsea e o WBA bloqueou a saída de Berahino para o Tottenham a troco de 25 ME, uma situação que promete dar que falar já que o avançado ameaça não jogar. 

Últimas transferências:
- O Chelsea garantiu a contratação do central Michael Hector, do Reading, a troco de 5,4 milhões de euros. No entanto, o defesa, de 23 anos, internacional pela Jamaica, vai continuar mais um ano no emblema do Championship na condição de emprestado;
- Ibarbo e Oulare foram oficializados pelo Watford. O extremo/avançado colombiano chega por empréstimo da Roma, já pelo ponta-de-lança belga, de 19 anos e 1m94, que na última época explodiu no Club Brugge os Hornets pagaram 8 ME;
- Lescott vai ser o companheiro (ou rival) de Tiago Ilori no Aston Villa; Os Villans pagaram 3 milhões ao WBA pelo central inglês;
- Aaron Lennon vai continuar em definitivo no Everton. O extremo já tinha sido emprestado ao clube de Liverpool pelo Tottenham na 2.ª metade de 2014-15 mas agora os Toffees garantiram a sua contratação a troco de 6 Milhões de euros;
- Quem também saiu dos Spurs, mas por empréstimo, foi o lateral direito DeAndre Yedlin, que vai jogar esta época no Sunderland;
- Já o West Ham pagou 10 milhões ao Nottingham Forest pelo extremo Michail Antonio e emprestou o avançado Matt Jarvis ao Norwich;

Rio Ave, Paços de Ferreira, Deportivo, Rennes, Swansea e agora uma II Liga. Não está fácil a afirmação do avançado que brilhou no Mundial sub-20 em 2011 e marcou presença no Euro'2012. E desta vez já nem se pode dizer que é devido a uma incompatibilidade com Jesus.

Nélson Oliveira foi emprestado pelo Benfica ao Nottingham Forest por uma temporada, anunciou a BTV. O avançado, de 24 anos, regressa ao futebol inglês, depois de na época passada ter estado no Swansea, mas agora para disputar o Championship.

É por larga margem o defesa sub-23 português mais talentoso e, considerando que Carvalho, Pepe, Bruno Alves e Fonte já estão nos 30, tem tudo para ser um dos pilares da selecção nacional nos próximos anos, mas precisa de jogar. Nos Villans vai ter um bom teste, já que a concorrência de Lescott, Micah Richards e Clark não intimida. Mas mesmo assim fica a ideia que o ex-Sporting, com a sua velocidade e técnica individual, tinha mais facilidade em se impor numa equipa que lute pelo título em Portugal, França ou Espanha do que num clube que luta para não descer.

Granada, Bordéus e agora o Aston Villa. O central Tiago Ilori foi emprestado pelo Liverpool aos Villans até final da época. O emblema de Birmingham pagou 1,4 milhões de euros pela cedência e fica com uma opção de compra de 10 ME. O português, que estava tapado no conjunto de Rodgers por Lovren, Sakho e Skrtel, vai ter assim a oportunidade de se exibir na Premier League (o Sunderland também pretendia contar com o seu concurso).

Em termos de talento puro é talvez o 2.º melhor extremo do plantel encarnado. Mas, por uma questão de feitio, ou formação, nunca demonstrou ter os índices competitivos necessários para ser uma verdadeira opção. Mesmo assim é surpreendente que o seu destino seja um II escalão (sendo certo que o Championship é um dos campeonatos mais ricos da Europa) e que o campeão nacional o tenha libertado neste contexto: foi titular em 3 dos 4 jogos oficiais e com Salvio indisponível podia finalmente afirmar-se.

Ola John vai jogar esta época no Reading, do Championship, por empréstimo do Benfica. O extremo holandês, de 23 anos, até foi titular nos 3 primeiros jogos das águias em 2015-16 mas já sabia que não ia integrar o plantel final de Rui Vitória.

Há um ano, por esta altura, o Benfica fez a melhor contratação do defeso. Jonas estava sem clube, depois de ter saído do Valência, e chegou à Luz a custo zero, tornando-se absolutamente decisivo na conquista do bicampeonato. Em Portugal, o mercado já fechou e não é possível realizar transferências, mas os clubes ainda podem contratar jogadores que estejam livres. Quem sabe se, à semelhança do ano passado, não aparece um craque. O Visão de Mercado dá uma ajuda e apresenta alguns elementos que podem interessar aos emblemas portugueses: 

Gourcuff - Em tempos chegou a ser apelidado de "novo Zidane", o que diz bem da qualidade que ia demonstrando ao serviço do Bordéus. A transferência para o Lyon não correu particularmente bem, com o jogador a ter dificuldades em impor-se (as lesões não ajudaram) e a perder todo o protagonismo. Mas o talento do médio de 29 anos não desapareceu, e a sua capacidade de passe e de remate ainda podem fazer a diferença em muitos clubes. Chegou a ser associado ao Porto neste defeso.  
Franco Jara - Tem o instinto e a agressividade positiva que caracterizam os bons avançados argentinos, mas falta-lhe o mais importante: a tomada de decisão. É um jogador que deve bastante à inteligência, não conseguindo utilizar da melhor forma o talento que tem com a bola nos pés. Ainda assim, o ex-Benfica, que rescindiu com o Olympiacos, seria garantia de golos num clube do nosso campeonato que não tenha obrigação de lutar pelo título.
Ron Vlaar - Foi um dos melhores centrais do último Mundial, mas depois não deu sequência ao serviço do Aston Villa. Aliás. nunca fez uma carreira brilhante ao nível dos clubes, apesar de ter qualidades interessantes, que o fariam certamente ser uma peça importante no nosso campeonato. Um jogador experiente, imponente nos duelos físicos, com bom timing de corte e capacidade de desequilibrar nas bolas paradas. O facto de estar lesionado tirou-lhe mercado.
Samaras - Aos 30 anos, é um dos jogadores sem clube mais apetecíveis e tem condições para ser uma figura no nosso campeonato. Um extremo/avançado que se dá muito ao jogo, com qualidade técnica, velocidade e capacidade física. Depois de rescindir com o Al Hilal, esteve perto de assinar pela Sampdoria, mas o negócio não se concretizou. 
Juan Manuel Torres - Um médio argentino que se destacou ao serviço do Metalist Kharkiv, mas que nunca conseguiu dar o salto para uma das principais ligas europeias. Tem bom toque de bola e uma excelente visão de jogo, sendo que não é propriamente um jogador intenso nas tarefas defensivas.
Ilsinho - Aos 29 anos, seria uma solução bastante interessante para os emblemas portugueses. Um jogador internacional brasileiro, habituado a representar bons clubes (o último foi o Shakhtar) e que, pelas suas características, seria uma mais valia indiscutível. Tem o perfil habitualmente exigido pelos "grandes", demonstrando facilidade em fazer todo o flanco direito (pode ser lateral ou médio).
Nuno André Coelho - Está fora de questão para os principais clubes do campeonato português, depois de passagens pouco felizes por Sporting e FC Porto, mas ainda conseguiu ter um papel de destaque no Sporting de Braga e pode ser um reforço de grande utilidade para clubes com objectivos mais modestos. Depois de rescindir com o Balikesirspor, veria com bons olhos um regresso ao seu país.
Schelotto - Desta lista, é o jogador com mais possibilidades de rumar a Portugal. Foi apontado ao Sporting e agora o Benfica terá entrado na corrida pelo italo-argentino. Está longe de ser um craque, mas é um jogador rápido e com facilidade em criar desequilíbrios, podendo jogar em qualquer posição no apoio ao avançado (embora actue preferencialmente do lado direito). Desvinculou-se do Inter e o próximo destino pode mesmo ser o campeonato nacional. 
Bruno Teles - Quando esteve em Portugal, ao serviço do Vitória de Guimarães, era um dos melhores laterais-esquerdos do campeonato. A mudança para a Rússia não lhe trouxe grandes benefícios (pelo menos desportivamente), sendo que, aos 29 anos, ainda mantém as principais qualidades intactas. Um jogador com grande propensão ofensiva e exímio marcador de bolas paradas. 


Os leões pretendiam mais um extremo, mas não conseguiram colmatar essa lacuna neste fecho de mercado. Cervi, que já tinha sido associado ao clube leonino há alguns meses, é um extremo irreverente, com um perfil semelhante a Gaitán, embora com menos técnica, mas muito vertical, com grande poder de aceleração e que, apesar de ter preferência pela ala esquerda, actua em ambos os flancos. Caso se confirme, ultrapassará Teófilo Gutiérrez na lista dos jogadores mais caros da era Bruno de Carvalho.

Franco Cervi, extremo argentino de 21 anos do Rosário Central, da Argentina, continua na mira do Sporting. Os leões parecem disponíveis para investir 3,8 milhões de euros por 80% do passe do jogador, que também tinha sido associado ao Benfica, de maneira a garantir o seu concurso a partir de Janeiro.

Central alto e de muita qualidade, que deverá fazer dupla com o internacional português no eixo da defesa de Koeman - Virgil Van Dijk, central holandês de 24 anos, é oficialmente reforço do Southampton. Pelo defesa do Celtic, os Saints investiram cerca de 15 milhões de euros.

O valor pago pelo francês, apesar do enorme potencial que apresenta, é exagerado, mas não deixa de ser surpreendente esta falta de conhecimento por parte do capitão do United. 

A transferência de Anthony Martial do Mónaco para o Man Utd por 50 milhões de euros (que podem ser 80) apanhou o mundo de surpresa, ao ponto de Wayne Rooney, capitão dos Red Devils, ter questionado Schneiderlin, compatriota da jovem pérola, sobre a sua qualidade "No domingo, quando estávamos no avião, o Rooney veio perguntar-me quem era o Martial porque tinham começado a sair notícias sobre ele na comunicação social inglesa. Disse-lhe que se tratava de um grande jogador, com enorme potencial, que tinha feito excelentes jogos pelo Monaco, forte fisica e tecnicamente, um pouco à imagem de Thierry Henry". O antigo jogador do Southampton deixou ainda um conselho a Martial: "Quanto ao valor da transferência [pode chegar aos 80 milhões de euros], o melhor que ele tem a fazer é não ligar a isso. A imprensa vai falar muito desse tema e exigir que ele marque muitos golos, mas ele tem é de se manter concentrado nas suas capacidades e jogar como sabe fazer. Não se pode deixar 'paralisar' por isso.".

Concorda?

O diretor desportivo do Borussia Dortmund, Hans Joachim Watzke, sugeriu hoje a antecipação do fecho do mercado de transferências de futebolistas para o início da época. “É algo que me irrita imenso. Temos de fechar o período de contratações a 01 de agosto. O que acontece agora é que os clubes grandes e ricos chegam a 30 e 31 de agosto com 20, 30, 40 ou 50 milhões de euros (ME) e mudam tudo. Perante isso, um treinador pergunta para que fazer uma pré-temporada se depois perde quatro jogadores e recebe quatro novos”, afirmou Watzke, ao diário alemão Bild. A proposta de Watzke surge um dia depois do fim do ‘mercado’ de verão, no qual o Dortmund nem esteve muito ativo, nem aparenta ter sido prejudicado com saídas de última hora, mas mereceu o apoio de outros clubes alemães, como Hertha Berlim e Borussia Mönchengladbach. Pelo contrário, o Wolfsburgo, que vendeu Kevin de Bruyne ao Manchester City por 75 ME e Ivan Perisic ao Inter Milão por 18 ME e contratou Julian Draxler ao Schalke 04 por 35 ME, não parece entusiasmado com a proposta de Watzke. “Nos últimos anos, todos estavam satisfeitos com o período de transferências. Desta vez ocorreram coisas espetaculares perto do fim, mas não tem de ser sempre assim”, referiu o treinador do Wolfsburgo, Dieter Hecking. Fonte: Agência Lusa

Bilic aumentou bastante a qualidade do elenco com as contratações de Song (Barcelona), Jelavic (Hull) e... Victor Moses - O extremo foi oficialmente emprestado pelo Chelsea ao West Ham. Numa primeira fase Mourinho ainda considerou manter o internacional nigeriano no plantel desta época mas os desaires iniciais a juntar à contratação de Pedro tiraram espaço ao jogador que na última temporada tinha sido cedido ao Stoke.

A alternativa a Diogo Salomão, que acabou por ficar no Sporting depois de numa 1.ª fase os galegos terem anunciado um acordo - Jonas Gutierrrez, que superou um cancro e foi decisivo na manutenção do Newcastle na Premier League, vai jogar no Deportivo. O internacional argentino, de 32 anos, apesar do impacto que teve tinha sido dispensado pelos Magpies.

O mercado dos centrais inflacionou muito nos últimos anos. Mori é um defesa forte fisicamente, com boa capacidade no jogo aéreo (em ambas as áreas), agressivo e que cresceu muito nos últimos tempos, mas com pouca qualidade técnica e que ainda não fez o suficiente (apesar do impacto de ter vencido a Libertadores) para justificar estes valores. Veremos como se adapta à Premier League, sendo que tem um perfil semelhante ao clássico defesa britânico, e se a sua contratação permite a Mourinho receber o defesa que deseja.

Não esteve fácil, mas o Everton oficializou finalmente Ramiro Funes Mori, central que chega do River Plate a troco de 13 milhões de euros. 

Foi apontado (ou oferecido) a diversos clubes mas continua em Upton Park - Alex Song foi novamente emprestado pelo Barcelona ao West Ham. A ideia dos catalães era libertarem o médio defensivo em definitivo, mas nenhum clube se mostrou interessado em pagar pelo internacional camaronês.

Há uns anos era um dos jogadores mais falados da formação do Benfica, chegou mesmo a ser um dos destaques do campeonato suíço - Ishmael Yartey está de regresso a Portugal para representar o Gil Vicente, da II Liga. O extremo ganês, de 25 anos, que passou pela formação do Benfica e ganhou destaque ao serviço Servette, representava atualmente os Portland Timbers, da Major League Soccer (MLS).

A não ser que algum clube inglês leve o Argentino (o mercado em Terras de Sua Majestade só fecha amanhã às 6 da tarde), a permanência de Gaitán é a melhor notícia que Rui Vitória poderia ter. Como se tem visto neste início de temporada, é o melhor jogador do nosso campeonato, o que faz mais a diferença, e com ele em campo, mesmo que a equipa não funcione da melhor forma, os Encarnados estão sempre mais perto de vencer as partidas.

Muito se falou ao longo do defeso (como sempre sucede desde que o ex-Boca Juniors está em Portugal), mas Nico Gaitán deve mesmo continuar ao serviço do Benfica. As inscrições já fecharam nos principais países da Europa, com excepção para Inglaterra, e o craque deverá, assim, continuar no nosso campeonato.

De dado como certo por alguma imprensa até ser real vai uma enorme diferença - A Liga publicou, por volta da 1h30m, a última atualização dos plantéis, e nela não constava o nome de Siqueira, defesa Brasileiro que muito foi ligado ao Benfica (e mesmo ao FC Porto) nos últimos dias. Assim, o canhoto continuará ao serviço do Atlético de Madrid.

Leões não conseguiram colocação para diversos elementos e acabam por inscreve-los na Liga. Veremos como será o seu futuro próximo, sendo de prever que a equipa B dos Leões volte a apresentar vários elementos "fora do prazo" para aquilo que deveria ser a norma nos conjuntos secundários - O Sporting inscreveu na Liga Labyad, Valentin Viola, Edelino Ié, Salim Cissé e Diogo Salomão, cujo negócio com o Deportivo foi cancelado depois do extremo ter sido anunciado pelo emblema da La Liga.